DECRETO N. 9.775, DE 30 DE NOVEMBRO DE 1938

Fixa o novo quadro de divisão territorial do Estado, que vigorará de 1.º de janeiro de 1939 a 31 de dezembro de 1943, e dá outras providências.

O SENHOR DOUTOR ADHEMAR PEREIRA DE BARROS, Interventor Federal no Estado de São Paulo, usando de suas atribuições, e

- considerando que o decreto-lei federal n.311, de 2 de março, dêste ano, que dispõe sobre a divisão territorial do País, estabeleceu que sómente por leis gerais quinquenais poderá ser modificado o quadro territorial - administrativo e judiciário - de qualquer unidade da Federação, tanto na delimitação e categoria dos seus elementos, quanto na respectiva toponimia;
- considerando que, pelo decreto-lei federal número 522, de 28 de junho último, foi prorrogado até 31 de dezembro próximo o prazo concedido aos governos dos Estados para fixar, de acôrdo com as instruções baixadas pelo Conselho Nacional de Geografia, em primeira lei quinquenal, o novo quadro territorial respectivo;
- considerando, entretanto, que o Conselho Nacional de Estatística, em sua resolução número 108, de 19 de julho último, sugeriu normas para a fixação da nova divisão territorial, encarecendo a expedição da lei estadual, prevista no parág. 1.º do artigo 16.º, do decreto-lei numero 311, até 30 de novembro, afim de ser possibilitado o preenchimento das formalidades e providências indispensáveis à efetiva e solene inauguração do novo quadro territorial no dia 1.º de janeiro de 1939;
- considerando que, pelo decreto-lei estadual número 9596, de 28 de setembro dêste ano, foram adotadas as referidas normas sugeridas pelo Conselho Nacional de Estatística;
- considerando, também , que os decretos estaduais números 9073 e 9097, respectivamente de 31 de março e 12 de abril do corrente ano, dando execução ao decreto-lei número 311, determinaram a constituição de uma comissão especial para elaborar o novo quadro territorial, e que essa Comissão, desincumbindo-se do encargo, forneceu elementos seguros ao Govêrno para resolver o assunto;
- considerando, ainda, que a efetiva instalação do novo quadro territorial do Estado, ora fixado, exige multiplas medidas administrativas, e que essa instalação será parte integrante de um notável acontecimento nacional, porquanto no dia 1.º de janeiro de 1939 entrarão em vigor em todas as unidades federadas os novos quadros de divisão territorial, constituindo-se a data uma importantíssima efemeride nacional, que cumpre ser enaltecida por cerimonias públicas solenes;
- considerando, finalmente, a conveniência de serem adotadas as sugestões formuladas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, no sentido de que a legislação relativa à divisão territorial obedeça a normas uniformes em toda a República, na forma pactuada na Convenção Nacional de Estatística e dentro do espírito sistematizador do decreto-lei número 311,

Decreta:

Artigo 1.º - A divisão territorial do Estado que vigorará de 1.º de janeiro de 1939 a 31 de dezembro de 1943, é a fixada neste decreto-lei.
Artigo 2.º - A referida divisão territorial, dentro do prazo de cinco anos, não sofrerá qualquer modificação, não se entendendo como tal, porém, os atos interpretativos de linhas divisórias que vierem a se tornar necessários.

§ 1.º - Constituem as únicas exceções à inalterabilidade do quadro de divisão territorial fixado por êste decreto-lei:
a) a anexação de um município a outro, motivada pelo fato do respectivo govêrno não haver apresentado o mapa do seu território, na forma do artigo 13.º do decreto-lei federal numero 311, de 2 de março de 1938;
b) a recondução de uma circunscrição à situação anterior, motivada pelo fato de não haver ela preenchido os requisitos legais  indispensáveis à sua efetiva instalação, a 1.º de janeiro próximo.

§ 2.º - A anexação ou declaração de caducidade das circunscrições não instaladas e sua conseqüente recondução à situação anterior, previstas no parágrafo 1.º dêste artigo, serão decretadas pelo Govêrno do Estado que, além de determinar uma ou outra das providências, fixará a data e as formalidades para a sua efetivação.

Artigo 3.º - O quadro de divisão territorial do Estado, para o período quinquenal referido no artigo 1.º dêste decreto-lei, compreende cento e vinte e seis Comarcas e têrmos, duzentos e setenta Municípios e quinhentos e oitenta e oito Distritos, considerados estas circunscrições primárias do território estadual para todos os fins da administração pública e da organização judiciária.

§ 1.º - Os nomes de todas as circunscrições administrativas e judiciárias, bem como as categorias das respectivas sédes, todas com a mesma denominação da própria circunscrição, serão as relacionadas, sistemática e ordenadamente, no quadro que constitue o anexo n.º 1 dêste decreto-lei.

§ 2.º - Em observância ao disposto no parágrafo 1.º do artigo 16.º do decreto-lei federal número 311 e de acordo com as instruções gerais baixadas pelo Conselho Nacional de Geografia (resolução número 2, do Diretório Central), em virtude do mesmo dispositivo, fica apenso a êste decreto-lei como parte integrante dêle, o anexo número 2, contendo a descrição sistemática dos limites circunscricionais, onde se define, para cada município o perímetro municipal e cada uma das divisas inter-distritais, quando houver.

Artigo 4.º - As autoridades estaduais e municipais competentes, sob pena de responsabilidade, tomarão as medidas administrativas apropriadas para que, em cada cidade (séde municipal), no dia 1.º de janeiro de 1939, em ato público solene, se declare efetivamente em vigôr o quadro territorial fixado neste decreto-lei, no que concernir:
a) - às circunscrições (distrito, município, termo e comarca) que tiveram séde na mesma cidade;
b) - aos demais distritos que integrarem o respectivo município.

§ 1.º - A solenidade prevista neste artigo será presidida:
a) - na Capital, pelo Presidente do Tribunal de Apelação;
b) - sendo a cidade sede de comarca, pelo Juiz de Direito;
c) - sendo a cidade sede de município sem foro, pelo Prefeito Municipal.

§ 2.º - Nas comarcas com mais de um Juiz de Direito a solenidade será presidida pelo Juiz de Direito, diretor do Fórum.

§ 3.º - No caso de impedimento eventual das autoridades referidas no § 1.º dêste artigo, a substituição délas se fará automaticamente na seguinte ordem:
a) - a do Presidente do Tribunal de Apelação pelo seu substituto legal;
b) - a do Prefeito Municipal pelo Secretário da Prefeitura Municipal, cabendo a substituição dêste, se também impedido,  a mais alta autoridade policial que se encontrar na cidade.

§ 4.º - A solenidade inaugural do novo quadro territorial, na parte que interessar a cada cidade do Estado, obedecerá ao ritual sugerido pelo Instituto Histórico Geográfico Brasileiro e aprovado pelo Conselho Nacional de Geografia (anexo n.3), passando a ter, pela simultaneidade e conformidade com as solenidades congêneres realizadas nas demais cidades brasileiras, a integral significação histórico-civico-nacionalista decorrente dos princípios fixados no decreto-lei federal número 311, de 2 de março de 1938, e formalmente assentado pelo acôrdo que, entre as unidades da Federação, promoveu o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

§ 5.º - Na data da solenidade realizada em cada séde municipal, a autoridade que a houver presidido enviará duas cópias autenticadas da ata do Diretório Regional de Geografia, com sede na Capital do Estado, destinando-se uma a figurar em arquivo próprio e a outra a ser enviada ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, com sede no Rio de Janeiro, cabendo, ainda, ao  Diretório Regional a obrigação de providenciar a publicação de todos as atas no órgão oficial do Estado.

Artigo 5.º - Nos termos do artigo 2.º, do decreto-lei federal numero 311, de 2 de março de 1938, todas as áreas municipais e distritais são contínuas, entendendo-se que a jurisdição se exerce em cada município ou distrito sobre toda a superfície abrangida pela descrição das diversas circunscricionais, não podendo haver, de acôrdo com o artigo 9.º, do mesmo decreto-lei federal, nenhum trecho ou parte do território do distrito ou do município submetido, a qualquer título, á jurisdição de outro.

Parágrafo único - As zonas distritais, os distritos policiais e quaisquer outras divisões de caráter administrativo ou judiciário que venham a criar-se dentro do estatuído pelo decreto-lei federal número 311, serão sempre delimitados, tendo-se em vista o disposto neste artigo.

Artigo 6.º - A não ser nos casos de zonas fronteiriças e nos de absoluta impossibilidade material, nenhuma divisa inter-municipal ou interdistrital será traçada a menos de três quilômetros de distância do perímetro urbano de cada cidade ou vila.
Artigo 7.º - O Departamento Geográfico e Geológico fará a demarcação de todas as áreas municipais.

Parágrafo único - Nas divisas traçadas por linhas rétas e onde se repute necessário, ficam as Prefeituras Municipais obrigadas a colocar marcos, cujo tipo, bem como a exata localização, serão determinados pelo Departamento Geográfico e Geológico.

Artigo 8.º - Os nomes dos acidentes geográficos e das propriedades agrícolas e industriais, fixados neste decreto-lei e uma vez registradas nas cartas topográficas do Estado, são definitivos, não podendo ser mudados a não ser por decreto especial do Govêrno.
Artigo 9.º - As dúvidas na interpretação do presente decreto-lei, em matéria de fixação de divisas, serão solucionadas pelo Departamento Geográfico e Geológico.
Artigo 10 - Continuam em vigôr, pelo tempo consignado das leis, atos ou resoluções municipais, as isenções e favores fiscais concedidos a empresas industrias ou agrícolas localizadas em territórios que, por força dêste decreto-lei, passarem para outros municípios.
Artigo 11 - Os escrivães dos cartórios de paz dos distritos transferidos de uma para outra circunscrição continuarão com funções de tabeliães, si já as exerciam anteriormente à fixação do nosso quadro territorial.
Artigo 12 - Êste decreto lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Palácio do Govêrno do Estado de São Paulo, aos 30 de novembro de 1938
ADHEMAR DE BARROS
Mariano de Oliveira Wendel
Cesar Lacerda de Vergueiro
A. C. de Salles Junior
Publicado na Secretario de Estado dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio, aos 30 de novembro de 1938.

ANEXO N.º 1

Quadro Geral da divisão territorial de São Paulo em comarcas, municípios e distritos.










ANEXO N.2
Discrimina todas as divisas dos Municípios e Distritos de paz do Estado de São Paulo.
Artigo 1.º - O território do Estado de São Paulo, parte integrante e indissolúvel da República dos Estados Unidos do Brasil, tem os seguintes limites:
COM O ESTADO DE MATO GROSSO: (linha do statu-quo, tacitamente aceita e em vigor há séculos).
Começam no Rio Paraná, onde faz barra o Rio Paranapanema, abaixo da Ilha da Barra, sobem pelo thalweg daquele e vai ate a confluência dos Rios Grande e Paranaíba, formadores do Rio Paraná;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS: lei estadual n. 2.694, de 3 de novembro de 1936 e lei federal n. 375, de 7 de janeiro de 1937:
"Começa na confluência do Rio Paranaiba e Rio Grande e sobe por este ate a foz do Rio Canoas. Neste longo trecho possue o Rio Grande numerosas linhas, umas do domínio particular, outras do domínio publico, não havendo nem podendo haver duvidas sobre a jurisdição a que estão submetidas, porque jurisdicionalmente pertencem ao Estado de cuja margem são adjacentes ou mais próximas. Da foz do Rio Canoas, no Rio Grande sobem por aquele ate a bifurcação de suas cabeceiras principais em frente ao Morro da Divisa, onde continua pelo espigão a procurar a cabeceira principal do Córrego do Boi pelo qual desce ate o Ribeirão São Tome e por este a alcançar a barra do Córrego Fundo. Sobe pelo Córrego Fundo e pela sua cabeceira mais meridional ate alcançar o divisor que deixa, a direita, as águas do Ribeirão Águas do Morro Redondo ou Capanema e Ribeirão da Mata, e a esquerda as do Ribeirão Capetinga, e Ribeirão das Pedras e por este divisor ate a cabeceira do Córrego do Frutal ou Estiva, pelo qual desce ate o Córrego das Pedras. Sobe por êste ate sua cabeceira principal e dai pelo espigão a ponta oriental do Morro Selado. Dai continua pelo divisor que deixa a direita as águas do Córrego Lageado ou Contendas e a esquerda as do Ribeirão Jacutinga e Córrego dos Coqueiros ate a cabeceira principal do Córrego Itambe. Desce pelo Córrego Itambe até a barra do Córrego do Macaco ou Mombuca, seu afluente da margem esquerda, subindo a seguir pelo Córrego do Macaco até sua cabeceira principal donde caminha pelo espigão transpondo-o até a cabeceira do Córrego Grotão. Desce pelo Córrego Grotão até o Ribeirão Santa Bárbara e sobe por este a barra do Córrego da Tulina. Dêste ponto e sobe por este a barra do Córrego da Tulina. Dêste ponto segue pelo espigão fronteiro, que deixa à direita as águas do Campo Limpo e Potreiro e á esquerda as do Ribeirão das Araras, ate o alto da Serra do Major Claudiano ou Vangloria; continua pelo espigão até o Morro das Araras, e deste por uma linha reta cortando o Ribeirão Esmeru no alto do Morro do Jaborandi e deste por nova reta ao Morro do Meio, donde continua, sempre em reta ao Morro da Rosca, e, depois, ao centro do Morro da Mesa e dai pelo espigão até o Morro do Baú. Continua pelo espigão até a Serra da Cobiça e prossegue pela cumiada desta serra ate atingir o contraforte chamados pelos moradores "Serra da Rocinha"; daí demanda a confluência dos Córregos Rocinha e Macaubas. Sóbe por êste até a sua cabeceira, e dai pelo espigão, transpondo até a cabeceira do Córrego da Cachoeira. Desce por êste até o Ribeirão Pomba Perna pelo qual sobe ate a barra do Córrego Angola e por êste ate a sua nascente. Desta segue por uma reta ate a cabeceira esquerda do Córrego da Olatra, no braço conhecido também pelo nome de Córrego do Job: desta cabeceira por nova reta, tangenciando os limites do Patrimônio da Fabrica de Santo Antonio ate alcançar o Rio Pinheirinho, entre o povoado e o Córrego do Poção. Sobe pelo Pinheiro até a barra do Ribeirão do Baú e por este a barra do Córrego Bauzinho, pelo qual continua a subir ate sua cabeceira, perto da qual se encontra o Cemitério Velho. Segue dai contornando pelo alto do espigão do Córrego da Dencia até o marco geodésico do Campo Redondo. Continua pela cumiada do espigão ate defrontar a cabeceira principal do Córrego Vicente Bento (primeiro afluente da margem direita do Córrego das Areias), descendo por êste até sua fóz no Córrego da Areias. Desce por êste ate sua barra no Ribeirão Canôas e sôbe por êste ate a fóz do Córrego Canomnas ou Igaral. Continuando, sóbe pelo Ribeirão Canôas ou Santa Bárbara ate a fóz do Córrego Capituva, primeiro afluente da margem esquerda. Dai pelo alto do espigão da margem direita do Córrego Capituva até o divisor, que deixa a direita as águas do Córrego Canoinhas e dos Forros e a esquerda as do Ribeirão das Canoas ou Santa Bárbara; segue pelo dito divisor até a Serra do Major Custodio e desce pela encosta da mesma até o Rio Guaxupe, defrontando uma grota situada cerca de trezentos metros acima da Estação Julio Tavares da Estrada de Ferro Mogiana. Sobe por esta grota e continua pelo divisor das águas entre os Córregos dos Macedos e Posses ate o divortium aquarum dos Rios Pardo e Sapucai-Guassu, dai prossegue pelo divortium aquarum até a cabeceira do Córrego dos Vieiras e descendo por êste e pelo Ribeirão São Mateus até a confluência do mesmo São Mateus e Ribeirão Bom Jesus. Sóbe pelo Ribeirão Bom Jesus até a barra do Ribeiro Campestre e por êste até sua cabeceira principal e dai ao alto do Morro das Corujas, Em seguida pelo espigão do mesmo Morro das Corujas até a cabeceira do Palmital que deságua no Ribeirão Santa Barbara logo acima da barra do Contendas. Desce pelo Palmital até sua foz no Ribeirão Santa Barbara. Prossegue pelo espigão fronteiro da margem direita do Córrego das Contendas ate o espigão divisor do Rio Pardo e Ribeirão Bom Jesus; e por êste espigão se o alto da Serra da Faisqueira. Dai continua pela cumiada desta serra ou espigão, dividindo as águas dos Córregos Palmeiral e Faisqueira, e pelo espigão até a confluência dos Rios Lambarí até a barra do Córrego do Rolador e por até à sua cabeceira principal, donde prossegue pelo espigão divisor das águas dos Córregos Matão, Tiririca e Santo Antonio até o cume da Serra da Fumaça. Segue pela cumiada desta e pela da de Poços e pelo espigão divisor das águas dos Rios Lambarí e Antas, Ribeirão do Cipó, Córregos Chapadão e Tamanduá, de um lado, e das dos Ribeirões Três Barras, Peixe, Grande, Campestrinho, Recreio, Água Limpa, Campinho, Quartel, Metais e Ribeirão da Prata, por outro, até o Pico do Gavião, na Serra do Caracol. Daí prossegue pelo espigão, que deixa á direita as águas dos Ribeirões Porta e Cachoeira e á esquerda as do Ribeirão Cocais e Córrego do Óleo até a cabeceira as do Córrego Mamonal ou Buracão. Da cabeceira do Mamonal ou Buracão prossegue pelo espigão de sua margem direita até o Contraforte entre o mesmo Buracão e o Córrego do Pio; e pelo contraforte até o Ribeirão Paraizo ou Macuco em frente à primeira grota da margem esquerda dêste, logo abaixo da foz do Buracão. Atravessa o Macuco e sobe pela grota até o divisor de águas do Ribeirão Macuco e Jaguari-Mirim. Continua por êste divisor até á cabeceira do Córrego Balbina e por êste abaixo até sua foz no rio Jaguari-Mirim, pelo qual sobe até a barra do Ribeirão São João; continua por êste Ribeirão e pelo seu braço, que vai ter à pedra da Fazenda Rocheta. Daí segue pelo espigão até a Serra de São João e pela cumiada desta e por um seu contraforte até a barra do Córrego Catéto, no ribeirão Santa Barbara. Sôbe pelo córrego Catêto e pela sua cabeceira mais oriental até a Serra do Bebedouro, pela qual continua até a primeira cabeceira do Córrego Baena ou Bebedouro. Desce por êste córrego até sua barra no Ribeirão da Cachoeira, seguindo pelo espigão fronteiro até a Serra da Bôa Vista, em frente á cabeceira do córrego do mesmo nome, desce por êste córrego, (que passa entre as sédes da Fazendas de Affonso Belcuore e a que foi de Affonso Bento) até sua barra no Ribeirão da Baleia ou Ranchão. Daí em linha reta à cabeceira oriental do Córrego do Laranjal, pelo qual desce até sua foz no Rio Mogi-Guassú. Depois pelo espigãozinho fronteiro da margem esquerda dêste contornando as cabeceiras do Córrego da Bella Vista e procurar a confluência do Ribeirão Cavour e Córrego Apolinário e pelo Cavour abaixo até o Rio Eleutério. Sobe pelo Rio Eleutério até o ponto fronteiro à extremidade de um contraforte da Serra dos Contos, próximo da ponte da Fazenda Velha: sobe por êste contraforte e pela Serra dos Coutos até o Pico do Morro Pelado. Dêste ponto continua pelo espigão divisor, que deixa à direita as águas do Ribeirão Monte Sião e à esquerda as do Rio das Pedras, até frontear a grota chamada da Divisa e por esta abaixo e pelo Córregozinho até sua barra no Ribeirão Monte Sião, e por êste abaixo até a barra de um pequeno córrego da sua margem direita, chamado Oscar de Castro. Sóbe por êste até o espigão que separa espigão contornando as cabeceiras do Córrego denominado Pimenta ou Volpini (divisor das terras de Oscar de Castro, Modesto Volpini e Joaquim Modesto) até a cabeceira do Córrego Messias e por êste abaixo até sua barra no Ribeirão do Tanque. Desta barra, numa reta, oeste-leste, até o espigão divisor das águas dos Ribeirões Batinga e Tanque e por êste espigão até o divisor das águas do Jaboticabal e Tanque à direita e Batinga à esquerda; dai segue, contornando que vai do eixo da ponte sobre o Ribeirão Sertãozinho ao alto da Pedra Redonda, no espigão entre o bairro de Guardinha e o Ribeirão do Pinhal. Prossegue a principio por êsse alinhamento até à referida Pedra Redonda e depois pelo divisor das águas do Rio das Antas e Rio do Peixe, até o Pico do Serrote, donde continua pelo divisor da margem direita do Rio Cachoeirinha até a Pedra Grande, próxima da mesma margem dêste rio. Desta pelo Rio cachoeirinha até sua confluência com o Rio Corrente, ambos formadores do Rio do Peixe, e segue pelo Rio Corrente, ambos até uma cachoeira situada cerca de três e meio kilometros além daquela confluência. Daí por um espigão da margem esquerda do Rio Corrente, até o divisor das águas dêsse rio e das do Ribeirão Gamelão, continuando pelo divisor do Gamelão e das águas do Tamanduá até o Morro do Currupira. Dêste morro segue pelo espigão até a nascente do Córrego Boava, desce por êste Córrego até o Rio Camanducaia ou da Guardinha, sobe por êste rio, passando por São José dos Toledos, alcança a barra do Córrego das Pitangueiras e sobe por êste á sua cabeceira principal. Desta cabeceira pela cumiada da Serra das Anhumas ou Pitangueiras, passando pela Pedra do Vicente Simão, até o Pico do Jorge Adão. Do Pico do Jorge Adão prossegue pelo espigão, que deixa á direita as águas do Rio Acima e á primeira cabeceira do Ribeirão dos Godoys e descendo por êste e pelo Ribeirão dos Cardosos até a sua barra no Rio Jaguari. Dai sobe pelo Rio Jaguari até a barra do Ribeirão Guaraiúva e por êste Ribeirão até sua cabeceira mais oriental. Desta cabeceira segue até a Pedra da Guaraiúva, ponto culminante do Morro do Lopo. Segue pela cumiada da serra até o Pico situado entre Estanislau Pereira e o Bairro da Batatinha: daí prossegue no rumo Sul e continua pelo espigão da margem direita do Córrego Dario, alcançando o Rio Can-Can na barra daquele córrego; atravessa o Rio Can-Can e continua por um espigão da sua margem esquerda, para atingir o divisor da águas da margem direita do Córrego do Abel; segue por êste divisor e por um espigão, para atravessar em seguida o Córrego do Abel, cerca de dois kilometros abaixo da capella do bairro do mesmo nome. Continua por um espigão que vai ter à Pedra do Abel e ao Morro Selado, prossegue pela cumiada da Serra dos Poncianos, Santa Barbara e Queixo d'Anta que são os nomes locais da Serra da Mantiqueira. Da extremidade da Serra do Queixo d'Anta segue pelo espigão que rodeia as cabeceiras do Rio Preto Pequeno, toma o rumo Norte (aproximadamente) e, atravessando o Rio Preto Pequeno e o Córrego da Guarda Velha vai até o alto do divisor das águas este Córrego da Guarda Velha e Rio Sapucai-Mirim. Deste ponto prossegue no rumo Nordeste, mais ou menos acompanhando o espigão e o contraforte; até atravessar o Rio Preto Grande, cerca de quinhentos metros acima da barra do Ribeirão Cassununga ou Paiol Velho. Segue pelo divisor das águas do bairro do Cassununga e atravessa o Ribeirão Paiol Velho, pouco acima de Funil, até atingir o espigão da sua margem direita. Continua por este espigão passando pelo Morro da Jangada, daí prosseguindo pelo divisor que deixa à direita as águas do Ribeirão Lageado e à esquerda as do Córrego dos Moradores Novos, afluente do Rio Sapucaí-Mirim, até a primeira cabeceira do Córrego da Fazenda da Guarda Velha. Desce a principio, por este até sua barra no Córrego das Pedras e depois pelo Córrego das Pedras até sua barra no Córrego do Rodeio, pelo qual continua até sua foz no Ribeirão do Baú: Desta foz atravessa o Baú, galga o espigão fronteiro a alcançar o divisor das águas do Sapucaí-Mirim e do Baú, deixando sempre á direita a estrada velha do Caracól. Deste ponto desce pelo espigão entre o Córrego do Caracól e um pequeno córrego afluente da margem direita do Sapucaí, logo acima do Caracól ate a barra do Caracól, no Sapucaí. Atravessa ahi o Sapucaí; subindo pelo, espigão fronteiro (divisor das águas do Córrego Bicudo e Córrego dos Ferreiras) e atingindo o entroncamento deste espigão com o divisor de águas do Sapucaí-Mirim e do Ribeirão dos Serranos. Prossegue por este divisor, passando pelos Morros da Divisa, do Campestre e da Balança, até defrontar a barra do Córrego do Estevão Costa, na margem direita do Rio Sapucaí-Mirim, onde atravessa este rio, seguindo pelo espigão da margem direita do Córrego Estevão Costa, até atingir o divisor do Ribeirão da Bocaina, divisor pelo qual prossegue até o espigão que deixa à direita o Ribeirão da Bocaína e à esquerda o Córrego do Matto Dentro ou Areas até a barra do Córrego dos Pereiras no Ribeirão do Imburussú. Sobe pelo Imbirussú até a barra do Córrego do Carreíro.
Dai toma o espigão fronteiro entre o Córrego do Carreiro e Ribeirão Cantagalo até o divisor mestre entre os Ribeirões Candelaria e Imbirussú, prosseguindo por este divisor contornando as cabeceiras do Candelaria ate o entroncamento deste com o divisor que deixa à esquerda o Ribeirão Candelari, e à direita o Ribeirão do Cerco e atingindo o alto do Morro do Mundo Novo.
Dai desce à barra do Ribeirão Morros Vermelho no Ribeirão do Cerco; daí subindo pelo espigão fronteiro até alcançar o divisor das águas do Morro Vermelho e do Jacú; contorna as cabeceiras deste último e segue pelo divisor dos Ribeirões Jacú e Marmelos até a barra do Ribeirão dos Marcelos no Rio Sapucaí. Desce pelo Rio Sapucaí até a barra do Ribeirão Jacú, donde segue pelo divisor da águas até alcançar a Serra da Mantiqueira, passando pelo alto do Alambique e pelo alto do Peruca Prossegue pela Serra da Mantiqueira até a cabeceira do Ribeirão do Salto, ponto de convergência das divisas dos Estados de São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, na região do Itatiaia.
COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO: (Leis estaduais n. 1.813, de 10 de dezembro de 1921 e n. 1884, de 4 de dezembro de 1922):
Começam na cabeceira do Ribeirão do Salto na Cordilheira da Mantiqueira ponto de convergência das divisas dos Estados de São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, na região do Itatiaia, descem pelo ribeirão do salto até sua barra no rio Paraíba e por este abaixo até a embocadura do ribeirão Palmeiras, pelo qual sobem até a fôz do córrego do Açude e por este acima até sua cabeceira mais oriental, continuam pelo divisor que deixa a direita, as águas do ribeirão Santana, e, a esquerda, as do rio Paraíba, indo até a cabeceira mais ocidental do córrego da Barreira, pelo qual descem ao Ribeirão Vermelho e por este abaixo até a barra do Córrego Santa Rita, pelo qual sôbem até sua cabeceira mais ao sul, continuando pelo divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão Vermelho e córrego da Vargem, e, à esquerda, as dos ribeirões Passa Vinte e Santana, até alcançar a cabeceira mais ao norte do córrego da Estrada, pelo qual descem até o ribeirão Santana e por êste abaixo até a boca do córrego do Moinho, pelo qual sóbem até sua cabeceira principal, continuando pelo divisor que deixa, à direita, as águas do córrego da Barra, e, à esquerda, as do ribeirão Santana, até o Alto da Capoeirinha, continuam pelo divisor que deixa, à direita as águas dos córregos Barra e Carrapato, e à esquerda, as do córrego Capoeirinha, indo até a cabeceira mais ocidental do ribeirão da Onça, pelo qual descem até a barra do córrego Jaguar, pelo qual sóbem até sua cabeceira, vão dai à cabeceira principal do córrego Jabá, descendo por êste e pelo córrego da Grama até o ribeirão do Barreiro e por êste abaixo até a foz do córrego Vermelho e por êste acima até sua cabeceira mais ao sul, procuram a cabeceira principal do córrego Santo Antonio, descendo por êste ao ribeirão Feio e por êste acima até a boca do córrego dos  Bambús, pelo qual sóbem até sua cabeceira principal, continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do córrego Pinheirinhos, e, à esquerda, as do ribeirão Feio, vão até a cabeceira mais ocidental do córrego do Bambual, pelo qual descem até o córrego dos Pinheirinhos e por êste acima até a boca do córrego Cafezal e por êste ainda até sua cabeceira mais ao norte; dai, ao alto do espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Feio, e, à esquerda, as do rio Formoso, até a cabeceira principal da Água da Curva da Estrada de Ferro, descem por êste até o rio Formoso e por êste ainda até a barra do ribeirão da Provisória ou da Cachoeira, e por êste acima e pelo córrego da Invernada até sua cabeceira no alto do Morro da Divisa; continuam pelo Divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão do Açude e as dos córregos dos Coqueiros e do Antéro, e, à esquerda, as do rio Formoso e córregos Bom Destino e Bôa Vista, até a cabeceira mais ocidental do córrego Pimentel, pelo qual descem até o ribeirão das Palmeiras e por êste ainda até o rio Ipiranga, descendo ainda por êste até sua cabeceira mais ocidental, tomam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do rio Barreiro, e, à esquerda, as do ribeirão Fortaleza, indo até a cabeceira mais ocidental do córrego Reserva, pelo qual descem até o rio Barreiro e por êste acima até a boca do córrego da Divisa e por êste ainda até sua cabeceira principal; continuam pelo divisor que deixa, à direita as águas do rio Barreiro e ribeirão Cantagalo, e, à esquerda, as da Água do Piranchim (passando pelo Monte Alto) e as do córrego Cafundó e ribeirão Caracól até atingir a cabeceira mais ocidental do córrego do Cunha, pelo qual descem até o rio Turvo e por êste abaixo até a embocadura do córrego Quebra-Canto, subindo por êste até sua cabeceira mais oriental; vão dai à cabeceira principal do  córrego do Boeiro de Cima e por êste abaixo até o rio Bananal, e por êste ainda até a barra do córrego Soledade, pelo qual sóbem e pela Água Pequena até sua cabeceira mais oriental : continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do córrego Soledade, e á esquerda, as do córrego do Sitio e ribeirão da Bocaina, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego da Estrela, vão por êste abaixo até o ribeirão da Bocaina e sóbem por êste e pelo córrego Independência até sua cabeceira principal, atingem a cabeceira do córrego Tapir, descem por êste até o rio Carioca ou Antinhas e por êste acima até a boca do córrego Alfa, e por êste ainda até a foz do córrego Beta, pelo qual sóbem até sua cabeceira principal, continua, pelo divisor que deixa, a direita as águas do rio Carioca ou Antinhas, e, à esquerda, as do rio Barra Mansa, indo até o alto da Pedra do Rio Claro, já na Serra da Carioca, prosseguem pela crista desta e alcançam a cabeceira mais oriental do córrego dos Cabritos, pelo qual descem até o rio da Prata, e por êste acima até a boca do córrego do Pedro e por êste ainda até sua cabeceira principal, avançam até o alto do morro do Pedro e continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Jararaca, e à esquerda, as do ribeirão Rola ou Valentim e as do rio do Braço até a barra do córrego Ronca e por êste acima até sua cabeceira e dai à crista da Serra do Mar e por êste caminham até o fóz do ribeirão do Tombo no rio Bracuí, continuam pelo alto da Serra do Mar até alcançar a cabeceira principal do córrego da Memoria, pelo qual descem ao rio Mambucaba e sóbem até sua cabeceira mais ocidental; ganham o alto da Serra do Mar ou Geral e por ela avançam e pelo contraforte que deixa, à direita, as águas dos ribeirões Picinguaba e Cambuí, e as do córrego da Escada, e, à esquerda, as dos rios Patitiba, Caçada e Carapitanga, indo até a Ponta de Trindade, no Oceano e Carapitanga, indo até a Ponta de Trindade, no Oceano Atlântico;
COM O ESTADO DO PARANÁ : (leis estaduais n. 1.736, de 27 de setembro de 1920 e n. 1.303, de 29 de novembro de 1921):
Começam no Oceano Atlântico, na barra do Ararapira, acompanham a curva do rio passando pelo povoado no mesmo nome, até o meio do Istmo do Varadouro, e, a, buscam o divisor das águas que correm, á direita, para o mar e Canal do Ararapira, e, a esquerda, para as barras do Pinheiro e Larangeiras, seguem por êsse divisor até o alto da Serra Negra e por esta até a altura existente entre ela e a Serra da Virgem Maria; pelo rumo dêste morro ás nascentes do rio Pardo, nesta última Serra e pelo rio Pardo a Ribeira, sobem êste rio e depois o ribeirão Itapirapuan até suas cabeceiras, ganham do outro lado da Serra a nascente do Égua Morta e continuam pelos cursos dêste, do Itararé e do Paranapanema até o rio Paraná;
ZONA DO LITORAL: Em seu litoral, da Ponta de Trindade à barra do rio Ararapira, o Estado de São Paulo possue as seguintes Ilhas e Ilhotas arroladas de leste para oeste:
Ilha Comprida e Ilhote Carapuça, primeira ilha das Couves e o ilhote fronteiro à Prata de Fora, ilha da Pesca, ilhotes Selinha, do Negro e da Prainha, ilhas Redonda, dos Porcos Pequenos, Rapada, Prómirim e seu ilhote anexo, ilhote da Praia de Itamumbuca, Ilhote da Praia do Tenório, a primeira ilha das Cabras, ilha das Palmas, Ilhote dos Parcéis, ilha do Mar Virado e o ilhote do Sul, ilhote dos Parcéis, ilha do Mar Virado e o ilhote anexo Ilha da Ponta, Maranduba, Tamandúa, os dois ilhotes fronteiros à Praia da Cocaina de Masságuassú, ilha da Vitória, ilha dos Pescadores, ilhote das Cabras, ilha dos Buzios, ilha Sumitica, ilha de São Sebastião, ilha da Serraria, as duas ilhas fronteiras à Praia das Galbetas, na baía dos Castelhanos; a segunda ilha das Cabras, localizada no canal de São Sebastião; ilha do Toque-toque, o ilhote das Galhetas, ilha dos Gatos, segunda ilha das Couves, ilha das Almas, ilha Montão de Trigo, ilha Maracujá; o arquipélago dos Alcatrazes, compreendendo a Ilha propriamente dita, a ilha sapata a da Ponta do Sul, a do Paredão e da do Farol; ilha do Monte Pascoal, o segundo ilhote da Prainha, Ilha do Guará, ilhote Iporanga, ilha Perequé, ilha dos Arvozedos, ilha do Mar Casado, ilha de Santo Amaro, a terceira ilha das Cabras, fronteira ao Guarujá, ilha da Moela, a ilha de São Vicente, a ilha Guaraquessaba, a Lage de Santos; a ilha do Givurá, a ilha da Ponta da Aldeia ou Pedra da Meia Praia, ilha Peruibe, ilha Guaraú, ilha da Queimada Pequena, ilha Comprida, ilha de Cananéia, ilha do Cardoso, ilha do Bom Abrigo e seu Filhote, ilha Cambriú, ilha do Castilho e ilha da Figueira.

CAPITAL

O município da Capital, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE COTIA:

Começam no Morro Jaguaré em frente à cabeceira sudoriental do ribeirão Carapicuíba, atingem êste ribeirão e por êle descem até a barra do córrego do Sítio Velho de cima, pelo qual sobem até sua cabeceira e vão daí em reta, a cabeceira do córrego da Pedreira;

COM O MUNICÍPIO DE Parnaíba:

Começam na cabeceira do córrego da Pedreira, pela qual descem até o rio Tietê e por êste acima até a barra do córrego Vermelho, sobem por êste a sua cabeceira, continuando pelo espigão que deixa, à esquerda, as água dos córregos Três Irmãos e dos Garcias, até alcançar a cabeceira do córrego Itaim, pelo qual descem até a sua barra no rio Juqueri, vão dai em reta de rumo sul-norte, até o espigão divisor entre as água dos córregos Itaim, afluente do Juqueri-Mirim ou Tabuões, e Bom Sucesso;

COM O MUNICÍPIO DE JUQUERÍ:

Começam no espigão entre as águas do córrego Itaim e Bom Sucesso, onde é cortado pela rêta de rumo sul-norte, que vem da barra do córrego Itaim no rio Juqueri, seguem por êste espigão passando pelo Morro Grande e do Tico-Tico, em demanda da barra do ribeirão dos Perús, do rio Juqueri, sobem por êste até a foz do ribeirão dos Pinheirinhos e por êste acima até sua cabeceira, continuam pelo espigão mestre entre as águas do rio Juqueri, à esquerda, e as do rio Tietê, à direita, espigão êste que tem o nome de Serra da Cantareira, contornam as cabeceiras do rio Cabussú de Cima, até a Serra da Pirucaia, cruzamento com a Serra do Cap. Freire ou da Mata Fria:

COM O MUNICÍPIO DE GUARULHOS:

Começam na Serra do Pirucaia, no ponto de cruzamento com a Serra do Cap. Freire ou da Mata Fria, seguem por aquela até o morro do Sabão, ganham a cabeceira do rio Cabussú de Cima ou Guapira, e por êste abaixo até desembocar no rio Tietê, pelo qual sobem até a barra do córrego Pirati-Mirim:

COM O MUNICÍPIO DE MOGI DAS CRUZES:

Começam no rio Tietê, na foz do córrego Pirati-mirim, sobem por aquele até a barra do ribeirão Três Pontes, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ocidental, alcançam o Morro Vermelho e prosseguem pelo espigão entre as água do ribeirão Itaquera, a direita, e rio Guaió, à esquerda, passando pelo Morro do Gerivá, até o Morro do Corrêa em frente à cabeceira mais oriental do ribeirão Aricanduva;

COM O MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ:

(EX-SÃO BERNARDO)

Começam no Morro do Corrêa, em frente da cabeceira mais oriental do ribeirão Aricanduva, ganham o espigão entre as água do ribeirão Aricanduva, a direita, e as dos espigão passando pelo morro Votussununga, em demanda da cabeceira do ribeirão Oratorio e por êste abaixo até o rio Tamanduatei, e por êste descem até a barra do ribeirão dos Metunos, pelo qual sobem até a foz do ribeirão dos Couros, e por êste ainda até a boca do ribeirão Taboão, e por êste acima até sua cabeceira mais meridional, prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Curral Grande, e, a direita, as do rio Jurubatuba ou Grande, indo até a cabeceira do galho da direita do ribeirão Grota Funda pelo qual descem até sua barra no reservatório do rio Grande ou Jurubatuba, caminham pelo seu "Thalweg" até atingir o reservatório do rio Taquacetuba e por êste ainda até a sua cabeceira;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO VICENTE:

Começam na cabeceira do ribeirão Taquacetuba, continuam pelo espigão mestre que separa as águas que vertem para o litoral das que caem nos reservatórios dos rios Grande ou Jurubatuba, e Guarapiranga, indo até a barra do ribeirão do Campo no rio Embú-Guassú;
COM O MUNICÍPIO DE ITAPECERICA:

Começam no rio Embu-Guassú, na barra do ribeirão do Campo, descem por aquele até o reservatório do rio Guarapiranga, e pelo leito deste até a barra do córrego Jaceguava, continuam pelo espigão que deixa as águas dêste córrego, à esquerda, indo até a barra do córrego até sua cabeceira mais ocidental, continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas do rio Guarapiranga, e a esquerda as do ribeirão Pirajussara até alcançar a cabeceira do córrego do Cercado Grande, e por êste abaixo até o rio Pirajussara e por êste ainda até a sua confluência com o ribeirão Poá, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste último, e, a direita, as do ribeirão Jaguare até o alto do moro do Jaguaré, onde tiveram inicio estas divisas.

ÁGUA DA PRATA

O município de Águas da Prata, comarca de São João da Bôa Vista, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE VARGEM GRANDE:

Começam na Serra da Fartura em frente da cabeceira sudoriental do ribeirão de Manuel Andrade, que deságua no rio Fartura, junto á sede da fazenda do mesmo nome, seguem pela crista da serra, contornando as cabeceiras do citado ribeirão e vão, por um contraforte, até a cachoeira existente no rio Fartura, sita cerca de dois Kms. a sudeste da séde da Fazenda de Afonso Osório;

COM O MUNICÍPIO DE GRAMA:

Começam na cachoeira do rio Fartura, situada cerca de dois Kms. a sudeste da sêde da fazenda de Afonso Osorio, atravessam o rio e ganham o espigão fronteiro, em demanda do divisor que deixa, à direita, as águas do rio Fartura, e, à esquerda, as do rio de São Domingos, e por êsse divisor seguem até cruzar com a Serra de Poços de Caldas, cuja crista acompanham até o entroncamento com o contraforte que separa as águas do ribeirão do Quartel, das do ribeirão das Antas;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam na Serra de Poços de Caldas, no ponto em que ela cruza co o espigão divisor que deixa, à esquerda, as águas dos rios Lambari e Antas, e à direita, as do ribeirão do Quartel; prosseguem por êste divisor e pelo espigão que separa ás águas do ribeirão Cipó, córrego Chapadão e de um lado Tamanduá, e, das dos ribeirões dos Meteis, Quartel e da Prata, até o Pico do Gavião, na Serra do Caracól e prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas dos ribeirões da Prata e Cachoeira, e, à esquerda, os ribeirão Cocais e córrego do Óleo, até cruzar com a Serra da Cachoeira, divisória das águas do rio Jaguari-mirim e ribeirão da Prata:

COM O MUNICÍPIO DE S. JOÃO DA BÔA VISTA:

Começam na Serra da Cachoeira, no ponto de cruzamento com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Cocais e córrego do Óleo, e, à direita, as dos ribeirões Prata e Cachoeira, seguem pela cumiada da Serra até a cabeceira do córrego dos Anselmos ou Figueiros e por êste descem até o ribeirão do Quartel e por êste abaixo até a foz do córrego do Mirante ou São Bento, subindo por êste até a Serra do Mirante e pela crista desta e pela da Fartura até frontear a cabeceira sudoriental do ribeirão de Manuel Andrade, onde tiverem inicio estas divisas.

AGUDOS

O município de Agudos, comarca do mesmo nome compreendendo o distrito de paz da sede e os de Bandeirantes e Dona Amélia (ex-Santa Cruz da Bôa Vista) atá as seguintes divisas:;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO:

Começam no espigão mestre Turvo-Pardo, em frente a cabeceira Ribeirão Santa Barbara e por êste descem até a barra da Água do Meto, vão daí em reta á barra do córrego Ponte Funda, no ribeirão da Bôa Vista e por êste abaixo até o rio Turvo e sobem por êste a boca do córrego da Corredeira, pelo qual sobem até onde ele é cortado pela leste-oeste, que vem da cabeceira do córrego dos Mineiros, seguem pela reta a referida cabeceira e pelo córrego dos Mineiros abaixo até o ribeirão São Jerônimo ou Mocacos, continuam pelo espigão entre os córregos Jararaca e Matão até cruzar com o espigão mestre Turvo-Alambari, chamando o espigão da Conquista, em frente á cabeceira da Água da Bôa Vista dos Rabellos.

COM O MUNICÍPIO DE PIRATININGA:

Começam no espigão mestre Turvo-Alambari, chamado espigão da Conquista, em frente a cabeceira da Água da Bôa Vista dos Rabellos, seguem pelo espigão até à cabeceira do córrego da Divisa e por êste abaixo até o ribeirão Barreiro, alcançam o espigão que deixa á direita as águas do rio Turvo, e á esquerda, as dos ribeirões do Barreiro, Pantano, indo até alcançar a cabeceira do córrego da Invernada, pelo qual descem até o rio Batalha, e descendo por êste até a fóz do córrego do Falcão:

COM O MUNICÍPIO DE BAURÚ

Começam no rio Batalha, onde deságua o córrego do Falcão, sobem por êste até a sua cabeceira, seguem em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego da Conceição ou ribeirão do Campo, e por êste ainda até à barra do córrego da Fazenda de P. Santos;

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam no ribeirão Grande, onde faz barra o córrego da Fazenda P. Santos, sóbem pelo córrego até sua cabeceira e continuam pelo espigão que conforma a cabeceira do córrego Barra Séca, indo até a embocadura do córrego do Marimbondo no ribeirão Pederneiras, sobem pelo córrego, pelo seu galho do centro, indo até a cabeceira e continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego das anhumas e vão até a barra do córrego do marco B. no rio dos Patos;

COM O MUNICÍPIO DE LENÇÓIS:

Começam no rio dos Patos, onde deságua o córrego do marco B, prosseguem pelo contraforte da margem esquerda dêste córrego em demanda da barra do córrego dos Côchos, no rio Lençóis e, por êste acima até a barra do córrego das Antas, continuam pelo contraforte da margem esquerda dêste córrego até alcançar o espigão entre as águas do rio Turvo e as águas do córrego das Antas, e por êste prosseguem e pelo espigão mestre Turvo-Pardo, até cruzar o contraforte entre as águas do ribeirão do Caçador, à esquerda, e as do ribeirão da Capivara, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BARBARA DO RIO PARDO:

Começam no espigão mestre Turvo-Pardo onde ele cruza com o contraforte entre as águas do ribeirão Caçador, à esquerda, e as do ribeirão Capivara, à direita, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira mais meridional do ribeirão Santa Barbara onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE AGUDOS

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Agudos terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ  DE DONA AMELIA:

(Ex-Santa Cruz da Bôa Vista)

Começam no espigão mestre Turvo-Turvinho em frente à cabeceira do ribeirão Boi Pintado e por êste abaixo até o rio Turvo:

COM DISTRITO DE PAZ DE BANDEIRANTES:

Começam no rio Turvo, na foz do ribeirão do Boi Pintado e pelo Turvo acima até a boca do córrego da Geada e por êste ainda até sua cabeceira no espigão da Conquista.

BANDEIRANTES

O distrito de paz de Bandeirantes terá as seguintes dividas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão da Conquista, na cabeceira do córrego da Geada e por êste abaixo até o rio turvo e por êste ainda até a foz do ribeirão de Boi Pintado;

COM O DISTRITO DE PAZ DE DONA AMELIA:

(EX-SANTA CRUZ DA BÔA VISTA)

Começam no rio Turvo, na foz do ribeirão do Boi Pintado e descem por aquele até a boca do córrego Corredeira;

DONA AMELIA

(Ex- Santa Cruz da Bôa Vista)

O distrito de paz de Santa Cruz da Bôa Vista, que volta à sua antiga denominação de Dona Amelia, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BANDEIRANTES:

Começam no rio Turvo, na beira do córrego da Corredeira, sóbem pelo rio Turvo até a barra do córrego do Boi Pintado;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Turvo, na barra do córrego do Boi Pintado, sóbem por êste até sua cabeceira no espigão mestre Turvo-Turvinho;

TUPA

Fica suprimido o distrito de paz de Tupa e seu arquivo recolhido ao cartório da sede do município de Agudos.

