Estado de São Paulo Transparência ALESP
20/03/2017 18:09

Conselho deve investigar legalidade em contrato de aluguel

Da assessoria do deputado Raul Marcelo


Raul Marcelo (PSOL) solicitou, no dia 17/3, que o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Assembleia Legislativa instaure investigação para apurar eventual quebra de decoro parlamentar envolvendo o novo presidente da Alesp, Cauê Macris (PSDB).

Reportagem do jornal Folha de S. Paulo publicada, no dia 15/3, traz a informação de que o deputado utiliza verba de gabinete para custear uma "república" para três de seus assessores. Os funcionários são de Americana, reduto eleitoral de Macris, e trabalham na capital durante a semana, quando moram no apartamento pago pela Assembleia Legislativa.

Ainda segundo a matéria, além de moradia, eles recebem os salários relativos aos cargos comissionados que ocupam nos valores de R$ 11.152, R$ 7.182 e R$ 2.944 e demais benefícios. O preço do aluguel e do condomínio é de R$ 2.656,50, segundo a prestação de contas de Macris, disponível no site (www.al.sp.gov.br) da Assembleia. De 2012, quando o tucano estava no primeiro mandato, até hoje, o Parlamento já desembolsou para o aluguel da "república" R$ 174,7 mil.

"Ressalte-se que, segundo a reportagem, o imóvel é utilizado para fins estritamente residenciais, servindo de moradia para os assessores parlamentares de Macris", explica Raul Marcelo, indicando a irregularidade.

raul@raulmarcelo.com.br