ALTINÓPOLIS

As divisas do município de Altinópolis, comarca de Batatais, passam a ser as seguintes:

COM O MUNICÍPIO DE BRODOSQUI:

Começam no rio Pardo, onde faz barra o ribeirão do Adão e sobem por êste a foz do córrego da Pratinha, e por êste ainda até a barra do primeiro córrego da margem direita, que deságua logo abaixo da fazenda Alcidio;

COM O MUNICÍPIO DE BATATAIS:

Começam no córrego da Pratinha, na barra do primeiro córrego da margem direita, que deságua logo abaixo da fazenda Alcidio, vão daí, em reta, a ponta mais meridional do massiço entre as águas do ribeirão do Adão, à esquerda, e as do córrego da fazenda do Selado, à direita, caminham por êste massiço em demanda da barra do córrego que nasce cerca de 2 Kms. a leste da fazenda de Higino Noronha, no ribeirão do Adão, sobem pelo referido córrego até sua cabeceira mais setentrional e vão daí, em reta, à cabeceira mais meridional do córrego do Manoel de Campos, pelo qual descem até o ribeirão do Engenho da Serra, e vão daqui por nova reta, a cabeceira mais oriental do córrego Arraial Velho, e prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego de Monjolinho, e, à esquerda, as do ribeirão da Paciência atingem a confluência desses dois cursos de água e descem pelo ribeirão da Paciência até a foz no rio Sapucaí;

COMO O MUNICÍPIO DE PATROCÍNIO DE SAPUCAÍ:

Começam onde o ribeirão da Paciência desemboca no rio Sapucaí, sobem por êste até a barra do rio Esmeril pelo qual sobem até encontrar a reta que do morro das Araras vai ao morro do Jaborandi, já nas divisas com o Estado de Minas Gerais;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no rio Esmeril, no ponto em que êste é cortado pela reta que do morro das Araras vai ao morro do Jaborandi, seguem por esta reta até o morro do Jaborandi, e deste por nova reta ao morro do Meio, onde continua, sempre em reta, ao morro da Rosca e, depois ao centro do morro da Mesa, e daí pelo espigão do morro do Baú, e deste á Serra da Cobiça;

COM O MUNICÍPIO DE SANTO ANTONIO DA ALEGRIA:

Começam na Serra da Cobiça, nas divisas com Minas Gerais, prosseguem pela Serra da Cobiça que deixa, à direita, as águas do rio Jaborandi, em demanda da barra do córrego de Pio Alves, no rio Sapucaí, sobem pelo referido córrego até sua cabeceira mais meridional, caminham pela Serra da Matinha, até a cabeceira mais setentrional do córrego Laranjal, que nasce a Oeste da fazenda Marques, descem pelo córrego Laranjal até sua barra no rio Araraquara;

COM O MUNICÍPIO DE CAJURÚ:

Começam onde o córrego do Laranjal deságua no rio Araraquara, vão por êste abaixo até a foz do ribeirão do Cervo, ganham o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Adão, e à esquerda, as do rio Araraquara até alcançar a cabeceira mais oriental do córrego da Prata e vão por êste abaixo até a sua barra no rio Araraquara, pelo qual descem até o rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE SERRA AZUL:

Começam no rio Pardo, onde faz barra o rio Araraquara, descem pelo rio Pardo até a ponte da Estrada de Ferro São Paulo-Minas Gerais;

COM O MUNICÍPIO DE CRAVINHOS:

Começam na ponte da Estrada de Ferro São Paulo - Minas Gerais, sobre o rio Pardo e vão por êste abaixo até a confluência do ribeirão do Adão, onde tiveram inicio estas divisas.

AMERICANA

AMERICANA - (Ex-Vila Americana)

O município de Vila Americana, cujo nome se simplifica para Americana, comarca de Campinas, constituído do distrito de paz da sede e do de Nova Odessa, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE LIMEIRA

Começam na barra do córrego Socegan, no rio Piracicaba, sobem por êste até a confluência dos rios Atibaia e Jaguari, e continuam por êste último acima até a barra do ribeirão do Pinhal;

COM O MUNICÍPIO DE CAMPINAS:

Começam na confluência do ribeirão do Pinhal, no rio Jaguari, sobem por êste até a barra do córrego Jacutinga, pelo qual sobem ainda até a cabeceira do galho da esquerda, ganham o espigão mestre Atibaia-Jaguari, pelo qual Caminham até alcançar o contraforte da margem esquerda do córrego da Balsa, indo até a barra dêste no rio Atibaia, continuam pelo espigão da margem esquerda do córrego da Fazenda Foguete, indo até a cabeceira do ribeirão dos Lopes, descem por êste até a barra do córrego da Discórdia e vão, em reta, a barra do córrego Palmital, no ribeirão Quilombo, sobem por aquele até sua cabeceira mais ocidental, prosseguindo depois pelo espigão que separa as água do ribeirão Quilombo, à direita, e as do ribeirão dos Toledos, a esquerda, até alcançar a cabeceira do córrego de Guilherme Green;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BARBARA

Começam no alto do espigão que separa as águas do ribeirão dos Toledos, à esquerda, e as do córrego do Recanto, à direita, em rente a cabeceira mais setentrional do córrego Guilherme Green, seguem pelo espigão fronteiro até a lagôa do Roberto, atravessam-na à procura de seu ponto mais setentrional e vão daqui em reta, ao marco do km. 83 da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, no seu ramal de Piracicaba, dirigem-se dêste ponto, ainda em reta, a nascente do córrego da Vila Americana, que vai desaguar no ribeirão do Quilombo, dentro da cidade de Americana, procuram daí o espigão divisor de águas que deixa à direita, o ribeirão do Quilombo, e, à esquerda, o ribeirão dos Toledos e pelo espigão continuam até encontrar a cabeceira mais ocidental do córrego Socegan, pelo qual descem até o rio Piracicaba, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE AMERICANA

NOVA ODESSA:

Fica criado o distrito de paz de Nova Odessa, no município de Americana, que terá as seguintes divisas internas, com a sede do município:
Começam no marco do km. 82 do ramal de Piracicaba da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, seguem pelo eixo da linha férrea até encontrar o córrego do Recanto e por êste abaixo até o ribeirão do Quilombo, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas dêste último, e, à esquerda, as do córrego da Fazenda Angélica, indo até a lagôa que existe junto à estrada de rodagem do Estado, na encruzilhada do ramal que vai para Nova Odessa, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, o córrego dos Camargos, indo até o salto do Foguete no rio Atibaia e por êste acima até a barra do córrego da Serraria.

AMPARO

O município de Amparo, comarca do mesmo nome constituído distrito de paz da séde e do de Monte Alegre, terá as seguintes divisas:

COMO O MUNICÍPIO DE MOGÍ-MIRIM:

Começam no rio Camandocáia, na barra do córrego da Fazenda Saint-Cloud, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda as águas do córrego da Fazenda Santa Bárbara, indo até o tanque da Fazenda de A. Elias no rio Camadocaia-Mirim e por êste acima à boca do córrego da Fazenda Sesmaria ou córrego do Tanque e por êste acima até sua cabeceira, na ponta setentrional do Morro da Estiva, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as cabeceiras do rio Camandocáia-Mirim, e, à direita, as águas do ribeirão do Morro Agudo, indo até frontear a cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPIRA:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Morro Agudo, e, à esquerda, as cabeceiras do rio Camandocáia-Mirim, em frete à cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge, seguem pelo espigão indo até a barra do córrego do Morro Agudo que desce junto ao morro do mesmo nome, no rio da Penha; seguem pelo espigão entre as águas do rio da Penha e as do ribeirão dos Cardosos, indo até entroncar na Serra das Águas Claras;

COM O MUNICÍPIO DE SERRA NEGRA

Começam na serra das Águas Claras, seguem pela crista desta até o alto de Antonio Pedro, vão daí, em reta, ao alto da Fazenda do Rumo, que fica cerca de um km. ao sul da séde desta Fazenda, e daí, por outra reta, ao alto fronteiro, à cabeceira do córrego da Fazenda de José F. de Camargo, na Serra Negra, continuam por esta, que é o divisor de água do rio Camandocáia, ao sul, e as do rio da Penha, ao norte, prosseguem por esta Serra até encontrar com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Bôa Vista;

COM O MUNICÍPIO DE SOCORRO:

Começam na Serra Negra, onde esta cruza com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Bôa Vista, continuam pelo divisor que contorna as águas do córrego Dr. Norberto, indo a barra do córrego da Fazenda Velha no rio Camandocáia;

COM O MUNICÍPIO DE BRAGANÇA:

Começam no rio Camandocáia, onde descarrega o ribeirão da Fazenda Velha e prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste ribeirão, até a cabeceira do córrego da Extrema pelo qual descem ao rio Pinhal, atravessam o rio, e avançam pelo espigão fronteiro, que separa as águas dêste rio das do rio do Pântano, até atingir a Serra dêste último nome, por cuja cumiada prosseguem até a barra do córrego de J. cuja cumiada prosseguem até a ponte de J. Marinho no rio Jaguarí, na estrada que vai ao bairro das Onças;

COM O MUNICÍPIO DE ITATIBA:

Começam no rio Jaguarí, na barra do córrego de J. Marinho, na estrada que vai ao bairro das Onças, descem pelo rio Jaguarí até a ponte de J. Soares, na estrada que vai a Entre Montes;

COM O MUNICÍPIO DE PEDREIRA:

Começam no rio Jaguarí, na ponte de J. Soares, na estrada que vai a Entre Montes, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego da Areia Branca, indo até o Alto do mesmo nome, vão dêste ponto em reta sul-norte, ao alto do espigão mestre entre as águas do rio Jaguari, ao sul, e as do rio Camandocáia, ao norte, e pelo espigão mestre caminham até o Túnel da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, situado entre a estação de Pedreira e a de Coqueiros, e pelo espigão ainda, ganham a cabeceira do córrego da Fazenda Bôa Vista, pelo qual descem até o rio Camandocáia e por êste abaixo até a barra do córrego da Fazenda Saint-Cloud, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE AMPARO


MONTE ALEGRE

O distrito de paz de Monte Alegre, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Camandocáia, ao sul, e as do rio do Peixe, ao norte, onde êle cruza com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego da Fazenda do Salto, e, à direita, as da Fazenda de José F. Camargo, caminham por êste último divisor até a barra do córrego da Fazenda do Salto no rio Camandocáia, barra que ocorre muito próximo à estação de Três Pontes, no ramal de Socorro da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, sobem pelo Camandocáia até a embocadura do ribeirão do Pinhal e por êste acima até a estrada de rodagem que vai para a vila de Tanabi e pelo eixo desta até a Serra do Pântano.      

ANÁPOLIS

O município de Anápolis, comarca de Rio Claro, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE S. CARLOS:

Começam onde o córrego do Lageadinho faz barra no ribeirão do Feijão, alcançam e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas dêste ribeirão, e, à esquerda, as do ribeirão Laranja Azeda até a cabeceira mais ocidental do ribeirão do Pantano, descem por êste até a barra do córrego da Fazenda Montes Claros;

COM O MUNICÍPIO DE DESCALVADO:

Começam na confluência do córrego da Fazenda Montes Claros no ribeirão do Pantano, e descem por êste até a barra do córrego Pinheirinhos, pelo qual sobem até sua cabeceira mais oriental já no morro do Quadrão, continuam pelo alto do morro até a cabeceira de córrego da Fazenda Capão Alto;

COM O MUNICÍPIO DE PIRASSUNUNGA:

Começam no alto do morro do Quadrão na cabeceira do córrego da Fazenda Capão Alto pelo qual descem até a barra no ribeirão Descaroçador, vão daí em reta a lagôa da nascente do córrego da Graminha, alcançam e prosseguem pelo contraforte da margem esquerda do córrego Capim Fino até o rio da Serrinha, continuam pelo contraforte fronteiro deixando, à direita, as águas do córrego da Colônia da Fazenda do Dr. Candido, até a Pedra Vermelha, no espigão entre as águas dos ribeirões Arouca e Moquem;

COM O MUNICÍPIO DE RIO CLARO:


Começam no espigão divisor das águas dos ribeirões do Arouca e Moquem, na Pedra Vermelha, que fica em frente ao contraforte da margem direita, do córrego da colônia da Fazenda do Dr. Candido, continuam pelo espigão divisor até o morro Grande, continuam pelo massiço do mesmo nome até a sua ponta mais ocidental, prosseguem pelo contraforte que deixa, à direita, as águas do córrego das Taipas, e, à esquerda, as do córrego dos Emboabas, até a foz do ribeirão da barra no rio Corumbataí, e vão pelo ribeirão da Barra acima até a sua cabeceira mais meridional;

COM O MUNICÍPIO DE ITIRAPINA:

Começam na cabeceira mais meridional do ribeirão da Barra, vão em reta até a confluência do córrego da Fazenda Santa Rita, no ribeirão do Retiro, alcançam o espigão fronteiro e por êste continuam até cruzar com o contraforte entre as águas do rio Corumbataí, de um lado e ribeirão do Feijão, do outro, indo daí em reta a cabeceira mais meridional do córrego das Cobras, e daqui em reta, à cabeceira mais oriental do córrego do Lageadinho, pelo qual descem até o ribeirão do Feijão, onde tiveram início estas divisas.

ANDRADINA


Fica creado o município de Andradina, na comarca de Araçatuba, constituido do distrito de paz da séde e do de Guaraçaí, com as seguintes divisas:

COM O ESTADO DE MATO GROSSO:

Começam no rio Paraná, na foz do ribeirão das Marrecas e sobem por aquele até a barra do rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO:

Começam no rio Paraná, onde deságua o rio Tietê e vão por êste acima até a foz do ribeirão Travessa Grande;

COM O MUNICÍPIO DE VALPARAIZO:

Começam no rio Tietê, na barra do ribeirão Travessa Grande, sobem pelo Travessa Grande até a forquilha de seus dois principais galhos formadores, continuam pelo espigão intermediário, cortam a Estrada de Ferro Noroeste, variante da Araçatuba-Jupiá, continuam pelo espigão em demanda da confluência do córrego Guanumbi, no ribeirão do Moinho, vão daqui a rumo à cabeceira do ribeirão do Macaco e por êste abaixo, até o ribeirão da Água Amarela, pelo qual descem até o rio Aguapeí, pelo qual sobem até a barra do ribeirão Paturi, pelo qual sobem até o espigão Peixe-Aguapeí;

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE BERNARDES:

Começam no espigão mestre entre os rios Peixe e Aguapeí, na cabeceira do ribeirão Paturí, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do ribeirão do Fogo;

COM O MUNICÍPIO DE SANTO ANASTÁCIO

Começam no espigão mestre entre os rios Peixe e Aguapeí, em frente à cabeceira do ribeirão do Fogo e continuam pelo espigão mestre até atingir a cabeceira do córrego das Marrequinhas, cabeceira do ribeirão das Marrecas;

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE VENCESLAU:

Começam na cabeceira do córrego das Marrequinhas, cabeceira do ribeirão das Marrecas, descem por êste até o rio Paraná, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ANDRADINA

GUARAÇAÍ

Fica creado o distrito de paz de Guaraçaí, no município de Andradina, que terá as seguintes divisas internas com o distrito da séde:
Começam no rio Tietê, na barra do córrego Macaé, sobem por êste, até sua cabeceira, vão daí, à barra do córrego Borboleta, no ribeirão Três Irmãos, sobem por aquele até sua cabeceira e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego São Pedro, e, à esquerda, as do córrego Fundo, até o espigão mestre Tietê-Moinho, ganham, pelo contraforte, a barra do córrego do Campestre, no ribeirão do Moinho, e daí, em réta, à cabeceira do galho ocidental do córrego Paráguassú, pelo qual descem até o ribeirão Volta Grande, e por êste abaixo até o rio Aguapeí, e por êste ainda até a barra do ribeirão Nova Palmeira, pelo qual sobem até sua cabeceira, alcançando a rumo, o espigão mestre Peixe-Aguapeí.

ANGATUBA

O município de Angatuba, comarca de Itapetininga, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITATINGA:

Começam onde o rio Jacú deságua no rio Santo Inácio e vão por êste acima até a barra do córrego da Estiva, também conhecido pelo nome de Potreiro do Lima;

COM O MUNICÍPIO DE BOFETE:

Começam no rio Santo Inácio, onde desemboca o córrego da Estiva, também conhecido como Potreiro do Lima, e vão por êste acima, até a sua cabeceira mais oriental, transpõem o espigão em demanda da nascente do galho ocidental do córrego do Capão Rico e por êste abaixo até o rio Jacú ou Jacúzinho, pelo qual descem até a barra do córrego Divisa, e por êste acima até a sua cabeceira mais oriental;

COM O MUNICÍPIO DE GUAREÍ:

Começam no espigão divisor entre as águas do rio Jacú ou Jacúzinho, a oêste, e as do rio Capivari, a léste, em frente da cabeceira mais oriental do córrego da Divisa, prosseguem pelo espigão em demanda da barra do ribeirão da Restinga Comprida, no rio Capivari, sobem por êste até a barra do ribeirão Sargento e por êste acima até a forquilha de suas cabeceiras principais, daí, em rumo ao morro da Conquista, procuram a nascente do córrego dêsse nome, e pelo córrego abaixo até o rio Guareí, subindo por êste até a barra do ribeirão Grande e por êste acima até sua cabeceira mais oriental, daí transpõem o espigão em demanda da cabeceira do galho do ribeirão Corrução, galho êste que atravessa o bairro do Ribeirão Grande, por êste descem até a barra do córrego Vassoural;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPETININGA:

Começam onde o córrego Vassoural faz barra no ribeirão da Corrução, descem por êste até o rio Itapetininga e por êste abaixo, até a barra do córrego Angatuba que passa a cêrca de dois kms. a léste da estação do mesmo nome, pelo qual sobem até a sua cabeceira e prosseguem pelo espigão em demanda da barra do córrego da Barreira, no rio Itapetininga;

COM O MUNICÍPIO DE BURI:

Começam no rio Itapetininga, na barra do córrego da Barreira, descem pelo rio Itapetininga até o rio Paranapanema, e por êste abaixo até a barra do rio Apiaí;

COM O MUNICÍPIO DE ITAÍ:

Começam no rio Paranapanema, onde faz barra o rio Apiaí, descem por aquele até a foz do córrego Brejo, vão por êste acima até sua cabeceira mais setentrional, e vão daí, em demanda da cabeceira mais ocidental do Água das Pedras, depois de atravessar o Brejo e por aquele abaixo até a sua barra no rio Jacú e por êste ainda ate o rio Santo Inácio, onde tiveram inicio estas divisas.

APARECIDA

O município de Aparecida, comarca de Guaratinguetá, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ:

Começam no rio Paraíba na fóz do corrego do Rosário, descem pelo Paraíba até a barra do ribeirão do Putim, vão daí em réta, à barra da água do Neves, no Paraíba, descem por êste, até o ponto distante cerca de 2.000 metros acima da barra do ribeirão de Guaratinguetá, vão dêsse ponto, em réta, ao marco do quilometro 296 da Estrada de Ferro Central do Brasil e seguem em réta até a barra do córrego dos Lemes, no ribeirão dos Motas, sobem por êste até a boca do córrego dos Bicudos continuam pelo espigão intermediário entre êsses dois cursos e ganham o espigão que deixa, à esquerda, o ribeirão São Gonçalo, e, à direita, o ribeirão dos Motas, pelo qual caminham até a Serra Quebra-Cangalha, e por esta até a cabeceira mais ocidental do rio do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE CUNHA

Começam na Serra Quebra-Cangalha, na cabeceira mais ocidental do rio do Peixe, prosseguem pela Serra Quebra-Cangalha até a cabeceira mais setentrional do ribeirão Pinheirinhos;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA

Começam no alto da Serra Quebra-Cangalha, na cabeceira mais setentrional do ribeirão Pinheirinhos, seguem pela cumiada da Serra, até cruzar com o divisor das águas do córrego Santa Teresa, afluênte do rio Pirapitingui, e, do córrego dos Campos da Vargem Grande;

COM O MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA:

Começam no alto da Serra Quebra-Cangalha, onde ela cruza com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego Santa Teresa, afluênte do rio Pirapitingui, e à direita, o córrego dos Campos de Vargem Grande, seguem por êste último divisor até a confluência de ambos os cursos e descem pelo Pirapitinguí até a boca do córrego Pindaltiba, que passa junto à povoação do mesmo nome, vão dêsse ponto, em réta, à barra do córrego do Rosário no rio Paraíba onde tiveram início estas divisas.

APIAÍ

O município de Apiaí, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da sede e dos de Barra do Chapéu e Itaóca, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITARARÉ

Começam na cabeceira do rio Macaco, na serra do Bom Sucesso, prosseguem pela referida serra até o contraforte da margem direita do ribeirão das Pedras, e por êste contraforte caminham até a barra do córrego das Lavras no ribeirão das Pedras;

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA:

Começam na barra do córrego das Lavras, no ribeirão das Pedras, descem por êste até o rio Pirituba, prosseguem daí, pelo espigão fronteiro e pelo divisor dos rios Pirituba e Taquarí-Guassú, em demanda da confluência do rio Pacas no Taquarí-Guassú, e por êste sobem até a barra do rio Saivá, subindo ainda por êste até sua cabeceira mais oriental, vôo daí em reta, à cabeceira mais ocidental do córrego Areado; descem por êste até sua foz no rio Apiaí-Guassú, subindo por êste até a barra do rio Santa Rita, e por êste ainda, até sua cabeceira na serra Paranapiacaba, pela qual caminham até cruzar com o divisor da margem direta do rio Beterizinho;

COM O MUNICÍPIO DE IPORANGA:

Começam na Serra do Paranapiacaba, onde cruza o divisor da margem direita do rio Beterizinho, prosseguem pelo divisor até a serra da Boa Vista, por ela caminham atravessando o rio Passa Vinte, prosseguindo pela dita serra até o contraforte da margem esquerda do rio Gurutuva e pelo contraforte caminham em demanda da barra do rio São Sebastião, no rio Ribeira;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio da Ribeira de Iguape, na barra do rio São Sebastião, e sobem pelo Ribeira até a foz do ribeirão Panelas;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRA:

Começam no Ribeira de Iguape, na foz do ribeirão Panelas, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional, vão daí, em reta, à Pedra Grande, e daí por nova reta à cabeceira do ribeirão Palmeiras; daí seguem, a rumo reto, ao Pico do Morro Agudo, entre os ribeirões Catas Altas e Pedras, prosseguem dêste ponto por nova reta ao pião divisor dos rios Azêdo, das Criminosas e das Pedras, prosseguem pelo divisor que deixa, à direita, as águas do rio das Pedras, e, à esquerda, as dos rios Areado e Macaco, até a cabeceira dêste na serra do Bom Sucesso, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE APIAÍ

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Apiaí, terá as seguintes divisas internas;

COMO O DISTRITO DE PAZ DE BARRA DO CHAPÉU (EX-CAPOEIRAS):

Começam no rio Areado no ponto em que é cortado pela reta que da Pedra Grande vai à cabeceira do rio Palmeiras sobem pelo Areado até a cabeceira do seu galho mais oriental, continuam pelo espigão que deixa, à direita, o rio do Tijuco, e, à esquerda, o ribeirão do Chapéu, até atingir a Cordilheira do Paranapiacaba e por esta seguem  até cruzar com o contraforte que deixa, à direita, as águas do rio Taquarí-Guassú, e, à esquerda, as do ribeirão Campininha, pelo qual caminham até entroncar com o divisor que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Guedes (afluente do rio Taquarí) e, à direita, as do ribeirão da Campininha (ramo final do rio Pirituba);

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAÓCA:

Começam na serra da Boa Vista, nas divisas com Iporanga, em frente à cabeceira do rio Acima, pelo qual descem até sua afluência com o rio Ponte de Tábuas, e por êste abaixo até sua barra no rio Palmital e dessa barra vão em reta á Pedra Grande.

DISTRITO DE PAZ DE BARRA DO CHAPÉU (EX-CAPOEIRAS):

O distrito de paz de Barra do Chapéu, para onde se transfere o distrito de paz de Capoeiras, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Guedes (afluente do rio Taquarí-Guassú), e, à direita, as do ribeirão do Campininha (ramo final do rio Pirituba), onde êle cruza com o contraforte, que deixa, à esquerda, as águas do rio Taquarí-Guassú e, à direita, as do rio Pirituba, seguem por êste último contraforte até entroncar na Cordilheira do Paranapiacaba e por esta caminham até cruzar com o espigão que deixa á esquerda, as águas do rio do Tijuco, e, à direita, as do ribeirão do Chapéu, indo até à cabeceira do galho mais oriental do rio Areado, pelo qual descem até o ponto em que é cortado pela reta que da Pedra Grande vai à cabeceira do rio Palmeiras;

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAÓCA:

Começam na serra da Boa Vista, nas divisas com Iporanga, em frente à cabeceira do rio Acima, pelo qual descem até sua confluência com o rio Ponte de Tábuas, e por êste abaixo até sua barra no rio Palmital e dessa barra vão em reta à Pedra Grande.

DISTRITO DE PAZ DE ITAÓCA

O distrito de paz de Itaóca, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Apiaí:
Começam na Pedra Grande e vão em reta à barra do rio Ponte de Tábuas, no rio Palmital, sobem por aquele até a foz do rio Acima, e por êste sobem até sua cabeceira alcançando a rumo a serra da Boa Vista.

ARAÇATUBA

O município de Araçatuba, comarca do mesmo nome, constituido do distrito de paz da séde e dos de Buritama, Macaúbas e Major Prado, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO:

Começam no ribeirão Água Fria, na foz do córrego Centenário, descem pelo ribeirão até o rio Tietê e seguem por êste até a barra do córrego do Osório, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE APRAZIVEL:

Começam no "divortium acquarum" São José dos Dourados - Tietê, na cabeceira mais setentrional do córrego Osório, prosseguem por êste espigão até frontear a cabeceira do ribeirão Açouta - Cavalos vão a rumo á nascente do mesmo e dai em réta á ponte sôbre o córrego Grande afluênte do ribeirão Mato Grosso.e por uma réta, atingem a barra do ribeirão Santa Barbara no rio Tietê,

COM O MUNICÍPIO DE CORÔADOS:

Começam no rio Tietê, na foz do corrego do Porto Rui Barbosa e descem pelo rio Tietê ate a barra do ribeirão dos Baixótes;

COM O MUNICÍPIO DE BIRIGUI:

Começam no rio Tietê na foz do ribeirão dos Baixótes e vão por aquele abaixo até a barra do ribeirão Báguassu, pelo qual sobem a barra do corrego Barro Preto e por êste ainda até sua cabeceira mais meridional, vão dai, em rêta á barra do córrego Brejinho no ribeirão Báguassú, pelo qual sobem ate a barra do córrego do Eliseu e por êste acima até sua cabeceira ocidental, seguem a rumo da cabeceira mais oriental do córrego Bôa Esperança:

COM O MUNICÍPIO DE GUARARAPES:

Começam na cabeceira do córrego Bôa Esperança, vão, dai em réta, a cabeceira do córrego da Prata, que fica na contravertente, e por êste descem até o corrego da Divisa e por êste abaixo até o córrego da Borboleta e por êste ainda até o córrego Azul, pelo qual sóbem até a barra do corrego da fazenda de Manoel Roque, indo por éste até sua cabeceira, vão em procura da cabeceira do córrego Lindeiro e por êste descem até o córrego Aracanguá, caminham pelo contraforte que deixa, á esquerda, as águas do córrego Aracanguá, e, á direita, as do ribeirão Jacarécatinga, em frente á cabeceira do corrego Santa Luzia;

COM O MUNICÍPIO DE VALPARAIZO:

Começam no espigão divisor que deixa, á esquerda, as águas do corrego Aracanguá, e a direita, as do ribeirão Jacarecatinga, em frente a cabeceira do corrego Santa Luzia, pelo qual descem até a barra do côrrego Contravertente, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais ocidental indo depois em demanda da cabeceira do córrego Santa Madalena e por este abaixo e pelo córrego Positivista até o ribeirão Àgua Fria, e por êste ainda, até a boca do corrego Centenário, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ARAÇATUBA

SEDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Araçatuba terá as seguintes divisas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MAJOR PRADO:

Começam no rio Tietê, na barra do córrego do Osório a vão por aquele acima até a Corredeira do Aracanguá;

COM O DISTRITO DE PAZ DE MACAÚBAS:

Começam no rio Tietê, na Corredeira do Aracanguá e vão por aquele acima até a barra do ribeirão Mato Grosso;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BURITAMA:

Começam no rio Tietê, na barra do ribeirão Mato Grosso e vão por aquêle acima até a boca do ribeirão Baguassú;


DISTRITO DE PAZ DE BURITAMA:


O distrito de paz de Buritama, que nesta data se transfere do município de Monte Aprazivel, para o de Arantuba, terá as seguintes divisas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Tietê na barra do ribeirão Báguassú, descem por aquele até a barra do ribeirão Mato Grosso.

COM O DISTRITO DE PAZ DE MACAÚBAS:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão Mato Grosso e vão por êste acima e pelo córrego Grande até a ponte da estrada de que vai á Vila de Macaúbas.

DISTRITO DE PAZ DE MACAÚBAS:

O distrito de paz de Macaúbas, que nesta data se transfére do município de Monte Aprazível para o de Araçatuba terá as seguintes divisas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÊDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão Mato Grosso e vão por a aquele abaixo até a Corredeira do Aracanguá;

COM O DISTRITO DE PAZ DE MAJOR PRADO:

Começam no rio Tietê, na Corredeira do Aracanguá, continuam pelo espigão que deixa, á direita as águas do ribeirão Macaubas, e, á, esquerda, as do córrego da Mata e do ribeirão Alambari, indo até cruzar com o espigão mestre Tietê - São José dos Dourados;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BURITAMA:

Começam no córrego Grande, na ponte da estrada que vai a Vila Macaúbas e descem pelo córrego e pelo ribeirão Mato-Grosso até o rio Tietê.

DISTRITO DE PAZ DE MAJOR PRADO:

O distrito de paz de Major Prado, que nesta data se transfere do município de Monte Aprazível para o de Araçatuba, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MACAÚBAS:

Começa no espigão mestre Tietê-São José dos Dourados onde ele cruza com o espigão que deixa a direita as águas do ribeirão Alambari e as do córrego da Mata e á esquerda as do ribeirão Macaúbas seguem por este ultimo espigão até a Corredeira do Aracanguá no rio Tietê:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Tietê na Corredeira do Aracanguá e descem pelo rio até a barra do córrego do Osório.

ARARAQUARA

O município de Araraquara, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da séde e os de Américo Brasiliense, Bueno de Andrada, Gavião Peixoto, Motuca, Rincão e Santa Lucia, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TABATINGA:

Começam no rio Jacaré-Guassú na foz do córrego Meia Legua, prosseguem pelo espião que deixa a direita o córrego Meia Legua até o espigão divisor dos rios Jacaré-Guassú e Itaquera pelo qual caminham em demanda da barra do córrego Bonito, no rio Itaquere  e por êste sobrem até a barra do córrego da fazenda Água Sumida.

COM O MUNICÍPIO DE MATÃO

Começam no rio Itaquerê na foz do córrego da Água Sumida, sobem por aquele até a barra do córrego da fazenda Santa Antonieta, continuam pelo espigão divisor entre as duas águas, até o espigão mestre entre as águas dos ribeirões Itaquerê e Monte Alegre e por este caminham em demanda da cabeceira do córrego Colônia da fazenda São Joaquim, descendo por este até sua barra no ribeirão Monte Alegre vão desta barra em reta á cabeceira mais setentrional do córrego da Colônia da fazenda Guarantan, e por este descem até o córrego da Ponte, e ainda por êste o ribeirão Lageado pelo qual continuam até a barra do córrego do Luciano;

COM O MUNICÍPIO DE GUARIBA:

Começam no ribeirão Lageado na foz do córrego do Luciano e por aquele descem até sua barra no rio Mogi-Guassú, sobem por este até á barra do córrego Guarani;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO:

Começam no rio Mogi-Guassú, na barra do córrego Guanari, sóbem por aquele até a barra do córrego do Veado;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO SIMÃO:

Começam no rio Mogi-Guassú na barra do córrego do Veado e por aquele sobem até a barra do ribeirão Guabirobas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS:

Começam no rio Mogi-Guassú, na barra do ribeirão Guabirobas, sobem por este até sua nascente mais meridional e vão dai, em reta, á cabeceira mais setentrional do córrego de J. Brizorara e por este descem até o ribeirão das Cabaceiras, sobem este até o córrego dos Portugueses e por êste acima até barra do córrego José Ribeiro, vão desta barra em reta á confluência do córrego Salvador Martins no ribeirão das Cabaceiras e por este acima até a barra do córrego Olhos D' agua, sobem por este até sua cabeceira mais meridiano, vão dai, pelo espigão fronteira em demanda do Morro das Araras e continuam pelo espigão que contorna as  cabeceiras do ribeirão das Anhamas, deixando á esquerda, as águas do ribeirão Chibarro, indo a barra do córrego da Varzea neste último sóbem pelo Varzea, até sua cabeceira, alcançam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro no marco do quilometro 226, da sua linha tronco da sua linha tronco, cerca de 2.000 metros a leste da estação de Tamoio e vão pelo espigão em demanda da  tarra do córrego da Lagoinha no ribeirão Corrente, prosseguem pelo espigão fronteira, em busca do divisor entre as águas deste e as do rio Jacaré Grande, pelo qual caminham, indo até a cabeceira mais oriental do ribeirão do Laranjal pelo qual descem até o rio Jacaré Grande;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO:

Começam no rio Jacaré-Grande, na foz do ribeirão do Laranjal e descem por aquele até a barra do córrego do Ipê;

COM O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA:

Começam no rio Jacaré-Grande, na fóz do córrego do Ipê, e descem por aquele até a barra do córrego Meta Légua, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE ARARAQUARA

SEDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Araraquara terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

Começam no espigão mestre entre as águas dos rios Jacaré-Guassú e Itaquerê no ponto de cruzamento do divisor entre as águas dos córrego da Mulada e do tanque, prosseguem pelo espigão mestre até alcançar a ponta dos trilhos do ramal dos lenheiros seguem pelo eixo da linha férrea até a Guarita vão daí á cabeceira do córrego da Trela, e por este abaixo até a boca do córrego do Boi:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTA LUCIA:

Começam na confluência do córrego do Boi com  o córrego de Trela, vão a rumo em demanda da nascente do córrego Cabreuva e depois a  nascente do córrego da  Fazenda Santa Isabel;

COM O DISTRITO DE PAZ DE AMERICO BRASILENSE:

Começam na nascente do córrego da Fazenda Santa Isabel procuram o espigão que deixa, a esquerda as ruas do ribeirão do Rancho Queimado e do ribeirão Cruzeiro e a direito a dos ribeirões das Cruzes e do Ouro pelo qual caminham até cruzar com o divisor intermediario entre as águas do córrego Bom Retiro, a direita e do Paulino a esquerda avançando por este último divisor até a lotação desses dois cursos vão dai, a rumo da barra do córrego do Estrada do no ribeirão das Anhumas e dessa confluência em reta, da barra do córrego dos Portuguêses no ribeirão da Cabaceiras;

COM O DISTRITO FR PAZ DE GAVIÃO PEIXOTO


Começam no rio Jacaré-Guassú, na foz do córrego do Tanque, caminham pelo espigão entre as águas deste e as do ribeirão da Mulada, indo até o espigão mestre Itaquerê-Jacaré-guassú.


DISTRITO DE AMÉRICO BRASILIENSE 


O distrito de paz de Américo Brasiliense terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTA LUCIA:


Começam na nascente do córrego da fazenda Santa Isabel, vão em réta, á cabeceira  de oeste do córrego Contendas,galgam o alto do espigão que deixa a leste, as águas do ribeirão da Anhamas, e, a oeste, as do ribeirão do Rancho Queimado, pelo qual seguem até encontrar o espigão que deixa, á direita, o córrego da fazenda Monte Verde, seguindo por este espigão até a barra do córrego do Monjolinho no ribeirão Cruzeiro, de vão dessa barra em reta, atravessando o ribeirão das Anhumas, a confluência do córrego do Engenho Velho de ribeirão Guabirobas;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão das Cabaceiras, onde deságua o córrego dos Portugueses, seguem em reta á barra do córrego do Espraiado no ribeirão das Anhumas, e dai, a rumo, á barra do córrego do Bom Retiro no córrego do Paulino continuam pelo espigão intermediário desses dois cursos até cruzar com o espigão intermediário desses dois cursos até cruzar com o espigão que deixa á direita as águas dos ribeirão Cruzeiros e Rancho Queimado, e á esquerda, as dos ribeirão do Ouro e das Cruzes caminham por este último divisor indo até a nascente do córrego da fazenda Santa Isabel.
 
DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

O distrito de paz de Bueno de Andrada terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MOTUCA:

Começam no ribeirão do Lageado, na foz do córrego Passa Cinco, vão dai em reta a barra do córrego da Fazendo Capão Bonito no ribeiro de Monte Alegre continuam pelo espigão que deixa á direita as águas do córrego Boqueirão e a esquerda as da fazenda Namura indo até a nascente do ribeirão das Almas:

COM O DISTRITO DE PAZ DO RINCÃO:

Começam na nascente do ribeirão das Almas vão em reta á nascente do córrego Desbarrancado, cortando o ribeirão Rincão:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTA LUCIA 


Começam na nascente do córrego Desbarrancado, vão daí, em réta, a barra do córrego do Boi no ribeirão do Rancho Queimado, sobem por aquele até a barra do córrego da Trela:


COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:


Começam na confluência do córrego da trela com o  córrego do Boi, sóbem por aquele até sua cabeceira, vão dai em reta a Guarita e continuam pelo eixo da linha ferrea do ramal dos lenheiros até a ponta dos trilhos, prosseguindo depois, pelo espigão que deixa á direita as água do rio Itaquerê, e á esquerda, as do rio Jacaré-Guassú, indo até entroncar o divisor dos córregos do Tanque á esquerda, e da Mulada, á direita.

DISTRITO DE PAZ DE GAVIÃO PEIXOTO:

O distrito de paz de Gavião Peixoto, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

Começam no ribeirão Itaquerê na barra do córrego do Piriquito prosseguem pelo espigão da margem  esquerda dêsse mestre Jacaré-Guassú- Itaquerê;

 COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre entre as águas dos rios Itaquerê e Jacaré-Guassú, no ponto de cruzamento com o divisor entre as águas do córrego do tanque no rio Jacaré-Guassú.

DISTRITO DE PAZ DE MOTUCA:

O distrito de paz de Motuca terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RINCÃO:

Começam no rio Mogi-Guassú na foz ribeirão das Almas e vão por este acima até sua nascente:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

Começam na  nascente do ribeirão das Almas procuram o espigão que deixa a direita as cabeceiras do córrego da fazenda Namura, e á esquerda as do córrego Boqueirão, indo por este espigão avançam até a barra do córrego da fazenda Capão Bonito no ribeirão de Monte Alegre e vão dai, em reta a barra do córrego de  Passa Cinco no ribeirão do Lageado.

DISTRITO DE PAZ DE RINCÃO:

O distrito de paz de Rincão terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

Começam na nascente do córrego Desbarrancado, e são dai em reta, a nascente do ribeirão das Almas, atravessando o ribeirão do Rincão;

COM O DISTRITO DE PAZ DE MOTUCA:

Começam na nascente do ribeirão das Almas e deste por êste o rio Mogi-Guassú;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTA LUCIA:

Começa no ribeirão das Guabirobas, na foz do pequeno córrego da Estrada Velha, vão dai, em reta á nascente a barra do pequeno córrego do Lenheiro de Francisco Greco no ribeirão das Anhumas depois de cortar e ribeirão das Cabeceiras, daquela barra seguem por nova reta, até a ponte da  Companhia Paulista de Estradas de Ferro sôbre o córrego Fundo e por este abaixo até o ribeirão do Rancho Queimado, subindo por este até a boca do córrego Desbarrancado e por este ainda até sua nascente.

DISTRITO DE PAZ DE SANTA LUCIA

O distrito de paz Santa Lucia terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BUENO DE ANDRADA:

Começam na confluência do córrego da Trela com o córrego do Boi, descem por este ao Ribeirão do Rancho Queimado, vão daí, em reta a nascente do córrego Desbarrancado;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RINCÃO:

Começam na nascente do córrego Desbarrancado, descem por este ao ribeirão do Rancho Queimado e por este abaixo até a foz córrego Fundo, pela qual sabem até a ponte da Companhia Paulista de Estradas de ferro, e dai em reta á barra do pequeno córrego do lenheiro de Francisco Greco do ribeirão da Anhumas, e, por outra reta, dessa barra atravessando o ribeirão das Cabeceiras vão á nascente do córrego do Mosquito seguindo dai, em reta, até a barra do pequeno córrego da Estrada Velha no ribeirão das Guabirobas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE AMERICO BRASILIENSE

Começam na nascente do ribeirão das Guabirobas, vão em reta á barra do córrego do Engenho Velho no ribeirão das Cabeceiras e por outra reta, depois de atravessar o ribeirão das Anhumas alcançam a barra do córrego do Monjolinho no ribeirão Cruzeiro seguem pelo espigão que deixa á direita as águas do córrego da Fazenda Monte Verde, e, á esquerda as do córrego da Fazenda Santa Maria, até atingir o alto do espigão que deixa, a leste as águas do ribeirão da Anhumas,e, a oeste as do ribeirão Rancho Queimado, e dai seguem até a cabeceira do galho de oeste do córrego das Contendas e daí em reta atingem a nascente do córrego da Fazenda da Santa Isabel;
 
COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam na nascente do córrego da Fazenda Santa Isabel seguem em demanda da nascente do córrego Cabreuva e depois  a rumo da confluência do córrego da Trela no córrego do Boi.

ARARAS

O município de Araras comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE RIO CLARO:

Começam no espigão mestre Piracicaba-Mogi Guassú ao  norte as  água vertentes do ribeirão das Araras, e, ao sul as do ribeirão Tatu seguem pelo espigão mestre e seu prolongamento, até a barra do córrego Monte Alegre no córrego do Jacú, cabeceira esta do ribeirão do Roque;

COM O MUNICÍPIO DE LEME:

Começam na barra do córrego Monte Alegre no córrego do Jacú, sabem por este até sua cabeceira mais oriental, ganham o espigão deixando ao norte as cabeceiras  do ribeirão da Invernada até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego da Fazenda São bento, descem este até sua barra no córrego da Fazenda da Colonia do Crispim, vão por este acima até sua cabeceira mais meridional, dirigem-se a seguir ao espigão que deixa ao norte, as água do ribeirão do Meio e, ao sul as do ribeirão das Araras, pelo qual até alcançar o espigão que deixa á direita as águas este último ribeirão, e á esquerda as do córrego do Rio das Pedras espigão pelo qual continuam até frontear a cabeceira mais ocidental do córrego do Rio das Pedras pelo qual descem até rio  Mogi-Guassú:

COM O MUNICÍPIO DE MOGI-GUASSÚ

Começam no rio Mogi-Guassú, onde faz barra o córrego do Rio das Pedras e sobem pelo rio Mogi-Guassú até a barra do córrego do Corta-Rabicho;

COM O MUNICÍPIO DE MOGI-MIRIM:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde desagua o córrego Corta-Rancho sobem por este até sua cabeceira sudoriental e vão dai em reta á barra do ribeirão do Pantano no ribeirão do cerrado e descem por nova reta á barra do córrego Barbosa no ribeirão do Ferraz pelo qual sobem até a barra do córrego Bom Jesus;

COM O MUNICÍPIO DE LIMEIRA:

Começam no ribeirão Ferraz, na fôz do córrego Bom Jesus e pelo ribeirão acima até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa as águas do ribeirão Tatú á esquerda, e as do ribeirão das Araras á direita até o espigão mestre Mogi-Guassú-Piracicaba, onde tiveram inicio estas divisas.

AREIAS

O município de Areias, comarca de Queluz terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE QUELUZ:

Começam no rio Itagaçaba, na fóz do córrego São Brás pelo qual sóbem até sua cabeceira mais oriental prosseguem pelo espigão divisor das água dos rios Paraiba, á esquerda, e Itagaçaba á dierita até atingir o divisor dos rios Paraíba e Vermelho que tem os nomes locais de Serrote e Morro da Fortaleza e por este divisor continuam até  o Paredão pelo qual caminham ate a barra do córrego do mesmo nome, no rio Paraiba;

COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

Começam no rio Paraíba na barra do córrego Paredão, seguem pelo rio Paraiba até a fóz do ribeirão das Palmeiras por este sóbem e pelo córrego do Açude até sua cabeceira continuam pelo divisor que deixa á esquerda as água do rio Pariba, e, á direita as do ribeirão Santana, indo até a cabeceira mais ocidental do córrego Barreira pelo qual descem ao ribeirão Vermelho e por este ainda até boca do córrego de Santa Rita, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ao sul, continuam pelo divisor que deixa, á esquerda, as águas dos ribeirões Santana e Passa Vinte e, á direita as do córrego da Vargem e ribeirão Vermelho, indo até a cabeceira do córrego da Estrada Velha;

COM O MUNICÍPIO DE BARREIRO: (EX. S. JOSÉ DO BARREIRO)

Começam na cabeceira do córrego da Estrada Velha seguem pelo espigão da margem do rio Vermelho passando pelo Morro Santana e Morro frio em demanda da barra do córrego frio no rio Santana sóbem por este até a boca do ribeirão do Pecegueiro continuam por este até a boca do ribeirão do pecegueiro, continuam por este acima até sua cabeceira que contravertente com a cabeceira do córrego da Vargem do Inácio tomam o alto do espigão que nada mais é que a Cordilheira do Mar passam pelos nomes dos morros da Boa Vista do Encantado o Alto do Segredo alcançam a cabeceira do córrego da Estiva e por ele descem até o rio Paraitinga:

COM O MUNICÍPIO DE CUNHA:

Começam no rio Paraitinga na fôz do córrego da Estiva sobem por aquele até a boca do córrego das Pedras vão por este acima até sua cabeceira continuam pelo espigão que deixa á direita as águas dos afluêntes daquele córrego os ribeirões do Causa Cavalo e dos cochos indo até a cabeceira do córrego Curral Velho:

COM O MUNICÍPIO DE SILVEIRAS:

Começam no alto do espigão chamado dos Macaquinhos na cabeceira do córrego Curral Velho descem por este até o ribeirão dos Cochos vão dai em reta á cabeceira mais meridional do rio Paritinga alcançam o espigão que deixa á direita as água dêste as águas dêste rio e, a esquerda as do córrego do Lima prosseguem por êste espigão até cruzar com o contraforte entre as água dos rios Itagaçaba e Itagaçabinha e por este contraforte  caminham até a confluências dos referidos rios descendo pelo Itaçacaba até a barra do córrego de São Brás onde tiveram inicio estas divisas.

ARIRANHA

O município de Ariranha, comarca de Sta. Adélia terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CATANDUVA:

Começam no espigão mestre São Domingos-Onça em frente á cabeceira mais meridional do córrego Bôa Vista  do Generoso descem por êste ao ribeirão da Onça:

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGI:

Começam no ribeirão da Onça, na fóz do córrego Boa Vista do Generoso e por aquele sobem até a barra do córrego Queirozes;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE ALTO:

Começam no ribeirão da Onça na fóz do córrego Queirozes vão por aquele acima até a embocadura do ribeirão dos Mendes;

COM O MUNICÍPIO DE FERNANDO PRESTES:

Começam no ribeirão da Onça na fóz do ribeirão dos Mendes, seguem pelo divisor que deixa á esquerda, as águas dêste ribeirão, e á direita as do córrego das Conganhas até encontrar a reta que parte da confluência das principais nascentes do córrego do Cunha e vai á barra do córrego do Cedro, no córrego dos Leites;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ADÉLIA:

Começam no espigão entre as águas dos córregos do Cunha e Congonhas no ponto em que é cortado pela reta que da confluência das principais nascentes do córrego do Cunha vai á barra do córrego do Cedro no córrego dos Leites, prosseguem pela reta referida até sua extremidade na barra citada sobem pelo córrego dos Leites até a barra do córrego dos Motas, vão por êste acima até sua cabeceira mais ocidental procuram  a cabeceira mais oriental do córrego dos limas, que fica na contravertente e descem por êste sua confluência com o córrego da  Bôa Esperança;

COMO MUNICÍPIO DE PINDORAMA:

Começam na confluência do córrego dos Limas com o córrego da Bôa Esperança sobem por aquele até a barra do córrego da Figueira continuam pelo espigão que  deixa á direita  as águas dêste último, caminhando até encontrar o espigão mestre São Domingos-Onça pelo qual avançam até confrontar com a cabeceira mais meridional do córrego Bôa Vista do Generoso onde tiveram inicio estas divisas

ASSIS

O município de Assis, comarca do mesmo nome constituindo do distrito de paz da sede e do de Tarumã, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MARACAI:

Começam no rio Paranapanema, na foz do ribeirão Anhuminhas ou do Bugio, sabem por êste até sua cabeceira mais setentrional continuam pelo espigão entre as águas do rio Capivara e ribeirão do Cervo, á esquerda e do ribeirão Dourado á direita indo até a nascente do córrego Cambe ou Cateto, pelo qual descem até o ribeirão do cervo, e por êste acima até a barra do córrego Tempestade, pelo qual sobem até sua cabeceira, vão dai rumo á cabeceira do córrego ao Ajoro pelo qual descem até o ribeirão das Antas, e por êste ainda até a barra do córrego do Campo Bonito;

COM O MUNICÍPIO DE PARAGUASSÚ:

Começam no ribeirão das Antas, na barra do córrego do Campo Bonito, continuam pelo espigão que contorna o córrego do Retiro indo á cabeceira do córrego Mombuca, pelo qual descem até o rio Capivara;

COM O MUNICÍPIO DE BELA VISTA

(EX-CAMPOS NOVOS)

Começam no ribeirão da Capivara, na barra do córrego  Mombuca, sobem pelo Capivara, até a barra do ribeirão de São Bartolomeu,  sobem pelo Capivara, até a barra do ribeirão de São Bartolomeu, sobem por êste até sua cabeceira mais oriental, ganhando, o rumo, o espigão mestre Paranapanema-Peixe, em frente á cabeceira da Água do Café:

COM O MUNICÍPIO DE PALMITAL:

Começam no espigão mestre Peixe-Paranapanema em frente a cabeceira da água do Café, descem por esta e pelo ribeirão Pirapitinga até a porte da estrada de rodagem que vai da cidade de Palmital à de Assis;

COM O MUNICÍPIO DE CANDIDO MOTA:

Começam na ponte do ribeirão Pirapitinga, na estrada de rodagem que  de Assis vai á Palmital, vão daqui, em reta, até a barra do córrego do Matão, no ribeirão do Pavão e desta confluência em reta a fóz do córrego Figueira, no ribeirão Jacu, sobem êste até sua cabeceira do galho da esquerda, e continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão da Queimada, e. á direita, as do ribeirões Fortuna e Dourado, até alcançar a cabeceira do córrego do Brene e por êste abaixo até o rio Paranapanema;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio Paranapanema, na foz do córrego do Brene e vão pelo rio abaixo até a barra do ribeirão Anhuminhas onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ASSIS

TARUMAN

O distrito de paz de Taruman terá como divisa interna, com o distrito de paz da séde o espigão mestre Paranapanema-Capivara em toda sua extensão, deste onde fronteira a cabeceira da Água da Pinguela afluente do ribeirão Queixada, até frontear a cabeceira do córrego do Cateto, ou Lmbé afluente do ribeirão da Fortuna.

ATIBAIA

O município de Atibaia, comarca do mesmo nome, constituição do distrito de paz da séde e do de Jarinú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITATIBA:

Começam no espigão entre as águas do rio Jundiaí ao sul, e as do rio Atibáia ao norte, onde esta cruza o divisor da margem direita do ribeirão Invernada, seguem pelo espigão em demanda da nascente mais ocidental do ribeirão do Morro Azul, pelo qual descem até o rio Atibaia e vão por este acima até a barra do ribeirão da Fazenda Velha;

COM O MUNICÍPIO DE BRAGANÇA:

Começam no Atibaia, onde faz a barra o ribeirão da Fazenda Velha, sobem por aquele até a barra do ribeirão de Mato Dentro e por este acima até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão em demanda da confluência do córrego da Bocaina, que passa na séde da Fazenda Trigo, no rio das Pedras, sobem por êste até a ponte da São Paulo Raiiway Company, prosseguem pelo espigão dos Cubas até a confluência do córrego do Areal, no ribeirão da Resaca que vem do bairro do Morro Grande, e continuam pelo espigão que deixa á direita, as cabeceiras do ribeirão dos Peçanhas, até o Morro Grande dos Cunhas, na cabeceira do córrego do Padre Abel.

COM O  MUNICÍPIO DE PIRACAIA:

Começam no Morro Grande dos Cunhas, na cabeceira mais setentrional do córrego do Padre Abel e por êste descem até o rio Cachoeira:

COM O MUNICÍPIO DE NAZARÉ:

Começam no rio Cachoeira, onde faz barra o córrego do Padre Abel, descem por aquele até o rio Atibaia ou Atibainha e por êste ainda até a foz do ribeirão Laranja Azedo, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ocidental, já no Pico da Serra de Itapetininga, continuam pela crista desta em demanda da barra do córrego da Pedra Vermelha no ribeirão do Onofre, transpõem o ribeirão seguindo pelo cumiada da Serra da Pedra Vermelha deixando, á esquerda as águas do ribeirão Itapetininga ou  dos Pintos e contornos as cabeceiras do córrego da Pedra Vermelha até o pião divisor entre as águas dos rios Jundiaí, Onofre e Cachoeirinha:

COM O MUNICÍPIO DE JUQUERÍ:

Começam no pião divisor entre as águas dos rios Jundiaí, Onofre e Cachoeirinha, prosseguem pelo espigão que deixa ao norte, as águas do rio Onofre e, ao sul, as do rio Jundiaí, em demanda da barra do córrego Cangica no rio Jundiaí, seguem pelo espigão fronteiro que deixa á esquerda as águas dêste córrego e alcançam a Serra do Botujurú, divisor entre as águas do rio Jundiaí ao norte a do rio Juquerí ao sul até cruzar o espigão entre as águas do ribeirão dos Taipas á direita, e as do ribeirão das Éguas ou da Fazenda Velha á esquerda;

COM O MUNICÍPIO DE JUNDIAí:

Começam na Serra do Botujurú onde esta cruza com o espigão que deixa á direita o ribeirão das taipas e á esquerda o ribeirão das éguas ou da Fazenda Velha; seguem pelo espigão em demanda da barra do ribeirão da taipas no rio Jundiaí prosseguem desta barra, pelo espigão fronteira em demanda da cabeceira mais oriental do ribeirão dos Perdões e por êste descem até o rio Jundiaí-Mirim e por êste abaixo até a barra do córrego do Tanque ou Invernada seguindo dessa confluência pelo espigão que deixa a leste as águas dêste último até cruzar com o divisor entre as águas do rio Jundiaí ao sul e as do rio Atibaia ao norte onde principiaram estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ATIBAIA:

JARINÚ

O distrito de paz de Jarinú terá as seguintes divisas internas:
Começam no rio Atibaia na barra do ribeirão de Matão Dentro sobem pelo Atibaia até a embocadura do ribeirão de Campo Largo e por esta acima até a barra do ribeirão do Morro de Antonio Alves, continuam pelo espigão intermediário a esse dois cursos e pelo que deixa á direita o ribeirão Maracanâ, e, á esquerda, o rio Atibaia, indo até a barra do córrego de Rio Acima no rio Jundiaí e por êste abaixo até a boca ribeirão das Taipas.

AVAÍ

O município de Avaí, comarca de Baurú, constituído do distrito de paz da séde e do Guaricanga, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE ALVES:

Começam na cabeceira do córrego Avaí, seguem por êste abaixo até sua barra no rio Batalhinha, sobem por êste até a foz do córrego chamado Água do Km 60 e por êste acima  até sua cabeceira, vão daqui em demanda da cabeceira do córrego da Fazenda Cangica, continuam por êste abaixo até o ribeirão Jacutinga e por êste acima até a foz do córrego do Cateto pelo qual sobem até a  barra do córrego da Usina Miranda;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUI:

Começam no córrego do Cateto na barra do córrego da Usina Miranda, sobem por aquele até sua cabeceira  principal continuam depois pelo divisor que deixa á esquerda as águas do rio Dourados e á direita as do rio Batalha,em demanda da cabeceira do córrego do Bicho caminham por êste abaixo até o rio Batalha e por êste acima a barra do ribeirão Água Parada;

COM O MUNICÍPIO DE BAURÚ:

Começam na confluência  do rio Batalha com o ribeirão da Água Parada continuam pelo espigão intermediário entre essas duas águas até frontear a cabeceira mais setentrional do córrego da Divisa por êste abaixo até o ribeirão do Pantano e por êste ainda até a foz do ribeirão Fundo: seguem pelo que deixa á direita as águas do rio Batalha e esquerda as ribeirão Fundo e córrego Santa Maria, até na cabeceira do  córrego chamada água do Km 39 pelo qual descem ao córrego da Cobra e por êste acima até sua cabeceira ganham ao córrego da Cobra e por êste acima até sua cabeceira ganham a rumo a cabeceira do córrego Sete Alqueires e  por êste descem  ao rio Batalha pelo qual sobem até a  embocadura do córrego das Antas caminham por êste acima até sua cabeceira, continuando depois pelo espigão que deixa., á direita as águas do córrego  do Arriba, e a esquerda, as do ribeirão Barreira, até alcançar o espigão  mestre divisor entre as águas dos rios Batalha e Alambari:

COM O MUNICÍPIO DE DUARTINA:

Começa no divisor mestre dos rios Batalha e Alambari, onde cruza o divisor dos córregos Saraiva e Araribá, seguem pelo espigão mestre até defrontar a cabeceira mais alta do córrego Eduardo Porto:

COM O MUNICÍPIO DE GALIA:

Começam no espigão mestre Batalha-Alambari em frente a cabeceira do córrego Eduardo Porto, e vão dai em reta á cabeceira do córrego Avaí onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE AVAÍ

GUARICANGA

O distrito de paz de Guaricanga terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Avaí:
Começa no ribeirão Fundo, na foz do córrego do Pantano, descem por aquele ao rio Batalha e por  êste abaixo até a barra do ribeirão Capituva, continuando pelo espigão que deixa, á direita as águas deste último e á esquerda, as do ribeirão Jacutinga até frontear a cabeceira do córrego Cateto.

AVANHANDAVA

O município de Avanhandava, comarca de Penápolis, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS:

Começam no rio Feio, na foz do córrego do Matão sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental, e prosseguem pelo espigão que deixa, á esquerda as águas do ribeirão Lageado, e, á direita as dos ribeirões Barra Mansa último no rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE JOSÉ BONIFÁCIO:
Começam no rio Tietê, na foz Água da Barrinha da Figueira, e pelo rio sobem até a barra do ribeirão dos Patos:

COM O MUNICÍPIO DE PROMISSÃO:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o ribeirão dos Patos sobem por êste até a foz do ribeirão Barra Mansa e por êste acima até a embocadura do córrego Areia Branca, e ainda por êste até sua cabeceira, continuam pelo espigão Aguapei-Tietê, em demanda da cabeceira do córrego Perobal e por êste descem até o rio Feio;

COM O MUNICÍPIO DE GETULINA:

Começam no rio Feio, na foz do córrego Perobal, descem pelo rio até a barra do córrego do Matão, onde tiveram inicio estas divisas.

AVARÉ

O município de Avaré, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CERQUEIRA CESAR:

Começam no rio Paranapanema, onde faz barra, o ribeirão Bonito pelo qual até a cabeceira mais setentrional, transpõem o espigão mestre entre os rios Pardo Paranapanema em demanda da cabeceira, que fica em contravertente do ribeirão da Bôa Vista e por êste descem até o rio Novo e por êste acima até a barra do córrego do Cateto ou Tatêto, subindo por êste acima a sua cabeceira já no espigão mestre entre as águas do rio Novo e as do rio Pardo, ganham a cabeceira do córrego dos Cochos Velhos e por êste abaixo e pelo córrego Lageado até o rio Pardo, descendo por êste até o ribeirão Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA DO RIO PARDO:

Começam no rio Pardo, na barra do ribeirão Palmital e por este acima até a barra do córrego do Muniz;

COM O MUNICÍPIO DE LENÇÓIS:

Começam no ribeirão Palmital, onde deságua o córrego do Muniz, sobem pelo ribeirão até a embocadura do córrego que passa próximo a sede da Fazenda Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE BOTUCATÚ:

Começam no rio Palmital, onde deságua o córrego que passa perto da sede da fazenda Palmital, sobem por êste córrego até sua cabeceira mais ocidental, transpõem o espigão em demanda da cabeceira do córrego da Comissão, que nasce na contravertente, e vão por êle abaixo até o ribeirão da Divisa e por êste, ainda até o rio Pardo, subindo por êste até a barra do ribeirão Tijuco Preto;
COM O MUNICIPIO DE ITATINGA

Começam no rio Pardo, na barra do ribeirão Tijuco Preto, sobem por este até a cabeceira do galho central, vão daí em reta, a barra do ribeirão Bonito no rio Novo, e por este acima até sua cabeceira sudocidental, prosseguindo pelo espigão que deixa, a leste, as águas do ribeirão Corrente, e, a oeste o ribeirão da Pedra Preta, indo ate a barra do ribeirão Corrente, no rio Paranapanema;

COM O MUNICIPIO DE ITAÍ:

Começam onde o ribeiro Corrente faz barra no rio Paranapanema e vão por este abaixo até a foz do ribeirão Bonito, onde tiveram início estas divisas.

BANANAL

O município de Bananal, comarca do mesmo nome terá as seguintes divisas;

COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Começam no Morro da Divisa, continuam pelo divisor que deixa, a esquerda, as águas do rio Formoso e córregos Bom Destino e Boa vista, e, a direita, as dos córregos do Açude, Coqueiros e ribeirão do Antero, alcançam a cabeceira mais ocidental do córrego Pimentel, pelo qual descem ao ribeirão das Palmeiras e por este abaixo, ate o rio Ipiranga e por este ainda, ate a boca do córrego Nacional, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ocidental, continuam pelo divisor que deixa, a direita, as águas do rio Barreiro e, a esquerda, as do ribeirão Fortaleza, até a cabeceira mais ocidental do Córrego Reserva, pelo qual descem até o rio Barreiro, subindo por este ate a foz do córrego da Divisa e por este acima até sua cabeceira principal, continuam pelo divisor que deixa, a direita, as águas do rio Barreiro e ribeirão Cantagalo e, a esquerda, as da Água do Piranchim (passando pelo Monte Alto) e as do córrego Cafundó e ribeirão Caracol, até atingir a cabeceira mais ocidental do córrego do Cunha, pelo qual descem até o rio Turvo e por este abaixo ate a boca do córrego Quebra Canto, pelo qual sobem até sua cabeceira mais oriental, ganham a cabeceira principal do córrego do Boeiro de cima e por ele descem ao rio Bananal, e por este ainda ate a barra do córrego da Soledade e por este acima e pela Água Pequena até sua cabeceira mais oriental, continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas destes últimos cursos, e, a esquerda, as do córrego do Sitio e do ribeirão da Bocaina, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego da Estrela e por este abaixo até o ribeirão Bocaina, pelo qual sobem até a embocadura do córrego da Independência e por este acima ate sua cabeceira, vão daqui, a cabeceira principal do córrego Tapir e por este abaixo até o rio Carioca ou das Antinhas, sobem por este até a boca do córrego Alfa e por este acima e pelo córrego Beta, ate sua cabeceira principal, daí pelo divisor que deixa, a direita, as águas do rio Carioca ou Antinhas, e, a esquerda, as do rio Barra Mansa, ate a Pedra do Rio Claro, já na Serra da Carioca, continuam pela cumiada desta ate atingir a cabeceira mais oriental do córrego dos Cabritos, descem por este ao rio da Prata e por este acima até a barra do córrego do Pedro e por este ainda até sua cabeceira principal, seguem pelo alto do Morro do Pedro e continuam pelo divisor que deixa, a direita, as águas do ribeirão Jararaca, e, a esquerda, as do ribeirão Róla ou Valentim, e do rio do Braço, indo até a barra do ribeirão da Jararaca no rio do Braço, subindo pór este e pelo córrego do Ronca  ate sua cabeceira e depois pela crista da Serra do Mar ou Geral até a barra do ribeirão do Tombo, no rio Bracui, continuando de novo, pela cumiada da Serra do Mar ou Geral, até seu cruzamento com a Serra das Perobeiras, que é o espigão mestre entre as águas do rio Bracui, a direita, e as do rio Mombucaba, à esquerda;

COM O MUNICIPIO DE BARREIRO 

Começam na Serra do Mar ou Geral, onde êle cruza com a Serra das Perobeiras, que é o espigão mestre entre as águas do rio Bracuí, a direita, e as do rio Mambucaba, à esquerda, seguem por êsse espigão mestre até a Pedra Redonda e continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas do rio Barreiro, e a esquerda, as do rio Formoso, até o Morro da Divisa, onde tiveram princípio estas divisas.

BARIRÍ

O município de Barirí, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede e do de Itaju, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICIPIO DE IBITINGA

Começam no rio Tiete, onde faz barra o rio Jacaré-Pepira, sobem por este até a barra do córrego Perdizes;

COM O MUNICIPIO DE BÔA ESPERANÇA

Começam na barra do córrego das Perdizes, no rio Jacaré-Pepira e vão por este acima até a foz do ribeirão das Três Barras;

COM O MUNICIPIO DE BOCAÍNA 

Começam no rio Jacaré - Pepira, onde deságua o ribeirão das Três Barras, vão por este acima ate a embocadura do córrego do Meio, continuam por este acima, e pelo braço da direita, até a sua cabeceira; seguem pelo espigão que deixa, a esquerda, as águas dos córregos do Meio, Taboa e ribeirão Curralinho, em demanda da cabeceira do córrego da Taboca, que nasce cerca de meio km ao sul da estação do mesmo nome, da estrada de Ferro Douradense;
COM O MUNICÍPIO DE JAÚ
Começam na cabeceira do córrego da Fazenda Prata por este descem até o ribeirão da Prata segundo por este abaixo até o rio Jaú:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPUÍ:
Começam no rio Jaú, onde desemboca o ribeirão da Prata vão pelo rio abaixo até a sua no rio Tiête e por este descem até a barra do ribeirão da Água Limpa;

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS

Começam no rio Tiête, onde deságua no ribeirão da Água Limpa e vão por aquele abaixo até a barra do Veado:
COM O MUNICIPIO DE IACANGA
Começam no rio Tietê, na barra do córrego do Veado e descem por aquele rio até a fôz do rio Jacaré - Pepira, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE BARIRÍ

ITAJU

O distrito de paz de Itajú terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do municipio de Bariri:
Começam no rio Tiête na foz do ribeirão Bôa Vista de Cima, sobem pelo ribeirão até sua cabeceira mais oriental e continuam pelo espigão até a barra do córrego das Perdizes no rio Jacaré - Pepira

BARRA BONITA
O município de barra Bonita comarca de Jaú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no rio Tiête,onde faz barra o ribeirão Iguatemi; sobem por êste a boca do córrego Trindade continuam pelo espigão fronteiro em demanda do espigão mestre Jaú-Tiête pelo qual  caminham até frontear a cabeceira do córrego da Fazenda Ferraz do Amaral;

COM O MUNICÍPIO DE MINEIROS:

Começam no espigão mestre Tiête-Jaú, em frente a cabeceira do córrego da Fazenda Ferraz continuam pelo espigão mestre até frontear a nascente do córrego da Fazenda Boa Vista, vão daqui em reta á nascente do córrego das Fazenda Francisco e daqui, sempre em reta, á confluência do córrego da Fazenda das Três Barras no ribeirão atravessam êste último, e prosseguem pelo espigão que deixa, á direita as águas do ribeirão citado, e, á esquerda, á esquerda as do ribeirão Água Vermelha, até encontrar a cabeceira mais setentrional do córrego da Fazenda Werneck pelo qual descem até o ribeirão Água Vermelha e por êste abaixo até o rio Tiête;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO MANOEL

Começam no rio Tiête na foz do ribeirão da Água Vermelha, descem pelo rio até a barra do córrego do Vermelho, descem pelo rio até a barra do córrego do Saltinho, vão por êste  acima até sua nascente mais ocidental, continuam em reta a nascente do córrego da Divisa, pelo qual descem até sua barra no ribeirão da Posse, dai, alcançam o espigão que deixa á direita as águas do rio Tiête, e, á esquerda ás do rio Paraizo e pelo espigão prosseguem em demanda da confluência do rio Paraizo no rio Lençóis;

COM O MUNICÍPIO DE BOCAIUVA:

Começam no rio Lençóis, na boca do rio Paraizo e vão por aquele abaixo até o rio Tietê e por êste ainda até a barra do ribeirão Iguatemi, onde tiveram início estas divisas.

IGARAÇÚ

O distrito de paz de Igaraçú do município de São Manoel,com as divisas previstas neste decreto, é transferido, neste data, para o município de Barra Bonita e passará á categoria "de zona distrital do distrito da séde do município".

BARREIRO

BARREIRO (EX-SÃO JOSÉ DO BARREIRO)

O  município de Barreiros, comarca do mesmo nome terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO  DE AREIAS:

Começam no rio Paraitinga,na barra ribeirão da Estiva, sobem por êste até sua cabeceira mais oriental. seguem pelo divisor que deixa as águas do rio Paraitinga á esquerda passando pelo Alto do Segredo Morro do Encantado Morro da Bôa Vista em demanda da cabeceira do ribeirão Pecegueiro por êste descem até sua barra no ribeirão Santana e por êste a barra do córrego Frio, tomam pelo espigão fronteiro passando pelo Morro Frio, Morro Santana, em demanda da cabeceira do córrego da Estrada Velha;

COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

Começam na cabeceira do córrego da Estrada Velha, pelo qual descem até sua barra no ribeirão de Santana, descem por êste até a foz Moinho, sobem por este até sua cabeceira principal, continuam pelo divisor que deixa, á esquerda as águas do ribeirão Santana, e a direita as do córrego da Barra, até o alto da Capoeirinha, prosseguindo dai pelo divisor que deixa, á direita, as águas dos córregos Barra e Carrapatos e, à esquerda, as águas do ribeirão Santana,e a direita as  córregos da Barra até o alto da Capoeirinha, prosseguindo daí pelo divisor que deixa, á direita, as águas dos córregos Barra e Carrapatos e, à esquerda as do Capoeirinha, até a cabeceira mais ocidental do  ribeirão da Onça, pelo qual descem até o córrego do Jaguar e por este sobem até sua cabeceira; desta vão a cabeceira do córrego do Jabá pelo qual descem, continuando pelo córrego da Grama e pelo córrego Vermelho até sua cabeceira mais meridional indo desta a cabeceira principal do córrego Santo Antonio pelo qual descem até o rio Feio, seguem por este  acima até sua cabeceira principal; prosseguem pelo espigão que, á direita as águas do córrego do Pinheirinho, e a esquerda as do ribeirão Feio até a cabeceira mais ocidental do córrego do Bambual pelo qual descem até o córrego dos Pinheirinhos, sobem por êste até a barra do córrego cafesal e por este ainda até sua cabeceira mais setentrional, seguem pelo espigão que deixa, á direita as águas do rio Feio, e a esquerda, as do rio Formoso, até alcançar a água da Curva da Estrada de Ferro, pela qual descem até o rico Formoso caminham por este abaixo até o ribeirão da Cachoeira ou Provisório e por este acima e pelo córrego da Internada, seguindo até o alto do Morro da Divisa;

COM O MUNICÍPIO DE BANANAL:

Começam no alto do Morro da Divisa, prosseguem pelo "divorium acquarum ", do  rio Formoso, á direita, e rio Barreira e afluência, á esquerda, e, passando pelos morros de Mato Dentro da Pedra Redonda, continuam pela Serra que serve de divisor entre as águas vertentes dos rios Barreiro e afluentes, Paca Grande e afluentes a esquerda e os  dos rio Mambucada e afluentes á direita serra que tem as denominação locais de Serra de Caxumbú, Boqueirão, Perobeiras, até alcançar a Serra Geral ou Mar, já nas divisas do Estado do Rio de Janeiro;

COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

Começam na serra Geral ou do Mar, onde esta entronca com a Serra das  Perobeiras, continuam pela cordilheira Geral até atingirem o espigão que deixa a direta as águas rio da Onça,e a esquerda as do ribeirão de Santo Antonio até frontear a mais alta cabeceira do rio da Memória, pelo qual descem até sua foz no rio Mambucada;

COMO MUNICÍPIO DE CUNHA

Começam na barra do rio da  Memória, no rio Mambucada, sobem por êste até barra do rio do Veado e dessa confluência procuram o espigão que deixa á direita as águas do rio do Veado,e á esquerda as do rio Guaripú e rio Paraitinga, prosseguindo pelo espigão até dar na barra do córrego da Estiva no rio Paraitinga, onde tiveram início estas divisas.

BARRETOS

O  município de Barretos,comarca do mesmo nome, constituído pelos distrito da sede e os de Frigorífico, Itambé e Laranjeiras, terá as seguintes divisas:

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no rio Grande, na barra do ribeirão Passa Tempo sobem por aquele até a barra do rio Pardo;

COM O MUNCIPIO DE GUAÍRA:

Começam no rio Grande na barra do rio Pardo e por este acima até a foz do ribeirão do Rosário;

COM O MUNICÍPIO DE MORRO AGUDO:

Começam no rio Pardo na foz do ribeirão do Rosário e por aquele até a barra do rio Turvo:

COM O MUNICÍPIO DE COLINA:

Começam no rio Pardo, na barra do rio Turvo, seguem pelo espigão que deixa á direita as água do ribeirão Pitangueiras, e á esquerda as do rio Turvo até alcançar a nascente do córrego da Posse Seca: vão deste ponto, com reta de rumo leste-oeste, até alcançar o córrego do Capim, pelo qual sobem até a sua cabeceira mais ocidental; transpõem o espigão e alcançam a cabeceira mais próxima do córrego da Bagagem ou Três Pontas e por êste descem até o rio Cachoeirinha;

COM O MUNICÍPIO DE OLÍMPIA:

Começam no rio Cachoeirinha, na foz do córrego da Bagagem,descem por aquele até a barra do córrego da Mata e por êste acima e pelo córrego da Mata e por êste acima e pelo córrego da Bôa Sorte até sua cabeceira mais setentrional, e dai pelo espigão divisor das águas do rio Cachoeirinha, á esquerda e córrego das três Barras no ribeirão Passa Tempo descendo por este até sua barra no rio Grande onde tiveram  inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE BARRETOS:
SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Barretos terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAMBÉ:

Começam no espigão que deixa á direita as águas do rio Pardo, e á esquerdo as do rio Cachoeirinha e ribeirões Passa Tempo e Anhumas, na cabeceira mais ocidental do ribeirão Pitangueiras, seguem pelo espigão até a cabeceira mais ocidental do córrego Queixada;

COM O DISTRITO DE PAZ DE LARANJEIRAS:

Começam no espigão que deixa á esquerda, o ribeirão Anhumas, e á direita, as do rio Pardo na cabeceira mais ocidental do córrego Queixada descem por este até o rio Velho e por este abaixo até a boca do córrego Queixada descem por este até o rio Velho e por este abaixo até a boca do córrego Jatai, vão dai em reta á barra do córrego do Bagre no ribeirão Mandi e por êste abaixo até o rio Pardo:

COM O DISTRITO DE PAZ DE FRIGORÍFICO:

Começam no rio Pardo, na foz do ribeirão Pitangueiras e vão por este acima até sua mais ocidental no espigão divisor entre as águas do rio Pardo,á direita, e as do rio Cachoeirinha á esquerda:

FRIGORÍFICO:

O distrito de paz de Frigorífico terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAMBÉ:


Começam na barra do córrego Tamburi, no córrego da Bagagem, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas daquele, continuando pelo espigão que deixa, à direita. As águas do rio Pardo, e, à esquerda, as do rio Cachoeirinha, até a cabeceira mais ocidental do ribeirão Pitangueiras;


COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:


Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do rio Pardo, e, à esquerda, as do rio Cachoeirinha, na cabeceira mais ocidental do ribeirão Pitangueiras, alcançam essa cabeceira e vão pelo ribeirão abaixo ate o rio Pardo.


ITAMBÉ:


O distrito de paz de Itambé será as seguintes divisas internas.


COM O DISTRITO DE PAZ DE LARANJEIRAS


Começam no rio Grande, na barra do ribeirão da Onça, pelo qual sobem ate a boca do córrego do Pavão, por este acima ate sua cabeceira, continuando pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Pardo, e, à direita, as do ribeirão Anhumas, até a cabeceira mais ocidental do córrego Queixada;


COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO


Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Pardo, e, a direita, as do ribeirão das Anhumas, na cabeceira do córrego Queixada, continuam pelo espigão e pelo se prolongamento, que deixa, sempre, a esquerda, as águas do rio Pardo, e, a direita, as do ribeirão Passa Tempo e rio Cachoeirinha, a te a cabeceira mais ocidental do ribeirão Pitangueiras;


COM O DISTRITO DE PAZ DE FRIGORÍFICO


Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Pardo, e, à direita, as do rio Cachoeirinha, na cabeceira mais ocidental do ribeirão Pitangueiras, continuam pelo espigão até cruzar com o espigão que deixa, à direita, as águas do córrego do Tamburi, indo até a barra deste no córrego da Bagagem.


LARANJEIRAS:


O distrito de paz de Laranjeiras terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO


Começam no rio Pardo, na foz do ribeirão do Mandi, sobem por este ate a boca do córrego do Bagre, vão daí, em reta, a barra do córrego Jataí, no rio Velho, e por este acima até a embocadura do córrego Queixada, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ocidental no espigão que deixa, a direita, as águas do rio Pardo, e, a esquerda, as do ribeirão Anhumas:


COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAMBÉ:


Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do rio Pardo, e, à esquerda, as do ribeirão Anhumas, na cabeceira do córrego Queixada, continuam pelo espigão em demanda da cabeceira do córrego do Pavão, e por este abaixo, ate o ribeirão da Onça e por este ainda ate o rio Grande.


BATATAIS


O município de Batatais, comarca do mesmo nome, passa a ter as seguintes divisas:


COM O MUNICIPIO DE ORLÂNDIA:


Começam no ribeirão São Pedro, onde faz barra o córrego da Lagoinha, sobem por este ate sua cabeceira mais oriental, daí, prosseguem pelo espigão que deixa, a direita, as águas do córrego Fazendinha, e, a esquerda as do córrego Capão Seco, até seu cruzamento com o divisor mestre das águas do rios Sapucaí e Agudos, ao norte, e ribeirão de Santana, ao Sul;


COM O MUNICÍPIO DE NUPORANGA:


Começam no cruzamento do divisor das águas do córrego Capão Seco e ribeirão São Pedro, com o espigão mestre das águas dos rios Sapucaí e Agudos, ao norte, e ribeirão Santana, ao Sul, prosseguem por este espigão até a cabeceira mais ocidental do córrego A, pelo qual descem até o ribeirão da Cachoeira, e por este ribeirão abaixo até sua foz no ribeirão Sapucaí;


COM O MUNICÍPIO DE FRANCA:


Começam onde faz barra o ribeirão da Cachoeira, no rio Sapucaí, e sobem por êste até o desaguadouro do rio de Santa Barbara:

COM O MUNICÍPIO DE PATROCINIO DE SAPUCAÍ:

Começam no rio Sapucaí, onde se lança o rio Santa Barbara, e vão por aquele acima até a embocadura do ribeirão da Paciência;

COM O MUNICÍPIO DE ALTINÓPOLIS:

Começam no rio Sapucaí, onde descarrega o ribeirão da Paciencia, sobem por êste até a barra do córrego Monjolinho, continuam pelo espigão intermediário entre essas duas águas até o alto do espigão divisor do ribeirão Batatais, ao Sul, e cabeceira do Paciencia, ao Norte, vão daqui, à cabeceira mais oriental do córrego do Arrail Velho, e dai em reta, à barra do córrego de Manuel de Campos, no ribeirão do Engenho da Serra, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional, transpõem o espigão em rumo da cabeceira  mais setentrional, do córrego que nasce cerca de dois Klms, a leste da fazenda de Higino Noronha, descem por êste até o ribeirão do Adão, e, vão daí ao massiço entre as águas do ribeirão do Adão, à direita, e as do córrego da Fazenda Bôa Vista do Selado, à esquerda, e pelo massiço caminham até sua ponta mais meridional, de onde vão,em reta, a barra do primeiro córrego que deságua logo abaixo da Fazenda Alcidio, na margem direita no ribeirão do Adão;

COM O MUNICÍPIO DE BRODOSQUI:

Começam no ribeirão do Adão, onde faz barra o primeiro córrego da margem direita que desagua logo abaixo da Fazenda Alcidio, sobem pelo referido córrego até sua cabeceira mais oriental, vão daí, em reta, de rumo Oeste-Leste, até o ribeirão Furquim, pelo qual sobem até a barra do córrego da fazenda Pau Dalho, caminham pelo espigão que deixe, a direita, as águas da fazenda Pau Dalho, e, a esquerda, as do ribeirão do Silva até o espigão mestre entre as águas do rio Sapucaí, à direita, as do rio Pardo, à esquerda,por êste espigão mestre caminham em demanda da cabeceira da fazenda de M. Caetano,descem por êste córrego até sua barra no ribeirão da Mata, barra essa que ocorre abaixo da séde da referida fazenda, descem pelo ribeirão da Mata até sua barra no ribeirão São Pedro:

COM O MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS:

Começam no ribeirão São Pedro, onde faz barra o ribeirão da Mata, sobem por aquele até a foz do córrego da Lagoinha, onde tiveram início estas divisas.

BAURÚ

O município de Baurú, comarca do mesmo nome constituído do distrito de paz da séde e dos de Nogueira e Presidente Tibiriçá terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE AVAÍ:

Começam no espigão mestre que separa as bacias dos rios Tietê e Paranapanema, no contraforte divisor entre as cabeceiras dos córregos Barra Grande e Saraiva, sèguem pelo divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Barreiro,e, à esquerda, as do córrego Araribá, indo alcançar a cabeceira do córrego das Antas, pelo qual descem até o rio Batalha, continuam por êste abaixo até a foz do córrego Sete Alqueires, pelo qual sobem até sua cabeceira, ganham a rumo, a cabeceira do córrego da Cobra,por êste descem até a barra do córrego chamado Água do Km, 39, vão por êste acima até sua cabeceira, continuando pelo espigão que deixa,à esquerda, as águas do rio Batalha, à esquerda, até a junção desses dois cursos;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUI:

Começam na confluência do ribeirão da Água Parada, no rio Batalha, continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas do Água Parada e do córrego da Boa Vista, e à esquerda, as do ribeirão do Clavinote, até cruzar com o espigão mestre entre os rios Tietê e Batalha;

COM O MUNICÍPIO DE IACANGA:

Começam no espigão entre as águas do rio Tietê, e as do rio Batalha, onde ele cruza como divisor entre as águas do ribeirão Água Parada e córrego da Boa Vista à direita, e as do ribeirão do Clavinote, à esquerda, continuam pelo espigão mestre até o contraforte entres as águas dos ribeirões Figueira e Bonito:

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, à esquerda, e as do rio Batalha, à direita, no contraforte divisor da águas dos ribeirões Figueira e Bonito, seguem pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego da Figueira e pelo que deixa, á esquerda, as vertentes dêste córrego, indo até sua barra no córrego Almorés, no rio Baurú, subindo pelo córrego até sua cabeceira, ganham o espigão que contorna as cabeceiras do córrego Água Branca, indo até  barra do córrego P. Santos, no ribeirão Grande;

COM O MUNICÍPIO DE AGUDOS:

Começam no ribeirão Grande, onde deságua o córrego P.Santos e vão pelo ribeirão acima e pelo córrego da Conceição até sua cabeceira mais ocidental, cortem os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana,alcançam a cabeceira do córrego do Falcão e por êste descem ao rio Batalha;

COM O MUNICÍPIO DE PIRATININGA

Começam no rio Batalha, na barra do córrego do Falcão, descem pelo rio até a foz do ribeirão Dagua do Paiol, e vão por êste acima e pelo córrego da Pedra Branca até sua cabeceira mais ocidental, atingindo o espigão mestre que separa as bacias dos rios Tietê e Paranapanema;

COM O MUNICÍPIO DE DUARTINA:

Começam no espigão mestre que separa as bacias dos rios Tietê e Paranapanema,na cabeceira mais ocidental do córrego Pedra Branca e seguem pelo espigão mestre até cruzar o espigão que deixa, à esquerda, as àguas do córrego Araribá, e, à direita, as do córrego Saraiva ou Barreiro, onde tiveram início estas divisas.

DISTRÍTOS DE PAZ DE BAURÚ
SÉDE DO MUNICÍPIO 
O distrito de paz da séde do município de Bauru terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz de Nogueira:
Começam no espigão mestre Batalha-Tietê, em frente à cabeceira do ribeirão Verde, descem por êste até o ribeirão da Água Parada, sobem por êste até a boca do ribeirão Barra Grande, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional, vão daí, a rumo, da cabeceira do córrego dos Conchos, e por êste abaixo até o rio Batalha, e por êste acima até a barra do córrego Paiol:

NOGUEIRA:

O distrito de paz de Nogueira terá as seguintes divisas internas:
COM O DISTRITO DE PAZ TIBIRIÇÁ:

Começam no espigão mestre Tietê-Paranapanema, no cruzamento com o contraforte que leva à cabeceira do córrego dos Macacos, seguem pelo contraforte até a referida cabeceira, e pelo Macacos abaixo até o rio Batalha, sobem por êste até a boca do córrego Grande, e por êste acima até sua cabeceira do galho da direita, ganhou a cabeceira do galho ocidental do ribeirão dos Patos, e por êste abaixo até o ribeirão da Água Parada,sobem por êste até a foz do córrego de Bôa Vista, pelo qual sobem até sua cabeceira no espigão mestre Tietê-Batalha;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Batalha na foz do córrego do Paiol, descem pelo rio até a boca do córrego dos Cochos, por êste acima até sua cabeceira, alcançam a cabeceira mais meridional do ribeirão Barra Grande pelo qual descem até o ribeirão Água Parada, e por êste abaixo até a boca do ribeirão Verde, e por êste acima até o espigão mestre Batalha-Tietê:

TIBIRIÇA:

O distrito de paz de Tibiriçá terá as seguintes divisas internas como distrito de paz de Nogueira:
Começam  no espigão mestre Tietê- Batalha, em frente à cabeceira do córrego da Bôa Vista, descem por êste ao ribeirão Água Parada, por êste sobem até a boca do ribeirão dos Patos, indo por êste acima até sua cabeceira mais meridional, ganham a cabeceira do galho da direita do córrego Grande, pelo qual descem até o rio Batalha, e por êste rio abaixo até sua cabeceira, seguindo pelo contraforte fronteiro até o espigão mestre Tietê-Paranapanema.

BEBEDOURO

O município de Bebedouro, comarca do mesmo nome, constituído do distrito da séde e do de Botafogo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MONTE AZUL:

Começam no rio Turvo,onde faz barra o córrego Barreirinho, vão por êste acima até sua cabeceira, prosseguem pelo espigão entre as águas do rio Turvo e as do Avanhandava, à procura da cabeceira mais meridional do córrego da Floresta; descem por êste até o rio Avanhandava e por êste acima até a barra do córrego Novo; sobem por êste até a barra do córrego do Sinal Geodesico, pelo qual sobem ainda, sua cabeceira, e daqui em rumo à procura da cabeceira mais meridional do córrego dos Medeiros, pelo qual descem até a sua barra no córrego do Cocal, e por êste acima até a sua cabeceira mais setentrional: procuram o espigão divisor das águas do rio Pardo e das do rio Turvo, até frontear a cabeceira mais alta do ribeirão da Onça ou Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE COLINA:
Começam onde nasce à cabeceira mais alta no ribeirão da Onça, e vão por este abaixo ate a sua confluência com o ribeirão Mandembo;
COM O MUNICÍPIO DE VIRADOURO:

Começam na confluência do ribeirão da Onça com o ribeirão Mandembo, sobem por êste até a barra do rio Cachoeira,e por êste acima até a foz do córrego Fundo, pelo qual sobem até a sua cabeceira mais meridional; continuam pelo espigão divisor que deixa, à direita, as águas do córrego do Campo Comprido, e, à esquerda, as do ribeirão do Jardim, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego Bôa Vista; descem por êste até o ribeirão Banharão,e por êste abaixo até a barra do córrego do Etelvino,pelo qual sobem até a sua cabeceira, daí transpõem o espigão em reta, em demanda da cabeceira mais oriental do galho de leste do córrego de Dona Josefina, descendo por êste até a sua barra no córrego do Laranjal;

COM O MUNICÍPIO DE PITANGUEIRAS:

Começam no córrego do Laranjal, onde faz barra o córrego de Dona Josefina, sobem por aquele até a foz do córrego de Manuel Fernandes,pelo qual sobem até a sua cabeceira mais ocidental, ganham o espigão que deixa, à direita, as águas do córrego do Laranjal, e á esquerda, as do córrego do Cedro, e alcançam a cabeceira do córrego do Belarmino, pelo qual descem até a sua foz no córrego das Três Barras, que é denominação local do córrego Laranjal, sobem pelo Três Barras até a sua cabeceira mais meridional, situada aproximadamente, a dois kms. a sudéste da estação de Andes, da Cia. Paulista.

COM O MUNICÍPIO DE JABOTICABAL:

Começam na cabeceira mais meridional do córrego Três Barras, e vão em linha reta à procura da cabeceira mais oriental do córrego Água Limpa e por êste abaixo até o rio Turvo, e por êste abaixo até a barra do córrego do Burro;

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGÍ:

Começam na barra que o córrego do Burro faz  no rio Turvo, descem por êste à embocadura do córrego Boa Vista, onde tiverem início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE BEBEDOURO:

BOTAFOGO:

O distrito de paz de Botafogo terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do Município:
Começam na linha férrea da Companhia São Paulo- Goiás,junto ao marco geodésico, próximo à cabeceira mais ocidental do ribeirão dos Bois, ganham essa cabeceira e vão pelo ribeirão abaixo até a boca do córrego de Miguel Cunha, pelo qual sobem até sua cabeceira mais oriental, continuam a rumo, em demanda da barra do córrego do Firmino,no ribeirão Mandembo,e dessa junção seguem, em reta foz do córrego do Mansueto no córrego dos Limas,sobem o primeiro até sua cabeceira e prosseguem, em reta, em demanda da barra do córrego da Barra Preta no córrego da Consulta, e por êste, pelo seu galho da Fazenda Santa Cruz, sobem até sua cabeceira, ganham a  cabeceira do córrego do Alvaro, que fica na contravertente, e por êste descem até o córrego da Boa Vista pelo qual descem até o córrego da Água Limpa.

TURVINEA

Fica suprimido o distrito de paz de Turvinea.

BELA VISTA

(EX- CAMPOS NOVOS)

O município de Campos Novos, cuja sede e denominação ora se mudam para a povoação de Bela Vista, pertencerá à comarca de Assis, compreenderá o distrito de paz da sede do município, que fica criado nesta data e mais os de Campos Novos, Casa Grande, Fortuna e Lutencia, e terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE POMPÉIA:

Começam no rio do Peixe, na foz do ribeirão do hospital ou do Barreiro, sobem por aquele até a barra do córrego do Sapo:

COM O MUNICÍPIO DE MARÍLIA

Começam no rio do Peixe, na Boca do córrego ao Sapo, sobem por aquele ate a embocadura do ribeirão Alegre;

COM O MUNICÍPIO DE VERA CRUZ:
Começam na confluência do rio do Peixe com o ribeirão Alegre, sobem por este até a boca do córrego Brumado;
COM O MUNICÍPIO DE GARÇA:

Começam no Ribeirão Alegre, na foz do córrego do Brumado, sobem por este até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão mestre Novo-São João, indo até defrontar com a cabeceira do córrego Estevão;

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO TURVO:

Começam no espigão mestre Novo-São João em frente á cabeceira do córrego do Estevão, continuam pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego do Pantano;

COM MUNICÍPIO DE SALTO GRANDE:
 
Começam no espigão mestre Novo-São João, em frente a cabeceira do córrego do Pantano, descem por êste até o rio Novo, e por estes seguem até a barra do córrego Santa Rosa pelo qual sobem até a boca do córrego da Onça;

COM O MUNICÍPIO DE PALMITAL:

Começam no ribeirão Santa Rosa, na barra do córrego da Onça, sobem pelo ribeirão até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego do Sertãozinho e por este abaixo até o ribeirão Veado, descem por este ate a barra do córrego da Cerimonia pelo qual sobem, e pelo córrego Lagoa , até a sua cabeceira, alcançam a cabeceira do córrego Lindolfo, e por este abaixo até o ribeirão do Taquaral, pelo qual sobem até a barra do córrego Divisa, e por este acima até sua cabeceira, continuando pelo espigão mestre Peixe - Paranapanema, até frontear a cabeceira do ribeirão São Bartolomeu; 
COM O MUNICÍPIO DE ASSIS:

Começam no espigão mestre Peixe-Paranapanema em frente à cabeceira do ribeirão São Bartolomeu, descem por  êste até o rio Capivara e por êste ainda até a boca do córrego Mombuca:

COM O MUNICÍPIO DE PARAGUASSÚ:

Começam no rio Capiavara na foz do córrego Mombaca e vão por aquele abaixo até a boca do ribeirão Grande pelo qual sóbem até a cabeceira de seu galho conhecido pelo nome de córrego da Lebre, alcançam o espigão mestre Paranapanema-Peixe ganham a cabeceira mais meridional do ribeirão do Hospital ou Barreiro, e por este abaixo até sua barra no rio do Peixe, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE BELA VISTA (Ex-Campos Novos)

Séde  do município:
O distrito de paz da séde do município de Bela Vista, (ex-Campos Novos), terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE LUTECIA:

Começam  na cabeceira do córrego da Divisa, ganham em réta, a cabeceira do córrego Escaramuça, descem  por este ao rio Capivara e vão por este acima até a boca da Água da Vertente, pelo qual sobem até a Serra do Mirante, em frente á cabeceira mais meridional do córrego Bananeiras:

COM O DISTRITO DE PAZ DE FORTUNA:


Começam na Serra do Mirante, em frente a cabeceira mais meridional do córrego Bananeiras seguem pelo alto daquela até cruzar com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas dos ribeirões Panela e Mombuca, e, à direita as do córrego Palhinha, caminham pelo contraforte indo até a barra do córrego Carreto no córrego Carreto no córrego Palhinha, e por este abaixo e pelo ribeirão Fortuna até o rio de Peixe:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CASA GRANDE:

Começam no rio do Peixe, onde faz barra o ribeirão do Arrependido, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas deste último, e, à direita, as do ribeirão da Cobra, indo até a Serra do Mirante;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CAMPOS NOVOS:

Começam na Serra do Mirante, no cruzamento do contraforte que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão Arrependido, e, à direita, as do ribeirão da Cobra, seguem pelo alto da Serra  até frontear a cabeceira do ribeirão de São  José e por este abaixo, até a foz do córrego do Cateto, e daí, pelo espigão, até a barra do córrego da Cerimônia, no ribeirão do Veado;

COM O DISTRITO DE CAMPOS NOVOS:

O  distrito de paz de Campos Novos, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO

Começam no ribeirão do Veado, na fóz do córrego da Cerimonia, seguem pelo espigão em demanda da barra do córrego do Cateto no ribeirão de São José, sobem por este até sua cabeceira, ganham o alto da Serra do Mirante, e por este caminham até cruzar com o contraforte que deixa à  esquerda, as águas do ribeirão da Cobra e, à direita, a do ribeirão do Arrependido;

DISTRITO DE PAZ DE CASA GRANDE:

Começam no alto da Serra do Mirante no cruzamento com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Cobra, e, á direita as do ribeirão Arrependido, seguem pela Serra até defrontar com a cabeceira do córrego do Mirante, e por este abaixo até o rio Novo, e por êste ainda até sua  cabeceira atingindo, a rumo, o espigão mestre Novo-São João:

DISTRITO DE PAZ DE CASA GRANDE:

O distrito de paz de Casa  Grande, terá as seguintes divisas internas:

DISTRITO DE PAZ DE CAMPOS NOVOS:

Começam no espigão mestre Novo-São João, em frente à cabeceira do córrego dos Almeidas, descem por este ao rio Novo, vão por este acima até  a barra do córrego do Mirante e por este vão até sua cabeceira, ganham o alto da Serra do Mirante e por este vão até sua cabeceira, ganham o alto da Serra do Mirante e por esta caminham até cruzar com o contraforte que deixa, à direita as águas do ribeirão Arrependido, e à esquerda, as do ribeirão da Cobra;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam na Serra do Mirante, no cruzamento com o contraforte que deixa, à direita, as águas do ribeirão Arrependido, e, à esquerda, as do ribeirão da Cobra, seguem pelo contraforte até a barra do Arrependido no rio do Peixe;

DISTRITO DE PAZ DE FORTUNA:

O distrito de paz de Fortuna, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO

Começam no rio do Peixe, na foz do ribeirão Fortuna, e por este acima até a barra do córrego da Palhinha e por este ainda até a boca do córrego Carreto, continuam pelo espigão que deixa, a esquerda, as águas do córrego Palhinha, e a direita, as  dos ribeirões Mombuca e Panelas, indo ate cruzar com a serra do Mirante pela qual caminham até defrontar com a cabeceira mais meridicional do córrego Bananeiras:

COM O DISTRITO DE PAZ DE LUTÉCIA:

Começam na Serra do Mirante, defronte da cabeceira mais meridional do córrego Bananeiras, seguem  pelo Alto da Serra até  frontear a cabeceira do córrego do Henrique e por este abaixo e pelo ribeirão das Antas ou  Frutal, até o rio do Peixe;

DISTRITO DE PAZ DE LUTECIA:

O distrito de paz de Lutecia terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE FORTUNA:
 
Começam no rio do Peixe, e na foz do ribeirão das Antas ou Frutal, sobem por este e pelo córrego do Herinque ate sua cabeceira ganham a rumo o alto da Serra do Mirante, e por este caminham ate defrontar com a cabeceira mais meridional do córrego das Bananeiras;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO

começam da Serra do Mirante, em frente a cabeceira mais meridional do córrego Bananeiras, continuam em demanda da cabeceira da água da Vertente e por este abaixo até o rio Capivara e por este ainda até a boca do córrego Escaramuça, pelo qual sobem até sua cabeceira indo daí, em reta, a cabeceira do córrego Araçá.
CATEQUESE:
Fica suprimido o distrito de paz de Catequese.

BERNADINO DE CAMPOS

O município de Bernardino de Campos, comarca de Santa Cruz do Rio Pardo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO:

Começam no espigão entre as águas do ribeirão Palmeiras, à esquerda, e as do ribeirão Figueira, à direita, em frente à cabeceira do córrego de Santa Cecília, seguem em demanda do ribeirão da Figueira, na foz da Água da Cabiuna ou Sumida, sobem por esta até sua cabeceira mais oriental, ganham em reta, a cabeceira do galho da esquerda do ribeirão Mandaguari e vão por êste abaixo até o rio Pardo, pelo qual sobem até a boca do córrego Douradinho:

COM O MUNICÍPIO DE ÓLEO:

Começam no rio Pardo, na foz do córrego Douradinho, sobem por êste até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, a  direita, as águas do ribeirão Dourado, e, à esquerda, as do ribeirão do Lageado, atingem o espigão mestre Pardo-Paranapanema, pelo qual prosseguem e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Cachoeira ou Invernada e as do seu afluente Água do Meio, e, à esquerda, as do córrego Serrinha do Caracól, indo até frontear a cabeceira da Água da Matinha;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJÚ:

Começam no espigão que deixa, à direita as águas do ribeirão da Cachoeira ou da Invernada e as do seu afluente, a Água do Meio, e, à esquerda, as do córrego da Matinha, descem por esta até o ribeirão da Cachoeira ou da Invernada e por esta abaixo até o rio Paranapanema pelo qual continuam descendo até a barra do ribeirão Douradão;

COM O MUNICÍPIO DE IPAUSSÚ:

Começam no rio Paranapanema, na foz do ribeirão Douradão, sobem por êste até a boca do córrego de Luiz  Pinto ( que nasce junto da estação do mesmo nome) continuam pela espigão que deixa, à esquerda, este último, e, à direita, as águas do córrego do Jeremias ou da Água Virtuosa, indo até o espigão mestre Pardo-Paranapanema, prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Figueira, e à esquerda, as do ribeirão das Palmeiras, caminhando até frontear a cabeceira do córrego de Santa Cecília, onde tiveram inicio estas divisas.

BIRIGUÍ

O município de Biriguí, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e do de Bilac, terá as seguintes divisas:

COM O MUNÍCIPIO DE GUARARAPES:

Começam no rio Aguapeí, onde faz barra o ribeirão Drava, descem por êste até a barra do ribeirão Jangada, pelo qual sobem até a foz do córrego Bôa Esperança continuando por êste acima até sua cabeceira mais oriental;

COM O MUNICÍPIO DE ARAÇATUBA:

Começam na cabeceira do córrego da Bôa Esperança, no “divortium acquarum” do rio Tietê-Aguapei, vão daí em reta, à cabeceira do córrego Eliseu, pelo qual descem até o ribeirão Baguassú, e por êste ainda até a barra do córrego Brejinho; vão desta barra, em reta, a cabeceira mais meridional do córrego Barro Preto, pelo qual descem até o rio Baguassu, e por êste ainda até o rio Tietê, pelo qual sobem ate a barra do ribeirão Baixotes;

COM O MUNICÍPIO DE COROADOS:

Começam no rio Tietê na fóz do ribeirão dos Baixotes, sobem por êste até a barra do córrego Grande, caminham por êste acima até a sua principal, vão daí, em réta, à cabeceira do córrego Tabapuan, pelo qual descem até o ribeirão Báguassú, pelo qual sobem ate a junção das duas principais cabeceiras, indo daí, em réta a cabeceira do córrego da lage, pelo qual descem ate o ribeirão da Lontra, seguindo por êste abaixo até o rio Aguapei;

COM O MUNICÍPIO DE TUPAN:

Começam no rio Aguapeí, na fóz do ribeirão da Lontra e pelo rio Aguapei descem até a barra do ribeirão Drava, onde tiveram inicio estas divisas.
DISTRITO DE PAZ DE BIRIGUÍ:

BILAC
O distrito de paz de Bilac terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Biriguí:
Começam no rio Aguapeí, na barra do ribeirão do Barreiro do Itapeva, sobem por êste até sua cabeceira, continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do Lontra, e, à esquerda, as do ribeirão da Janguada, indo até a  Forquilha dos dois ramos mais altos, formadores do córrego Imbê pelo qual descem até o ribeirão Báguassú, vão desta barra, pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego Taquarí e as do ribeirão dos Baixotes, e, à esquerda, as do ribeirão Báguassú e seus afluentes córregos do Cedro e Tupi, indo até à cabeceira do córrego Água Branca e por êste abaixo até o ribeirão Báguassú.

BÔA ESPERANÇA

O município de Bôa Esperança, comarca de Ribeirão Bonito, constituído do distrito de paz da séde e do de Trabijú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE IBITINGA:

Começam no rio Jacaré-Pepira, na barra do córrego das Perdizes, por êste sóbem até a sua cabeceira mais setentrional, vão desta cabeceira em réta à ponte sóbre o rio Jacarê-Guassú na  estrada de rodagem que vai  para Bariri, na fazenda do Dr. Gastão de Faria;

COM O MUNICÍPIO DE TABATINGA:

Começam no rio Jacaré-Guassú, na ponte da estrada de rodagem que vai a Barirí, na propriedade do Dr. Gastão de Faria, sóbem pelo rio Jacaré-Guassú até a barra do córrego Meia Légua:

COM O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA:

Começam no rio Jacaré-Guassú na barra do córrego Meia-Légua, sóbem por aquele até a barra do córrego do Ipê:

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO:

Começam no rio Jacaré-Guassú na barra do córrego do Ipê, por este sobem até a barra do córrego Agua-sumida, continuam pelo espigão que deixa, à direita, o ribeirão do Saltinho e à esquerda, as do córrego São João, indo até o contraforte entre as águas do córrego da fazenda Figueira, à direita,  e as do ribeirão Saltinho à esquerda até a confluência dessas águas descem pelo ribeirão do Saltinho até a foz do córrego Sertãozinho, vão daí em reta à barra do córrego das Três Barras, no ribeirão Bôa Esperança e sóbem pelo Três Barras até o ponto em que ele é cortado pela réta que vai da cabeceira do córrego da fazenda Nova Cintra no ribeirão da Vargem:

COM O MUNICÍPIO DE DOURADO:

Começam onde, a réta que vai da barra do córrego da fazenda Nova Cintra no ribeirão da Vargem, à cabeceira do córrego de Colônia  do Meio, corta o córrego da Fazenda Três Barras, prosseguem por esta réta até a referida cabeceira descem pelo córrego da Colônia do Meio até sua barra no ribeirão do Potreiro e  por êste ainda até sua barra no rio Jacaré-Pepira;

COM O MUNICÍPIO DE BOCAINA:

Começam na barra do ribeirão do Potreiro no rio Jacaré-Pepira e por êste descem até a barra do ribeirão Três Barras;

COM O MUNICÍPIO DE BARIRI:

Começam no rio Jacaré-Pepira na barra do ribeirão Três Barras e por aquele descem até a foz do córrego das Perdizes onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE BÔA ESPERANÇA 
TRABIJÚ:

O distrito de paz de Trabijú terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Bôa Esperança:
Começam no ribeirão do Saltinho, na foz do córrego do Sertãozinho descem por aquele até o ribeirão da Bôa Esperança atingem a rumo o espigão entre águas dêste último ribeirão e as do rio Jacaré-Pepira e continuam pelo espigão, que deixa à esquerda as àguas do ribeirão no Potreiro, e, à direita, as do córrego da Barraca, tudo até a confluência dessas duas águas, e pelo Potreiro abaixo até o rio Jacaré-Pepira.

BOCAINA

O município de São João da Bocaína, que passa a denominar-se Bocaína, comarca de Jaú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BARIRI:

Começam na cabeceira do córrego da Tabóca, segue daí pelo espigão divisor das águas dos ribeirões Curralínho, à direita, e à esquerda, as do córrego Taboa, prosseguem por êsse espigão até a cabeceira do braço da esquerda do córrego do Melo, pelo qual descem ao ribeirão Três Barras e pôr êste até o rio Jacaré-Pepira;

COM O MUNICÍPIO DE BÔA ESPERANÇA:

Começam onde o ribeirão das Três águas desagua no rio Jacaré-Pepira, sóbem por êste até a embocadura do ribeirão do Potreiro;

COM O MUNICÍPIO DE DOURADO:

Começam no rio Jacaré-Pepira, onde desemboca o ribeirão do Potreiro, sóbem por aquele até a barra do ribeirão da Figueira;

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no rio Jacaré-Pepira, na fóz do ribeirão da Figueira, por êste acima e pelo córrego do Macaco, até a sua cabeceira, vão em reta à ponte sôbre o ribeirão Bôa Vista na estrada de rodagem que leva à cidade de Bocaína e daí seguem em demanda pelo espigão que deixa à esquerda, o ribeirão Pouso Alegre e, à direita, o ribeirão da Prata, pelo qual caminham até frontear a cabeceira do córrego Corusú e por êste abaixo até o rio da Prata e por êste ainda até a confluência do córrego Tabócas, pelo qual sóbem até sua cabeceira, onde tiveram início estas divisas.

BOCAIÚVA

O município de Bocaíuva, comarca de Pederneiras, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam no rio dos Patos, onde desagua o córrego Bom Jardim e descem por aquele até o rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no rio Tietê, na boca do rio dos Patos e vão por aquele acima até a barra do ribeirão Iguatemí;

COM O MUNICÍPIO DE  BARRA BONITA:

Começam no rio Tietê, onde se lança o ribeirão do Iguatemi, vão por aquele acima até a barra do rio Lençóis e por êste ainda até a barra do rio Paraízo;

COM O MUNICÍPIO DE S. MANOEL:

Começam no rio dos Lençóis, onde faz barra o rio Paraízo e vão por aquele acima até a barra do córrego da Iara;

COM O MUNICÍPIO DE LENÇÓIS:

Começam no rio Lençóis, onde descarrega o córrego de Iara, pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras dos córregos Prados e Cachoeirinha, em demanda da cabeceira mais oriental do córrego da Divisa, pelo qual descem ao córrego Barra Grande e prosseguem em réta à cabeceira mais meridional do córrego do Bom Jardim, e por êste abaixo até o rio dos Patos, onde tiveram início estas divisas.

BOFETE

O município de Bofete, comarca de Tatuí terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITATINGA:

Começam no rio Santo Inácio, onde faz barra o córrego da Estiva, também conhecido como Potreiro do Lima, e sóbem por aquele até a barra do ribeirão do Lageado;

COM O MUNICÍPIO DE BOTUCATÚ:

Começam no rio Santo Inácio, onde deságua o ribeirão do Lageado e vão por aquela acima até a barra do ribeirão Limoeiro, continuam pelo espigão da margem esquerda deste último até o aparado da Serra da Barra Mansa na sua face oriental, por esse aparado prosseguem até a cabeceira mais setentrional do ribeirão Barra Mansa, vão daí em réta, aos aparados da mesma serra, na sua face do norte, em frente à cabeceira mais ocidental do ribeirão da Ponte Alta, continuam pelos aparados da Serra do Limoeiro até os aparados da Serra de Botucatú, pelos quais prosseguem até frontear a cabeceira mais setentrional do córrego dos Dezessete Ramos pelo qual descem até a barra do córrego da Extrema;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAMBOIA:

Começam na confluência do córrego Dezessete Ramos com o córrego da Extrema, que deságua próximo ao bairro Dezessete Ramos, vão daí em réta à cabeceira mais ocidental do ribeirão dos Patos e por êste descem até o ribeirão da Água Fria, e por êste ainda até a barra do córrego do Buracão, confluência que se dá cerca de um quilometro abaixo da Ponte sobre o ribeirão Água Fria da estrada de rodagem que une Conchas a Botucatú; sóbem pelo córrego do Buracão até sua cabeceira da Água do Vicentinho, primeiro afluente da margem esquerda do rio do Peixe, abaixo da barra do córrego que desce do Armazem da Rodovia Estadual, descem pela Água do Vicentinho até sua barra no rio do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE CONCHAS:

Começam no rio do Peixe, na barra da Água do Vicentinho e vão por aquela acima até a confluência do rio Feio;

COM O MUNICÍPIO DE PORANGABA:

Começam na confluência, do rio Feio, no rio do Peixe, sóbem por êste até a barra do rio Bonito e por êste acima até a barra do ribeirão Palmeiras, continuando pelo espigão Intermediário a essas duas águas até o espigão mestre Tietê-Paranapamena;

COM O MUNICÍPIO DE GUAREÍ:

Começam no espigão mestre Tietê-Paranapanema, onde êle cruza com o espigão entre as águas do rio Bonito e ribeirão Palmeiras, prosseguem pelo espigão mestre, passam pelo Córrego de José Vieira e pelo Morro da Fortaleza, indo até frontear a cabeceira mais oriental do córrego da Divisa;

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA:

Começam na cabeceira mais oriental do córrego da Divisa, vão por êste abaixo até o rio Jacú ou Jacusinho, sóbem por êste até a barra do córrego Capão Rico e por êste acima e pelo seu galho mais ocidental até sua cabeceira, vão daí, em réta, à cabeceira mais oriental do córrego da Estiva, também conhecida pelo nome de Potreiro do Lima, e por êste abaixo até o rio Santo Inácio, onde tiveram início estas divisas.

BOITUVA

O município de Boituva, comarca de Porto Feliz, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TIETÊ:

Começam no rio Sorocaba, onde faz barra o ribeirão Palmital ou Sete Ranchos, prosseguem pelo espigão da margem direita do Palmital, em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego da Fazenda Paineiras, descem por êste ao ribeirão Mandissununga e prosseguem pelo espigão fronteiro entre as águas dos ribeirões Mandissununga e Quilombo em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego Cruz das Almas;

COM O MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ:

Começam na cabeceira do córrego Cruz das Almas e vão em reta à cabeceira do córrego Benedito João, descem pelo córrego Benedito João até o ribeirão do Quilombo, vão daí em reta à barra do ribeirão do Pinhal ao ribeirão Pau Dalho, sóbem por êste até a barra do córrego Avelino Corrêa e por êste acima até sua cabeceira, ganham o espigão que deixa à direita, o córrego Maria Alves e, à esquerda, o ribeirão dos Pilões, indo até o espigão mestre Tietê - Sorocaba, caminhando por êste e pelo contraforte que leva à barra do ribeirão Anhanguera no rio Sorocaba;

COM O MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO:

Começam no rio Sorocaba, onde descarrega o ribeirão Anhanguera, descem por aquele até a barra do córrego Bacaetava de Cima, sóbem por êste até sua cabeceira, vão daí pelo espigão fronteiro e pelo contraforte da margem direita do ribeirão Iperó até a barra dêste no rio Sarapuí;

COM O MUNICÍPIO DE TATUÍ:

Começam no rio Sarapuí, onde descarrega o ribeirão Iperó e vão por aquele até sua barra no rio Sorocaba e por êste ainda até a foz do ribeirão do Palmital ou Sete Ranchos, onde tiveram início estas divisas.

BORBOREMA

O município de Borborema, comarca de Ibitinga, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE NOVO HORIZONTE:

Começam no rio Tietê, em frente à ponta mais ocidental da ilha do Esteio Lavrado, que fica próxima à barra do rio Batalha, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego Aparecida e ribeirão das Três Pontes, e, à direita, as dos ribeirões Espírito Santos e dos Fugidos, até encontrar o contraforte divisor das águas dos ribeirões Espírito Santo e dos Fugidos;

COM O MUNICÍPIO DE ITAJOBÍ:

Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão das Três Pontes, e, à direita, as do ribeirão Espírito Santo, onde êle é cortado pelo contraforte entre os ribeirões Espírito Santos e dos Fugidos; daí vão em réta à cabeceira do córrego dos Fugidinhos, e daí por nova réta à cabeceira do córrego da Queimada;

COM O MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS

Começam na cabeceira do córrego da Queimada e por este descem ao ribeirão dos Porcos e por este abaixo até o rio São Lourenço;

COM O MUNICÍPIO DE IBITINGA:

Começam no ribeirão dos Porcos, onde faz barra o rio de São Lourenço, descem por aquêle até o rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE IACANGA:

Começam no rio Tietê, na barra do ribeirão dos Porcos e vão por aquele abaixo até a foz do ribeirão Doce;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUÍ:

Começam no rio Tietê, na barra do ribeirão Dôce e descem pelo rio até a ponta mais ocidental da ilha do Esteio Lavrado, que fica próxima à barra do rio Batalha, onde principiaram estas divisas.

BOTUCATÚ

O município de Botucatú, comarca do mesmo nome, compreende o distrito de paz da séde e os de Pardinho (Ex- Espírito Santo do Rio Pardo) e Vitória, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE S. MANOEL:

Começam no ribeirão Palmital, onde faz barra o córrego da Fazenda Palmital, sóbem pelo ribeirão até sua cabeceira mais oriental e daí prosseguem pelo espigão mestre entre as águas dos rios Pardo e Claro, em demanda da cabeceira do córrego do Poente, pelo qual descem até sua barra no córrego do Jacú, descendo ainda por êste até o rio da Prata, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais oriental, daí seguem pelo divisor mestre Claro-Pardo, até cruzar com o espigão entre as águas dos rios Claro, de um lado, e Araquá, do outro; prosseguem pelo divisor até à cabeceira do córrego da Divisa e vão por êste abaixo até o ribeirão das Agulhas e por êste ainda até o rio Araquá, descem por êste até a barra do ribeirão Ferraz, continuam em demanda do espigão mestre entre as águas do rio Araquá, à esquerda, e as dos rios Capivari e Tietê, à direita, caminham pelo espigão até a cabeceira do córrego da Pedra do Cerrito, descendo por êste até sua barra no rio Tietê.

COM O MUNICÍPIO DE DOIS CÓRREGOS:

Começam no rio Tietê, na foz do córrego da Pedra do Cerrito, sóbem por aquele até a barra do rio Piracicaba e por êste acima até a boca do córrego da Pedra de Amolar;

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO:

Começam no rio Piracicaba, na foz do córrego da Pedra de Amolar, sóbem por aquele até a barra do córrego das Ondas Grandes;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAMBOIA:

Começam no rio Piracicaba, na foz do córrego das Ondas Grandes, sóbem por êste até sua cabeceira mais oriental, transpõem o espigão mestre Piracicaba-Tietê, em demanda da cabeceira mais setentrional da água da Fazenda Dois Córregos, pela qual descem até o rio Tietê e por êste acima até a embocadura do córrego dos Sete Guarantans, que deságua cêrca de um quilômetro além da Fazenda do mesmo nome, sóbem daí, pelo espigão da margem direita do córrego, em demanda da barra do córrego de J. Luiz, afluente da margem esquerda do rio Alambari, pelo qual sóbem até a barra do córrego Dezessete Ramos e por este acima até a boca do córrego da Extrema;

COM O MUNICÍPIO DE BOFETE:

Começam no córrego dos Dezessete Ramos, onde faz barra o córrego da Extrema, sóbem pelo Dezessete Ramos até sua cabeceira mais meridional na erra de Botucatú, seguem pelos aparados desta Serra, da Comprida, Limoeiro e Barra Mansa, na face setentrional indo até a cabeceira mais ocidental do ribeirão da Ponte Alta vão daí em reta, aos aparados da face oriental da Serra da Barra Mansa, e frente à cabeceira mais setentrional do ribeirão da Barra Mansa, continuam pelos aparados da Serra até o espigão da margem esquerda do ribeirão do Limoeiro, pelo qual caminham até a barra dêste no rio de Santo Inácio e por êste abaixo até a foz do ribeirão Lageado;

COM O MUNICÍPIO DE ITATINGA:

Começam no rio de Santo Inácio, na foz do ribeirão do Lageado, sóbem por êste até a barra da Água da Posse e por êste acima até a confluência dos córregos que vem da Fazenda Bôa Vista e da Fazenda da Quinta Secçao, seguem pelo espigão intermediário, até a cabeceira mais meridional do ribeirão do Atalho e por êste abaixo até o córrego da Divisa, ganham em reta a cabeceira do córrego das Pedrinhas e por êste abaixo até o rio Pardo e por êste ainda até a barra do ribeirão do Tijuco Preto;

COM O MUNICÍPIO DE AVARÉ

Começam no rio Pardo, na foz do ribeirão Tijuco Preto, descem por aquele até a barra do ribeirão da Divisa e por êste sóbem até a barra do córrego da Comissão, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais setentrional, transpondo a seguir o espigão em demanda da cabeceira do galho da esquerda, do córrego da Fazenda Palmital, pelo qual descem até o ribeirão do mesmo nome, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE BOTUCATÚ

SÉDE DO MUNCÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Botucatú terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE VITÓRIA:

Começam no rio Araquá, na foz do ribeirão Fundo, vão em reta, ao aparado da Serra de Botucatú, na ponta extrema setentrional que fica a nordeste da Fazenda Bôa Vista, seguem pelo aparado até o ponto em que ele é atingido pela reta léste-oéste que vem da ponta extrema, também setentrional, da mesma serra, que fica cerca de um quilómetro ao norte da séde da Fazendinha, seguem pela reta, que corta o vale do ribeirão da Cidade, e os trilhos da Estrada de Ferro Sorocaba e continuam pelo aparado, até encontrar o galho da esquerda do córrego da Fazenda Cardozo e por êste descem ate o rio Capivara, pelo qual sóbem até a boca do ribeirão Capivari, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas dêste último, indo até a segunda ponte sobre o rio Alambarí, na estrada de roda em que vai da estação de Alambarí á procura da estrada de rodagem estadual, no seu tronco de São Paulo a Baurú;

COM O DISTRITO DE PAZ  DE PARDINHO
(EX-ESPIRITO SANTO DO RIO PARDO)

Começam no aparado da Serra de Botucatú, no trecho que tem o nome local de Serra Comprida, em frente à cabeceira do ribeirão de Panfilo Dactas, descem por êste até o rio Pardo e por êste abaixo até a barra do rio Pardinho, pelo qual sóbem até sua cabeceira sudocidentral, ganham depois a cabeceira do córrego do Retiro de Brasilio Machado, pelo qual descem até o ribeirão do Atalho;

PARDINHO
 
(EX-espírito SANTO DO RIO PARDO)

O distrito da paz de Espírito Santo do Rio Pardo, que passa a denominar-se Pardinho, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Botucatú;
Começam no ribeirão do Atalho, na foz do córrego do Retiro de Brasílio Machado, sóbem por êste até sua cabeceira, ganham a cabeceira mais sudocidental do rio Pardinho, descem por êste até o rio Pardo e vão por êste acima e pelo ribeirão de Panfilo Dantas até sua cabeceira, ganhando, a seguir, a rumo, o aparado da Serra de Botucatu;
 
VITÓRIA

O distrito de paz de Vitória terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Botucatú:
Começam no rio Alambari, na segunda ponte da estrada que vem da estação de Alambari, e vai encontra-se com a estrada de automóveis estadual, no tronco de São Paulo a Bauru seguem pelo espigão fronteiro em demanda do divisor que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Capivari, indo até a boca do córrego da Fazendo a Cardoso, subindo por este, pelo seu galho da direita até o aparado da Serra de Botucatú, seguem pelo aparado até a ponta extrema setentrional, que fica a cerca de um quilómetro ao norte da séde da Fazendinha, vão dai em reta léste-oéste, ao aparado fronteiro da mesma Serra, cortando os trilhos da Estrada de Ferro Sorocabana e o vale do ribeirão da Cidade, e por êste outro aparado continuam até a nova ponta extrema meridional que fica a nordéste da Fazenda Bôa Vista, e dessa ponta, em reta, até a barra do ribeirão Fundo no rio Araquá.

BRAGANÇA

O município de Bragança, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e dos de Pedra Grande, Pinhalzinho (ex-Pinhal) Tuiutí, e Vargem, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE AMPARO:

Começam no rio Jaguari, na ponte de J. Marinho, na estrada que vai para o bairro dos Onças, continuam pela Serra do Pântano, indo em demanda da barra do córrego da Extrema, no rio Pinhal, sobem pelo córrego até sua cabeceira, ganham o espigão da margem esquerda do ribeirão da Fazenda Velha, por ele atingem a barra deste no rio Camandocaia;

COM O MUNICÍPIO DE SOCORRO:

Começam no rio Camandocaia, onde deságua o ribeirão Fazendas Velhas, vão em réta à ponte sobre o mesmo rio na estrada de rodagem que vai de Cachoeirinha à Lagôa, sobem pelo Camandocaia até a barra do córrego do Boava;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no rio Camandocaia, também chamado Guardinha, onde deságua o córrego de Boava, sobem por este rio passando por São José dos Toledos, alcançam a barra do Córrego das Pitangueiras, e sobem por êste até sua cabeceira principal, desta cabeceira  pela cumiada da Serra das Anhumas ou Pitangueiras, passando pela Pedra do Vicente Simão, até o Pico do jorgue Adão, dêste último prosseguem pelo espigão que deixa, á direita, as  águas do rio Acima e, á esquerda, as dos ribeirões Lage e Ponte Nova, até a primeira cabeceira do ribeirão dos Godóis e descendo por êste e pelo ribeirão dos Cardozos até sua barra no rio Jaguari; sobem por êste até a barra do ribeirão Guaraiuva e por êste ribeirão até sua cabeceira mais oriental; desta cabeceira seguem até a Pedra da Guaraiuva, ponto culminante do Morro do Lopo;

COM O MUNICÍPIO DE JOANÓPOLIS:

Começam na Pedra da Guaraiuva, ponto culminante do Morro do Lopa, seguem pelo divisor entre as águas do rio Jaguari, à direita e as do rio Jacarei, à esquerda, atingem pelo contraforte a Pedra da Extrema e daí, ainda pelo divisor alcançam a cabeceira mais oriental do córrego da Extrema, descendo por êste até o ribeirão dos Penteados e por este abaixo, ate a foz do córrego do Piúca; sobem por este até sua cabeceira mais meridional, transpõem o espigão em demanda da nascente setentrional, que fica na contravertente do córrego de Mato Dentro, por êste descem até o rio Jacareí;

COM O MUNICÍPIO DE PIRACAIA:

Começam no rio Jacareí, onde desemboca o córrego de Mato Dentro, descem pelo rio até a foz do ribeirão das Sete Pontes e por êste acima até sua cabeceira mais meridional, já no Morro Grande dos Cunhas, e por êste prosseguem até a cabeceira mais setentrional do córrego do Padre Abel;

COM O MUNICÍPIO DE ATIBAIA:

Começam no Morro Grande dos Cunhas, na cabeceira mais setentrional do córrego Padre Abel, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as do ribeirão Ressaca, em demanda da confluência do córrego do Areal no ribeirão da Ressaca, que vem do bairro do Morro Grande, transpõem o ribeirão da Ressaca e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego Areal, e, à esquerda, as do ribeirão Ressaca, em demanda da ponte da São Paulo Railway Company, sobre o rio das Pedras, descem pelo rio das Pedras até a barra do córrego da Bocaina, que passa na séde da Fazenda Trigo, vão dessa confluência pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais meridional do ribeirão de Mato Dentro e por êste descem até o rio Atibaia e por êste ainda até a embocadura do ribeirão da Fazenda Velha:

COM O MUNICÍPIO DE ITATIBA;

Começam no rio Atibaia, onde deságua o ribeirão da Fazenda Velha, sobem por êste até a foz do córrego da Fazenda Barreiro e prosseguem pelo espigão entre êsses dois cursos, até alcançar a nascente do braço sudoriental do ribeirão que vem da Fazenda Manoel Ferraz pelo qual descem até o rio Jaguarí e por êste abaixo até a ponte de J. Marinho, onde tiveram inícios estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE BRAGANÇA
SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TUIUTÍ:

Começam no rio Jaguari, na foz do ribeirão da Fazenda de Manoel Ferraz, sobem por aquele até a barra do córrego dos Caetanos, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste último, e, à direita, as do ribeirão das Pombas, indo até o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Pântano, e à esquerda as do ribeirão do Pinhal, em frente à cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PINHALZINHO
(EX-PINHAL)

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Pântano, e à esquerda, as do ribeirão do Pinhal, em frente à cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande, continuam pelo espigão que deixa, à direita, o ribeirão das Pombas, indo até a barra do córrego do Delfim Franco naquele ribeirão, e vão daqui, em reta, á barra do córrego de Teófilo Leme no ribeirão das Araras, e por êste acima até a boca do córrego Distrital;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PEDRA GRANDE

Começam no ribeirão das Araras, na foz do córrego Distrital, continuam pelo espigão que é a própria serra desse nome, e pela crista desta caminham até cruzar com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão das Anhumas, e, à direita, as do ribeirão Curitibanos:

COM O DISTRITO DE PAZ DE VARGEM:

Começam na Serra das Araras, onde ele cruza como espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Curitibanos, e, à esquerda, as do ribeirão das Anhumas, caminham por êste espigão até a barra do rio Jacareí no rio Jaguarí e vão por êste acima até a boca do ribeirão das Sete Pontes:

DISTRITOS DE PAZ DE BRAGANÇA
PEDRA GRANDE

O distrito de paz de Pedra Grande terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE VARGEM:

Começam na Serra das Pitangueiras, nas divisas com o Estado de Minas Gerais, onde aquela entronca com a Serra das Araras, e pelo cume desta caminham ate cruzar com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão das Anhumas, e, à direita, as do ribeirão Curitibanos;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na Serra das Araras, onde ela entronca com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão das Anhumas e, á direita, as do ribeirão Curitibanos, seguem pelo alto da Serra até a barra do córrego distrital, no ribeirão das Araras;

COM O DISTRITIO DE PAZ DE PINHALZINHO:

Começam no ribeirão das Araras, na barra do córrego Distrital, sobem por este até sua cabeceira mais setentrional, vão dai, em réta, à ponte sobre o ribeirão do Pinhal, na estrada de rodagem que vai à cidade do Socôrro, e ganham depois, em reta, a barra do córrego do Boava no rio Camandocaia;

PINHALZINHO (EX-PINHAL)

O distrito de paz de Pinhal, que passa a denominar-se Pinhalzinho, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE PEDRA GRANDE:

Começam no rio Camandocaia, na foz do córrego do Boava, vão em reta à ponte sobre o ribeirão do Pinhal, na estrada de rodagem que vai para a cidade de Socôrro, e dessa ponte, em réta, á cabeceira mais setentrional do córrego Distrital, pelo qual descem até o ribeirão das Araras;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam no ribeirão das Araras, na foz do córrego Distrital, descem por aquele até a barra do córrego de Teófilo leme vão daqui em réta, à barra do córrego Delfim Franco, no ribeirão das Pombas e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste ultimo até cruzar com o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Pinhal, e à esquerda, as do ribeirão do Pântano, em frente à cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DE TUIUTÍ:
 
Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Pinhal, e á esquerda, as do ribeirão do Pântano, em frente à cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande e pelo espigão prosseguem até cruzar com Serra do Pântano que é o espigão mestre entre as águas do rio Camandocaia, ao norte, e as do rio Jaguarí, ao sul;

TUIUTÍ:

O distrito de paz de Tuiutí, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE PINHALZINHO
(ex-Pinhal)

Começam na Serra do Pântano, onde ela cruz com o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do mesmo nome, e, à esquerda, as do ribeirão pinhal, seguem por êste espigão até frontear a cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam no espigão entre as águas do ribeirão Pinhal, á esquerda, e as do ribeirão do Pântano, á direita em frente à cabeceira mais meridional do córrego da Vargem Grande, continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas do Pântano e os do córrego dos Caetanos, e, a esquerda, as do ribeirão das Pombas, indo até a barra daquele no rio Jaguari, pelo qual descem até a foz do ribeirão da Fazenda de Manoel Ferraz;

VARGEM:

O distrito de paz de Vargem terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Jacareí, na foz do ribeirão das Sete Pontes, sobem por aquele ate sua barra no rio Jaguarí, continuam pelo espigão que deixa, a esquerda, as águas do ribeirão Curitibanos, e, a direita, as do ribeirão das Anhumas até a Serra das Araras;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PEDRA GRANDE:

Começam na Serra das Araras, onde esta cruza com espigão que deixa, a direita, as águas do ribeirão das Anhumas, e, a esquerda, as do ribeirão Curitibanos, seguem pela crista daquela ate seu entroncamento com a Serra das Pitangueiras, já nas divisas com o Estado de Minas Gerais.

BRODOSQUI

O município de Brodosqui, comarca de Batatais, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BATATAIS:

Começam no ribeirão São Pedro, onde faz barra o ribeirão de Mata, sobem por este até a barra do córrego da margem esquerda que desagua logo abaixo da sede da Fazenda de M. Caetano, sobem pelo córrego até sua cabeceira, prosseguem pelo divisor entre as águas do ribeirão da Cachoeirinha, a esquerda, e as do ribeirão do Silva, direita, ate o contraforte da margem direita do córrego da Fazenda do Alho, continuam por êste contraforte, deixando sempre a esquerda, as águas do retendo córrego, e, a direita, as do ribeirão do Silva, até a barra do córrego da Fazenda do Alho, no ribeirão do Furquim, descem pelo ribeirão no Furquim até o ponto em que é cortado pela reta de rumo Oeste-Léste, que vem da cabeceira mais ocidental do córrego que deságua na margem direita do ribeirão do Adão, logo abaixo da séde da Fazenda Alcidio, vão desse ponto, em reta, à cabeceira mais ocidental do último córrego supra citado, e por êste descem ate sua barra no ribeirão do Adão;

COM O MUNICÍPIO DE ALTINÓPOLIS:

Começam no ribeirão do Adão, onde faz barra córrego da margem direita que desemboca logo abaixo da sede da Fazenda Alcidio, descem pelo ribeirão do Adão até sua foz no rio Pardo:

COM O MUNICÍPIO DE CRAVINHOS:

Começam no rio Pardo, onde se lança o ribeirão do Adão e vão por aquele abaixo ate a foz do ribeirão da Figueira:

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO:

Começam onde o ribeirão da Figueira faz barra no Pardo, e por êste seguem abaixo até a embocadura do ribeirão da Fazenda Jacutinga;

COM O MUNICÍPIO DE JARDINÓPOLIS:

Começam no rio Pardo, onde descarrega o ribeirão da Fazenda Jacutinga, prosseguem pelo espigão da margem esquerda, do ribeirão da Fazenda Jacutinga, até o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Silva, e, à esquerda, as do ribeirão da Fazenda da Jacutinga, continuam por êsse espigão e pelo contraforte da margem esquerda do ribeirão das Posses, alcançaram a barra do córrego da  Fazenda Parnaíba, no ribeirão das Posses, barra essa que ocorre acima da Fazenda Parnaíba, no ribeirão das Posses, barra essa que ocorre acima da Fazenda São Sebastião, daqui seguem, em reta, até a barra do córrego Claudino no córrego São Felipe e, ainda com reta, à barra do ribeirão da Mata, no ribeirão São Pedro, onde principiaram estas divisas.

BROTAS

O município de Brotas, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam na Serra de Brotas, na cabeceira do córrego do Mosquito e por êste abaixo até o rio Jacaré-pepíra;

COM O MUNICÍPIO DE DOURADO:

Começam no rio Jacaré-pepira, na foz do córrego do Mosquito, sobem pelo rio até a foz do ribeirão do Barreiro, alcançam o espigão fronteiro em demanda da confluência do ribeirão Água Virtuosa no ribeirão Bebedouro;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO BONITO:

Começam na confluência do ribeirão da Água Virtuosa no ribeirão Bebedouro, sobem por êste até a barra do córrego da Extrema pelo qual sobem até sua cabeceira continuam pelo espigão que deixa ao norte as águas do ribeirão Bebedouro, e, ao sul, as dos ribeirões Bonito e Rasteira, até a cabeceira mais ocidental do ribeirão de Santa Joana, pelo qual descem até o rio Jacaré-Grande;

COM O MUNICÍPIO DE S. CARLOS:

Começam no rio Jacaré-Grande onde desemboca o ribeirão da Santa Joana e sobem por aquele até barra do ribeirão do Lobo;

COM O MUNICÍPIO DE ITIRAPINA:

Começam no rio Jacaré-Grande, que neste ponto tem o nome legal de ribeirão do Feijão, onde desagua o ribeirão do Lobo e sobem por este até a sua cabeceira mais merídional continuam pelo divisor que deixa, à esquerda as águas do ribeirão Itaqueri e a direita as do ribeirão Gofabal até encontrar a cabeceira do córrego da Fazenda Santa Clara e por êste abaixo até o ribeirão do Tamanduá pelo qual sobem até a foz do córrego da Fazenda Santa Gertrudes subindo por êste até sua cabeceira mais oriental, prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda as àguas do ribeirão Tamanduá, e, a direita as do ribeirão do Jardim ou Pinheirinhos até o cruzamento no divisor que deixa, à direita as águas dêste último ribeirão, e, á esquerda, as águas do rio Passa Cinco, continuando por êste divisor, até o aparado da Serra do Itaquerí:

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO:

Começaram no aparado da Serra de Itaquerí onde esta cruza com o divisor que contorna as cabeceiras do ribeirão Jardim ou Pinheirinhos, separando-se das águas do rio Passa Cinco à esquerda: seguem em reta à cabeceira mais oriental do ribeirão dos Pintos pelo qual descem até a barra do córrego Gerivã, vão daí, em reta á cabeceira mais oriental do córrego Recreio e vão por êste abaixo até o ribeirão Grande e por este ainda até a foz do córrego dos Bicudos;

COM O MUNICÍPIO DE TORRINHA:

Começam na barra do córrego dos Bicudos no ribeirão Grande descem  por este até a foz do córrego Água Branca vão a seguir pelo espigão que deixa à esquerda, as águas desse córrego até o divisor entre as águas do ribeirão Claro à esquerda e por este divisor continuam até a barra do córrego Clarinho no ribeirão Claro sobem por aquele até a sua cabeceira mais ocidental atravessam o espigão em demanda da nascente mais oriental do ribeirão da Pedra de Amolar por este abaixo até o ribeirão Pinheirinhos ou
Cachoeira e daí em reta, a barra a barra do córrego Sul no ribeirão do Peixe;
COM O MUNICÍPIO DE DOIS CÓRREGOS:

Começam no ribeirão do Peixe, onde faz barra o córrego do Sul descem por aquele até a foz do córrego da fazenda da Boa Vista do Paredão, pelo qual sobem até o aparado da Serra de Brotas e continuam pelo aparado até a cabeceira do córrego Mosquito, onde tiveram início estas divisas.

BURÍ

O município de Burí, comarca de Faxina, constituído dos distritos de paz da séde e do de Aracassú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITAÍ:

Começam onde o ribeirão do Pinhal faz barra no ribeirão da Enxovia pelo qual descem até o rio Apiaí e por êste até o rio Paranapanema:

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA:

Começam onde o rio Apiaí faz barra no rio Paranapanema, sobem por êste até a confluência do rio Itapetinga e vão por êste acima até a barra do córrego Barreira, que fica na contravertente da cabeceira mais ocidental do córrego do Veado Pardo:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPETININGA:

Começam no rio Itapetininga, na barra do córrego Barreira, sobem pelo córrego até sua cabeceira e vão dai a procura da nascente mais ocidental do córrego do Veado Prado, que fica na contraverte e por êste abaixo, até a sua barra no ribeirão da Pescaria, descendo ainda por êste até o rio Paranapenema, pelo qual sobem até a barra do ribeirão da Pedra Chata;

COM O MUNICÍPIO DE CAPÃO BONITO:

Começam no rio Paranapanema onde faz barra o ribeirão da Pedra Chata, vão por êste acima até sua cabeceira principal e seguem, em linha reta, à ponte do Brasílio Nunes sobre o rio Apiaí-Mirim;

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA:

começam na ponte do Brasílio Nunes, sobre o rio Apiaí-Mirim, vão daí ao espigão fronteiro, pelo qual caminham até encontrar a reta de rumo leste-oeste, que vem da nascente mais meridional do córrego Pirizal, prosseguem pela reta até a referida cabeceira e pelo córrego Pirizal descem até sua barra no rio Apial-Guassú; descem por êste até a sua barra no rio Apiaí-Guassú; descem por êste até a barrado córrego do Major Velho, continuam por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, vão daí à cabeceira sudorienal do ribeirão da Enxovia e por ele abaixo até a barra do ribeirão do Pinhal, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE BURÍ

ARACASSÚ

O distrito de paz de Aracassú terá como divisas internas com o distrito de de paz da séde do município, as seguintes:
Começam no rio Apiaí, na foz do ribeirão da Enxovia, sobem pelo rio até a boca do córrego do Retiro do Apiaí, vão por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, ganham o espigão fronteiro e seguem por ele até a  barra do córrego da Viuva no rio Paranapitanga, indo depois, em reta, à ponte do Delfino sobre o rio Paranapanema, na estrada de rodagem para Itapetininga.

CABREÚVA

O município de Cabreuva, comarca de Itú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ:

Começam no espigão mestre Tietê-Jundiaí, na cabeceira mais meridional do ribeirão de Santa Rita , seguem pelo espigão mestre, deixando à direita as águas do ribeirão do Pinhal ou Jacaré, até cruzar com o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Caracol indo por ele até a confluência dêsse córrego no ribeirão da Cachoeira, que é afluente do ribeirão Carambú, sóbem pelo ribeirão da Cachoeira até sua cabeceira sudoriental, ganham o alto da Serra do Japí e pela cumiada desta prosseguem contornando as cabeceiras do rio Guaxinduva, caminhando depois pelo alto do seu contraforte, denominado de São Bento, que é o divisor que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Caáguassú, até a confluência dêste ribeirão com o ribeirão da Cachoeira, formadores ambos do rio Jundiuvira;

COM O MUNICÍPIO DE PARNAÍBA:

Começam na confluência dos ribeirões Cáguassú e Cachoeira, formadores do rio Jundiuvira, e por êste descem até o rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o rio Jundiuvira e pelo Tietê abaixo até a barra do rio Putribú ou Apotribú de Cima:

COM O MUNICÍPIO DE ITÚ:

Começam no rio Tietê onde desagua o rio Putribú ou Apotribú de Cima, descem por aquele até a barra do ribeirão Itaguá, ou do sítio Tucunduva, que nasce na povoação de Itaguá até a embocadura do córrego da Fazenda do Morro Grande, vão desta barra em réta norte-sul, até o rio Piraí, pelo qual sobem até o córrego Municipal, por êste acima até sua cabeceira e continuam pelo espigão mestre Jundiaí-Tietê, em frente à cabeceira do ribeirão Santa Rita, onde tiveram início estas divisas.

CAÇAPAVA

O município de Caçapava, comarca do mesmo nome terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS:

Principiam na Serra do Jambeiro, na cabeceira do rio da Divisa, pelo qual descem até sua barra no rio Paraíba, sóbem por êste até a foz do rio Butá, daí, continuam pelo espigão divisor das águas do rio Butá à esquerda, e as do ribeirão do Tuvú à direita, em demanda da barra do córrego de J. Carvalho, no ribeirão do Tuvú, e por êste acima até Serra do Palmital pelo qual seguem até a cabeceira mais setentrional do ribeirão Santa Cruz;

COM O MUNICÍPIO DE TAUBATÉ

Começam na Serra do Palmital, na cabeceira mais setentrional do ribeirão Santa Cruz, descem por êste até sua barra no rio Paraíba, e por êste ainda até a barra do córrego Pichoá ou Ponte Alta, subindo por êste até sua cabeceira mais meridional; prosseguem daí, pelo espigão da margem direita das águas do ribeirão Caçapava Velha até cruzar no divisor das águas dêste último ribeirão, à direita, e as do ribeirão Taperão, à esquerda;

 COM O MUNICÍPIO DE REDENÇÃO:

Principiam no espigão da margem direita do ribeirão Caçapava Velha, onde cruza o divisor das águas dêste ribeirão, à direita, e as do Taperão, a esquerda, continuam pelo último divisor até a cabaceira do córrego Fonsecada;

COM O MUNICÍPIO DE JAMBEIRO:

Principiaram na Serra do Jambeiro, na cabeceira do córrego Fonsecada, e pela Serra prosseguem até a cabeceira do rio da Divisa, onde tiveram início estas divisas.

CACHOEIRA

O município de Cachoeira, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CRUZEIRO:

Começam no espigão intermediário das águas dos ribeirões Embaú e Piquete, na cabeceira do córrego Mendanha, seguem pelo espigão até a junção daqueles dois cursos, descem pelo Embaú até o ribeirão Passa Vinte, e por êste até o rio Paraíba, pelo qual sobem até a barra do ribeirão do Alegre, por êste acima até a boca do córrego da Dorotéa pelo qual vão até sua cabeceira, atingindo, a rumo, o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Alegre e, à esquerda, as do ribeirão do Paiol;

COM O MUNICÍPIO DE SILVEIRAS:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Alegre, e, à esquerda, as do ribeirão do Paiol, em frente à cabeceira do córrego da Dorotéa, seguem pelo espigão até cruzar com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Jataí ou das Marrecas, e, à esquerda, as do ribeirão Silveira, indo até a barra do ribeirão do Bravo, no rio da Bocaína, sobem por aquele até a boca do córrego São Miguel, vão daí, em reta, à cabeceira mais setentrional do ribeirão do Entrecosto, na Serra da Bocaína;

COM O MUNICÍPIO DE LORENA:

Começam na Serra da Bocaína, na cabeceira mais setentrional do ribeirão do Entrecosto, seguem pela Serra até a cabeceira mais meridional do ribeirão Caninhas, por êste abaixo até o rio Paraíba, e por este acima até a barra do córrego Limoeiro, pelo qual sobem até sua cabeceira;

COM O MUNICÍPIO DE PIQUETE:

Começam na cabeceira do córrego Limoeiro, caminham pelo espigão entre as águas dos rios Piquete e Paraíba, em demanda da cabeceira do córrego Cantagalo ou Vargem grande, pelo qual descem ao ribeirão Piquete, seguem por êste até a boca do córrego Passa Quatro, e por êste acima até a barra do córrego Mendanha, pelo qual sobem até sua cabeceira, atingindo, por fim, o espigão intermediário entre as águas dos ribeirões Piquete e Embaú, onde tiveram início estas divisas.

CACONDE

O município de Caconde, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da séde e o do de Barra, ex-Santo Antonio da Barra, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TAPIRATIBA:

Começam no rio Pardo, onde descarrega o ribeirão Areias, sobem por êste até a confluência do córrego Retiro, seguem por êste ainda até sua cabeceira mais setentrional e vão em reta à cabeceira do córrego da Fazenda Rosa Branca, que fica na contravertênte; descem por esse córrego até o córrego Faísqueira, continuam por êste até sua barra, no ribeirão Can-Can, vão por êste acima até a barra do ribeirão Conceição e por êste ainda até a foz do córrego do Cedro, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais oriental no "divortium acquarum" dos rios Pardo e Sapucaí-Guassú, já nas divisas com o Estado de Minas Gerais;

COM O MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS:

Começam no "divortium acquarum" dos rios Pardo e Sapucaí-Guassú, na cabeceira mais oriental do córrego do Cedro, seguem pelo "divortium" até a cabeceira do córrego dos Vieiras, descendo por êste e pelo ribeirão São Mateus até a confluência do mesmo São Mateus, no ribeirão Bom Jesus, sobem por êste até a barra do ribeirão da Campestre, e por êste ainda até sua cabeceira principal e daí ao alto do morro das Corujas: em seguida pelo espigão do mesmo morro das Corujas, até a cabeceira de Palmital, que desagua no ribeirão Santa Barbara, logo acima da barra do Contendas: descem pelo Palmital até sua foz no ribeirão Santa Barbara, prosseguem pelo espigão fronteiro da margem direita do córrego das Contendas, até o espigão divisor do rio Pardo e ribeirão Bom Jesus e por êste espigão até o alto da Serra da Faísqueira; daí continuam pela cumiada desta serra ou espigão dividindo as águas dos córregos Palmital e Faísqueira, e pelo espigão até a confluência dos rios Lambarí e Pardo, atravessam o Pardo e sóbem pelo Lambarí até a barra do córrego Rolador, e por êste até sua cabeceira principal, donde prosseguem pelo espigão divisor das águas dos córregos Matão, Tiririca e Santo Antonio até o cume da Serra da Fumaça, e, pela cumiada desta até o contraforte entre as águas do ribeirão Santo Antonio, à esquerda, e as do córrego Cubatão, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO:

Começam na serra da Fumaça, no ponto de cruzamento com o contraforte entre as águas do ribeirão Santo Antonio, à esquerda, e as do córrego Cubatão, à direita, prosseguem pelo contraforte até o ribeirão Santo Antonio, onde faz barra o seu afluente da margem esquerda, que desemboca cerca de dois kms. abaixo da fazenda Dona Ana, descem pelo ribeirão Santo Antonio até a barra do pequeno córrego da sua margem esquerda, que desagua cerca de 1,1/2 Kms, abaixo do afluente supra citado, sobem por esse córrego até sua cabeceira mais oriental, e vão daí, em reta, ao espigão da margem esquerda do ribeirão Quebra-Machado, no ponto em que termina a reta do rumo leste-oeste que vem da confluência do córrego da Divisa, com seu afluente mais meridional, prosseguem dessa confluência, pelo espigão da margem direita, do córrego da Divisa, e continuam pelo divisor que deixa, à esquerda, as águas do córrego do Sinal Geodesico, indo a barra desse córrego no ribeirão Vargem Grande, alcançam depois a cabeceira meridional do córrego do Cruzeiro, pelo qual descem até sua barra no rio Pardo, e por esse ainda até a foz do ribeirão Areias, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CACONDE: 
BARRA

O distrito da barra, ex-Santo Antonio da Barra, terá as seguintes divisas internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Pardo, ao, e as do rio Sapucaí-Guassú, ao norte, no ponto do cruzamento com o espigão que deixa, à direita, o ribeirão da Conceição, e, à esquerda, as do ribeirão São Mateus, prosseguem por esse espigão até alcançar a cabeceira mais setentrional do ribeirão do Bom Sucesso e por êste abaixo até rio Bom Jesus, pelo qual descem até a boca do córrego de São Gonçalo pelo qual sóbem até sua cabeceira sudoriental, atingindo por fim o espigão divisor entre as águas do rio Pardo, à direita, e as do ribeirão Santa Barbara, à esquerda, já nas divisas de Minas Gerais.

CAFELÂNDIA

O município de Cafelândia, comarca do mesmo nome, constituído do distrito, de paz da sede e dos de Vila Simões e Mesquita, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE LINS:

Começam na confluência do rio Padua Sales com o córrego Iracema, sobem por êste até sua mais alta cabeceira, vão daqui, em reta, até a nascente mais próxima do córrego Cambará e deste ponto por nova reta, a nascente do córrego Santa Elisa, pelo qual descem até o rio Feio, continuam pelo contraforte fronteiro até o espigão mestre Dourado-Feio, pelo qual caminham em demanda da cabeceira do ribeirão Grande, pelo qual descem até sua barra no rio Dourados e por êste ainda, até a barra do córrego Anhumas ou do Coronel Pontes; vão por êste até sua cabeceira mais setentrional, no divisor Tietê-Dourados, por êste caminham e pelo espigão que separa as águas do córrego do Macuco, à esquerda, e do córrego Bacuri ou do Meio, à direita, até a foz do Macuco no rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE NOVO HORIZONETE:

Começam no rio Tietê, na barra do córrego Macuco e sobem pelo rio Tietê até a barra do córrego da Onça;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUÍ:

Começam no rio Tietê, onde faz a barra o córrego da Onça, sobem por êste até a sua cabeceira mais setentrional, procuram o divisor de águas que deixa o ribeirão Cervo, à direita, e o Ribeirão Sucuri, à esquerda e prosseguem pelo divisor até o espigão mestre Tietê-Dourados, pelo qual caminham à procura da nascente mais setentrional do córrego da Ponte Funda, descem por este até a sua foz no rio Dourados, vão deste ponto em reta, à barra do córrego do Beraldo, no córrego da Lagôa Seca, sobem pelo córrego do Beraldo até a sua cabeceira mais meridional, vão daqui, em reta, até a cabeceira mais setentrional do córrego do Taquaral, pelo qual descem até a sua foz no rio Feio, seguem por êste abaixo até a barra do ribeirão Inhema, subindo por êste até a foz do córrego Gentil de Moura.

COM O MUNICÍPIO DE GARÇA

Começam no ribeirão Inhema, onde conflue o córrego Gentil de Moura, sobem pelo Inhema até a foz do córrego Moraes Barros, e atingem em reta o pião divisor aos córregos Padua Sales, Moraes Barros e Forquilha;

COM O MUNICÍPIO DE MARÍLIA:

Começam no pião divisor dos córregos Padua Sales, Moraes Barros e Forquilha, alcançam a cabeceira mais oriental do córrego Padua Sales, descem por êste até a confluência do córrego Iracema, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CAFELÂNDIA

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Cafelândia terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE VILA SIMÕES:

Começam no espigão divisor entre as águas do rio Tietê, ao norte e as do rio Dourado, ao sul no ponto de entroncamento com o espigão divisor das águas dos córregos Macuco-Bacuri, seguindo pelo espigão até o alto do Canastrão;

COM O DISTRITO DE PAZ DE MESQUITA

Começam no rio Feio, na barra do ribeirão Inhema e vão pelo Feio abaixo até a foz do córrego Santa Elisa;

MESQUITA

O distrito de paz de Mesquita na povoação do menor nome, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Cafelândia;
Começam no rio Feio, na barra do córrego Santa Elisa e sobem pelo rio até a boca do ribeirão Inhema;

VILA SIMÕES

O distrito de paz de Vila Simões terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Cafelândia;
Começam no alto do Canastrão, no espigão divisor entre as águas do rio Tietê, ao norte, e as do rio Dourado, ao sul, seguem pelo alto do espigão até cruzar divisor entre as águas dos córregos Macuco e Bacuri.

CAJOBÍ

O município de Cajobí comarca de Olimpia constituido do distrito de paz da séde e do de Albuquerque (ex-Vila Albuquerque); terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE OLIMPIA:

Começam no rio Turvo, na barra do córrego Capituvinha, sôbem por êste até sua cabeceira mais setentrional, continuam pelo espigão fronteiro, atingindo o espigão que deixa, à direita, as águas do córrego Bebedouro do Turvo e à esquerda, as do córrego dos Olhos Dágua, pelo qual caminham até alcançar a barra do córrego do Bambú ou da Capéla, no córrego Barrerinha, sóbem pelo Bambú, até sua cabeceira mais ocidental, vão dai, em réta, à cabeceira sudocidental do córrego do Matadouro e daí, por uma nova réta, à cabeceira mais ocidental do córrego Abilio de Almeida;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE AZUL:

Começam na cabeceira mais ocidental do córrego de Abilio de Almeida, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, o córrego do Barro Preto ou Domiciano, e, à direita, as águas dos córregos Matadouro e da fazenda Santa Rita, em demanda da barra do córrego da fazenda Santa Rosa, no córrego Matadouro, sobem, Santa Rosa até sua cabeceira mais meridional, alcançam em réta a cabeceira mais setentrional do córrego do Souza e por êste descem até o rio Turvo;

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGÍ:

Começam no rio Turvo, na foz do córrego do Souza descem por aquele até a barra do córrego da Baixa e por êste vão acima, até sua cabeceira, ganham, o alto do espigão méstre Turvo-Ribeirão da Onça, e Continuam em demanda da cabeceira do córrego dos porcos, pelo qual descem até o ribeirão da Onça;

COM O MUNICÍPIO DE CATANDUVA:

Começam no ribeirão da Onça, na barra do córrego dos Porcos, descem pelo primeiro até a barra do córrego Grande;

COM O MUNICÍPIO DE TABAPUAN:

Começam no ribeirão da Onça, na barra do córrego Grande, descem por aquéle até o rio Turvo e por êste abaixo até a barra do córrego Capituvinha, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CAJOBÍ:

ALBUQUERQUE (EX-VILA ALBUQUERQUE):

O distrito de paz de Vila Albuquerque, cujo nome se simplifica para Albuquerque, terá como divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Cajobi, o rio Turvo, em toda a sua extensão, dêsde a foz do córrego da Baixa até a boca do ribeirão da Onça.

CAJURÚ

O município de Cajurú, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e dos de Cassia dos Coqueiros e Cruz da Esperança, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ALTINOPÓLIS:

Começam no rio Pardo, onde desemboca o rio Araraquara, sóbem por este até a foz do córrego da Prata, vão por êste até a sua cabeceira mais oriental, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Araraquara, e, à esquerda, as do ribeirão do Adão até a confluência do ribeirão do Cervo, no rio Araraquara e sóbem por êste até a barra do córrego Laranjal:

COM O MUNICÍPIO DE SANTO ANTONIO DA ALEGRIA:

Começam no rio Araraquara, onde faz barra o córrego do Laranjal, sóbem por aquele até a foz do córrego Barreiro das Antas, e por êste acima até sua cabeceira, na serra da Lage, e pela cumiada desta continuam até o contraforte conhecido pelo nome de Frei Custodio, seguindo pelo divisor, que deixa, à direita, as águas do rio Cubatão, e, à esquerda, as dos córregos Monte Alto e das Antinhas, até a barra do córrego da Barreira, no ribeirão so Bauzinho, já nas divisas com o Estado de Minas Gerais;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no córrego do Bauzinho, onde deságua o córrego da Barreira, sobem por aquele até sua cabeceira perto da qual se encontra o Cemitério Velho; seguem daí contornando pelo alto do espigão do córrego da Delícia, até o marco geodesico do Campo Redondo, continuam pela cumiada do espigão até defrontar a cabaceira principal do córrego Vicente Bento, primeiro afluente na margem direita do córrego das Areias e por êste ainda até a barra  do córrego Marimbondo ou Comprido;

COM O MUNICÍPIO DE MOCÓCA:

Começam no córrego das Areias na barra do córrego Comprido ou Marimbondo, pelo qual sóbem até sua cabaceira mais ocidental, alcançam os aparados da Serra da Borda Mata pelos quais caminham e pelos aparados da serra das Contendas, até o contraforte da margem esquerda do córrego da Fazenda da Serra, e por êsse contraforte caminham até a apagar confluência do córrego da Fazenda da Serra no ribeirão da Boiada, e por êste abaixo até sua confluência no rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE TAMBAÚ:

Começam na barra do ribeirão da Boiada, no rio Pardo, e vão por  êste até a foz do ribeirão Quebra-Cuia;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ROSA:

Começam no rio Pardo, onde desemboca o ribeirão Quebra-Cuia, descem por aquele até a barra do ribeirão das Águas Claras;
COM O MUNICÍPIO DE SÃO SIMÃO:

Começam no rio Pardo, onde este recebe as águas do ribeirão das Águas Claras, e vão por aquele abaixo até a confluência do ribeirão de Prata, em frente o Paredão do Corvo Branco;

COM O MUNICÍPIO DE SERRA AZUL:

Começam no rio Pardo, onde deságua o ribeirão da Prata em frente ao Paredão do Corvo Branco, descem pelo Pardo até a barra do rio Araraquara, onde iniciarem estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE CAJURÚ:

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Cajurú terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CRUZ DA ESPERANÇA:

Começam no rio Pardo na foz do córrego do Sertãozinho, vão por êste acima até sua cabeceira, ganham o espigão que contorna a cabeceira do córrego da Fazenda Palma, seguindo pelo espigão até a forquilha dos dois maiores e últimos formadores do ribeirão do Bosque, seguem, daí, pelo espigão que deixa o córrego da Posse, à esquerda, e córrego da Bôa Esperança; à direita, até alcançar a cabeceira mais meridional do córrego do Cacho, até a foz do córrego da Prata;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CASSIA DOS COQUEIROS

Começam no contraforte de Frei Custódio, na Serra da Lage, em frente à cabeceira do córrego das Torres, continuam pelo divisor, que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Vermelho até dirigir a cabeceira do córrego do Furtado, pelo qual descem até a barra do córrego das Palmeiras, sóbem por êste pelo seu galho mais meridional até sua cabeceira e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Cubatão, e, à direita, as do córrego São João, indo até a cabeceira do córrego do Barreiro, pelo qual descem até o rio Cubatão seguem pelo espigão fronteiro, que deixa, à direita, as águas do córrego Encantado e do córrego da Serra, passam pelo alto das Três Barras, ganham a cabeceira mais setentrional do córrego das Contendas e por êste descem até o aparado da Serra do mesmo nome;

DISTRITO DE PAZ DE CRUZ DA ESPERANÇA:

O distrito de paz de Cruz da Esperança, ex-Santa Cruz da Esperança, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no rio Araraquara, na foz do córrego da Prata, sóbem pelo Araraquara até a boca do córrego do Cacho, vão por êste acima até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do córrego da Esperança, e, à direita, as do córrego da Posse, indo até a forquilha dos maiores e últimos formadores do ribeirão do Bosque, atravessam êste e prosseguem pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego da Fazenda Palma, em demanda da cabeceira do córrego do Sertãozinho, pelo qual descem até o rio Pardo;

DISTRITO DE PAZ DE CASSIA DOS COQUEIROS:

O distrito de paz de Cassia dos Coqueiros, ex-Santa Rita de Cassia dos Coqueiros, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no aparado da Serra das Contendas, no córrego do mesmo nome, sóbem por êste até sua cabeceira mais setentrional, atingem o alto das Três Barras e vão pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego da Fazenda da Serra e do córrego Encantado, até a barra do córrego do Barreiro no rio Cubatão, sóbem pelo córrego São João, até atingir a cabeceira do galho mais meridional do córrego Palmeiras, pelo qual descem até sua confluência com o córrego do Furtado e por êste acima até sua cabeceira, as águas do ribeirão Vermelho, e à direita, as do rio Cubatão, até alcançar o contraforte de Frei Custódio, na Serra da Lage, em frente à cabeceira do córrego das Torres.

CAMPINAS

O município de Campinas, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e dos de Cosmópolis, Rebouças, Souzas (Ex-Arrarial dos Souzas), e Valinhos, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE AMERICANA: (Ex-Vila Americana)

Começam no  espigão divisor das águas dos ribeirões Quilombo e Toledo, na cabeceira setentrional do córrego Guilherme Green, afluente do ribeirão dos Toledos, sobem pelo espigão até a cabeceira do Palmital, pelo qual descem até sua barra no ribeirão de Quilombo, vão dai em réta, à barra do córrego da Discórdia, no ribeirão dos Lopes, pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa à direita, as águas do córrego da Fazenda Foguete indo até a barra do córrego da Balsa, continuam pelo espigão da margem esquerda dêste, ganham o espigão mestre Atibaia-Jaguari e por êle caminham até a cabeceira do galho da direita do córrego Jacutinga, pelo qual descem até o rio Jaguarí, e por êste abaixo até a foz do ribeirão Pinhal:

COM O MUNICÍPIO DE LIMEIRA:

Começam no rio Jaguarí na foz  do ribeirão do Pinhal, seguem pelo espigão da margem direita, dêste último, indo até a cabeceira mais ocidental do córrego Pinheirinhos; pelo qual descem até o Monjolo Grande e por êste até a barra do ribeirão Três  Barras, pelo qual sobem até a barra da água do km. 41 da Estrada de Rodagem, no ribeirão das Três Barras desta barra por outra réta, à cabeceira da água do Jacinto, pela qual descem até o rio Pirapitingui e ainda por êste até a fóz do córrego Socega, sobem por êste córrego até a sua cabeceira oriental, vão daí, em réta, à cabeceira ocidental do córrego Boldin, Cemitério ou Capela, pelo qual descem até o ribeirão Cachoeira e ainda por êste até o rio Jaguari, pelo qual sobem até a ponte da rodovia estadual, vão daí em réta, à cabeceira mais setentrional do córrego da Fazenda Tanquinho, pelo qual descem até a barra da água da sua cabeceira oriental, pelo qual sobem até a referida cabeceira vão daí, em réta, à barra do córrego da Fazenda Castelo no córrego da Fazenda Santa Julia. Sobem pelo córrego da Fazenda Castelo até sua cabeceira, vão daí, pelo espigão, à barra do córrego Carlos Aranha no rio Jaguarí;

COM O MUNICÍPIO DE PEDREIRA:

Principiam no rio Jaguarí, na barra do córrego da Fazenda de Carlos Aranha, sobem pelo rio Jaguarí  até a barra do córrego da Fazenda Recreio,e vão em réta à barra do córrego da Linde no rio Jaguarí, e por êste acima até a barra do córrego da Vendinha do Jaguarí;

COM O MUNICÍPIO DE ITATIBA:

Começam no rio Jaguarí, na barra do córrego da Vendinha do Jaguarí, continuam pelo contraforte da margem direita dêste córrego, em demanda da Serra das Cabras,e por esta Serra prosseguem em demanda do Morro Agudo do Franco, vão daí pelo espigão à barra do córrego da Fazenda espírito Santo do Morro Agudo, no rio Atibaia; daí  prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dos córregos das Fazendas Joli, Bento Pires de Almeida  e Joaquim Franco, até  a Serra de Cocais, pela qual caminham, deixando à direita, as águas do ribeirão do Jardim em demanda da cabeceira mais oriental do córrego do Reservatório;

COM O MUNICÍPIO DE JUDIAÍ

Começam  na Serra dos Cocais, em frente à cabeceira do córrego do Reservatório, descem por êste ao ribeirão Pinheiros e por êste abaixo até o córrego dos Ortizes, vão daí em reta leste oeste, até a estrada de rodagem estadual Jundiaí-Campinas, seguem pelo eixo desta até o espígão mestre Capivari-Pinheiros e continuam pelo contraforte entre as águas dos córregos da Fazenda São Bento, à direita, e as do córrego da Fazenda Candida, à esquerda, indo até a barra do ribeirão do Moinho no rio Capivari, descem por êste até a boca do córrego da Fazenda Rio da Prata e vão em reta à cabeceira do córrego Bonfim, descendo por êste até o tanque;

COM O MUNICÍPIO DE INDAIATUBA:

Começam no tanque do córrego Bonfim, continuam pelo rio Caivari-Mirim, até a boca do Ribeirão do Campo Grande ou Monjolo Grande;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE MÓR:

Começam no rio Capivari-Mirim, na barra do rio Campo Grande, vão em reta, à barra do rio Capivari, alcançam e prosseguem pelo espigão fronteiro que deixa, à direita, as águas do córrego Comprido até o espigão mestre dos rios Capivari e Quilombo, e pelo espigão mestre continuam até a cabeceira mais setentrional do ribeirão Candelaria, pelo qual descem até sua barra no ribeirão dos Toledos;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA:

Começam no ribeirão dos Toledos, na barra do ribeirão da Candelaria, descem por aquele até a barra do córrego de Guilherme Green, pelo qual sobem até sua cabeceira setentrional no espigão Toledo-Quilombo, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE CAMPINAS
SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Campinas terá as seguintes divisas internas:

COM O MUNICÍPIO DE PAZ DE REBOUÇAS:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do rio Capivarí, e, à esquerda, as ribeirão Quilombo, em frente à cabeceira do córrego do Aterrado, seguem por êste divisor até os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, cerca de dois Kms, a oeste da estação de Bôa Vista, continuam pelo espigão que deixa à direita, as águas do córrego da Bôa Vista, afluente do ribeirão Quilombo, indo até a barra do córrego do Pari, nêste último ribeirão; descem pelo Quilombo até a boca do córrego da fazenda Nova Veneza, pelo qual sobem até sua cabeceira, atingindo depois o alto do pião divisor entre as cabeceiras do citado córrego da Fazenda Nova Veneza, do córrego de São Francisco e do córrego da Fazenda Foguete;

COM DISTRITO DE PAZ DE COSMÓPOLIS:

Começam no espigão mestre Atibaia-Jaguarí, em frente à cabeceira do córrego Funchal e vão por êste abaixo até o rio Jaguarí, pelo qual sobem até a barra do ribeirão da Cachoeira;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SOUZAS
(EX-ARRAIAL DOS SOUZAS)

Começam no rio Jaguarí na foz do córrego da Fazenda Roseira, sobem por êste até sua cabeceira, ganham o espigão intermediário dos dois ramos do córrego da Fazenda Angélica, indo à confluência dessas duas águas e pelo córrego abaixo até o rio Atibaia, transpõem o rio e tomam pelo espigão que deixa, à direita, as águas dos ribeirões do Tanquinho e das Anhumas, e, à esquerda, as do rio Atibaia, indo até a cabeceira do pequeno córrego da Lapa, pelo qual descem até o córrego da Fazenda da Boroneza de Atibaia;

COM O DISTRITO DE PAZ DE VALINHOS:

Começam no córrego da Fazenda da Baroneza de Atibaia, na foz do pequeno córrego da Lapa, sobem por aquele até sua cabeceira do galho da esquerda e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão das Anhumas, e as do rio Capivari, e, a esquerda, as do ribeirão Pinheirinhos, indo até cruzar com espigão que deixa, à direita, as águas do córrego da Fazenda Jambeiro, e, à esquerda, as do córrego da Fazenda Guapiranga ou São Pedro, e indo até a barra dêste no rio Capivari, e por êste acima até a boca do ribeirão do Moinho;

COSMÓPOLIS: 

O distrito de paz de Cosmópolis terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Campinas:
Começam no rio Jaguarí, na barra do ribeirão da Cachoeira, descem pelo primeiro da Cachoeira, descem pelo primeiro até a barra do córrego do Funchal, e por êste acima até sua cabeceira, no espigão mestre Atibaia-Jaguarí;

REBOUÇAS:

O distrito de paz  de Rebouças terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Campinas:
Começam no pião divisor que separa as cabeceiras dos rios córregos de São Francisco, da Fazenda Foguete, e da Fazenda Nova Veneza, descem por êste último até o ribeirão Quilombo,e por êste acima até a barra do córrego do Parí; continuam pelo espigão que deixa à esquerda, as águas do córrego Bôa Vista (afluente do ribeirão Quilombo), indo até os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, que cortam cerca de dois kms. a oeste da estação de Bôa  Vista, e prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Quilombo, e, à  esquerda, as do rio Capivarí, indo até frontear a cabeceira do córrego do Aterrado;

SOUZAS. (EX-ARRAIAL DOS SOUZAS)

O distrito de paz do Arraial dos Souzas, cujo nome se simplifica para Souzas, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no córrego da Fazenda da Baroneza de Atibaia, na foz do pequeno córrego da Lapa, por êste até sua cabeceira, ganham o espigão que deixa, à esquerda, as do ribeirão das Anhumas e do ribeirão do Tanquinho, e pelo espigão intermediário dos dois ramos do córrego da Fazenda Roseira, pelo qual descem até o rio Jaguarí;
 
COM O DISTRITO DE PAZ DE VALINHOS:

Começam no rio Atibaia na ponte do Joli, descem pelo rio até a barra do córrego da Fazenda da Baroneza de Atibaia, vão por êste acima até a boca do córrego da Lapa;

VALINHOS

O distrito de paz de Valinhos terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Capivari, na foz do ribeirão do Moinho, descem pelo primeiro até a boca do córrego da Fazenda Guapiranga ou São Pedro, e continuam pelo espigão que deixa, à deixa, à direita, as águas dêste último córrego, e à esquerda, as do córrego da Fazenda Jambeiro, até cruzar com o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Pinheirinhos, e, à esquerda, as do rio Capivarí e do ribeirão das Anhumas, indo até a cabeceira do galho da direita, do córrego da Fazenda da Baroneza de Atibaia, pelo qual descem até a foz do pequeno córrego da Lapa;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SOUZAS
(EX-ARRAIAL DOS SANTOS)

Começam no córrego da Fazenda da Baroneza de Atibaia, na foz do pequeno córrego da Lapa, descem pelo primeiro até o rio Atibaia, e por êste acima até a ponte do Joli.

CAMPO LARGO

O município de Campo Largo, comarca de Sorocaba, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TATUÍ:

Começam onde o Rio Alambari faz Barra no Rio Sarapui e descem por êste até a barra do ribeirão Iperó:

COM O MUNICÍPIO DE BOITUVA:

Começam no rio Sarapuí, onde deságua o ribeirão Iperó, prosseguem pelo espigão da margem direita do ribeirão Iperó em demanda da cabeceira do córrego Bacaetava, e vão por êste até a barra do córrego do Anhanguera;

COM O MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ

Começam no rio Sorocaba na barra do ribeirão Anhanguera, sobem pelo rio Sorocaba até a barra do córrego Jacaré;

COM O MUNICÍPIO DE SOROCABA:

Começam no rio Sorocaba onde desagua o córrego do Jacaré, vão por êste acima até sua cabeceira mais meridional, seguem pelo espigão contornando as cabeceiras do ribeirão Ipanema, vindo em demanda da barra do ribeirão Verde, naquele ribeirão; subindo pelo Ipanema até a confluência do ribeirão do Lageado, prosseguindo pelo espigão entre êstes dois ribeirões e continuando pelo divisor entre as águas do ribeirão Ipanema e as do rio Pirapóra, até a barra do córrego do Barulho neste último rio e pelo Pirapóra abaixo, até sua barra no rio Sarapuí;

COM O MUNICÍPIO DE SARAPUÍ

Começam onde o rio Sarapuí recebe o rio Pirapóra e vão por aquele abaixo, até a barra do ribeirão da divisa ou Dúvida;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPETININGA

Começam na barra do ribeirão da Divisa ou da Dúvida no rio Sarapuí e vão por êste abaixo até a foz do rio Alambari, onde tiveram inicio estas divisas.

CAMPOS DO JORDÃO

O município de Campos do Jordão, comarca de São Bento, constituído do distrito de paz da séde e do de Santo Antonio do Pinhal, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE S. BENTO:

Começam na Serra da Mantiqueira, na cabeceira mais ocidental do ribeirão do Barreiro, pelo qual descem até a barra do ribeirão da Fazenda de J. Benedicto, vão dêste ponto, em reta, ao ponto montante da cachoeira sobre o ribeirão da Cachoeira, cachoeira essa que fica cerca de um quilometro abaixo da povoação do Pinhalzinho, vão dai por nova reta, ao morro do Cambraia e continuam pelo espigão fronteiro em demanda da barra do ribeirão dos Mellos , no rio do Lageado; sobem por aquele até meio quilometro, abaixo da forquilha de seus principais formadores, ao oéste da povoação dos Melos e vão dai, por uma reta, de rumo sul-norte, até o  ribeirão das Barradas, pelo qual sobem até a sua cabeceira mais oriental; prosseguem pelo espigão fronteiro, que é o divisor da margem esquerda do rio Sarapui, até a cabeceira mais ocidental do ribeirão dos Marmelos, pelo qual descem até a barra do córrego do Campista e continuam por êste acima até sua cabeceira, no espigão que contorna as cabeceiras do ribeirão do Jacú, já nas divisas de Minas Gerais;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no espigão divisor entre as águas do ribeirão do Jacú, à esquerda, e as do ribeirão dos Marmelos, à direita, em frente à cabeceira setentrional do córrego Campista, seguem pelo divisor até a embocadura do ribeirão dos Marmelos, no rio Sapucaí e vão por êste abaixo até a embocadura do ribeirão Jacú, donde seguem pelo divisor de águas até alcançar a cordilheira da Mantiqueira;

COM O MUNICÍPIO DE GUARATINGUETA:

Começam no alto da cordilheira da Mantiqueira, onde esta cruza o divisor entre as águas dos rios Sapucai-Guassu, e Bicas, seguem pela cumiada da serra até cruzar com o divisor que deixa, à esquerda as águas do rio Guaratinguetá, e à, direita, as do ribeirão dos Buenos ou dos Moreiras;

COM O MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA:

Começam no alto da cordilheira da Mantiqueira, onde ela cruza com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Buenos ou dos Moreiras, e, à esquerda, as do rio Guaratinguetá, seguem pela crista daquela até o pião divisor das águas do rio Piracuama, ribeirão Bôa Vista e rio Buquira;

COM O MUNICÍPIO DE S. JOSE DOS CAMPOS:

Começam na Serra da Mantiqueira, no pião divisor dos rios Buquira, Piracuama e ribeirão Bôa Vista, seguem pela Serra até a cabeceira mais ocidental do ribeirão Barreiro, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CAMPOS DO JORDÃO

SANTO ANTONIO DO PINHAL:

O distrito de paz de Santo Antonio do Pinhal, terá como divisa interna, com distrito de paz da séde do município de Campos do Jordão, o divortium acquarum Sapucai-Mirim-Guassu, desde seu cruzamento com a cordilheira da Mantiqueira até frontear a cabeceira do ribeirão Barradas.

CANANÉA

O município de Cananéa, comarca do mesmo nome constituído do distrito de paz da séde e do de Ariri terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JACUPIRANGA:

Começam na Serra Negra, onde esta entronca com o divisor que deixa, ao norte, as águas do rio Jacupiranga e seus afluentes Guaraú, Canha, e ao sul, as águas dos rios das Minas, Itapitingui, e Folha Larga, seguem pela crista dêsse divisor até cruzar a Serra do Pariquera-Assú, que é o "divortium acquarum" entre as águas do rio Pariquera-Assú, ao norte e as do rio Cordeiro, ao sul até frontear a cabeceira mais ocidental dêste último rio:

COM O MUNICÍPIO DE IGUAPE:

Começam na Serra do Pariquera-Assú, na cabeceira mais ocidental do rio Cordeiro, descem por êste até a barra do rio Nanaú, vão dêste ponto, em reta, até a ponta mais oriental da Ilha do Rodrigues e daqui, também em reta até a forquilha dos galhos das cabeceiras do rio Candapuí, na Ilha Comprida e dessa confluência, seguindo a mesma reta, até o mar;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no mar, na barra do Ararapira, acompanham a curva do rio, passando pelo povoado do mesmo nome, até o meio do istmo do Varadouro, dai, buscam o divisor das águas que correm, á direita para o mar e canal do Ararapira, e, á esquerda, para as baias do Pinheiro e das Laranjeiras, seguem por esse divisor até o alto da Serra Negra e por esta até cruzar o divisor entre as águas do rio Jacupiranga, ao norte, e as do rio das Minas, ao sul, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CANANÉA:
ARIRÍ

O distrito de paz de Ariri, terás as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Cananéa:

Começam na Ilha do Cardoso, na praia dos Foles Grandes, onde morre o espigão que deixa, á direita, as águas do rio Cambriu, e , á esquerda, as dos rios que vertem para o canal de Ararapira, seguem por êsse espigão até o canal, em frente á barra do ribeirão das Pedras, continuam pelo ribeirão acima até sua cabeceira e pelo espigão que deixa, á direita, as águas do rio Itapanhapima, e, á esquerda, as do rio Araçaúba, indo até a Serra do Itapanhapima, pela qual prosseguem até a Serra Negra, já nas divisas com o Estado do Paraná.

CANDIDO MOTA

O município de Candido Mota, comarca de Assis, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ASSIS:

Começam no rio Paranapanema, na barra do córrego do Brene, sobem por êste até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas dos ribeirões de Dourado e Fartura, e, á direita, as do ribeirão Queixada, até encontrar a cabeceira do galho da direita do ribeirão Jacú, descem por êste até a barra do córrego Figueira, e vão daqui, em reta até a confluência do córrego do matão, no ribeirão do Pavão e daí em reta á ponte sôbre o Ribeirão Pirapitinga, na estrada de rodagem que da cidade de Assis vai á de Palmital:

COM O MUNICÍPIO DE PALMITAL:

Começam na ponte sobre o ribeirão Pirapintinga, na estrada de rodagem que da cidade de Assis vai á de Palmital, vão pelo eixo da estrada á ponte sobre o córrego Barra Mansa descem por êste até o ribeirão Pirapitinga, e por êste abaixo até o ribeirão Pavão, daí em reta, e cabeceira do córrego da Lage e por êste descem até o rio Pari e por êste abaixo até o rio  Paranapanema;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio Paranapanema, onde faz barra o rio Pari e vão por aquele abaixo até a foz do córrego do Brene, onde tiveram inicio estas divisas.

CAPÃO BONITO

O município de Capão Bonito, comarca do mesmo nome constituido dos distritos de paz da sede e do de Guapirara, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA:

Começam na Cordilheira dos Paranapiacaba, onde esta cruza com o divisor entre as águas do ribeirão Samambaia o rio São José do Guapiára, de nome local Serra da Samambaia até a serra do Cantagalo, pela qual caminham em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego da invernada, pelo qual descem até o rio Apiai-Mirim e por êste ainda até a antiga ponte de Basilio Nunes, hoje de Marcolino Nunes;

COM O MUNICÍPIO DE BURÍ:

Começam mo rio Apia-Mirim, na antiga ponte de Basilio Nunes, hoje de Marcolino Nunes, vão daí, em reta á cabeceira principal do ribeirão da Pedra Chata pela qual descem ao rio Paranapanema;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPETINGA:

Começam no rio Paranapanema, onde faz barra o ribeirão da Pedra Chata, sobem por aquele até a embocadura do rio Turvo, e ainda por êste, até a barra do ribeirão da Cachaça;

COM O MUNICÍPIO DE S. MIGUEL ARCANJO:

Começam na barra do ribeirão da Cachaça no rio Turvo, sobem por êste até a barra do ribeirão Laranja Azeda, por êste ainda até sua cabeceira mais meridional vão em reta, á cabeceira mais setentrional do córrego Brejauva, pelo qual descem até o rio Taquaral e continuam por êste acima até sua cabeceira mais meridional, na Cordilheira do Paranapiacaba;

COM O MUNICÍPIO DE XIXIRICA:

Começam na Cordilheira do Paranapiacaba, na cabeceira mais meridional do rio Taquaral, prosseguem pela Cordilheira até encontrar com o divisor entre as águas dos rios Pedro Cubas á esquerda, e Pilões, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE IPORANGA:

Começam na Cordilheira do Paranapiacaba, onde esta cruza o espigão que separa as águas dos rios Pedro Cubas e Pilões e prosseguem pela crista da Cordilheira até a Serra da Samambaia, que é o divisor das águas do ribeirão Samambaia e rio São José do Guapiara, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CAPÃO BONITO

GUAPIARA

O distrito de paz de Guapiara terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Capão Bonito:

Começam na Cordilheira do Paranapiacaba, onde eia cruza com o espigão que deixa, á esquerda as águas do rio Apiaí-Mirim, e, á direita as do rio das Almas, seguem por êste último divisor até alcançar a cabeceira mais oriental do ribeirão do Alegre, descem por êste até o rio Apiai-Mirim, continuam por êste abaixo até a barra do ribeirão da Invernada.

CAPIVARÍ

O município de Capivarí, comarca de Igual nome, compreendendo o distrito de paz da séde e os de Mombuca e Rafard, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE RIO DAS PEDRAS:

Começam no rio Capivari-Mirim, na barra do córrego Pequeno, pelo qual sobem até a sua cabeceira, vão dai em reta á barra do córrego D. Eliza no córrego da Fazenda Arapongal, sobem por aquele até a sua cabeceira, vão dai em reta á confluência do córrego do Matão no ribeirão Dona Teodora ou Dona Tereza, sobem pelo córrego do Matão até a sua cabeceira, vão dai em reta ao córrego da Fazenda Monte Belo, pelo qual descem até o ribeirão Grande, sobem por êste e pela sua cabeceira mais oriental, vão dai em reta á cabeceira mais ocidental do ribeirão Água Parada, pelo qual descem até a sua barra no córrego que vem da Fazenda Estrela, dessa confluência ganham o espigão fronteiro que deixa, á esquerda, as águas do córrego da Fazenda Estrela, prosseguem por este espigão até o espigão mestre Piracicaba-Capivari, pelo qual caminham até frontear a cabeceira mais meridional do ribeirão Lambari, pelo qual descem até a barra do córrego Lambari de Cima;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA:

Começam na barra do córrego Lambarí de Cima, onde ele faz barra no ribeirão Lambari, sobem pelo córrego Lambari de Cima até sua cabeceira, dai vão pelo espigão em demanda do Tanque da Posse, e dai prosseguem pelo espigão fronteiro até o espigão mestre Piracicaba-Capivari, pelo qual caminham até frontear a cabeceira do córrego Joaquim Grande:

COM O MUNICÍPIO DE MONTE MÓR:

Começam no espigão mestre entre os rios Piracicaba e Capivari, na cabeceira do córrego Joaquim Grande, prosseguem pelo espigão mestre até onde ele cruza com o "divortium acquarum" que deixa, á direita, as águas do ribeirão da Água Choca e á esquerda, as da Fazenda Monte Belo, seguem por êste "divortium" até entroncar com o que separa as águas do córrego da Fazenda Monte de Ouro das do córrego do Fonseca, prosseguindo por este até a confluência dessas duas águas, e pelo córrego do Fonseca abaixo até o rio Capivari, descem por êste até a barra do ribeirão do Carneiro; dai continuam pelo espigão fronteiro que deixa, á esquerda, as águas deste último, e á direita, as do córrego Queluz, contornam as cabeceiras dêste, que passa junto á séde da fazenda do mesmo nome e prosseguem pelo espigão que deixa á esquerda, as águas do ribeirão Atuaú e, á direita, as do ribeirão dos Agostinhos ou Samambáia, até frontear a cabeceira do córrego da Poca, afluente do Atuau, no espigão mestre Tietê-Capivari;

COM O MUNICÍPIO DE SALTO DE ITÚ:

Começam no espigão mestre Tietê-Capivari, em frente á cabeceira do córrego da Poca, continuam pelo espigão mestre até cruzar com o contraforte que deixa, de um lado, as águas do ribeirão Morro Vermelho, e do outro, as do ribeirão Eleutério;

COM O MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, ao sul, e as do rio Capivari ao norte, onde ele cruza com o espigão que deixa de um lado as vertentes do ribeirão do Morro Vermelho e do outro as do ribeirão Eleutério, pelo espigão mestre caminham até frontear a cabeceira do pequeno córrego Godói, galho do córrego do Engenho Dágua, pelo qual descem até êste último e por êste abaixo até sua barra no ribeirão Sete Fogões e por êste ainda até a embocadura do córrego da Água Branca;

COM O MUNICÍPIO DE TIETÊ:

Começam no ribeirão Sete Fogões onde faz barra o córrego da Água Branca, ganham o espigão que deixa, á esquerda, as águas do córrego Água Branca, indo em demanda da barra do córrego Galho do Norte no ribeirão José Leite, sobem pelo córrego do Galho do Norte até o espigão mestre Tietê-Capivari, caminhando por êste e pelo contraforte que deixa, á direita, as águas do ribeirão Fundo, até a barra do córrego da fazenda São Paulo, no rio Capivari, alcançam o espigão da margem direita do córrego da Fazenda São Paulo e do ribeirão Dona Teodora ou Dona Tereza, pelo qual caminham indo até a barra do córrego Pequeno no rio Capivari-mirim, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CAPIVARÍ:

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da sede do município de Capivari terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MOMBUCA:

Começam no rio Capivari, na foz do córrego Bonfim, vão por êste, pelo seu galho de léste, até sua cabeceira e continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego do Bairro Frio, até alcançar o marco do Km. 201 do ramal de Piracicaba, da Estrada de Ferro Sorocabana marco que fica a 5.190 metros da estação de Mombuca, atingem dai, em reta, léste-oéste, o ribeirão da Água Parada ou da Mombuca e procuram o espigão que deixa, á esquerda, as águas dêste curso e, á direita, as vertentes do ribeirão Água Choca e por esse espigão caminham até frontear a cabeceira mais meridional do ribeirão do Lambari ou Alambari;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RAFARD:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, ao sul, e as do rio Capivari, ao norte, onde ele cruza com o espigão chamado de André Dias, que deixa, á direita, as águas do ribeirão Palmeiras, e, á esquerda, as do ribeirão dos Martins ou Itapeva e por êste último espigão continuar até alcançar a cabeceira do córrego São Francisco, pelo qual descem ao rio Capivari, vão por este abaixo até a foz do córrego do Bonfim:

MOMBUCA

O distrito de paz de Mombuca terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na cabeceira mais meridional do ribeirão do Lambari ou do Alambari, no espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão da Mombuca ou Agua Parada, e, a esquerda, as do ribeirão da Água Choca, indo até o ribeirão Mombuca no ponto em que ele é atingido pela reta leste-oéste, que vem do marco do Km. 201 do ramal de Piracicaba, da Estrada de Ferro Sorocabana, seguem pela reta até o citado marco, que fica a 5.190 metros da estação de Mombuca e continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego do Bairro Frio, alcançam a cabeceira do galho de léste do córrego do Bonfim e por êste descem até o rio Capivarí:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RAFARD:
RAFARD

Começam no rio Capivari, na foz do córrego do Bonfim, descem pelo rio até a barra do córrego da Fazenda São Paulo;
O distrito de paz de Rafard terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MOMBUCA:

Começam no rio Capivari, na foz do córrego da Fazenda São Paulo e vão por aquele acima até a barra do córrego Bonfim;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Capivari, na foz do córrego do Bonfim, sobem pelo rio até a barra do córrego S. Francisco, e vão por estes acima até sua cabeceira, continuam pelo espigão chamado de André Dias, que deixa, á direita, as águas do ribeirão dos Marins ou Itapeva, e, á esquerda, as do ribeirão Palmeiras, até alcançar o espigão mestre entre as águas do rio Tiete, ao sul, e do rio Capivari, ao norte

CARAGUATATUBA

O município de Caraguatatuba, comarca de São Sebastião, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SALESÓPOLIS

Começam na cordilheira do Mar, onde ela cruza com a Serra do Juqueriquerê, divortium aquarum das águas do rio do mesmo nome, seguem pela crista da cordilheira até cruzar com o espigão que deixa, á esquerda, as águas do rio Tiete, e, á direita, as dos rios Lourenço Velho e Paraíbuna;

COM O MUNICÍPIO DE PARAÍBUNA:

Começam na cordilheira do Mar, onde ela cruza com o espigão que deixa, a direita, as águas dos rios Lourenço Velho e Paraibuna, e, á esquerda, as do rio Tiete, seguem pela crista da cordilheira até encontrar com o contraforte que separa as águas do rio Pardo, á esquerda, das do rio Negro, á direita;

COM O MUNICÍPIO DE NATIVIDADE

Começam na cordilheira do Mar, onde esta cruza com o contraforte que deixa, á direita, as águas do rio Negro, e, á esquerda, as do rio Pardo, seguem pela crista da cordilheira até entroncar com o espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão Maranduba, e, à esquerda, as do ribeirão Mocóca:
COM O MUNICÍPIO DE UBATUBA
Começam na cordilheira do Mar, onde esta cruza o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Mococa, e, à esquerda, as do ribeirão Maranduba, seguem pelo alto deste espigão em demanda da cabeceira mais setentrional do galho do centro do ribeirão Tabatinga, indo por este até o Oceano Atlântico.
COM O MUNICÍPIO DE SÃO SEBASTIÃO:

Começam no Oceano Atlântico na barra do ribeirão Perequê-mirim ou Precrê-mirim, sobem por êste até sua cabeceira, seguem em reta, à barra do ribeirão Caçadilha ou São Rafael, no rio Claro, sobem por aquêle até sua cabeceira e continuam pela Serra do Juqueriquerê, até cruzar a cordilheira do Mar, onde tiveram início estes divisas.

CASA BRANCA

O município de Casa Branca da comarca do mesmo nome, constituído dos distritos de paz da séde e dos de Itobi e Lagôa, terá as seguintes divisas:
 
COM O MUNICÍPIO DE PALMEIRAS:

Começam no rio Jaguarí onde faz barra o córrego do Brejo Limpo, sobem pelo córrego até sua cabeceira mais setentrional, daí vão, em reta, á cabeceira mais meridional do córrego dos Ortizes pelo qual descem até sua barra no rio dos Cocais, descendo por êste até a barra do ribeirão da Prata, sobem pelo ribeirão da Prata, até a confluência do córrego da Lavrinha, e por êste até sua cabeceira mais ocidental, daí prosseguem em linha reta à barra do córrego Tabaraninha no ribeirão das Tabaranas: sobem pelo córrego Tabaraninha, que passa a leste da fazenda Tabarana, até sua cabeceira que fica cerca de uni quilômetro ao norte da séde da citada fazenda, dai prosseguem pelo espigão divisor das águas do ribeirão Tabarana, à esquerda, e Cachoeira, à direita, até o divortium aquarum, dos rios Pardo e Mogi-Guassú: pelo qual caminham até o alto do morro da Lage, junto ao sinal geodésico:

COM O MUNICÍPIO DE TAMBAÚ:

Começam no alto do morro da Lage, junto ao sinal geodésico, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Taquarussú, e à esquerda, as do rio Tambaú, indo até a barra do córrego Tijuco Preto, no rio Tambaú e por êste abaixo até o rio Pardo:

COM O MUNICÍPIO DE MOCÓCA:

Começam no rio Pardo onde desagua o rio Tambaú, sobem por êste á barra do rio Verde:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO:
Começam onde o rio Verde faz barra no rio Pardo, sobem por aquele até o desaguadouro do primeiro córrego da margem direita acima do ribeirão Água Fria, sobem por êsse córrego até sua cabeceira e continuam pelo espigão êntre as águas dos ribeirões Água Fria e Macacos, em demanda da ponte da Rodovia Estadual sôbre o córrego dos Macacos, por êste córrego sobem até sua cabeceira, continuando, novamente pelo espigão entre as águas dos ribeirões Água Fria e dos Macacos até o cruzamento com o espigão mestre das águas do rio Fartura e rio Verde, seguem por êste espigão mestre até cruzarem o divisor entre as águas dos córregos de Arlindo Baptista e as do córrego da fazenda Barão;
 
COM O MUNICÍPIO DE GRAMA:

Começam no divisor mestre das águas do rio Fartura e rio Verde no seu cruzamento com o contraforte divisor das águas do córrego da fazenda Barão e córrego Arlindo Baptista, prosseguem pelo divisor mestre até frontear a cabeceira mais ocidental do córrego Ibimbae:

COM O MUNICÍPIO DE VARGEM GRANDE:

Começam no espigão mestre divisor das águas do rio Fartura e rio Verde, em frente à cabeceira mais ocidental do córrego Ibimbaé: daí prosseguem pelo espigão divisor das águas do ribeirão São João, á direita, e rio Verde á esquerda, e pelo contraforte entre as águas do ribeirão São João e córrego do Barreiro do Coqueiro até a confluência dêstes dois últimos cursos: daí descem pelo ribeirão São João até a sua barra do rio Verde pelo qual descem até a confluência do córrego da Estiva, sobem pelo córrego da Estiva até sua cabeceira mais ocidental, daí vão pelo espigão do Alto da Boa Vista á procura da cabeceira do galho mais setentrional do córrego do Guirra pelo qual descem até sua embocadura do rio Jaguarí-Mirim:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA:

Começam na confluência do córrego do Guirra no rio Jaguarí-Mirim, descem pelo último rio até a barra do córrego Brejo Limpo, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CASA BRANCA:

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Casa Branca terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITOBI:

Começam no rio Verde, na barra do primeiro córrego da margem direita acima da foz do ribeirão Água Fria, sobem pelo rio Verde até a barra do ribeirão dos Macacos, seguem pelo espigão fronteiro que deixa, à esquerda, as águas do rio Verde, e, à direita, as cabeceiras do ribeirão do Lambari, indo até a cabeceira da Água do quilômetro 14, do ramal de Mococa, água que é cortada pelos trilhos da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro cerca de três quilômetros a sudoeste da estação de Itobi descem por essa água até o rio Verde e vão por êste acima até a barra do córrego da Estiva;

COM O DISTRITO DE PAZ DE LAGÔA:

Começara no alto da Boa Vista, na cabeceira, mais ocidental no córrego Estiva, vão daí em reta á confluência do córrego da Bôa Vista, que nasce próximo ao alto do mesmo nome, retro citado, com o ribeirão da Lagoa, seguem, dessa confluência, por outra reta, em demanda do marco do quilômetro 156 da linha tronco da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, marco que fica 1.350 metros a sudoeste da estação de Cocais, alcançam a cabeceira do ribeirão de Cocais e por êste descem até a barra do córrego dos Ortizes.

DISTRITO DE PAZ DE ITOBÍ:

O distrito de paz de Itobí terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no rio Verde, na foz do córrego da Estiva descem por aquele até a barra da Água do Quilômetro 14 do ramal de Mocóca, da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, água que corta os trilhos daquela empresa férrea cerca de três quilômetros a sudoeste da estação de Itobí, sobem pela água até sua cabeceira e continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do rio Verde, e, à esquerda, as cabeceiras do ribeirão do Lambarí, indo até a barra do ribeirão dos Macacos no rio Verde, pelo qual descem até a barra do primeiro córrego da margem direita acima da foz do ribeirão Água Fria.

DISTRITO DE PAZ DE LAGÔA:

O distrito de paz de Lagôa terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no ribeirão dos Cocais, na foz do córrego dos Ortizes, sobem pelo ribeirão até sua cabeceira próximo ao marco do quilômetro 156 da linha tronco da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, que fica 1.350 metros a sudoeste da estação de Cocais, atingem o marco e vão, daí, em reta, à confluência do córrego da Bôa Vista, que nasce no alto do mesmo nome, no ribeirão da Lagôa, e dessa confluência por nova reta, alcançam a cabeceira mais ocidental do córrego Estiva no alto da Bôa Vista.

CATANDUVA

O município de Catanduva, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e dos de Catiguá, (constituído pela fusão dos ex-Catupiri e Ibarra), Elisiario e Palmares, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TABAPUAN

Começam no rio São Domingos, na barra do córrego Taquarí, sobem por aquele até a boca do córrego do Luciano e por êste acima até sua nascente: vão daí, em reta, à nascente do córrego do Gino, procuram depois o espigão mestre São Domingos-Onça, pelo qual caminham até cruzar com o contraforte que deixa, à direita as águas do córrego dos Tenentes e do ribeirão Águas Claras, e, à esquerda, as do córrego Angola: avançam pelo contraforte indo até a junção do Angola no ribeirão das Águas Claras, e por êste abaixo até o ribeirão da Onça:

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGÍ:

Começam no ribeirão da Onça, na foz do ribeirão das Águas Claras e sobem por áquele até á barra do córrego Bôa Vista do Generoso:

COM O MUNICÍPIO DE ARIRANHA:

Começam no ribeirão da Onça, na foz do córrego da Bôa Vista do Generoso, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, e atingem o espigão mestre São Domingos-Onça:

COM O MUNICÍPIO DE PINDORAMA:

Começam no espigão mestre São Domingos-Onça, em frente à cabeceira do córrego da Bôa Vista do Generoso, seguem pelo espigão mestre até cruzar com o contraforte que deixa, à esquerda as águas do córrego do Bebedouro e pelo contraforte caminham em demanda da barra do córrego Jacuba até sua cabeceira atingindo, depois o pião divisor das cabeceiras dos córregos Jacuba, Barra Grande, Sapé e rio Cubatão;

COM O MUNICÍPIO DE ITAJUBÍ:

Começam no pião divisor das cabeceiras dos córregos Jacuba, Barra Grande, Sapé e rio Cubatão, tomam pelo rio Cubatão e vão por êle abaixo até a boca do córrego de São Berto:

COM O MINICÍPIO DE IBIRA:

Começam no rio Cubatão, na barra do córrego de São Berto, seguem daí, em reta, á cabeceira do córrego Sobradinho, pelo qual descem até o córrego das Bicas e por êste até a foz do córrego Monjolo, pelo qual sobem até sua cabeceira, atingindo o espigão mestre Cubatão-São Domingos, pela qual caminham até cruzar com o contraforte que deixa, à direita, as águas do córrego Bate-Panelas, e, à esquerda, as do córrego José Inácio:

COM O MUNICÍPIO DE UCHÔA: (EX-INÁCIO UCHOA)

Começam no espigão mestre Cubatão-São Domingos, no seu cruzamento com o contraforte que deixa, à direita, as águas do córrego Bate-Panelas, e, à esquerda, as do córrego de José Inácio, seguem pelo contraforte até atingir a cabeceira do córrego do Taquari, pelo qual descem até o rio São Domingos, onde tiveram inicio estas divisas.          

DISTRITOS DE PAZ DE CATANDUVA:

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Catanduva terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ELISIARIO:

Começam no rio Cubatão, na foz do córrego da Cachoeira, seguem pelo espigão fronteiro, que deixa, à direita, as águas do córrego do Bom Retiro, e, à esquerda, as do córrego do Ferraz, indo até cruzar com o espigão mestre Cubatão-São Domingos, pelo qual caminham até frontear a cabeceira do córrego de José Dias:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CATIGUA:

Começam no espigão mestre Cubatão-São Domingos, em frente à cabeceira do córrego de José Dias, descem por êste ao rio São Domingos, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego dos Tenentes, e, à esquerda, as do córrego Catiguá, indo até cruzar com espigão mestre São Domingos-Onça.

COM O DISTRITO DE PAZ DE PALMARES:

Começam no espigão mestre São Domingos-Onça, onde ele cruza com o contraforte que deixa, à direita, as águas do ribeirão das Águas Claras, e, a esquerda, com as do córrego Angola, seguem pelo espigão mestre até entroncar com o espigão da margem direita do córrego Bebedouro:

CATIGUA:

O distrito de paz de Catiguá, que terá sua séde nas povoações de Ibarra e Catupíri, fundidas numa só, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre São Domingos-Onça, onde ele cruza com o contraforte que deixa, à direita, as águas do córrego Catiguá, e, à esquerda, as do córrego dos Tenentes, seguem pelo contraforte até a barra do córrego de José Dias, no rio São Domingos, sobem pelo córrego até sua cabeceira, ganhando depois, a rumo, o alto do espigão mestre São Domingos-Cubatão:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ELISIARIO:

Começam no alto do espigão mestre São Domingos-Cubatão, em frente à cabeceira do córrego de José Dias, seguindo pelo espigão mestre até a cabeceira do córrego Monjolo:

ELISIARIO:

O distrito de paz de Elisiario terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CATIGUE:
Começam no espigão mestre Cubatão-São Domingos, na cabeceira do córrego Monjolo, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego de José Dias:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre Cubatão-São Domingos, em frente á cabeceira do córrego de José Dias, seguem pelo espigão mestre até cruzar com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do córrego Bom Retiro, e, á direitas, as do córrego do Ferraz, indo pelo contraforte até a barra do córrego da Cachoeira, no rio Cubatão:

PALMARES

O distrito de paz de Palmares terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Catanduva:
Começam no espigão mestre, São Domingos-Onça, onde cruza o espigão da margem direita do córrego de Bebedouro, seguem pelo espigão mestre até cruzar com o contraforte que deixa, à direita, as águas do ribeirão Águas Claras, e, à esquerda, as do córrego Angola.

CEDRAL

O município de Cedral, comarca de Rio Preto, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE RIO PRETO:

Principiam no ribeirão do Borá, na barra do córrego do Reverendo, prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, águas do ribeirão do Borá, e, à esquerda as do córrego da Cachoeira, até cruzar o espigão mestre Tietê Turvo, pelo espigão mestre caminham até entroncar com o divisor que deixa, a esquerda, as águas do córrego Macacos, e, à direita, as do rio Preto: prosseguem por esta divisor em demanda da barra do rio Turvo, à esquerda, e as do rio Preto, á direita, depois de passar pelo klm, 216 da Estrada de Ferro Araraquara: prosseguem pelo divisor Turvo-Tietê, até cruzar com o espigão divisor dos ribeirões Claros e Palmares, pelo qual caminham até onde é cortado pela reta do rumo sul-norte, que vem da barra do córrego do Chiquinho, no ribeirão das Palmeiras, por este alinhamento prosseguem até a referida barra;

COM O MUNICÍPIO DE UCHOA (Ex-Inácio Uchôa)

Começam no ribeirão das Palmeiras, na barra do córrego do Chiquinho, pelo qual sobem até sua cabeceira, vão daí em réta, á barra do córrego do Berteli, no ribeirão da Alegria ou São Dominguinhos, e daí, por nova reta ao espigão mestre divisor das águas dos rios Cubatão e São Domingos no ponto de cruzamento com o contraforte qual deixa, à direita, as águas do córrego da Limeira, e á esquerda, as do ribeirão Taperão:

COM O MUNICÍPIO DE IBIRA:

Principiam no espigão mestre Cubatão-São Domingos no ponto de cruzamento com o contraforte divisor que deixa, à direita, as águas do córrego Limeira e, à esquerda, as do taperão, prosseguem pelo contraforte até a barra do córrego da limeira, no córrego Paula Vieira, sabem por este até a barra da Água do Rosa;
COM O MUNICÍPIO DE POTIRENDABA:

Começam no córrego do Paula Vieira, na barra da Água do Rosa, sobem pelo córrego Paula Vieira, até a embocadura do córrego bacuri, e por este acima até sua nascente, transpõem o espigão em demanda da cabeceira mais oriental do córrego do reverendo pala qual descem até sua barra no ribeirão borá, onde tiveram inicio estas divisas.

CERQUEIRA CESAR

O município de Cerqueira Cesar, comarca de Avaré terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJÚ:

Começam no rio Paranapanema, na foz do rio taquari descem por aquele até a boca do Ribeirão virado ou Revirado, sobem por este até sua cabeceira mais setentrional, a margem do espigão mestre Pardo Paranapanema:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BARBARA DO RIO PARDO:

Começaram no espigão mestre Pardo-Panapanema, em frente á cabeceira do ribeirão virado ou revirado, ganham a cabeceira do córrego Barra Grande, e por ele descem ao ribeirão dos Três Ranchos, vão por este abaixo até a boca do córrego João dos Santos e por este acima até sua cabeceira do córrego do cordeiro, depois de atravessar o ribeirão da vareta, e por aquele descem até o rio Novo, e por este acima até a barra do córrego do Geraldo, pelo qual sobem até o espigão mestre Novo- Pardo, continuando por este espigão até frontear a cabeceira do córrego margarida, e por êste abaixo até o rio Pardo e por êste acima até a barra do Ribeirão Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE AVARÉ

Começam na barra do ribeirão Palmital no rio Pardo, sobem pela Pardo até a barra do córrego Lageado, e por êste acima até o Cochos Velhos por êste acima até o espigão, por este até a cabeceira do córrego do Cateto ou Tateto por êle descem até o Rio Novo descem ainda por este até a foz do ribeirão da Boa Vista vão por êste acima até a cabeceira mais meridional transpõem o espigão entre os rios Pardo e Paranapanema em direção á cabeceira que fica na contravertente do ribeirão Bonito e por êste até a cabeceira da Bôa vista vão por êste acima até sua  cabeceira mais meridional transpõem o espigão entre os rios Pardo e Paranapanema em direção á cabeceira que fica na contravertente do ribeirão Bonito e por êste descem até sua barra no rio Paranapanema:

COM O MUNICÍPIO DE ITAÍ:

Começara, no rio Paranapanema onde desagua o ribeirão bonito vão por aquela abaixo até a barra do rio taquari, onde tiveram início estas divisas.

CHAVANTES

O município de Chavantes, comarca de Ourinhos, constituído do distrito de paz de séde do município e do Irapé, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE OURINHOS:

Começam no rio Paranapanema, na Foz do córrego Lageadinhos, sobem por êste até sua cabeceira, transpõem o espigão mestre Pardo-Parapanema, em demanda da cabeceira mais meridional do córrego do barreirinho, pelo qual descem até o rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO:

Começaram no rio Pardo, na foz do córrego Barreirinho, sobem pelo rio até a boca do ribeirão Grande, subindo por êste até a barra do córrego das piranhas seguem daí em reta, á cabeceira do córrego Barreirinho;

COM O MUNICÍPIO DE IPAUSSU:

Começaram na cabeceira do córrego Barreirinho, continuam pelo contraforte que deixa, á direita, as águas do ribeirão Grande e, á esquerda, as do ribeirão Mombuca, alcançam o espigão mestre Pardo-Paranapanema e prosseguem pelo espigão chamado do ribeirão Bonito, indo até poço da faca, no Rio Paranapanema:

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJÚ:

Começam no rio Paranapanema, no Poço da Faca, descem pelo rio até a barra do rio Itaraté;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam na confluência do rio Itararé com o rio Paranapanema, e descem por este até a boca do córrego Lageadinho, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CHAVANTES
IRAPÉ:

O distrito de paz de Irapé terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Chavantes:
Começaram no ponto em que a estrada de rodagem de Ourinhos corta as divisas deste município, seguem pelo eixo da estrada até as divisas da Fazenda Santa Lucia,de propriedade de Alberto Cintra, dividem com a fazenda lageadinho, vão dêsse ponto em linha reta, até a encruzilhada da estrada de rodagem chavantes-Irapé com a estrada de rodagem São Francisco e prosseguem pelo eixo desta última até as divisas com o município de Ipaussú.

COLINA

O município de Colina , comarca de Barretos, compreendendo além do distrito de paz da séde, o de Jaborandí, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE OLIMPIA:

Começam no rio Cachoeirinha, onde desemboca o córrego de Abilio de Almeida, descem pelo rio até a foz do córrego da Bagagem;
COM O MUNICÍPIO DE BARRETOS:

Começam no córrego da Bagagem, onde ele deságua no rio Cachoeirinha, vão por aquele até sua cabeceira mais oriental, transpõem o espigão em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego do Capim, que fica na contravertente, e pelo capim abaixo até encontrar a reta, de direção Leste-Oeste, que vindo da nascente mais meridional do córrego da posse Seca, corte os trilhos da campanha Paulista, cerca de um quilometro e meio ao norte da estação de Palmar, seguem pela réta até a nascente do córrego citado e alcançam, na mesma direção, o espigão que separa as águas do córrego da Posse Sêca á esquerda, das do ribeirão Turvo, á direita. e por esse espigão caminham até a barra do turvo, no rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE MORRO AGUDO:

Começam no rio Pardo, na foz do ribeirão Turvo, e vão pelo rio acima até a barra do ribeirão das Palmeiras:

COM O MUNICÍPIO DE BEBEDOURO:

Começam no rio Pardo, na barra do ribeirão das Palmeiras, vão por este acima ate a embocadura do ribeirão da Onça ou Palmital e por este acima até sua cabeceira mais ocidental, atingindo depois o espigão mestre entre as águas do rio Pardo, à direita, e as do rio Cachoeirinha, à esquerda;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE AZUL:

Começam no espigão mestre entre os rios Pardo, à direita, e Cachoeirinha, à esquerda, em frente a cabeceira mais ocidental do ribeirão da Onça ou Palmital, alcançam a cabeceira mais setentrional do córrego Grande pelo qual descem ate o rio Cachoeirinha, e por este abaixo ate a foz do córrego Atillo de Almeida, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE COLINA:

JABORANDÍ

O distrito de paz de Jaborandí, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no ribeirão de Retirinho, sobem por esta a barra do córrego da fazenda recreio, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do Retirinho, e, à direita, as cabeceiras do córrego do Jaborandí, indo ate a nascente do córrego da fazenda Mandaguari, vão deste ponto em reta a confluência do córrego da Estiva, no ribeirão do Turvo, prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego Quebra-Cuia, ate atingir o espigão divisor das águas do ribeirão Pitangueiras, ao norte, e ribeirão Turvo, ao sul, em frente à cabeceira do galho do norte do córrego Quebra-Cuia.

CONCHAS

O município de Conchas, comarca de Tietê, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BOFETE:

Começam na confluência do rio Feio no rio do Peixe descem por este a barra o córrego Água do Vicentinho:

COM O MUNICÍPIO DE PIRAMBOIA:

Começam no rio Peixe onde faz barra o córrego Água do Vicentinho, descem ate o Tiete e por este acima até a barra do ribeirão dos Patos;

COM O MUNICÍPIO DE PIRACICABA:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o ribeirão dos Patos e vão pelo Tietê acima, ate a barra do córrego das Flores:

COM O MUNICÍPIO DE LARANJAL:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o córrego das Flores, vão por aquele acima, ate o ribeirão do Para e por este acima ate sua cabeceira mais meridional chamada córrego de Luiz Ribeiro, transpõem o espigão dos Morais à procura da cabeceira mais oriental da Água da Espanhola;

COM O MUNICÍPIO DE PEREIRAS:

Começam na cabeceira mais oriental da Água das Espanhola, descem por esta ate o rio Conchas e por este acima ate a barra do córrego de Anselmo e subindo por este ate sua cabeceira mais ocidental , alcançaram o alto do Padilha e continuam pelo espigão entre as águas do rio Conchas à esquerda, e as do ribeirão Moquem, à direita, ate frontear a cabeceira do córrego do Salvador Vieira;

COM O MUNICÍPIO DE PORANGABA:

Começam na cabeceira do córrego de Salvador Vieira, descem por este ao ribeirão Moquem, descem por este ate a barra do primeiro córrego da margem esquerda e continuam pelo espigão que deixa a esquerda as águas deste córrego e do córrego Água Preta, e a direita, as do córrego de São João, indo ate a confluência do rio Feio, no rio do Peixe, onde tiveram inicio estas divisas.
 
COROADOS

O município de Coroados, comarca de Biriguí, constituído do distrito de paz da sede e do de Lauro Penteado, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BIRIGUÍ:

Começam no rio Aguapeí, na foz do ribeirão da Lontra, sobem por êste e pelo córrego da Lage até sua cabeceira vão dai, em reta, á junção das duas principais cabeceiras  do córrego Báguassú, pelo qual descem até a barra do córrego Tabapuan, sobem por êste até sua cabeceira, vão, daí, em reta , á cabeceira do córrego Grande,  pelo descem até o ribeirão dos Baixotes, e por êste até o rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE ARAÇATUBA:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão dos Baixotes  e sobem pelo rio até a barra do córrego das Congonhas;

COM O MUNICÍPIO DE GLICÉRIO:

Começam no rio Tietê, na foz do córrego das Congonhas, sobem por êste até a sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão  dos Baixotes, e, à esquerda, as do ribeirão Promissor, pelo qual  descem até o rio Aguapeí:

COM O MUNICÍPIO DE TUPAN:

Começam no rio Aguapeí, onde faz barra o ribeirão Promissor e vão por aquele abaixo até a barra do ribeirão da Lontra, onde tiveram inícios estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE LAURO PENTEADO:

O distrito de paz de Lauro Penteado terá como divisa interna com o distrito de paz da sede do município de coroados, o espigão mestre Tietê-Aguapeí, em toda  a sua extensão, desde onde fronteia a cabeceira do ribeirão Promissor até defrontar a cabeceira do córrego da Lage, ramo final do ribeirão da Lontra.

COTIA

O município de Cotia, comarca da Capital, constituído do distrito de paz da sede do município e do de Itapeví, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO ROQUE

Começam no rio Sorocá-mirim, na foz do ribeirão da Vargem Grande, sobem por  êste até a sua cabeceira maios nororiental, tomam pela crista  da serra de São João ou Taquaxiara , pela qual caminham, indo depois pelo espigão, á barra do córrego da Viúva Maria coelho, no ribeirão São João ou Barueri, descem por este até a boca do córrego do Sabiá, seguem por este acima até sua cabeceira mais setentrional:

COM O MUNICÍPIO DE PARNAÍBA

Começam na cabeceira mais setentrional do córrego do Sabiá, seguem pelo espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão São João  ou Barueri, e, á esquerda, as cabeceiras do ribeirão Gavetá, continuar pelo contraforte que separa as águas do ribeirão Itaquí, á direita,  e as do ribeirão Gupé, á  esquerda,  até a confluência desses dois cursos, vão daí, pelo espigão, á barra do córrego Jandira, no ribeirão São João ou Barueri, desse ponto, ainda pelo espigão do córrego Fronteiriço no rio Cotia, pelo espigão da margem direita deste último até a cabeceira do córrego da Pedreira.

COM O MUNICÍPIO DA CAPITAL
   
Começam na Cabeceira do córrego da Pedreira, alcançam a rumo a cabeceira do córrego do Sítio Velho de Cima, pelo qual descem até o ribeirão Carapicuíba, continuando por êste acima até sua cabeceira sudoriental,  no morro do Jaguaré;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPECERICA

Começam no Morro do Jaguaré, em frente á cabeceira sudoriental do ribeirão  Carapicuíba, seguem pelo espigão que deixa á direita,  ás águas do rio Tietê, e á esquerda, as do rio Embú-Mirim, passam pelo Morro do Vento, atingem o Alto do Maranhão ou Caputera, vão pelo espigão, á barra da água Ressaquinha, no ribeirão da Ressaca e por êste acima e pelo ribeirão da ressaca e por êste acima e pelo ribeirão do Mato Dentro  até a sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão que deixa, á direita, ás águas do Rio Cotia e, á esquerda, as do Ribeirão Embú-mirim até chegar á Serra do Chiqueiro, seguem pela crista desta e da Serra de Itatuba até a cabeceira mais oriental do rio das Laranjeiras;

COM O MUNICÍPIO DE UNA

Começar  na Serra de Itatuba, em frente á cabeceira mais oriental do rio das Laranjeiras, seguem pelo espigão em demanda  da cabeceira mais meridional do rio Sorocá-Mirim e por êste descem até a barra do Ribeirão da Vargem Grande, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE COTIA  
ITAPEVÍ:

O Distrito de paz de Itapeví terá as seguintes divisas com o distrito de paz da sede do município de Cotia:
Começam no rio Cotia, na barra do córrego fronteiriço sobem aquele até a ponte da estrada que vai para o bairro de Carapicuíba, vão daí em reta á primeira ponte sobre o ribeirão Itapeví, na estrada de rodagem que da Vila de Itapeví, vai a cidade de Cotia, e por nova reta, atingem o espigão entre as águas do rio Tietê, e as do rio Cotia, no ponto em que éle e cortado pela estrada que da a cidade de Cotia vai ao bairro das Quatro Encruzilhadas, continuam pelo espigão entre aquelas águas até a ponte da estrada de rodagem estadual sobre o ribeirão da Vargem Grande.
 
CRAVINHOS

O município de Cravinhos da Comarca de Ribeirão Preto, constituído dos distritos da sede e do de Serrana, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO

Começam na barra do córrego Lageadinho, no ribeirão da Onça, descem pelo ultimo até o córrego São  Francisco, sobem por este até sua cabeceira
mais setentrional, donde, vão em reta, à cabeceira mais meridional do córrego da Fazenda Cantagalo, pelo qual descem até sua barra no ribeirão Preto, sobem por este até a barra do córrego da Fazenda Santa Maria, continuam pelo espigão da margem direita dêste córrego até alcançar a cabeceira da água da fazenda Venâncio ou Figueira, descendo por esta até o córrego Espraiado, pelo qual descem até o ribeirão da Figueira, e descendo ainda por êste sua barra no rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE BRODOSQUI:

Começam na confluência do ribeirão da Figueira com o Rio Pardo, sobem pelo rio Pardo, até onde recebe as águas do ribeirão do Adão;

COM O MUNICÍPIO DE ALTINÓPOLIS:

Começam onde o ribeirão do Adão deságua no rio Pardo, sobem pelo ultimo até a ponte da Estrada de Ferro São Paulo-Minas:

COM O MUNICIPIO DE SERRA AZUL:

Começam na ponte do rio Pardo, da Estrada de ferro São Paulo-Minas, alcançam o espigão divisor das águas do córrego São Pedro, à direita, e córrego Serra Azul, à esquerda, continuam por êste espigão pelo cume da Serra Azul até frontear a cabeceira mais oriental do córrego Sêco, pelo qual descem até sua barra no córrego Serrinha e subindo pelo último até a confluência do córrego Capoeirinha; daqui vão em reta até a barra do ribeirão Tamanduazinho no ribeirão Tamanduá, sobem por êste até a barra da Água da Cruz, primeiro córrego da margem esquerda, lógo acima da confluência do córrego Cachoeira;

COM O MUNICÍPIO DE S. SIMÃO:

Começam na barra da Água da Cruz, primeiro córrego da margem esquerda do ribeirão Tamanduá, logo acima da confluência do córrego da Cachoeira sobem por aquele até sua cabeceira, prosseguindo dai em reta ao quilometro n. 276, da estrada de Ferro Mogiana, entre os estações de Tibiriçá e Béta, da mesma estrada, o ribeirão do Pântano e, à direita, o córrego Água Branca e por êste espigão até a confluência desses dois cursos, prosseguindo pelo ribeirão do Pântano, até sua barra no ribeirão da Onça, pelo qual descem até a barra do córrego Lageadozinho ou Lageadinho, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE CRAVINHOS
SERRANA (EX-SERRINHA)

O distrito de paz de Serrinha, cujo nome ora se inuda para Serrana, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Cravinhos:
Começam no ribeirão Tamanduá ou Figueira, na foz do ribeirão Tamanduazinho, descem pelo primeiro até a barra do córrego da fazenda Cruzeiro ou de Manoel Amaro, e vão daí pelo espigão que deixa, à direita, as águas do Tamanduá ou Figueira, e à esquerda, as do córrego do Espraiado, até a confluência dêstes dois cursos.

CRUZEIRO

O município de Cruzeiro, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam na Serra da Mantiqueira, onde esta cruza o espigão entre as águas do rio Piquete e ribeirão Embaú, prosse4guem pela Serra da Mantiqueira até cruzar com o espigão entre as águas dos córregos Saudades e Gloria, e ribeirão Água Limpa, do outro;

COM O MUNICÍPIO DE PINHEIROS:

Começam na Serra da Mantiqueira, onde ela cruza o espigão divisor das águas dos córregos Saudade e Glória, de um lado, e ribeirão Água Limpa, do outro, prosseguem por êste espigão até sua extremidade mais meridional, vão daí, em réta, à barra do rio Itagaçaba, no rio Paraíba, sobem pelo rio Paraíba, sobem pelo rio Itagaçaba até a foz do córrego Tristão Ferraz;

COM O MUNICÍPIO DE SILVEIRAS:

Começam no rio Itagaçaba, na foz do córrego Tristão Ferraz, sobem pelo Itagaçaba até a barra do ribeirão do Paiol, seguem pelo espigão em demanda do divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Alegre e, à esquerda, as do ribeirão do Paiol, em frente à cabeceira do córrego da Dorotéa;

COM O MUNICÍPIO DE CACHOEIRA

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Alege, e, a esquerda, as do ribeirão Paiol, em frente a cabeceira do córrego da Dorotéia, descem por êste ao ribeirão do Alegre, continuam por êste abaixo até o rio Paraíba, o por êste ainda a boca do ribeirão Passa Vinte, subindo por êste até a voz do ribeirão do Embaú e por êste também até a confluência do ribeirão do Piquete, continuando pelo espigão intermediário dessas duas águas até frontear a cabeceira do córrego do Mendanha;

COM O MUNICÍPIO DE PIQUETE:

Começam no espigão intermediário entre as águas dos ribeirões Piquete e Embaú, em frente da cabeceira do córrego Mendanha, continuam pelo espigão até cruzar com a cordilheira da Mantiqueira, onde tiveram  início estas divisas.

CUNHA

O município de Cunha, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede e dos de campos de Cunha e Lagoinha, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE APARECIDA:

Começam na Serra do Quebra Cangalha, na cabeceira mais setentrional do ribeirão Pinheirinhos, seguem pela Serra do Quebra Cangalha até a cabeceira mais ocidental do ribeirão do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE GUARATINGUETÁ:

Começam na Serra Quebra Cangalha, na cabeceira mais ocidental do ribeirão do Peixe, descem por êste até a barra do córrego do Bom Retiro, pelo qual sobem até o Alto do Morro do Bom Retiro vão daí em reta à cabeceira do córrego caneleira e daí por nova reta, ao Alto do Lageado de Cima;

COM O MUNICÍPIO DE LORENA:

Começam no alto do Lageado de Cima, prosseguem pelo espigão da margem direita do ribeirão Taboãozinho em demanda da barra deste, no rio Paraitinga e por êste sobem até a barra do ribeirão do Entrecosto;

COM O MUNICÍPIO DE SILVEIRAS:

Começam no rio Paraitinga, na barra do ribeirão Entrecosto, continuam pelo rio acima até a boca do córrego Gingão, e por êste acima até sua cabeceira alcançam e prosseguem pelo divisor das águas dos rios Macacos e Paraitinga até a cabeceira do córrego Curral Velho;

COM O MUNICÍPIO DE AREIAS:

Começam no espigão da margem direita do rio Paraitinga, na cabeceira do córrego Curral Velho, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego Cansa Cavalo e, à direita, as do rio Paraitinga, até encontrar até o rio Paraitinga, e pôr êste ainda até o ribeirão da Estiva;

COM O MUNICÍPIO DE BARREIRO:
(EX-SÃO JOSÉ DO BARREIRO)

Começam no rio Paraitinga, na boca do córrego da Estiva, e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Veado até a barra deste, no rio Mambucaba, pelo qual descem até a barra do rio da Memoria:

COM O ESTADO DO RIO DE JANEIRO:

Começam no rio Mambucaba na barra do rio Memoria, descem por aquele até a barra do rio Guaripú, caminham por êste acima até a cabeceira do galho da esquerda, seguem pela Serra Geral, espigão entre as águas do rio Funil, à esquerda, e as do rio Jacuí, à direita, continuam pela cumiada da Serra do Parati, que separa as águas que vertem para o literal fluminente, das que vão desaguar no rio Paraibuna, até cruzar com a cordilheira do Mar;

COM O MUNICÍPIO DE UBATUBA:

Começam na Cordilheira do Mar, onde ela cruza com a Serra do Parati, seguem pela crista da Cordilheira, até cruzar com o contraforte que finda na barra do ribeirão Grande ou Aparição, no rio Paraibuna;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO LUIZ DO PARAITINGA:

Começam no alto da Cordilheira do Mar, onde está cruza com o divisor da margem esquerda do rio Paraibuna, que finda na confluência do ribeirão Grande, no rio Paraibuna, seguem pelo divisor até a barra do ribeirão Grande no rio Paraibuna, atravessam êste rio e continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Grande, à esquerda, as dos ribeirões da Pinga e do Chapéu, em demanda da foz do rio Jacui, no rio Paraitinga; descem por êste até a barra do ribeirão do Pinto, prosseguem por êste acima até sua cabeceira mais setentrional, prosseguem pelo espigão fronteiro em demanda da barra do ribeirão Pinheirinhos no rio Paraitinga, e pelo Pinheirinhos acima até sua cabeceira, no alto da Serra Quebra Cangalha, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE CUNHA
SEDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da sede do município terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE LAGOINHA:

Começam no rio Paraitinga, na barra do rio Jacuí sobem por aquele e pelo ribeirão Pinheirinhos até a serra da Quebra Cangalha;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CAMPOS DE CUNHA:
(EX-CAMPOS NOVOS DE CUNHA)

Começam no rio Paraitinga, na foz do ribeirão Campista, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, vão daí em reta ao alto do morro da Pedra Branca e continuam pelo espigão que deixa, à direita, o ribeirão do mesmo nome, e, à esquerda, o ribeirão Guarirobas, indo até a serra Geral da Cordilheira do Mar;

CAMPOS DE CUNHA
(EX-CAMPOS NOVOS DE CUNHA)

O distrito de paz de Campos Novos de Cunha, cujo nome se simplifica para Campos de Cunha, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Cunha;
Começam no rio Paraitinga, na foz do ribeirão do Campista, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, vão daí, em reta, ao alto do Morro da Pedra Branca e continuam pelo espigão que deixa, à direita, o ribeirão do mesmo nome, e, à esquerda, o ribeirão Guarirobas, indo até a Serra  Geral ou Cordilheira do Mar;

LAGOINHA

O distrito  de paz de lagoinha terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam na Serra da Quebra Cangalha, em frente a cabeceira do ribeirão Pinheirinhos e por êste abaixo até o rio Paraitinga, e por êste ainda até a barra do rio Jacuí.

DESCALVADO

O município de Descalvado, comarca do mesmo nome, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO SIMÃO

Começam no rio Mogi-Guassú, onde faz barra o ribeirão Quilombo, e vão por aquêle acima até a foz do ribeirão Vassununga;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA RITA:

Começam onde o ribeirão Vassununga deságua no rio Mogi-Guassú e por êste acima até a embocadura do córrego da Barra Grande ou Água Vermelha;

COM O MUNICÍPIO DE PORTO FERREIRA:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde êste recebe o córrego Barra Grande ou Água Vermelha, vão por êste acima até o córrego João Bias, pelo qual sobem pela sua cabeceira mais meridional; transpõem o espigão em demanda da cabeceira do galho mais setentrional do córrego Capitinga, e por êste descem até a sua foz no rio Bonito, descem ainda por êste até a barra do córrego do Paiolinho; desse ponto dirigem-se em réta até a confluência co córrego do Sapé no ribeirão Areia Branca, sobem pelo córrego até sua nascente e vão daqui, em réta, até a barra do córrego do Bebedouro no ribeirão Santa Rosa;

COM O MUNICÍPIO DE PIRASSUNUNGA

Começam na confluência do córrego do Bebedouro com o ribeirão da Santa Rosa, seguem pelo espigão divisor entre essas duas águas e pelo que deixa, à direita, as águas do rio Bonito e à esquerda, as dos ribeirões do Roque e Laranja Azeda, atingem a ponta mais oriental do morro do Quadrão e pela cumiada dêste seguem até a cabeceira da água da fazenda Capão Alto, afluente do ribeirão Descaroçador;

COM O MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS:

Começam no alto do morro do Quadrão, na cabeceira do córrego da fazenda Capão Alto, prosseguem pela cumiada do morro à procura da nascente do córrego Pinheirinho e por êste descem até o ribeirão do Pântano, indo por êste acima até a confluência com o córrego da Fazenda Montes Claros;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS:

Começam na confluência do ribeirão do Pântano com o córrego da fazenda Montes Claros, vão daí pelo contraforte em demanda do espigão divisor das águas do ribeirão do Pântano ao sul e ribeirão Quilombo ao norte e por êste espigão prossegue até a nascente mais meridional do rio Quilombo e por êste descem até a barra do córrego da Jacutinga, pelo qual sobem até a sua cabeceira mais setentrional, continuam pelo espigão em demanda da cabeceira mais meridional do córrego da fazenda do Paraíso; pelo qual descem até sua barra no rio Quilombo, ainda, por êste descem até o rio Mogi-Guassú, onde tiveram início estas divisas.

DOIS CÓRREGOS

O município de Dois Córregos, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e do de Figueira, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:
 
Começam no ribeirão de São João, onde desagua o córrego do Gavião, descem pelo ribeirão até o rio Jaú e vão por êste acima até a embocadura do ribeirão do Matão pelo qual sobem até a sua cabeceira mais setentrional, ganham a cabeceira do galho do centro, do ribeirão da Figueira Vermelha pelo qual descem até o córrego de Cemitério e vão daí em reta à cabeceira do córrego do Mosquito na Serra de Brotas;

COM O MUNICÍPIO DE BROTAS:

Começam no aparato da Serra de Brotas, junto à cabeceira do galho a esquerda do córrego do Mosquito, continuam pelo aparato da Serra até encontrar o córrego da fazenda Bôa Vista do Paredão, descem por êste até o rio Peixe, subindo pelo rio até a barra do córrego Sul;

COM O MUNICÍPIO DE TORRINHA:

Começam no rio Peixe, onde desagua o córrego Sul, sobem por êste até a sua cabeceira, transpõem o espigão em demanda da cabeceira do córrego da fazenda de Nhô Cruz, descem por êle até o ribeirão Bugio, vão desta barra em reta à cabeceira mais setentrional do córrego do Firmino, e por êste descem até a sua barra no ribeirão do Turvo, do outro.

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO:

Começam no alto do contraforte, que separa as águas do ribeirão Serelepe, à esquerda,  das do ribeirão do Turvo, à direita, em frente à cabeceira mais oriental do galho da esquerda do córrego do Morro Chato, seguem pelo contraforte em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego da Pedra de Amolar e por êste descem até o rio Piracicaba;

COM O MUNICÍPIO DE BOTUCATÚ:
 
Começam no rio Piracicaba, onde desagua o córrego da Pedra Amolar e vão por aquele abaixo até o rio Tietê e por êste até a barra do córrego da Pedra do Cerrito;

COM O MUNICÍPIO DE S. MANOEL:

Começaram no rio Tietê, onde desemboca o córrego da Pedra do Cerrito e vão por aquele abaixo até a barra do ribeirão de Mauricio Machado;

COM O MUNICÍPIO DE MINEIROS:

Começaram no rio Tietê, onde descarrega o ribeirão de Maurício Machado, sobem por êste até a sua cabeceira mais setentrional, continuam pelo espigão que deixa á direita, as águas do ribeirão da prata, afluente do ribeirão do turvo, e, à esquerda, as do ribeirão de São João, até alcançar a cabeceira mais meridional do córrego do borralho, e dai em reta à cabeceira mais meridional  do córrego do Gavião e por êste abaixo até o ribeirão São João, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE DOIS CÓRREGOS:
FIGUEIRA:

O distrito de paz da figueira terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, ao sul, e rio Jacarépepira, ao norte, em frente á  cabeceira do córrego Matão, seguem pelo espigão mestre em demanda das cabeceiras do córrego do Peixe e por êste abaixo até o aparado da serra de Brotas.

DOURADO

O município de Dourado, comarca de Ribeirão Bonito, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA:

Começaram no rio Jacaré-Pepira, onde desagua o ribeirão do Potreiro e sobem por êste até a barra do córrego da Colônia do Meio , pelo qual sobem até sua cabeceira ,daí prosseguem pela reta que vai á foz do córrego da fazenda Nova Cintra, no ribeirão da vargem até o ponto de cruzamento desta reta com o córrego da fazenda Três Barras;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO  BONITO:

Começam no córrego da Fazenda Três Barras, onde êste é cortado pela reta que une a cabeceira do córrego da Colônia do Meio, á barra do carrego da fazenda Nova Cintra, no ribeirão da vargem, continuam por esta reta até a referida barra, sobem pela ribeirão da Vagem até sua cabeceira mais setentrional, vão dai em reta, a cabeceira do córrego São Pedro, pelo qual descem até sua barra no córrego do Silvestre, sobem por êste atè a barra do  córrego da Divisa, e por êste ainda, sua cabeceira, continuam pelo espigão fronteiro, que deixa á esquerda, as águas dêste córrego, e a direta, as do córrego da fazenda Bom Jardim, até alcançar a cabeceira do galho de oeste do córrego Tamanduá e por êste abaixo até o ribeirão da Água Virtuosa e por éste ainda até o ribeirão Bebedouro;

COM O MUNICÍPIO DE BROTAS:

Começaram no ribeirão Bebedouro, onde se lança o ribeirão da Água Virtuosa, continuam pelo espigão fronteiro, depois de atravessarem o Bebedouro, em espigão fronteiro, depois de atravessarem o Bebedouro, em direção à confluência do Ribeirão Barreiro, no rio Jacaré-Pepira e descem por êste até a barra do córrego do Mosquito;

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no rio Jacaré-Pepira, na barra do córrego do Mosquito e por aquele descem até a foz do ribeirão da Figueira;

COM O MINICIPIO DE BOCAÍNA:

Começam no rio Jacaré-Pepina, onde faz barra o ribeirão da figueira e vão por aquele abaixo até a foz do ribeirão do Potreiro, onde tiveram inicio estas divisas.

DUARTINA

O município de Duartina, comarca de Piratininga, constituído do distrito de paz da sede do município e do de Gralha, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GALIA:

Começam no espigão mestre São João-Vermelho, em frente á cabeceira do córrego do Veado, continuam pelo espigão até frontear a cabeceira da Água de Santa Tereza, pelo qual descem ao ribeirão Vermelho, sobem por êste até a barra do córrego do Macaco, pelo qual sobem até sua cabeceira mais oriental, seguem a rumo em demanda da cabeceira mais meridional do córrego do Arroz e por este abaixo até o ribeirão das Antas, e por êste ainda até a foz do córrego da Barra Bonita , pelo qual sobem até suja cabeceira, continuam pelo contraforte fronteiro entre as águas do Eduardo Porto e as do Serrote até o espigão mestre divisor das bacias dos rios Batalha e Alambarí;

COM O MUNICÍPIO DE AVAÍ:

Começam no espigão mestre divisor das bacias dos rios Alambarí e Batalha no cruzamento com o contraforte entre as águas dos córregos Eduardo Porto e Serrote, seguem pelo  espigão mestre até cruzar com o divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão do Saraiva, a á esquerda, as do córrego Araribá:

COM O MUNICÍPIO DE BAURÚ:

Começam no espigão Araribá-Saraiva, caminham pelo espigão mestre até entroncar com o contraforte que deixa, á direita, as águas do ribeirão Serrote, e, á esquerda as do córrego Preto ou Pinto:

COM O MUNICÍPIO DE PIRATININGA:

Começam no espigão mestre divisor das bacias dos rios Tietê  e Paranapanema, no cruzamento do contraforte que deixa, a direita, as águas do ribeirão do Serrote, e, a esquerda, as do córrego Preto ou Pinto, seguem pelo contraforte até a confluência do ribeirão do Serrote no rio Alambari, e vão por êste abaixo até a barra do córrego da Boa Vista dos Rabelos:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO:

Começam no rio Alambari onde desagua o córrego Boa vista dos Rabelos, descem pelo rio até a foz do córrego Paiol;

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO TURVO:

Começam no rio Alambari, onde descarrega o córrego do Paiol, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas deste ultimo, e, á direita, as do Ribeirão Bonito, alcançam o espigão mestre São João-Vermelho, por êste caminham até frontear a cabeceira do córrego do Veado, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE DUARTINA
GRALHA

O distrito de paz de Gralha, terá como divisa interna com o distrito de paz da sede do município de Duartina, o ribeirão das Antas em toda a sua extensão, desde sua barra no rio Alambarí até a foz do ribeirão Barra Bonita.

FARTURA

O município de Fartura, comarca de Pirajú, constituído do distrito de paz da serie e do Ribeirópolis, terá as seguintes divisas:

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam onde o rio Verde faz barra, no rio Itararé e vão por êste abaixo até a foz do córrego Monjolinho;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJÚ:

Começam no rio Itararé, onde desemboca o córrego Monjolinho, vão por éste acima ate sua cabeceira, já na Serra da Fartura e pela cumiada desta, que é ao divisor das águas entre os rios Paranapanema e Itararé, continuam até a cabeceira mais acidental do córrego da Anta Branca;

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARÍ:

Começam na cabeceira mais ocidental do córrego da Anta Branca,e seguem pelo espigão mestre entre os rios Itararé e Taquari,até a cabeceira mais oriental do córrego da Ariranha;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPORANGA:

Começam na cabeceira mais oriental do córrego da Ariranha,descem por êste abaixo até o rio Verde,e por êste ainda até o rio Itararé, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE PARTURA

RIBEIRÓPOLIS

O distrito de paz de Ribeirópolis terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Fartura:
Começam no alto da Serra da fartura, no seu cruzamento com o espigão da Jacutinga, seguem por êste até o ribeirão da fartura e continuam pelo espigão do Brás até encontrar o ribeirão da aldeia ou Barra Grande,no ponto de confluência,no ribeirão da Ariranha.

FAXINA

O município da Faxina,comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede e dos Caputera e ribeirão Branco,terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITARARÉ:

Começam na barra do córrego das Lavras,no ribeirão das pedras,sobem por aquele até sua cabeceira mais setentrional,no divisor entre as águas dos rios Pirituba e itararé,prosseguem por êste divisor em demanda da cabeceira  mais oriental do galho da extrema esquerda do rio Verde,pelo qual descem até a barra do córrego Jatibuca, continuam pelo espigão fronteiro que deixa.à direita,as águas do córrego Jatibuca, contornam as cabeceiras do córrego da Gorita em demanda da ponte da Estrada de Ferro Sorocaba, sobre o rio Verdinho;

COM O MUNICÍPIO DE  ITABERÁ:

Começam na ponte da Estrada de ferro Sorocabana, sobre o rio Verdinho,seguem pelo espigão entre as águas dêste,à direita,e as do córrego Piritubinha,á esquerda ,contornam as cabeceiras dêste último,e vão pelo espigão, à barra do mesmo córrego no rio Pirituba; descem por êste até a boca do ribeirão Timbuca e por êste acima pelo córrego do Sarandi, até a sua cabeceira mais meridional do ribeirão do Caçador, que fica na contravertente, e descem por êste até a foz do córrego de Campina e por êste acima até sua cabeceira mais meridional do ribeirão do Caçador, que fica na contravertente, e descem por este até a foz do córrego de Campina e por êste acima  até sua cabeceira, seguem em demanda de cabeceira,  do córrego da Divisa, pelo qual descem até o Córrego do Laranjal:

COM O MUNICÍPIO DE ITAÍ

Começam no córrego do Laranjal,  na foz do córrego da Divisa, sobem por aquele até sua cabeceira mais oriental, continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas do córrego Olaria, e, á esquerda, as do ribeirão dos Carrapatos, indo até a junção destes dois cursos, sobem pelo ribeirão dos Carrapatos até a boca do córrego da fazenda Sumidouro, e por este acima até a sua cabeceira mais oriental,  continuam pelo espigão mestre entre as águas do rio Paranapanema, á esquerda, e as do rio Taquari, á direita até o contraforte da margem esquerda do ribeirão Pinhal, pelo qual caminham até a foz do ribeirão do Pinhal, no ribeirão da Enxovia:

COM O MUNICÍPIO DE BURÍ:

Começam no Ribeirão da Enxovia, na foz do ribeirão do Pinhal, sobem pelo Enxovia, até sua cabeceira , mais sudoriental, dão vão em reta, á cabeceira mais ocidental do córrego do Major Velho, pelo qual descem até o rio Apiaí - Guassu, continuam por este acima até a barra  do córrego Pirizal, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional,  vão daí, em reta, ao rumo leste-oeste até o espigão da margem esquerda do rio Apiai-Mirim e por este divisor caminham até a antiga Ponte Nunes, hoje de Marcolino Nunes, sobre o rio Apiaí-Mirim;

COM O MUNICÍPIO DE CAPÃO BONITO:

Começam na ponte de Basílio Nunes, sobre o rio Apiaí-Mirim, sobem pelo rio Apiaí-Mirim, até a barra do córrego da Invernada, seguem  por este acima até sua cabeceira mais meridional, na serra do Cantagalo, pela qual continuam até cruzar  com a  Serra da Samambaia prosseguindo pela crista até entroncar com a cordilheira do Paranapiacaba;

COM O MUNICÍPIO DE IPORANGA:

Começam na cordilheira do Paranapiacaba, onde esta cruza com o divisor das águas do ribeirão Samambaia e rio São José do Guapiára e pela cumiada da cordilheira continuam até cruzar com o espigão da margem direita do rio Betarizinho.
COM O MUNICÍPIO DE APIAÍ
Começam na Serra do Paranapiacaba, no cruzamento com o espigão da margem direita no rio Betarizinho, prosseguem pela Serra até alcançar a cabeceira do rio Santa Rita, pelo qual descem até o rio Apiaí-Guassú e por êste até a barra do córrego areado, pelo qual sobem até sua cabeceira  mais oriental, vão daí, em reta, á cabeceira mais oriental do córrego Saiva,  por este ainda até a barra do rio Pacas, daí alcançam e prosseguem pelo divisor das águas dos rios Taquari-Guassú e Pirituba e pelo Pedras sobem até a barra do córrego das Lavras, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE FAXINA

SEDE  DO MUNICÍPIO :

O distrito de paz da sede do município de Faxina, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CAPUTERA:
 
Começam no ribeiro Timbuva, onde faz barra o ribeirão Jarandi, sobem por aquele até sua cabeceira  mais oriental, prosseguem pelo divisor entre as águas dos rios Taquari e Apiaí, até o contraforte  da margem direita do ribeirão do Pinhal e pelo contraforte caminham até a barra do ribeirão Pinhal, no ribeirão da Enxovia:
COM O DISTRITO DE PAZ DE RIBEIRÃO BRANCO:
Começam da Serra da Samambaia, alcançam a rumo de cabeceira do Ribeirão do Macuco, pelo qual descem até o rio Apiaí-Guassú, seguem por este até a barra do Ribeirão dos Frias, pelo qual sobem até a embocadura do córrego Serrinha, e por este ainda até sua cabeceira; prosseguem pelo espigão fronteiro em demanda da barra do córrego Hortelã, no rio Taquari-Mirim, pelo qual sobem até a foz do córrego Braganceiros, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas deste córrego, e, a esquerda, as do Taqueri-Mirim,m em demanda da barra do ribeirão das Pacas, no rio Taquari-Guassú;
CAPUTERA:

O distrito de paz de Caputera terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE:

Começam no ribeirão da Enxovia, na barra do ribeirão do Pinhal, prosseguem pelo contraforte da margem direita do ribeirão do Pinhal, até alcançar o espigão, mestre Apiaí-Taquari  e por este espigão mestre caminhavam em demanda da cabeceira mais oriental do ribeirão Timbuca, pelo qual descem até a foz do ribeirão Sarandí;

RIBEIRÃO BRANCO:

O distrito de paz de Ribeirão terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Faxina:

RIBEIRÃO BRANCO

Começam no rio Taquarí, na foz do ribeirão das Pacas, continuam pelo espigão que deixa, a esquerda, aquele rio, e, á direita o rio Taquari-Mirim, indo até a barra do ribeirão dos Braganceiros, no último rio; descem pelo Taquari-Mirim até a barra do córrego da Hortelã, continuam pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira do córrego da Serrinha,  pelo qual descem ao ribeirão dos Frias, e por êste abaixo até o rio Apiaí-Guassú, pelo qual sobem até a embocadura do ribeirão dos Macucos, e vão por  êste acima até sua cabeceira, alcançando, depois, a rumo, o alto da Serra da Samambaia.

FERNANDO PRESTES

O município de Fernando Prestes, comarca  de Taquaratinga, constituído do  distrito de paz da sede e do de Vila Camargo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ARIRANHA:

Começam no ponto em que, a reta que da confluência  das principais nascentes  do córrego do Cunha vai á barra do córrego do Cedro no córrego dos Leites, cruz com o espigão da margem esquerda do córrego do Cunha: seguem pelo espigão em demanda da barra do ribeirão dos Mendes no ribeirão da Onça:
COM O MUNICÍPIO DE MONTE ALTO:
 
 Começam no ribeirão da Onça na foz do ribeirão dos Mendes, sobem por aquele até a barra do ribeirão do Mendes, sobem por aquele até a barra do ribeirão da Lagoa ou da Boa Vista dos Olhos d'água por êste ainda até a confluência do córrego Saul Burker:

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

Começam no ribeirão da Lagoa ou Boa Vista dos Olhos Dagua, foz do córrego de Saul Burker, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional e continuam pelo espigão até a barra do  córrego da Divisa no córrego dos Mendes, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional e continuam pelo espigão até a barra do córrego da divisa  no córrego dos Mendes,  sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, ganham a cabeceira do galho da direita do córrego das Areias, que fica na contravertente e pelo Areias descem até o ribeirão do Tanque e por êste abaixo até o ribeirão dos Porcos;

COM O MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS:

Começam no ribeirão dos Porcos, na foz do ribeirão do Tanque e pelo primeiro abaixo até a barra do córrego da Agulha;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ADÉLIA:

Começam no ribeirão dos Porcos, na foz do córrego da Agulha, sobem por este até sua cabeceira mais setentrional, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas dos ribeirões das Anhumas e São Domingos, e, a direita, as águas do córrego dos Mendes, até alcançar a cabeceira do galho da direita do córrego do Cunha, pelo qual descem até este córrego e deste ponto vão pela reta que vai á barra do córrego do Cedro no córrego dos Leites, até cruzar o contraforte da margem esquerda do córrego do Cunha, onde tiverem início estas divisas

DISTRITOS DE PAZ DE FERNANDO PRESTES:
VILA CAMARGO:

O distrito de paz de Vila Camargo terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Fernando Prestes:
Começam no cruzamento do espigão mestre Tietê Turvo, com o  espigão que deixa, á direita, as águas ao rio São Domingos, e á esquerda, as do córrego dos Mendes, seguem pelo alto do espigão mestre, também  conhecido pelo nome de espigão do Itambé ou do Morro Pelado, até frontear  a cabeceira mais setentrional do galho da direita do córrego das Areias.

FRANCA

O município de Franca, comarca do mesmo nome constituído dos distritos de paz da sede e os de Cristais, Jeriquara, Restinga, Ribeirão Corrente e São José da Bela Vista, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE  GUARÁ:

Começam no rio Sapucaí, onde faz barra o córrego de Santa Rita,  sobem  por êste até sua cabeceira no contraforte divisor de águas dos córregos Posse e Palmeiras afluentes do Salgado e Bocaína, prosseguem pelo contraforte até o seu entroncamento com o divisor mestre das águas dos rios do Carmo e Sapucaí:

COM O MUNICÍPIO DE ITUVERAVA:

Começam no ponto de entroncamento do divisor mestre das águas dos rios do Carmo e Sapucaí com o contraforte divisor da águas dos córregos Posse e Palmeiras afluentes do Salgado e Bocaína, prosseguem pelo divisor mestre Carmo e Sapucaí até a cabeceira mais meridional do córrego Palmital pelo qual descem até sua barra do ribeirão Sulapão que é outro nome do rio do Carmo, sobem por este até a confluência do ribeirão do Japão e do ribeirão de São Luiz, formadores do Sulapão, e daí procuram o espigão divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão São Luiz e córrego da Ponte Nova, e, a esquerda, as águas do ribeirão Capivari, pelo qual prosseguem até alcançar a cabeceira do córrego Lageadinho, descendo por este até o ribeirão Jeriquara e por este abaixo sua foz no rio Ponte Nova;

 COM O MUNICÍPIO DE IGARAPAVA:


Começam no rio Ponte Nova, onde faz barra o ribeirão Jeriquara, sobem por aquele até a foz do córrego do Inhame;

COM O MUNICÍPIO DE PEDREGULHO:

Começam onde deságua o córrego do Inhame, no rio Ponte Nova e sobem por  êste, que também se chama  água Limpa,  até a confluência do córrego,  Indáia com o córrego da Cachoeira do Salto, Formadores do Água Limpa, seguem pelo espigão divisor entre as águas dos dois córregos citados e vão até o Marco do Km. n. 445, da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, daí  em reta a estrada que de Indaía , prosseguem pela serra do Indaía até alcançar a cabeceira  mais ocidental  do ribeirão da Onça, pelo qual  descem até a sua foz no rio Canoas;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam onde o ribeirão da Onça faz barra no rio Canôas, sobem por êste até a bifurcação das suas  cabeceiras  principais, em frente  ao morro da Divisa e daí pelo espigão entre essas duas cabeceiras até  o mesmo morro da Divisa, de onde continuam pelo espigão até alcançar a cabeceira do córrego do Boi;

COM O MUNICÍPIO DE PATROCINIO DE SAPUCAÍ:

Começam na cabeceira do córrego do Boi, pelo qual descem até encontrar os aparados da Serra de Franca pelos quais prosseguem até frontear o espigão que desce à confluência do córrego do Taveira,  no ribeirão do Cubatão, prosseguem por êsse divisor até áquela confluência, sobem pelo córrego Taveira até sua cabeceira mais meridional, daí prosseguem por este divisor que separa as águas do ribeirão Macaúbas das do córrego do Dominguinhos, seguem por êste divisor até a barra do córrego Dominguinhos no ribeirão Macaúbas e vão por êste abaixo até a sua foz no ribeirão Santa Bárbara e por êste abaixo ainda até desaguar no rio Sapucaí;

COM O MUNICÍPIO DE BATATAIS:

Começam onde o ribeirão de Santa Bárbara desemboca no rio Sapucaí, descem por êste até a barra do ribeirão da Cachoeira;

COM O MUNICÍPIO DE NUPORANGA:

Começam onde o ribeirão da Cachoeira faz barra no rio Sapucaí e vão por êste abaixo até a barra do córrego Santa Rita, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE FRANCA

SÉDE DO MUNICÍPIO


O distrito de paz da sede do município de Franca terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SÃO JOSE DA BELA VISTA:

Começam no Morro do Galheiro, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego do Buriti, e, à direita, as do ribeirão do Bom Jardim, até frontear a cabeceira do córrego de A. Bernardo também chamado da serraria, pelo qual descem até o ribeirão Bom Jardim, e por êste abaixo até sua confluência no ribeirão Salgado;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RIBEIRÃO CORRENTE:

Começam o ribeirão Salgado, onde faz barra o ribeirão do Bom Jardim, sobem por aquele até a barra do córrego Fundo, e por êste acima até sua cabeceira no espigão entre as águas do ribeirão Corrente, à esquerda, e as do ribeirão Salgado, à direita;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CRISTAIS:

Começam no espigão divisor das águas dos ribeirões Corrente e Salgado, na cabeceira do córrego Fundo, caminham pelo espigão até cruzar com o espigão mestre do rio das Canôas, á direita, e as do ribeirão Sulapão, à esquerda, continuam por êste  espigão mestre até o divisor das águas do córrego Pouso Alto, à direita ,  e as do córrego Pouso Alegre, à esquerda, e por  êste divisor continuam até a confluência desses cursos, continuando pelo Pouso Alegre abaixo até o rio Canôas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RESTINGA:

Começam no ribeirão Macaúbas, na foz do córrego do Palmital,  sobem por êste até sua cabeceira  mais setentrional, continuam pelo espigão que deixa,  à direita as águas do Macaúbas, e, á esquerda as do ribeirão dos Bagres, contornam as cabeceiras do córrego da Água Cumprida  ou Miraflor, e ganham a nascentes do córrego do dr. Gastão, pelo qual descem ao córrego dos Olhos D'Água, e por êste abaixo até, o ribeirão dos Bagres, continuam pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais meridional do córrego da Fazenda Niagara,  pelo qual descem até  o ribeirão de Santo Antonio, e vão por êste abaixo até a barra do córrego da Fazenda Nova Gersey, pelo qual sobem, pelo galho da extrema esquerda, até sua cabeceira no espigão entre as águas do ribeirão do Bom Jardim, à direita, e as do ribeirão Santo Antonio, á esquerda, pelo qual caminham até o Morro do Galheiro;

CRISTAIS:

O distritos de paz de Cristais, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RIBEIRÃO CORRENTE:

Começam na cabeceira do córrego Fundo e Continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do córrego das Almas, indo até a barra do córrego da Boa Vista no ribeirão Corrente, sobem pelo Bôa Vista até sua cabeceira mais setentrional e ganham, depois, a rumo, a cabeceira mais meridional do córrego do Quirino, pelo qual descem até o ribeirão do Japão, e por este abaixo até a boca do córrego Barro Preto;

COM O DISTRITO DE PAZ DE JERIQUARA:

Começam no ribeirão Japão, na boca do córrego Barro Preto, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional, e continuam pelo espigão que deixa, á direita as águas do córrego de Querubim Cintra, e, á esquerda , as do Indaía no ribeirão da Ponte Nova;
COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:
Começam no rio Canôas, na boca do córrego Pouso Alegre, sobem por êste até sua confluência  com o córrego Pouso Alto, continuam pelo espigão intermediário dêsses dois cursos,  prosseguem pelo espigão entre as águas do  ribeirão corrente , á direita, e as do ribeirão Salgado, à esquerda, até frontear a cabeceira do córrego Fundo.

JERIQUARA:

O distrito de paz de Jeriquara terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE CRISTAIS:

Começam na barra do córrego Indaiá no ribeirão Ponte Nova, prosseguem pelo fronteiro que deixa, á direita, as águas do córrego do Chapadão, e á esquerda as do córrego do Querubim Cintra, alcançam a cabeceira mais setentrional do córrego do Barro Preto, pelo qual descem até o ribeirão Japão:

COM O DISTRITOS DE PAZ DE RIBEIRÃO CORRENTE:

Começam no ribeirão Japão, na foz do córrego Barro Preto, descem por aquele até a barra do Ribeirão São Luiz.


RESTINGA:

O distrito de paz de Restinga terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SÃO JOSÉ DA BELA VISTA:

Começam no rio Sapucaí, na  foz do córrego do Domiciano, sobem por êste até sua cabeceira e continuam pelo espigão que deixa à  direita , as águas do ribeirão dos Bagres, e a esquerda as do córrego Buriti, indo até o Morro do Galheiro;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no Morro do Galheiro, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Santo Antonio, e, á esquerda, as do ribeirão Bom Jardim, indo até a cabeceira do galho da extrema direita do córrego da Fazenda Nova Gersey, pelo qual descem até o ribeirão de Santo Antonio, e por este acima até a barra do córrego da Fazenda Niágara, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão fronteiro, e prosseguem pelo espigão, em demanda da confluência do córrego dos Olhos da Água, no ribeirão dos Bagres, sobem por aquele até a boca do córrego do dr. Gastão e por este acima até sua cabeceira, caminhando depois pelo espigão entre as águas do córrego Olhos da Água e córrego Água Comprida ou Mira-flor, contornam as cabeceiras deste, e prosseguem, pelo espigão entre as águas do ribeirão dos Bagres, á direita, e, as do ribeirão Macaúbas, á esquerda, até atingir a cabeceira mais setentrional córrego Palmital, pelo qual descem até o ribeirão Macaúbas.


RIBEIRÃO CORRENTE:


O distrito de paz de Ribeirão Corrente terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE JERIQUARA:

Começam no ribeirão Japão, onde faz barra o ribeirão São Luiz, sobem por aquele até a boca do córrego Barro Preto:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CRISTAIS:

Começam no ribeirão Japão, onde desagua o córrego  Barro Preto,  sobem pelo Japão até a barra do córrego do Quirino, e vão por êste acima até sua cabeceira  mais meridional, atingem,  a rumo, a cabeceira mais setentrional do córrego Bôa Vista e por êste abaixo até o ribeirão corrente, continuam pelo espigão fronteiro, que deixa , a direita, ás águas do córrego das Almas e vão até a cabeceira do córrego Fundo;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na cabeceira do córrego Fundo, descem por êste até o ribeirão Salgado e por êste ainda até a barra do ribeirão do Bom Jardim;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SÃO JOSÉ DA BELA VISTA:

Começam no ribeirão Salgado, na foz do ribeirão Bom Jardim, descem por aquele até a boca do córrego da Fazenda de José Spinola, e vão daí, á ponte sobre o córrego da Posse, na estrada de rodagem que da vila de São José da Bela Vista, vai á cidade de Ituverava, e dêsse ponto, ainda em reta, ao espigão que deixa á direita, o córrego Uberabinha, em frente a cabeceira mais oriental dêste último.

SÃO JOSÉ DA BELA VISTA:

O distrito de paz de São José da Bela Vista terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RIBEIRÃO CORRENTE:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do córrego Uberadinha, e, á esquerda, as do córrego da Posse, em frente á cabeceira mais oriental do córrego da Posse, em frente á cabeceira mais oriental do córrego Uberadinha, vão daí em reta, á ponte sobre o córrego da Posse, na estrada que da Vila de São José da Bela Vista vai á cidade de Ituverava, e seguem, ainda em reta, á barra do córrego da Fazenda de José Spinola no ribeirão Salgado, sobem por êste até a confluência do ribeirão do Bom Jardim:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na confluência do ribeirão Bom Jardim no ribeirão Salgado, sobem por aquele até a barra do córrego de A. Bernardo, também chamado de serraria e vão por êste acima até sua cabeceira, continuando pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão Bom Jardim, e, á direita, as do ribeirão Santo Antonio, até o Morro do Galheiro;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RESTINGA:

Começam no Morro do Galheiro, e prosseguem pelo espigão que deixa, a esquerda, as águas do ribeirão de Santo Antonio, e, á direita , as do ribeirão Buriti, até alcançar  a nascente do córrego do Domiciano, pelo qual descem o rio Sapucaí.

GARÇA:

 O município de Garça, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da sede e dos de Alvaro Carvalho e Santo Inácio terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CAFELANDIA:

Começam no pião divisor entre as cabeceiras do rio Padua Sales e córregos Forquilha e Moraes Barros, vão daí em reta á  barra destê  ultimo, no ribeirão do Inhema e descem por êste ainda até a foz do córrego Gentil de Moura.

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUÍ:

Começam no ribeirão Inhema, na foz do córrego Gentil de Moura e vão, em reta,  à barra do córrego Elisio de Castro no ribeirão Bonito; sobem por este até a barra do córrego da Corredeirinha no ribeirão da Corredeira, sobem pelo córrego até sua cabeceira, procuram daqui a cabeceira  do córrego da Divisa, pelo qual descem até o ribeirão Barreiro, pelo qual seguem até a barra do córrego da Água Seca, subindo  por êste até sua cabeceira, indo depois, em reta na direção da barra do córrego do Aracape  ou  Eucarape, no rio Feio e seguindo por esta reta até o espigão entre o Ribeirão Barreiro, à esquerda, e o rio Feio, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE ALVES:

Começam no Alto do espigão entre as águas do ribeirão Barreiro, à esquerda , e as do rio Feio, à direita, no ponto em que ele é cortado pela reta que vai da cabeceira do córrego Água Seca, afluente do primeiro, à barra do Acarape ou Eucarape, no rio Feio:

COM O MUNICÍPIO  DE GALIA:

Começam no rio Feio, na foz do córrego Aracape, sobem por êste sua cabeceira, continuam pelo espigão Feio-Alambari, e depois pelo espigão Peixe-Alambari, indo até a cabeceira do rio São João, descem por êste a barra do córrego  Comprido;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO DO TURVO:

Começam no rio São João, na foz do córrego Comprido, seguem em reta á cabeceira do córrego Mombuca, e por êste abaixo até o rio Santo Inácio, e por êste ainda até a barra do Estevão,  pelo sobem até sua cabeceira João;

COM O MUNICÍPIO DE BELA VISTA (EX-CAMPOS NOVOS)

Começam no espigão mestre que deixa, à direita, as águas dos rios São João e Santo Inácio e, á esquerda, as do rio Novo em frente á cabeceira do córrego do Estevam, seguem pelo espigão mestre até entroncar com a Serra do Mirante e pela Serra procuram a cabeceira mais meridional do córrego do Brumado, pelo qual descem até o ribeirão Alegre:

COM O MUNICÍPIO DE VERA CRUZ:

Começam no ribeirão Alegre, onde faz barra o córrego Brumado, atravessam o ribeirão e prosseguem  pelo espigão fronteiro em direção ao divisor entre o rio do Peixe e o ribeirão Alegre, ganham a cabeceira do Água Seca pelo qual descem até o rio do Peixe, e,  por êste acima até a foz do córrego Barreti,  e por êste ainda, até sua cabeceira mais oriental; alcançam a cabeceira mais oriental do córrego Araquá, pelo qual descem ao rio Ipiranga, e por êste abaixo até o rio Tibiriçá, e por êste ainda até a foz do córrego Forquilha;

COM O MUNICÍPIO DE MARÍLIA:

Começam no rio Tibiriçá, onde deságua o córrego Forquilha, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional e atingem o pião divisor entre as cabeceiras do rio Padua Sales, e córregos Forquilhas e Moraes Barros, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE GARÇA:
SÉDE DO DISTRITO

O distrito de paz da séde do município de Garça terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ALVARO DE CARVALHO:

Começam no rio Tibiriçá, na barra do ribeirão Ipiranga, sobem por aquele até a boca do córrego Irondê, e vão por êste acima até sua cabeceira: vão daí, em reta, á cabeceira do ribeirão Bonito, e por êste abaixo até a barra do córrego de Elisio de Castro;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTO INÁCIO:

Começam no espigão mestre Peixe-Alambari, em frente à cabeceira do ribeirão do Alegre, e descem por êste até a barra do córrego da Ferrugem.

DISTRITO DE PAZ DE ALVARO DE CARVALHO:

O distrito de paz de Alvaro de Carvalho terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Garça:
Começam no ribeirão Bonito, na barra do córrego do Elisio de Castro, e sobem por aquele até sua cabeceira, indo depois, em reta,  à  cabeceira do córrego Irondê, pelo qual descem até o rio Tibiriçá,  e por êste abaixo até a foz do ribeirão Ipiranga.

DISTRITO DE PAZ DE SANTO INACIO:

O distrito de paz de Santo Inácio terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Garça:
Começam no ribeirão do Alegre, na barra do córrego da Ferrugem , sobem por aquêle até sua cabeceira, atingindo depois, a rumo, o espigão mestre Peixe-Alambari.

GALIA

O município de Galia, comarca de Garça, constitui do distrito de paz da sede e do de Fernão Dias, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GARÇA:

Começam no rio São João, na foz do córrego Comprido,  vão por aquele acima até sua cabeceira, seguem pelo espigão mestre Peixe-Alambari, até frontear a cabeceira, seguem pelo espigão mestre Peixe-Alambari, até frontear a cabeceira mais ocidental do córrego Acarape, pelo qual descem até o rio Feio:

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE ALVES:

Começam no rio Feio, na foz do córrego Acarape, e vão daí, em reta, à cabeceira do córrego Avaí;

COM O MUNICÍPIO DE AVAÍ:

Começam na cabeceira do córrego Avaí, e vão,  em reta, ao espigão mestre Tietê - Paranapanema, em frente à cabeceira mais alta do córrego Eduardo Porto, seguem pelo espigão mestre até entroncar com o espigão divisor entre as cabeceiras dos córregos Barro-Grande, Saraiva e ribeirão do Serrote;

COM O MUNICÍPIO DE DUARTINA:

Começam no pião divisor entre as cabeceiras dos córregos Barro Grande, Saraiva e ribeirão do Serrote, tomam pelo espigão que leva a cabeceira do córrego da Barra Bonita e por êste descem até o ribeirão das Antas, vão por êste acima até a foz do córrego do Arroz, e por êste ainda até sua cabeceira mais meridional, procuram, a rumo, a cabeceira mais oriental do córrego do Macaco e por êste abaixo até o ribeirão Vermelho,  pelo qual descem até a barra da Água de Santa Tereza, pelo qual sobem até sua cabeceira, atingindo depois, o espigão  mestre Vermelho- São João, seguem pelo espigão até a cabeceira do córrego do Veado;

COM O MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO TURVO:

Começam no espigão mestre Vermelho-São João, em frente à cabeceira do córrego do Veado, descem por êste ao rio São João e por êste ao rio São João e por êste acima  até a barra do córrego Comprido, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE GALIA:
FERNÃO DIAS:

O distrito de paz de Fernão Dias, terá as seguintes divisas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no espigão mestre Tietê-Paranapanema, em frente à cabeceira do córrego de Eduardo Porto, seguem pelo contraforte que deixa, á esquerda, as águas deste ultimo no ribeirão das Antas, e daí, em reta, á cabeceira do córrego da Fazenda Teles, e por êste abaixo, até sua barra no ribeirão Vermelho, o que se dá cerca de dois Klms ao sul da sede daquela Fazenda e pelo Vermelho abaixo até a foz do córrego do Macaco.

GETULINA:

O município de Getulina, comarca de Lins, constituído do distrito da sede e do de Macacos, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GLICERIO:

Começam na confluência do rio Tibiriçá com o rio Feio, e sobem por êste até a barra do córrego grande;

COM O MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS:

Começam na barra do córrego Grande, no rio Feio e vão por êste acima até a barra do córrego do Matão;

COM O MUNICIPIO DE AVANHANDAVA 


Começam na barra do córrego do Matão, no rio Feio e sobem por este até a barra do córrego Perobal;


COM O MUNICÍPIO DE PROMISSÃO:

Começam na Foz do Córrego Perobal, no rio Feio e prosseguem por êste acima, até a barra do ribeirão Tabocal;
 
COM O MUNICÍPIO DE LINS:

Começam na barra do ribeirão Tabocal, no rio Feio, sobem por êste acima até sua mais ocidental cabeceira, transpõem o divisor pelo qual descem até sua barra no Tibiriçá;

COM O MUNICÍPIO DE MARÍLIA:


Começam na barra do córrego Pônei, no rio Tibiriçá, e descem por este até a barra do córrego Ariri.


COM O MUNICÍPIO DE POMPÉIA:


Começam na foz do córrego Ariri, no rio Tibiriçá, e por êste descem até a sua confluência com o rio Feio, onde tiveram início estas divisa.

DISTRITOS DE PAZ DE GETULINA  
MACUCOS:

O distrito de paz de macucos terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Getulina:
Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego das Antas, sobem por  êste até sua cabeceira mais setentrional,  transpõem  o espigão mestre Tibiriçá-Feio, em demanda  da cabeceira mais meridional  do córrego Báguassú e por êste descem o rio Feio.

GLÍCERIO

O município de Glicério, comarca de Penapolis, compreendendo os distritos de paz da sede e de Braúna, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE COROADOS:


Começam no rio Aguapeí, na foz do ribeirão Promissor, sobem por êste até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, à direita , as águas do ribeirão Bonito, e, à esquerda, as do ribeirão dos Baixotes até encontrar a cabeceira do córrego das Congonhas pelo qual descem até o rio Tietê;

COM O MNUNICIPIO DE ARAÇATUBA:

Começam no rio Tietê na foz córrego das Congonhas, e vão por aquele acima até a barra do ribeirão Santa Barbara;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE APRAZIVEL:

Começam no rio Tiête, na foz do ribeirão Santa Barbara, e vão pelo rio acima  até a barra do ribeirão Lageado;

COM O MUNICÍPIO DE PENÁPOLIS:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão Lageado, sobem por êste até a barra no ribeirão Bonito e por êste até sua cabeceira alcançam o espigão mestre Tietê-Aquapeí, e por êste espigão mestre caminham até encontrar a cabeceira do ribeirão Grande pelo qual descem até sua barra do rio Aguapeí;

COM O MUNICÍPIO DE GETULINA:

Começam no rio Aguapeí, na barra do ribeirão Grande descem por aquele até a foz do rio Tibiriçá;

COM O MUNICÍPIO DE POMPÉIA:

Começam na confluência do rio Feio com o rio Tibiriçá, e descem pelo Feio ou Aguapei até a barra do ribeirão Jacri:

COM O MUNICÍPIO DE TUPAN:

Começam no rio Aguapeí, na barra do rio até a foz do ribeirão  Promissor, onde se iniciaram estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE GLICÉRIO
BRAÚNA:

O distrito de paz de Braúna terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Glicério:
Começam no espigão ribeirão Baixote-ribeirão Bonito, em frente á cabeceira do córrego Barro Preto, vão em reta, ao marco que separa as terras dos sucessores de Eduardo Castilho, no ribeirão Bonito.

GRAMA

O município de Grama, comarca de São José do rio Pardo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DO RIO PARDO:

Começam no ponto do cruzamento do divisor entre as águas do rio Fartura, á direita, e as dos ribeirões Doce, Macacos e Água Fria, á esquerda, com o espigão que separa as águas do córrego de Arlindo Baptista, das do córrego da Fazenda Barão; seguem por êste ultimo espigão até a barra do córrego da fazenda Barão: seguem por este último espigão até a barra do córrego da Fazenda Barão no rio  Fartura e por êste acima até a foz do córrego do Capado, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Fartura e as do córrego Lindeiro ou Angolinha, e,  à esquerda, as águas do córrego do Pouso Frio, até a barra do córrego das Almas, no rio São Domingos, sobem por êste até a ponte da entrada de rodagem que de Grama vai a Sapeca, ganham o espigão da margem direita do rio São Domingos, que nada é mais do que a Serra do Boqueirão e pela crista desta continuam até cruzar com a Serra de Poços de Caldas até cruzar com o divisor que deixa, à direita, as águas do córrego do Campinho e da Água Limpa, cabeceiras do rio São Domingos, e, à esquerda as do ribeirão do Quartel;

COM O MUNICÍPIO DE ÁGUAS DA PRATA:

Começam na Serra de Poços de Caldas, onde esta cruza com o divisor entre as águas dos córregos Campinho e Àgua Limpa, cabeceiras do rio São Domingo, á direita,  e as do ribeirão do Quartel, á esquerda, seguem por êste divisor  e pelo que separa as águas do ribeirão Fartura, á esquerda e São Domingos, á direita, e seguem  ainda pelo contraforte que vai terminar na cachoeira do rio da Fartura, cerca de dois quilômetros a sudeste da Fazenda de Afonso Osorio;

COM O MUNICÍPIO DE VARGEM GRANDE:

Começam na cachoeira do rio Fartura, situada de dois quilômetros a sudeste da sede da Fazenda  de Afonso Osorio, descem pelo rio até a barra do córrego do Ibimbaé, pelo qual sobem até sua cabeceira mais ocidental;

COM O MUNICÍPIO DE CASA BRANCA:

Começam na cabeceira mais ocidental do córrego Ibimbaé, seguem pelo espigão que deixa, á direita, as águas do rio Fartura,  e, a esquerda, as do ribeirões São João, Doce e Macacos, até cruzar  com o espigão divisor das águas  do córrego de Arlindo Baptista e, as do córrego da fazenda Barão, onde tiveram início estas divisas.

GUAÍRA

O município de Guaíra, comarca de Orlândia, passa a ter as seguintes divisas:

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam  na barra do rio Pardo, no rio Granue, sobem por êste até a foz do rio Sapucaí;

COM O MUNICÍPIO DE ITUVERAVA:

Começam no rio Grande, onde faz barra o rio Sapucaí e vão por êste acima até  o desaguadouro do córrego do Sucuri;

COM O MUNICÍPIO DE S. JOAQUIM:

Começam no rio Sapucaí, onde faz barra o córrego do Sucuri, e vão por êste acima até sua cabeceira mais oriental, vão daí, em reta, á cabeceira mais setentrional do ribeirão do Jardim e daí, ainda em reta, á cabeceira do córrego chamado Esgoto do Brejão,  pelo qual descem até o ribeirão do Rosário;

COM O MUNICÍPIO DE MORRO AGUDO:

Começam no ribeirão do Rosário, onde faz barra o Esgoto do Brejão e vão por aquele abaixo até a foz do rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE BARRETOS:

Começam no rio Pardo, onde faz a barra o ribeirão do Rosário, descem por aquele até sua embocadura no rio Grande, onde terminam estas divisas.

GUARÁ

 O município de Guará, comarca de Ituverava terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITUVERAVA:

Começam no rio Sapucaí, onde faz barra o ribeirão do Retiro da Mata, sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental conhecida pelo nome de córrego da Baixada continuam pelo espigão que deixa, ao norte, as águas do rio Carmo e, ao sul, as do rio Sapucaí, até onde esse divisor cruza com o divisor de das águas do ribeirão Salgado ou Salgadinho, à esquerda, e as do ribeirão Cortado e Bocaina, a direita;

COM O MUNICÍPIO DE FRANCA:

Começam no ponto de entroncamento ao divisor Mestre das águas dos rios do Carmo e Sapucaí com o contraforte divisor Posses - Paineras  afluente do Salgado e Bocana e daí,  seguem por este contraforte até atingir a cabeceira do córrego Santa Rita e por êste abaixo até o rio Sapucai;

COM O MUNICÍPIO DE NUPORANGA:

Começam no rio Sapucaí, onde desagua o córrego Santa Rita e vão por aquele abaixo,  até a foz do ribeirão Santo Antonio;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOAQUIM:

Começam no rio Sapucaí, onde faz barra o ribeirão de Santo Antonio e vão por aquele até a foz do ribeirão ao Retiro da Mata, onde tiveram inicio estas divisas.

GUARARAPES

 O município de Guararapes,  comarca de Araçatuba, terá as  seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ARAÇATUBA:

Começam no espigão que deixa, a esquerda, ás águas do ribeirão Jacarecatinga, e, á direita, as do córrego Azul, em frente á cabeceira do córrego do Santa Luzia,  vão dai pelo espigão á barra do córrego do Lindeiro, no córrego Aracangua,  sobem pelo córrego do Lindeiro até sua cabeceira, seguem em demanda da cabeceira do córrego da Fazenda Manoel Roque e por êste abaixo até  o córrego Azul pelo qual descem até a barra do Córrego Borboleta continuam por êste acima até a foz do córrego da Divisa, e subindo por êste e pelo córrego da Prata até a sua cabeceira mais meridional, ganham a cabeceira mais oriental do córrego Esperança,  que fica na contravertente;

COM O MUNICÍPIO DE BIRIGUÍ:

Começam na cabeceira mais oriental do córrego da Boa Esperança , pelo qual descem até sua barra no ribeirão Jangada e descem por êste até sua barra no rio Aguapei, pelo qual sobem até o ribeirão Drava;

COM O MUNICÍPIO DE TUPAN:

Começam no rio Aguapeí, na foz do ribeirão Drava, sobem por êste até a barra do córrego Lagôa e seguem por êste acima até sua cabeceira mais ocidental no "divortium  acquarum" Aguapeí-Peixe:

COM O MUNICÍPIO DE MARTINOPOLIS:

Começam no "divortium acquarum" Aguapei-Peixe na cabeceira mais ocidental do córrego Lagôa  prosseguem pelo "divortium acquarum" até a cabeceira do ribeirão Bôa Esperança;

COM O MUNICÍPIO DE VALPARAÍSO:

Começam no espigão mestre que deixa, ao sul as águas do rio do Peixe, e,  ao norte,  as do rio Aguapei, na cabeceira do ribeirão Bôa Esperança, seguem por êste  abaixo até o ribeirão Aguapei-Mirim, vão daí em reta á barra do ribeirão Pimenta, no rio Aguapei, e por aquele acima e pelo córrego Rico até sua cabeceira mais oriental, atingem desse ponto o marco do km 326 de Estrada de Ferro Noroeste,  na curva que vai para a estação de Alto Pimenta, marco que fica cerca de quatro kms, a oeste da estação de Rubiacea, vão desse marco em reta á cabeceira  do córrego Santa Antonieta, pelo qual descem até sua barra no córrego Azul, e por êste ainda até a foz do córrego Água Clara, pelo qual sobem até sua cabeceira seguindo pelo espigão que deixa, á esquerda, o ribeirão Jacarécatinga e à direita à,  as águas do córrego Azul, até frontear até  a cabeceira do córrego Santa Luzia, onde tiveram inicio estas divisas;

GUARAREMA

O município de Guararema,  comarca de Mogi das Cruzes, terá  as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA IZABEL:

Começam no rio Paratei, onde faz barra o ribeirão da Divisa ou Lambari, descem por aquele até a barra o ribeirão da Divisa ou Lambari, descem por aquele até a barra ao primeiro córrego que desemboca acima da ponte da Figueira, córrego êste da margem direita do rio Paratei.

COM O MUNICÍPIO DE JACAREI:

Começam na margem direita do rio Paratei, na barra do primeiro córrego que desemboca acima da ponte da Figueira, sobem pelo córrego até sua cabeceira mais meridional, alcançam a cabeceira do córrego que desemboca acima da ponte da Figueira, sobem  pelo córrego até sua cabeceira mais meridional,  alcançam a cabeceira do córrego que fica na contravertente e por êste descem até sua barra do córrego da Fazenda do Dr. Maneco, e por êste ainda até sua foz no rio Paraíba , prosseguem pelo espigão fronteiro, passando pelos morros da Itaperna e das Piluteiras e procuram a barra do ribeirão Putim no rio Paraíba;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BRANCA:

Começam no rio Paraíba , onde desagua o rio Putim pelo qual sobem até o córrego Ponte Alta e por êste acima até sua  cabeceira e seguindo pelo divisor que deixa, à direita,  as  águas do rio Putim, e a esquerda, as do ribeirão dos Monos até cruzar com o espigão mestre entre o rio Tietê e o rio Paraíba;

COM O MUNICÍPIO DE SALESÓPOLIS:

Começam no divisor entre as águas dos rios Monos, á esquerda e a do Putim á direita  onde este cruza com o espigão mestre entre os rios Tietê e Paraíba prosseguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego João de Melo;

COM O MUNICÍPIO DE MOGI DAS CRUZES:

Começam  na cabeceira do córrego de João de Afeio no espigão continuam até o cruzamento com o divisor das águas do rio Putim á direita, e as do córrego da Fazendinha à esquerda avançam por êste divisor,  até a cabeceira mais meridional do córrego de Jesulino Franco, pelo qual descem até o rio Guararema, vão desta confluência  em reta, á porta oriental da Serra do Itapeti, á cabeceira do córrego da Estiva e pela cumiada da Serra prosseguem e depois e pelo divisor que deixa, á direita, águas  do ribeirão Comprido, e,  á esquerda, as cabeceiras do ribeirão Comprido e, à esquerda, as cabeceiras do ribeirão Itapeti, em demanda da barra do córrego do Almeida, no ribeirão Itapeti, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas deste ultimo e, á esquerda, as do ribeirão da Divisa ou Lambari, indo até o morro do Feltal e daí vão em demanda da cabeceira do córrego do mesmo nome que fica na contravertente, e por êste descem até o rio Lambari ou da Divisa, e por êste ainda até o rio Paratel onde tiveram inicio estas divisas.

QUARATINGUETÁ        

O município de Guaratinguetá, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CAMPOS DO JORDÃO

Começam na crista da Cordilheira da Mantiqueira, onde esta cruza com o espigão divisor das águas do ribeirão dos Buenos ou Moreiras,e as do rio Guaratinguetá seguem pela cumiada da Cordilheira até frontear  a cabeceira mais meridional do córrego da Mãe Dágua, afluente do ribeirão dos Pausinhos:

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no alto da cordilheira da Mantiqueira em frente a cabeceira mais meridional do córrego da Mãe Dágua, continuam pela crista da Mantiqueira até o alto do morro Focinho Cão;

COM O MUNICÍPIO DE PIQUETE

Começam na Cordilheira na Mantiqueira, no alto do morro Focinho de Cão, seguem pelo divisor entre as águas do rio Piquete, à esquerda,  e as do rio Piaguí, á direita até encontrar a cabeceira mais alta do ribeirão da Fortaleza  e por êste  descem até a barra do córrego Carasal;

COM O MUNICÍPIO DE LORENA:

Começam no ribeirão da Fortaleza, na foz do córrego Carasal, alcançam , em reta á cabeceira do córrego da Fazendinha descem por êste até a sua confluência no ribeirão da Posse ou Macacos , continuam pelo espigão fronteiro que deixa á esquerda, as águas destê ribeirão, e à direita  as do rio Piaguí, em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego Lava-Roupa pelo qual descem até o barra do córrego do quilometro 236 da Estrada de Ferro Central do Brasil, que deságua cerca de 1 quilometro a jusante da barra do rio Piaguí,  subindo por êste até sua cabeceira seguem a rumo da forquilha dos dois principais galhos formadores do ribeirão São João ou Aterrado, sobem pelo da esquerda e vão até sua cabeceira mais meridional: continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do rio da Lorena  e á direita as do córrego de Santa Gertrudes ou Margarina Rosa e do Tibeirão das Pedras contornam as cabeceiras deste ultimo, no seu galho chamado das Três Barras transpõem a serra Quebra-Cangalha e continuam pelo divisor que deixa á direita, as águas do ribeirão do Cedro e do ribeirão do Taboãozinho indo até o alto do Lageado de Cima:

COM O MUNICÍPIO DE CUNHA:

Começam no alto do Lageado de Cima, vão daí por nova reta, ao alto do morro do Bom Retiro, procuram pelo espigão a cabeceira do córrego do mesmo nome, descendo  por ele até sua barra no ribeirão do Peixe e continuam por êste acima até a sua cabeceira mais ocidental, na serra Quebra-Cangalha;

COM O MUNICÍPIO DE APARECIDA:

Começam na Serra Quebra-Cangalha, na cabeceira mais ocidental do ribeirão do Peixe, continuam pela cumiada  da serra até cruzar com o divisor que deixa, á direita  as águas do ribeirão São Gonçalo, e,  á esquerda as do ribeirão dos Motas, seguem pelo espigão e pelo que deixa, á direita, o córrego  dos Bicudos e, á esquerda  o ribeirão dos Motas, indo até a confluência dêstes dois cursos: descem pelo ribeirão dos Motas até a foz do córrego dos Lemes,  vão daqui em reta ao, marco de quilometro 296 da Estrada de Ferro Central do Brasil, seguem daí e reta , ao ponto no rio Paraíba que fica distante cerca de 2.000 metros acima da embocadura do ribeirão de Guaratinguetá, sobem pelo Paraíba até a barra do ribeirão do Putim, no rio Paraíba e sobem pelo rio até a barra do córrego do Rosário.

COM O MUNICÍPIO DE PINDAMONHANGABA:

Começam no rio Paraíba, na foz do córrego do Rosário pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão dos Buenos ou Moreiras, e,  á esquerda as do Ribeirão Grande ou Tetequéra em demanda da confluência do ribeirão dos Guarulhos, no ribeirão dos Buenos ou Moreira; seguem pelo espigão intermediário entre êsses dois cursos até cruzar com o divisor que deixa, á esquerda as águas do ribeirão dos Buenos ou dos Moreiras, e a direita, as do rio Guaratinguetá e por êste divisor chegam até a crista da cordilheira da Mantiqueira, onde tiveram inicio estas divisas.

GUAREÍ

O município de Guareí comarca de Tatuí, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BOFETE:

Começam no espigão divisor entre as águas do rio Capivari, ao sul, e as do rio Jacu ou Jacuzinho, ao norte em frente á cabeceira mais oriental do córrego da Divisa e por esse espigão prosseguem até o Morro da Fortaleza, continuam pelo espigão entre as águas do ribeirão Santo Inácio, à esquerda, e as do Capivari, à direita, até cruzar com o contraforte entre as águas do ribeirão Palmeiras, à direita, e as do rio Santo Inácio, à esquerda;

 COM O MUNICÍPIO DE PORANGABA:

Começam no espigão mestre Tietê-Paranapanema onde ele cruza com o contraforte entre as águas do ribeirão Palmeiras, á direita e as do rio Santo Inácio, à esquerda, seguem pelo espigão mestre e pelo espigão da Areia Branca até entroncar no divisor do ribeirão Aleluia, de um lado e rio feio de outro;

COM O MUNICÍPIO DE TATUÍ:

Começam no espigão da Areia Branca, onde cruza com o divisor Feio-Aleluia , prosseguem  por êste até a cabeceira mais setentrional do ribeirão das Araras e por êste abaixo até o rio Tatuí:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPETININGA:

Começam onde faz barra o ribeirão das Araras, no rio Tatuí, sobem por êste até a sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão que deixa, ao norte as águas do rio Guareí, e ao sul, as do rio Itapetininga, até encontrar a nascentes mais oriental do ribeirão dos Macacos, pelo qual descem até a barra do córrego Vassoural no ribeirão do Currução;

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA:

Começam na barra do córrego Vassoural no ribeirão da Currução, sobem por êste e pelo galho que atravessa o bairro do ribeirão Grande até sua cabeceira, transpõem o espigão em demanda da cabeceira mais oriental do ribeirão Grande, vão por êste abaixo até o rio Guareí e por este ainda até a barra do córrego da Conquista, pelo qual sobem até o morro dêsse nome, partem daqui á procura da forquilha entre as duas águas das cabeceiras do ribeirão do Sargento e por êste abaixo até a barra no Capivari por êste ainda até a foz do ribeirão Restinga Comprida continuam depois pelo espigão que deixa, a leste, as águas do rio Capivari e a oeste, as do rio Jacú ou Jacuzinho  até frontear a cabeceira mais oriental do córrego da Divisa, onde tiveram início estas divisas.

GUARIBA

O município de Guariba, comarca de Jabuticabal constituído do distrito de paz de sede e do Pradopólis, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA:

Começam no córrego do Luciano, na foz do córrego Cucui,  vão em reta, a barra do córrego Gingibre, no ribeirão Bonfim, e por Nova reta a cabeceira do córrego da Fazenda Cruzeiro, por êste abaixo até  o córrego do Côco e por êste ainda até a foz do córrego da Fazenda do Côco:

COM O MUNICÍPIO DE JABOTICABAL
 
Começam no córrego do Côco, onde desagua o córrego da Fazenda Côco, vão em reta a barra do córrego Estiva, no córrego Fundo, por êste abaixo até o ribeirão do Córrego Rico, pelo qual descem até a foz do córrego da Gordura e vão por êste acima até a foz do córrego Dona Zilda e por êste ainda até sua cabeceira mais oriental, seguem pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego Anhumas até encontrar a cabeceira mais oriental do córrego de Santa Isabel e por êste abaixo até o Mogí-Guassú.

COM O MUNICÍPIO DE SERTÃOZINHO:

Começam no rio Mogí-Guassú, onde deságua o córrego Santa Isabel, descem pelo rio até a barra do córrego Triste ou Açude, continuam pelo espigão da margem direita dêste ultimo indo até a barra do córrego do moinho no ribeirão da Onça:

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO:

Começam na confluência do córrego do Moinho, de ribeirão da Onça, sobem por aquele até sua cabeceira mais setentrional do córrego Piraju,  pelo qual descem até a foz do córrego da Fazenda São Luiz, vão daí em reta, á cabeceira do galho da esquerda do córrego Guarani, pelo qual descem até o rio Mogí-Guassú;

COM O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA:

Começam no rio Mogi-Guassú, na foz do córrego Guaraní descem por aquele até a boca do ribeirão Lageado, sobem por êste até a barra do córrego Luciano;

COM O MUNICÍPIO DE MATÃO:

Começam no ribeirão Lageado, onde desemboca o córrego Luciano e por êste acima até a foz Cuçuí, onde tiveram início estas divisas:

DISTRITO DE PAZ DE GUARIÇA:
PRADÓPOLIS:

O distrito de paz de Pradópolis, terá como divisa interna com a séde do município de Guariba o rio Mogi-Guassú, dêste a boca do córrego Santa Isabel até a barra do ribeirão Lageado.

GUARUJÁ

O município de Guarujá, comarca de Santos, compreendendo toda a superfície da Ilha de Santo Amaro, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SANTOS:
Começam na barra do porto de Santos, seguem pelo estuário até a boca do canal da Bertioga e pelo leito dêste até o mar.

GUARULHOS

O município de Guarulhos, comarca da Capital, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JUQUERÍ:

Começam na Serra da Pirucaia, onde cruza com a Serra do Cap. Freire ou da Mata Fria, prosseguem pela Serra Pirucaia até encontrar o divisor entre as águas do ribeirão Tapera Grande, á esquerda, e as do ribeirão Pinheirinhos ou Quilombo, cabeceiras do rio Juquerí, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE NAZARÉ

Começam no espigão mestre Tietê-Juquerí, onde este cruza o divisor entre as águas do ribeirão Tapera Grande, a leste, e as do ribeirão Pinheirinhos ou Quilombo, cabeceiras do rio Juquerí, a oeste, seguem pelo primeiro espigão mestre, que ai se chama Serra do Itaberaba ou do Gil, até cruzar com o espigão divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão Jaguarí, afluente do rio Paraíba, e, á esquerda as do ribeirão de Pirapóra;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ISABEL:

Começam na Serra do Gil ou de Itaberaba, onde esta cruza com o divisor entre as águas do rio Jaguarí, afluente do rio Paraíba, á direita,  e as do ribeirão Pirapora á esquerda, seguem por êste divisor, em demanda da confluência do ribeirão  Jaguaru ou Itaberaba, no rio Jaguarí, sobem por êste e pelo córrego do Morro Grande, que fica na margem direita, até a sua cabeceira, no Morro Grande, deste ponto prosseguem pelo divisor Fronteiro em demanda da confluência do córrego do Taboão ou Fontes no rio Baquirivú-Guassu, sobem por aquele até sua cabeceira no espigão divisor entre as águas do rio Baquirivú-Guassú e as dos ribeirões Boava e Água Branca;

COM O MUNICÍPIO DE MOGÍ DAS CRUZES

Começam no espigão mestre entre as águas dos rios Baquirivú-Guassú e Tietê, na cabeceira do córrego Taboão ou Fontes, e pelo espigão mestre prosseguem até a cabeceira do ribeirão Pirati-Mirim, pelo qual descem até sua barra, no rio Tietê:

COM O MUNICÍPIO DA CAPITAL:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o ribeirão Pirati-Mirim, descem por aquêle até a embocadura do rio Cabuçu de Cima, sobem por êste até sua cabeceira, no morro do Sabão, continuam pela Serra da Pirucata, até cruzar com a Serra do Cap. Freire ou  Mata Fria; onde tiveram, inicio estas divisas.

IACANGA

O município de Iacanga, comarca de Pederneiras, constituído do distrito de paz da sede, e do de Soturna, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJUI:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, à direita, e as do rio Batalha, à esquerda, onde ele cruza com o divisor que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Água Parada e do córrego da Bôa Vista, e, à direita, as do ribeirão do Clavinote, seguem pelo espigão mestre até alcançar a cabeceira mais meridional do ribeirão Doce, e por êste abaixo até o Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE BORBOREMA:

Começam no rio Tietê, onde descarrega o ribeirão Doce, sobem por aquele até a barra do rio dos Porcos;

COM O MUNICÍPIO DE IBITINGA:

Começam no rio Tietê, na foz do rio dos Porcos e sobem pelo primeiro até a barra do rio Jacaré-Pepira;

COM O MUNICÍPIO DE BARIRÍ:

Começam no rio Tietê, na barra do rio Jacaré-Pepira, sobem por aquele até a barra do ribeirão do Veado;

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão do Veado, vão por êste acima até sua cabeceira mais ocidental e atingem depois o espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão Bonito, e, á esquerda as do rio Bauru, pelo qual caminham até cruzar o espigão divisor de águas do ribeirão Água Parada e rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE BAURÚ:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do Ribeirão Bonito, e, à esquerda , as do rio Baurú, onde cruza com o divisor de águas do ribeirão Água Parada e rio Tietê; pelo espigão mestre caminham até onde cruza com o divisor que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Água Parada e do córrego da Boa Vista ,e à direita, as do ribeirão do Clavinote, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE SOTURNA

O distrito de paz de Soturna, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Iacanga:
Começam no rio Tietê, na foz do córrego do Garça sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Claro, e, à esquerda, as do ribeirão Soturno, indo até a barra do ribeirão Jacuba ou de São Francisco, no ribeirão Claro, sobem por êste até a barra do ribeirão do Meio, e continuam pelo espigão que deixa, à direita as águas deste ultimo, e, à esquerda, as do ribeirão Claro, indo até cruzar com o espigão mestre Tietê-Batalha.

IBIRÁ

O município de Ibirá, comarca de Catanduva, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE POTIRENDABA:

Começam no rio Cubatão, na barra do córrego do Neto ou  Barro Preto , pelo qual sobem até sua cabeceira: vão daí em reta, a barra do córrego do Poço, no córrego da Roceira, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do córrego Pedro Martins, e, á direita as do córrego do São Domingos, até o divisor entre as águas do Ribeirão Borá, a esquerda, e as do ribeirão Barra Grande, á direita e por esse divisor continuam até a cabeceira mais ocidental da Água do Rosa,  pelo qual descem até o córrego do Paula Vieira;

COM O MUNICÍPIO DE CEDRAL:

Começam no córrego do Paula Vieira, na barra do Água do Rosa, descem por aquele até a barra do córrego da Limeira, continuam pelo espigão êntre as águas do córrego da Limeira continuam, pelo espigão êntre as águas do córrego da Limeira, a esquerda, e as do ribeirão Taperão, á direita até entroncar no espigão mestre das águas do rio São Domingos, à esquerda, e  as do Cubatão, à direita;

COM O MUNICÍPIO DE INACIO UCHÔA

Começam no espigão mestre êntre as águas dos rios São Domingos e Cubatão, no ponto de cruzamento com o Contraforte êntre as águas do córrego da Limeira, á direita, e as do ribeirão Taperão, a esquerda e prosseguem pelo espigão mestre até a cabeceira do córrego do Taquarí;

COM O MUNICÍPIO DE CATANDUVA:

Começam no espigão mestre êntre as águas dos rios São Domingos e Cubatão, na cabeceira do córrego Taquari, caminham pelo espigão mestre até a cabeceira do córrego das Bicas, continuam por êste até a foz do córrego Sobradinho e por êste até sua cabeceira mais meridional, seguindo daí em reta a barra do córrego São Berto, no rio Cubatão;

COM O MUNICÍPIO DE ITAJOBÍ

Começam no rio Cubatão na barra do córrego São Berto e descem por aquele até a barra do córrego Pitangueiras;

COM O MUNICÍPIO DE MUNDO NOVO:

Começam no rio Cubatão, na barra do córrego Pitangueiras e por aquele descem até a barra do córrego do Novo ou Barro Preto, onde participaram estas divisas.

IBITINGA

O município de Ibitinga, comarca do mesmo nome constituído do distrito de paz da sede e do de Cambara terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BORBOREMA:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o rio dos Porcos e sobem por êste até a foz do rio São Lourenço:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPOLIS

Começam no rio São Lourenço, onde faz barra o rio dos Porcos, sobem por aquele até a embocadura do córrego da Roseta e vão pelo espigão que deixa, a direita, as águas deste córrego e á esquerda, as do rio São Lourenço ao norte, e o ribeirão de São João, ao sul, e por êste caminham até a cabeceira do córrego do Sapo ou Macaubas;

COM O MUNICÍPIO DE TABATINGA:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio São Lourenço, ao norte, e as do ribeirão de São João, ao sul, na cabeceira do córrego do Sapo ou Macaubas, descem por êste até sua barra no ribeirão São João e por
êste ainda até a boca do córrego da Graminha, pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam pelo espigão em demanda da Barra do córrego da Jacutinga, no rio Jacaré Guassú  por êste acima até a ponte da Estrada de Rodagem que vai para Bariri, na propriedade do dr. Gastão Faria;

COM O MUNICÍPIO DE BOA ESPERANÇA:

Começam no rio Jacaré-Guassu, na ponte da Estrada de Rodagem que vai para Bariri, e vão, em reta, a cabeceira mais setentrional do córrego das Perdizes, pelo qual descem até o rio Jacaré-Pepira;

COM O MUNICÍPIO DE BARIRÍ:

Começam no rio Jacaré-Pepira na barra do córrego das Perdizes, vão por aquele abaixo até sua foz no rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE IACANGA:

Começam no rio Tietê, na foz do rio Jacaré-Pepira e descem pelo primeiro até a barra do rio dos Porcos, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE IBITINGA
CAMBARA:

O distrito de paz de Cambará, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Ibitinga:
Começam no espigão mestre São Lourenço, Jacaré-Guassú, no ponto de cruzamento com o contraforte entre as águas dos córregos da Roseta e do Algodoal, vão daí em reta á extremidade jusante da corredeira do Vamicanga, no rio Tietê.

IGARAPAVA

O município de Igarapava, comarca de igual nome, constituído dos distritos de paz da sede e os de Aramina e Buritis passa a ter as seguintes divisas;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam onde o rio do Carmo faz barra no rio Grande, vão por êste acima até a foz do ribeirão Sucurí;

COM O MUNICÍPIO DE PEDREGULHO:

Começam no rio Grande, onde desagua o ribeirão Sucurí, e por êste sobem até sua cabeceira, vão daí, em reta á barra do córrego de José Tomaz, no ribeirão Taquaral que passa no bairro dos Coxos, e desta barra prosseguem por uma nova reta, á barra do córrego do Sergio de Paula, no ribeirão São Pedro, sobem por aquele até a lagoa, na sua cabeceira, atingem o espigão entre as águas do ribeirão São Pedro e córrego da Posse, prosseguem por êste espigão até a cabeceira mais setentrional do córrego da Posse, vão daí em reta á cabeceira mais nororiental do córrego do Campo do Mimoso, descendo por êsse até a sua barra no ribeirão do Pari, próxima á séde da Fazenda do Parí, sobem pelo ribeirão do mesmo nome até a barra do córrego da Paixão, e por êste acima até sua cabeceira mais setentrional do galho da direita do córrego do Inhame, até o desaguado no rio Ponte Nova:

COM O MUNICÍPIO DE FRANCA:

Começam onde o córrego Inhame faz barra no rio Ponte Nova e vão por êste abaixo até a foz do ribeirão Geriquara:

COM O MUNICÍPIO DE ITUBERAVA:

Começam onde desagua o ribeirão Geriquara, no rio Ponte Nova, e descem por êste até sua confluência no rio do Carmo e por êste abaixo ate sua embocadura no rio  Grande, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE IGARAPAVA:
SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Igarapava, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BURITIS:

Começam no rio Pari, na foz do córrego Campo Mimoso, ganham em reta, de rumo leste-oeste, a ponta do aparado oriental da serra do Pari, e pelo aparado continuam até sua ponta setentrional, vão daí, em reta, atravessando o ribeirão do Fundão, a Pedra Vermelha, que fica no aparado da serra do Fundão, e por êste continuam, por todas as suas voltas ou Itambés, em demanda da cachoeira do córrego da Matinha, sobem por êste até sua cabeceira, alcançando a estrada de rodagem que da Vila Buritis, vai à cidade de Igarapava, e pela estrada continuando até encruzilhada do ramal que vai até a estação de Aramina;

IGUAPE

O município de Iguape, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede do município e do Registro, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE XIRIRICA:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Ribeira de Iguape, à esquerda, e as do rio Jacupiranga, à direita, em frente a cabeceira mais setentrional do ribeirão Quilombo, seguem pelo espigão mestre, que tem o nome local de Serra do Votuporanga, até a barra do rio Juquiá, no rio da Ribeira de Iguape, sobem por aquele até a boca do córrego dos Motas ou da Moita;

COM O MUNICÍPIO DE PRAINHA    
 
Começam no rio Juquiá, na foz do córrego dos Motas ou da Mota, sobem por êste até sua cabeceira mais oriental e continuam pelo espigão mestre que deixa, á esquerda, as águas do rio Juquiá, e são Lourenço, e, á direita,  as do rio Ribeira de Iguape, espigão mestre que tem o nome de Serra de Itatins, indo até o pião divisor dos rios do Peixe, Azeite e Comprido;

COM O MUNICÍPIO DE ITANHANHEN:

Começam no pião divisor dos rios do Peixe, Azeite e Comprido ou Una do Prelado, seguem pelo divisor entre as águas do rio Azeite, a esquerda, e as do rio comprido ou Una do Prelado, a direita, a direita , que tem o nome local de Serra de Itatins, ate cruzar com o espigão que deixa, a direita, as águas do rio Itingussu e, à esquerda, as cabeceiras do rio Guarau, avançam, pelo espigão até encontrar a cabeceira mais setentrional do córrego do Morro do Maceno, por êste abaixo até o rio Una do Prelado, e por êste ainda até  o Estreito do Mangue,  onde passa a linha telegráfica, ganham a rumo o leito do rio do outro lado do Estreito, descendo ao mar pelo braço da direita;

COM O MUNICÍPIO DE CANANÉIA:

Começam na Praia de Fora, no ponto em que termina o prolongamento da reta que, da ponta mais oriental da Ilha do Rodrigues vai à forquilha dos galhos das cabeceiras do rio Cadapuí, seguem pela réta até a ilha do Rodrigues, e daqui por nova réta, atingem a confluência do rio Nanáu, no ribeirão do Cordeiro e vão por êste acima até sua cabeceira, atingindo depois o espigão que deixa ao sul as águas deste rio, e ao norte as do Jacupiranga;

COM O MUNICÍPIO DE JACUPIRANGA:

Começam no espigão mestre, que deixa ao sul as águas do ribeirão ao Coldente , e, ao norte, as do no Jacupiranga, em frente a cabeceira do rio ribeirão do Cordeiro. Seguem pelo espigão até a cabeceira do córrego Arataca, pelo qual descem até sua foz no rio Pariquera-Assu e por êste ainda, até a barra do ribeirão Braço Preto, vão daí em reta á barra do ribeirão Quilombo, no rio Jacupiranga sobem por aquele até sua cabeceira mais setentrional e alcançam o espigão mestre entre as águas do rio da Ribeira de Iguape, à esquerda, e as do Jacupiranga, à direita, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE IGUAPE:
REGISTRO:

O distrito de paz de Registro terá as seguintes divisas Internas com  o distrito de paz da sede do município de Iguape:
Começam na Serra do Pouso Alto, espigão mêstre entre as águas do rio Juqui, ao norte, e as da Ribeira de Iguape, ao sul onde a serra cruza com o espigão que deixa,  a direita, as águas dos ribeirões Vermelho, Palmeiras e Pequeno, e, á esquerda, as do rio Guapiruva ou Guariruva ou Guaviruva, e  por este ultimo espigão caminha até a Ribeira de Iguape, vão deste ponto em reta á barra do rio Monburral ou Banburral no rio Jacupiranga e por nova réta, atingem o rio Pariquera-Assú na barra do córrego municipal e sóbem por aquele até onde o rio e cortado pela reta que da barra do rio Braço Preto, no rio Pariquera-Mirim, vai á boca do rio Quilombo no rio Jacupiranga.

COM O DISTRITO DE PAZ DE ARAMINA:

Começam na encruzilhada da estrada de rodagem, que da Vila de Buritis, vai á cidade de Igarapava, com o ramal que se dirige á estação de Aramina, prosseguem pelo eixo da primeira até encontrar a estrada Velha, e por esta caminham até frontear a cabeceira do córrego da Limeira que atingem, descendo pelo córrego até o ribeirão das Tabócas, e por êste abaixo até o rio Grande;

ARAMINA:

O distrito de paz de Aramina, terá as seguintes divisas internas:
COM O DISTRITO DE PAZ DE SÉDE DO MUNICÍPIO
Começam no rio Grande, na barra do ribeirão das Tabocas, sobem por êste e pelo córrego da Limeira até sua cabeceira mais meridional, alcançam a estrada velha que ia a Vila de Buritis, e pelo seu eixo caminham até entroncar na estrada nova, que da cidade de Igarapava vai áquela vila  caminhando por esta  até a encruzilhada do ramal que vai para a estação de Aramina;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BURITÍS:

Começam na estrada de rodagem que de Igarapava vai a Buritis, onde esta cruza com o ramal que vai á estação de Aramina, seguem pelo eixo dêste ramal até alcançar a cabeceira mais meridional do córrego dos Menezes, pelo qual descem até o ribeirão da Pedra Branca, e por êste acima até a boca do córrego dos Camilos, que sobem até sua cabeceira mais ocidental, até sua cabeceira mais ocidental, continuando depois pelo espigão que deixa, á esquerda o ribeirão da Bandeira e, a direita, o córrego da Estivinha, indo até a barra do Bandeira no rio do Carmo;

BURITÍS:

O distrito de paz de Burutís terá as seguintes divisas Internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ARAMINA:

Começam na barra do ribeirão da Bandeira, no rio do Carmo, seguem pelo espigão que deixa, à direita, aquele ribeirão, e, á esquerda, as águas do córrego da Estivinha, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego dos Camilos, pelo qual descem até a boca do córrego do Menezes pelo qual sobem até sua cabeceira, vão daí em reta, a cabeceira mais meridional do córrego do Paraíso onde fica a estrada de rodagem que vai para a estação de Aramina, seguem pelo eixo desta estrada e chegam até a encruzilhada com a estrada de rodagem que da Vila de Buritis vai a cidade de Igarapava;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na encruzilhada da estrada de rodagem que da cidade de Igarapava vai a vila de Buritis com o ramal que vai á estação de Aramina seguem pelo eixo da primeira até frontear a cabeceira do córrego da Matinha pelo qual descem até a cachoeira, continuam depois pelo aparado da serra do Fundão, em todas as suas voltas ou Itambés até a Pedra Vermelha, vão dai, em reta, á ponta mais setentrional da serra do Pari, atravessando o ribeirão do Fundão, e continuam pelo aparado desta ultima serra, até sua ponta oriental, onde acaba a reta de rumo do Campo Mimoso, no rio Parí, e por essa prosseguem até a confluência referida.

INDAIATUBA

O município de Indaiatuba, comarca de Itu, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MONTE-MOR

Começam no ribeirão Burú, na barra do córrego da Rosa, sóbem pelo ribeirão Burú até a barra do córrego Campo Bonito, seguem pelo espigão entre estas duas águas até o espigão mestre Tietê-Capivari, e por êste espigão, continuam até o divisor da margem direita do ribeirão Santa Adelina e por êste divisor continuam ate contraforte da margem direita do ribeirão Caninara e prosseguem pelo contraforte, que deixa a esquerda as águas deste ribeirão até a barra do ribeirão Campo Grande ou Manjolo Grande no rio Capivari-Mirim:

COM O MUNICÍPIO DE CAMPINAS:

Começam no rio Capivari-Mirim onde faz barra o ribeirão Campo Grande ou Monjolo Grande, e sobem pelo rio até o Tanque da Fazenda Bom Fim.

COM O MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ:

Começam no rio Capivari-Mirim no tanque da Fazenda Bom Fim sobem por êste e pelo córrego da Fazenda Quilombo até sua cabeceira mais meridional o espigão entre as águas do rio Capivari-Mirim ao norte e as do rio Jundiaí, ao sul, alcançam a cabeceira mais oriental do córrego da Fazenda Itatiba que nasce ao norte da Fazenda anta Tereza e por êste descem até o rio Jundiaí, vão por êste abaixo até a foz do ribeirão de Santa Rita e por êste acima até sua cabeceira mais meridional já no espigão  mestre entre as águas do rio Tietê ao sul, e as do rio Jundiaí, ao norte;

COM O MUNICÍPIO DE ITÚ:

Começam no espigão mestre entre ás águas do rio Jundiaí, ao norte, e as do rio Tietê, ao sul, na cabeceira mais meridional do ribeirão de Santa Rita  seguem pelo espigão mestre que deixa, á direita, as águas do córrego do Valério e, á esquerda, as do ribeirão Água Branca ou Cana Verde, indo até a barra do córrego Valerio no ribeirão da Grama;

COM O MUNICÍPIO DE SALTO:

Começam na confluencia do ribeirão Valerio, no ribeirão da Grama, seguem a rumo direito, em demanda da cabeceira mais oriental do córrego do Barreirinho, até o rio Jundiaí, pelo qual sobem até a barra do córrego Joanna Leite, e por êste acima, até sua cabeceira mais ocidental, indo pelo espigão fronteiro e pelo contraforte da margem esquerda do córrego até a confluência do córrego do Garcia, no ribeirão Burú e por êste acima até sua embocadura do córrego do Rosa onde tiveram início estas divisas.

IPAUSSÚ

O município de Ipaussú, comarca de Ourinhos, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CHAVANTES:

Começam no rio Paranapanema, no Poço da Faca seguem pelo espigão chamado d Ribeirão Bonito até cruzar com o espigão mestre Pardo-Paranapanema, caminham por êste á procurado cruzamento do contraforte que deixa, á direita, ás águas do ribeirão Mombuca, e, á esquerda, as do ribeirão Grande indo até a cabeceira do córrego Barreirinho;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO RIO PARDO:

Começam na cabeceira do córrego Barreirinho, vão daí, em reta, á barra do córrego do Feliciano no ribeirão da Monbuca e daí por nova reta, a barra do córrego do Gazola no ribeirão Palmeiras, sobem por êste até a boca do córrego Santa Cecilia e por êste acima até sua cabeceira;

COM O MUNICÍPIO DE BERNARDINO DE CAMPOS

Começam na cabeceira do córrego de Santa Cecília, seguem pelo espigão que deixa,  à direita, ás águas do ribeirão das Palmeiras e, á esquerda, as do ribeirão da Figueira, indo até cruzar com o  espigão mestre Pardo-Paranapanema, pelo qual caminham ate entroncar com o contraforte que deixa, á esquerda, as águas do córrego do Jeremias e da Água Virtuosa e, á direita as do córrego Luiz Pinto (que nasce junto com á estação do mesmo nome), indo até a confluência deste com o córrego do Jeremias  formadores do ribeirão Dourado e por êste abaixo até o rio Paranapanema;

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJU

Começam no rio Paranapanema,  na foz do ribeirão do Douradão, e seguem rio abaixo até o Poço da Faça,  onde tiveram inicio estas divisas.

IPORANGA

O município de Iporanga, comarca de Apiaí constituído dos distritos de paz da sede do de Barra do Turvo terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE APIAÍ :

Começam na Ribeira de Iguape,  onde faz barra o ribeirão de São Sebastião, seguem pelo espigão que deixa a direita, o ribeirão da Anta Gorda, e, á esquerda, as águas vertentes dos ribeirões Salitre, Santo Antonio e Gurutuva, alcançam a Serra da Boa Vista, pela qual caminham atravessando o rio Betari ou Passa Vinte e continuando por ela até o contraforte da margem direita do rio Betarizinho pelo qual caminham até a cordilheira do Paranapiacaba;

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA:

Começam a cordilheira do Paranapiacaba onde esta cruza com o divisor da margem direita do rio Betarizinho, seguem pela cumiada da margem direita do ribeirão Samambaia;

COM O MUNICÍPIO DE CAPÃO BONITO:

Começam na cordilheira do Paranapiacaba, onde esta cruza o espigão da margem direita do ribeirão Samambaia, prosseguem pela cordilheira até encontrar com a divisa que deixa, á direita, às águas do rio Pilôes, e á esquerda as do rio Pedro Cubas:

COM O MUNICÍPIO DE XIRIRICA:

Começam na cordilheira do Paranapiacaba, onde esta faz cruzamento com o divisor dos Pilôes, à direita, e Pedro Cubas,  a esquerda, seguem por êste divisor em demanda na cabeceira do rio Pedro, pelo que descem até sua foz no rio Pilões, á direita, e Pedro Cubas, á esquerda, seguem por êste divisor em demanda na cabeceira do rio Pedro, pelo qual descem até sua foz no rio Pilôes e por êste descem até sua barra no da Ribeira de Iguape; descem por êste até a embocadura  ao ribeirão Nhanguara, pede qual sobem até fez do córrego Morcêgo, e por êste acima até sua mais alta cabeceira alcançam o espigão fronteiro, continuam pelo divisor de águas dos rios Batatal, á esquerda,  Pardo a direita, até a Serra  da Onça, pela qual prosseguem em sua cumiada até alcançar o "divotium -acquarum" Turvo-Jacupiranga:

COM O MUNICÍPIO DE JACUPIRANGA

Começam no pião divisor dos rios Turvo-Batatal e Jacupiranga, prosseguem pelo contraforte Turvo-Jacupiranguinha até a Serra do Cadeado:

COM O ESTADO DO PARANÁ

Começam na Serra do Cadeado, onde cruza o divisor de águas dos rios Jacupiranga, à esquerda, e Turvo, á direita, seguem pela Serra até encontrar a cabeceira de rio Pardinho, descem por êste até sua confluência no rio Pardo, continuam por êste abaixo até a Ribeira de Iguape e por êste acima até a barra do ribeirão de São Sebastião, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE IPORANGA:
Barra do Turvo:

Fica creado o distrito de paz de Barra do Turvo, no MUNICÍPIO de Iporanga, o qual terá as seguintes divisas internas:
Começam no rio Pardo na foz do ribeirão do Frio e vão por êste acima até acima até sua cabeceira mais oriental, no espigão mestre Pardo - Batatal. 

ITAÍ


O município de Itaí, comarca de Avaré, constituído dos distritos de paz da sede e do Bom Sucesso, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CERQUEIRA CESAR:

Começam no rio Paranapanema, na foz do rio Taquari, sobem por aquele até a barra do ribeirão Preto;

COM O MUNICÍPIO DE AVARÉ:

Começam no rio Paranapanema, na foz do ribeirão Preto e sobem por aquele até  a barra do ribeirão Corrente:

COM O MUNICÍPIO DE ITATINGA

Começam no rio Paranapanema, na foz do ribeirão Corrente, sobem por aquele até a barra do rio Santo Inácio e seguem por êste acima até a embocadura do rio Jacú:

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA

Começam no rio Santo Inácio na foz do rio Jacú vão a êste acima até a barra da Água das Pedras, sobem por êste e pelo seu galho da direita, até sua cabeceira, meridional  transpõem os espigão mestre Paranapanema  Santo Inácio,em demanda da cabeceira do córrego do Brejo, que fica ma contravertente, descem por êste até o rio Paranapanema e prosseguem por êste acima até a embocadura do rio Apiaí:
COM O MUNICÍPIO DE BURÍ

Começam no rio Paranapanema, na foz do rio Apiaí sobem por êste até a barra do ribeirão da Enxovia e vão por êste acima até a cabeceira do ribeirão do Pinhal:

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA

Começam no ribeirão da Enxovia, na foz do ribeirão do Pinhal , seguem pelo espigão que deixa , á esquerda as águas dêste ultimo, contornam as cabeceiras do córrego do Tijuco Preto seguem pelo espigão entre as águas do rio Paranapanema, á direita, e as do ribeirão dos Carrapatos,  á esquerda,  pelo qual prosseguem até alcançar a cabeceira mais oriental do córrego da Fazenda Sumidouro; descem por êste até o ribeirão dos carrapatos  seguem por estê até o ribeirão dos carrapatos seguem êste abaixo até a barra do córrego da Olaria, continuam pelo espigão entre êste á esquerda, e o ribeirão dos Carrapatos, á direita, em demanda da cabeceira oriental do córrego do Laranjal e por êste a barra do córrego da Divisa;

COM O MUNICÍPIO DE ITABERÁ

Começam no córrego do Laranjal,  na barra do córrego da Divisa, descem por aquele até o rio Taquari  e por êste ainda até a foz do ribeirão Nhá-Cândida;

COM O MUNICÍPIO DE  ITAPORANGA:

Começam no rio Taquari, na foz do ribeirão Nha-Cândida e vão por aquele abaixo até a embocadura do ribeirão do Vaquejador:

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARI:

Começam no rio Taquari  na foz do ribeirão ao vaquejador e vão por aquele abaixo até a barra do ribeirão Bonito:

COM O MUNICÍPIO DE PIRAJÚ:

Começam no rio Taquari na barra do ribeirão Bonito e vão por aquele abaixo até sua confluência com o rio Paranapanema, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITAÍ
BOM SUCESSO:

O distrito de paz de Bom Sucesso, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no rio Paranapanema, na barra do ribeirão das Posses e vão por êste acima até sua cabeceira mais meridional, atingindo, a seguir, pelo espigão, a cabeceira mais oriental do córrego da Fazenda Sumidouro.

ITABERÁ

O município de Itaberá, comarca de Faxina, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPORANGA:

Começam no ribeirão da Pedra Branca, na foz da Água da Fazenda Velha, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional, vão daí em reta á cabeceira mais meridional do córrego do Passa Três, pelo qual descem até o rio Verde e por êste ainda até a barra do ribeirão da Forquilha, sobem por êste até a boca do córrego Turiba e continuam pelo espigão intermediário dessas duas  águas em direção ao espigão que deixa, á esquerda, as águas do córrego do Serrado, e, á direita, as do ribeirão da Ponte Alta, indo até junção dêsses dois cursos, vão desse ponto em reta, a cabeceira mais meridional do ribeirão Nha-Candida, descendo por êste até sua barra no rio Taquari.

COM O MUNICÍPIO DE ITAÍ

Começam no rio Taquari,  na foz do córrego Nha-Candida, sobem por aquele até a foz do córrego Laranjal, continuando por êste acima até a barra do córrego da Divisa:

COM O MUNICÍPIO DE FAXINA:

Começam no córrego Laranjal, na foz do córrego da Divisa, sobem por êste até cabeceira, seguem em demanda da cabeceira do córrego,  da Campina,  que fica na contravertente, pelo qual descem ao ribeirão do Caçador, continuam por êste acima até sua cabeceira mais meridional, alcançando depois a cabeceira mais ocidental do córrego Sarandi, que fica na contravertente; descem por êste ao ribeirão Timbuva e por êste Timbuva e por êste ao rio Taquari e por êste ainda até a barra do rio Pirituba, pelo qual sobem até a barra do córrego Piritubinha,  próxima á ponte da Estrada de Ferro Sorocabana sôbre o rio Verdinho:

COM O MUNICÍPIO DE ITARARÉ

Começam na ponte da Estrada de Ferro Sorocabana sobre o rio Verdinho, descem por êste até sua barra no rio Verde, pelo qual descem até a barra  do ribeirão da Pedra Branca, e por êste acima até a foz da Água da Fazenda Velha, onde tiveram inicio estas divisas.

ITAJUBÍ

O município de Itajobi, comarca de S. Adelia compreendendo os distritos de paz da sede e os de Aravapuama e Vila Roberto terá as seguintes:

COM O MUNICÍPIO DE MUNDO NOVO

Começam no ribeirão do Cervo Grande, onde faz barra o córrego das Palmeiras, vão por êste acima e pelo córrego Barro Preto, até a sua cabeceira mais setentrional, continuam em direção á cabeceira mais meridional do córrego Pitangueiras, pelo qual descem até sua barra no rio Cubatão:

COM O MUNICÍPIO DE IBIRÁ:

Começam no rio Cubatão onde faz barra o córrego Pitangueiras, sobem pelo rio Cubatão, até a barra do córrego São Berto;

COM O MUNICÍPIO DE CATANDUVA

Começam no rio Cubatão, na foz do córrego São Berto , sobem pelo rio Cubatão, até sua cabeceira mais oriental e atingem o pião divisor que separa as cabeceiras  deste rio e as dos córregos Jacuba e Sapé:

COM O MUNICÍPIO DE PINDORAMA:

Começam no pião divisor, que separa as cabeceiras do rio Cubatão, e córregos Barra Grande, Jacuba e Sapé, alcançam e descem pelo córrego Sapé e pelo Tijuco Preto, até sua confluência no córrego das Tabocas, formadores ambos do ribeirão Água Limpa;
COM O MUNICIPIO DE SANTA ADÉLIA

Começam na confluência dos córregos Tijuco Preto e Taboca, formadores ambos do ribeirão Água Limpa e por este abaixo até a foz do córrego da Divisa:
COM O MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS

Começam no ribeirão da Água Limpa na barra do córrego da Divisa sobem por êste até sua cabeceira seguem pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego Macaúbas, indo à cabeceira do córrego Limeira e por êste acima até a boca do córrego do Barreiro, subindo por êste até sua cabeceira e continuam pelo espigão ribeirão dos Porcos , ribeirão Palmeiras ou Fugidos até a cabeceira do córrego da Queimada;

COM O MUNICÍPIO DE BORBOREMA

Começam na cabeceira do córrego da Queimada, vão daí, em reta á cabeceira mais setentrional d córrego das Fugidinhos e alcançam o pião divisor das águas do ribeirão Fugidos, córrego espírito Santo e córrego do Inferninho;

COM O MUNICÍPIO DE NOVO HORIZONTE:

Começam no pião divisor do ribeirão dos Fugidos, Espírito Santo e córrego do Inferninho, prosseguem pelo divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão dos Fugidos, e, a esquerda as do ribeirão Três Pontes e continuam pelo espigão que deixa á direita, as águas do ribeirão Três Pontes e as do córrego de Manuel Carneiro, no ribeirão Três Pontes, vão daqui em reta, até o córrego da Sociedade, na Estrada que passa junto á venda da Fazenda Capão Grosso e continuam em reta até o ribeirão dos Mentecaptos no ponto em que êste é cortado pela estrada de rodagem que da Fazenda Capão Grosso vai á fazenda Água Limpa,  descem pelo córrego Água Limpa até sua barra no ribeirão do Cervo Grande e por êste abaixo até a barra do córrego Palmeiras onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE ITAJOBÍ:
SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Itajoba terá seguintes divisas Internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MARAPUAMA:

Começam no rio Cubatão, na barra do córrego do Tapeirão, seguem por êste córrego até o espigão da fazenda Aroeira e a do Cubatão, rumam por êste espigão até encontrar a extrema de Paulo Brida e sucessores de Arão da Costa Ribeiro, descem por êsta extrema até o córrego da Lagôa, pela qual sobem até encontrar a divisa de Antonio Pio seguindo por ela até encontrar a divisa de Antonio Pio, seguindo por ela ate encontrar o espigão divisor  das águas do córrego Aroeira e o da Lagôa. Sobem por êste córrego até encontrar a divisa dos sucessores de Carlos Hono rio de Andrade e Jose Mancini, na estrada que da Vila de Marapuama vai a cidade de Catanduva, rumam por está estrada até encontrar a estrada que vem de Marapuama, vai á cidade de Catanduva, rumam por esta estrada que vem de Itajobi, e por outra, até o rio Cubatão: 
COM O DISTRITO DE PAZ DE VILA ROBERTO
Começam no rio Cubatão, na barra da Água da Boa Vista, e vão em reta ate a nascente do córrego Felix Sampaio, pelo qual descem até o ribeirão Água Limpa e por este abaixo até o córrego da Divisa; 

MARAPUAMA

O distrito de paz Marapuama, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no rio Cubatão, na barra do córrego do Taperão, seguem por êste córrego até o espigão da Fazenda Aroeira e a do Cubatão , rumam por êste  espigão, até encontrar a extrema de Paulo Brida e sucessores de Carlos Honório de Andrade e José Chionini, e daí em linha reta até a casa de Cesar Mancine na estrada que da Vila de Marapuama vai a cidade de Catanduva, rumam por esta estrada até encontrar a estrada que vem de Itajobi e por outra, até o rio Cubatão.

DISTRITO DE PAZ DE VILA ROBERTO

O distrito de paz de Vila Roberto, terá as seguintes divisas internas cm o distrito de paz  da sede do município:
Começam no ribeirão Água Limpa, na foz do córrego da Divisa, sobem por aquele e pelo córrego Felix Sampaio até sua nascente e vão daí em reta á barra da Água da Boa Vista, no rio Cubatão.

ITANHAEN

O município de Itanhaém, comarca de Santos, constituído do distrito de paz da sede e do de Itariril terá as seguintes divisas:
 
COM O MUNICÍPIO DE PRAINHA:

Começam no pião divisor dos rios Peixe, Azeite, à direita, até a cabeceira mais ocidental do córrego do Emiliano, pelo qual descem até o rio Guanhanhan, descem por êste acima até sua cabeceira mais setentrional, já no divisor entre as águas do rio São Lourenço, ao norte, já no divisor entre as águas do rio Juquiá das do rio São Lourenço:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPECERICA:

Começam no divisor entre as águas do rio São Lourenço, a oeste, e as do rio Preto, a leste onde êste cruza com o espigão mestre entre as águas do rio Juquia, ao norte e São Lourenço, ao sul, prosseguem pelo divisor entre as águas dos rios Preto e Mambuu, ao sul e Juquiá e Embú-Guassú, ao norte, indo até a barra do ribeirão do Campo, no rio Embu-Guassú:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO VICENTE:

Começam na barra do ribeirão do Campo no rio Embú-Guassú ao norte e as do rio Branco, ao sul, e as do Capivari ao norte seguem por êste divisor indo até a confluência do Ribeirão Claro no rio Branco contornam pelo espigão fronteiro, as cabeceiras do córrego Guapíruvu e do rio Bichoro até atingir a Serra do Mongaguá, pela qual continuam até a forquilha dos dois principais formadores do rio Mongaguá e vão por êste abaixo até o mar:

COM O MUNICÍPIO DE IGUAPE:

Começam no mar, na barra do rio Una do Prelado, sobem pelo braço da esquerda até o Estreito do Manguete, onde passa a linha telegráfica e alcançam, a rumo, o leito do rio do outro lado do Estreito, sobem ainda pelo Una do Prelado até a barra do córrego do Morro do Maceno, caminham por êste acima até sua cabeceira mais setentrional, continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do rio Itingussú, e á direita as cabeceiras do rio Guaraú ganhando  alto da Serra dos Itatins, pela qual caminham até o pião divisor dos rios Peixe, Azeite, Comprido ou Una do Prelado, onde tiveram inicio estas divisas.

DISRTRITO DE PAZ DE ITANHAEN

ITARIRÍ

Ficou criado o distrito de paz de Itarirí, no município de Itanhaém, com sede na povoação do mesmo nome que terá as seguintes divisas internas com o distrito da paz de sede do município:
Começam no Oceano Atlântico, na barra do córrego Jacareú sobem por êste até sua cabeceira mais oriental alcançam o marco do Km 80 da Estrada de Ferro Sorocabana no ramal Santos - Juquiá, que fica fronteiro a essa cabeceira, vão do marco em reta, a barra do ribeirão Guachiru, no rio Preto sobem pelo Guachirú até sua cabeceira mais oriental, já no massiço chamado Morro Alto, seguem daí pelo espigão, á barra do ribeirão da Figueira, no rio Guanhanham e continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas dêste último, até o alto do espigão mestre que deixa, ao sul, as águas dos rios que vertem para o litoral e a morte, as do rio São Lourencinho.

ITAPECERICA

O município de Itapecerica comarca da Capital constituído do distrito de paz da séde e dos Juquitiba e Embú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE UNA:

Começam no rio Juquiá-Guassú, onde faz barra o córrego do Engano, sobem por aquele até a barra do rio Laranjeiras e vão por êste acima até sua cabeceira mais oriental, já na Serra de Itatuba:

COM O MUNICÍPIO DE COTIA

Começam na Serra de Itatuba, na cabeceira do rio das Laranjeiras, seguem pelo espigão entre as águas dos rios Capivari e Cotia, à esquerda, e as do rio Laranjeiras, á direita, passam pela Serra do Chiqueiro até encontrar com o divisor que deixa , à esquerda as do rio Cotia, e, á direita, as do rio Embú-Mirim, em demanda da cabeceira mais meridional do ribeirão de Mato-Dentro , pelo qual desce até sua barra no ribeirão da Ressaca, e por êste ainda, até a foz da Água da Ressaquinha, continuam pelo contraforte da margem esquerda dessa água até o espigão entre as águas do rio Cotia e Pirajussára e por êste espigão caminham passando pelo Morro do Vento até atingir o Morro do Jaraguaré em frente á cabeceira sudoriental do ribeirão Carapicuiba:

COM O MUNICÍPIO DA CAPITAL:

Começam no morro do Jaguaré, em frente á cabeceira mais oriental do córrego de Carapicuiba, seguem pelo espigão que deixa, á esquerda, ás águas do ribeirão Jaguare, e, á direita  as do ribeirão Poá, indo até a barra deste ultimo no ribeirão Pirajussara, sobem por êste até a boca do córrego Cecado Grande , e por êste acima até sua cabeceira , ganhando , depois o divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão Pirajussara, e, a  esquerda, as do rio Grande ou Jurubatuba  e as do rio Guarapiranga e pelo leito desta vão até a boca do rio Embú-Guassú, sobem por êste até a barra do ribeirão do Campo;

COM O MUNICÍPIO DE ITANHAEN:

Começam na barra do ribeirão do Campo no rio Embú-Guassú, prosseguem pelo divisor entre as águas dos rios Embú-Guassú e Juquiá, até a Serra do Bananal ou é o divisor entre o Preto e São Lourenço:

COM O MUNICÍPIO DE PRAINHA:

Começam na Serra do Bananal, divisora das águas entre o rio Preto, á esquerda, e,  São Lourenço, á direita, continuam pelo espigão mestre entre as águas dêste ultimo, ao sul, e as do rio Juquiá-Guassú, ao norte até encontrar a cabeceira do córrego do Engano, pelo qual crescem até o rio Juquiá-Guassú  onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITAPECERICA:
SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Itapecerica terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE EMBÚ: (EX-M’BOY)

Começam no ribeirão da Ressaca na barra da água da Ressaquinha, vão daí em reta á barra do Água do Sitido do Pilhaço, no ribeirão da Ponte Alta, continuam pelo espigão fronteiro em demanda da barra do córrego da Tapera do Americo no rio Embú-Mirim, descem por êste até a foz do córrego do Vale Velho e por êste acima  até sua cabeceira, ganhando depois o espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão Pirajussára, e, a direita, as do rio Embú-Mirim, pelo qual caminham até cruzar o contraforte da margem direita do rio Pirajussára.

COM O DISTRITO DE PAZ DE JUQUITIBA:

Começam no rio Embú-Guassú, na foz do ribeirão do Campo, ganhou o espigão que deixa à direita, as águas do ribeirão de Santa Rita, e, à esquerda, as do ribeirão da Cachoeira, galho final do rio Juquiá-Guassú, continuam por êste último espigão até frontear a cabeceira mais oriental do ribeirão da Varginha, ganham a cabeceira citada e pelo Varginha abaixo até o rio São Lourenço, sobem por êste até a foz do ribeirão da Barra e continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão dos Fischers, indo até o Morro do Cafesal, ganham a Serra de São Lourenço, pelo alto da qual caminham, indo depois, sempre, pelo espigão que separa as águas do rio São Lourenço das vertentes do rio Larangeiras, até a ponte sobre êste último, na estrada de rodagem que da cidade de Itapecerica vai à capéla das Larangeiras.

EMBÚ: (EX-M'BOY)

O distrito de paz de M'Boy, que passa a tratar-se Embú, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Pirajussára, e, à esquerda, as do rio Embú-Mirim, onde cruza o contraforte da margem direita do rio Pirajussára, seguem pelo espigão até a cabeceira do córrego do Valo Velho, descem por êste até o Embú-Mirim, e por êste acima até a foz do córrego da Tapéra do Americo, continuam pelo espigão fronteiro, em demanda da barra do córrego do Sítio do Palhaço no ribeirão Ponte Alta, e vão daí, em reta, à barra do Água da Ressaquinha no ribeirão da Ressaca:

JUQUITIBA:

O distrito de paz de Juquitiba terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam na ponte sobre o rio das Larangeiras, na estrada que da capéla do mesmo nome, vai à cidade de Itapecerica, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as vertentes do rio retro citado, e, à direita, as do rio São Lourenço, ganham o alto da Serra dêste último nome, passam pelo Morro do Cafesal e prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Fischers, indo até a embocadura do ribeirão da Barra no rio São Lourenço, pelo qual descem até a boca do ribeirão da Varginha e por êste acima até sua cabeceira mais oriental, continuando, depois pelo espigão que deixa, à direita, ás águas do ribeirão da Cachoeira, e, à esquerda, as do ribeirão de Santa Rita, indo em demanda da barra do ribeirão do Campo no rio Embú-Guassú.

ITAPETININGA

O município de Itapetininga, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da séde e os do Morro Alto Alambarí Gramadinho, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA:

Começam no rio Itapetininga, na barra do córrego Barreira, prosseguem pelo espigão da margem direita dêsse córrego em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego Angatuba e por êste descem até o rio Itanal do córrego Angatuba e por êste descem até o rio Itapetininga, pelo qual sóbem até a barra do ribeirão Currução, e vão por êste acima até a barra do córrego Vassoural;

COM O MUNICÍPIO DE GUARÉ:

Começam onde o córrego Vassoural faz barra no ribeirão, da Currução e daí vão em reta, à confluência do córrego de Antonio Furtado no ribeirão dos Macacos e sóbem êste até sua cabeceira mais oriental e continuam pelo espigão dos rios Guarei e Itapetininga, até a cabeceira mais meridional do rio Tatuí, pelo qual descem, até a barra do ribeirão das Araras;

COM O MUNICÍPIO DE TATUI:

Começam no rio Tatuí, onde faz barra o ribeirão das Araras, descem por aquele à barra do ribeirão Jurumirim, sóbem por êste e pelo seu afluente Pinheirinhos, até sua cabeceira sudoriental vão dai a rumo à cabeceira mais setentrional do córrego  que fica na contravertente e por êste descem até o córrego do Delfino e por êste ainda e pelo rio Alambarí, até sua confluência no rio Sarapuí;

COM O MUNICÍPIO DE CAMPO LARGO:    

Começam na barra do rio Alambarí, no rio Sarapuí, sóbem por êste até a foz do ribeirão da Divisa ou da Dúvida;

COM O MUNICÍPIO DE SARAPUÍ:

Começam no rio Sarapu, onde deságua o ribeirão da Divisa ou da Dúvida e por êste sóbem até a sua cabeceira mais ocidental, transpõem o espigão mestre Sarapui-Itapetininga, a procura da cabeceira mais oriental do córrego Varzea e por êste descem até o rio Itapetininga e por êste acusa até a barra do ribeirão do Bastião ou da Campina;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO MIGUEL ARACANJO

Começam no rio Itapetininga onde faz barra o ribeirão do Bastão ou da Campina, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais ocidental vão daqui em reta à barra do ribeirão Pulador no ribeirão do Soares e por êste descem até a barra do ribeirão Lavrinhas, prosseguem pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais oriental do braço da direita do ribeirão Santa Cruz do Matos, pelo qual descem até sua barra, no ribeirão Laranja Azeda indo daqui em reta a barra do ribeirão do Lagoão no ribeirão do Açude, ganham e seguem pelo espigão da margem esquerda do ribeirão do Lagoão em demanda no Morro Grande e vão daqui, em reta, a barra do córrego dos Almeidas no ribeirão Grande ou Faxinal, sóbem pelo córrego dos Almeidas até sua cabeceira e vão dai em reta à cabeceira do ribeirão da Cachaça, pela qual descem até sua foz no rio Turvo.

COM O MUNICÍPIO DE CAPÃO BONITO:

Começam no rio Turvo, onde desemboca o ribeirão da Cachaça, e vão por aquele abaixo até o rio Paranapanema e por êste abaixo até a foz do ribeirão Pedra Chata;

COM O MUNICÍPIO DE BURÍ:

Começam no rio Paranapanema, onde deságua o ribeirão Pedra Chata e vão por aquele abaixo até a barra do ribeirão da Pescaria, sóbem por êste até a barra do córrego do Veado Pardo e vão por êste acima até a sua cabeceira mais ocidental, atingem, a rumo, a cabeceira do córrego Barreira que fica na contravertente, e descendo por êste até o rio Itapetininga, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE ITAPETININGA:
SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Itapetininga terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MORRO ALTO:

Começam no rio Tatuí, na foz do córrego do Capão Alto, também chamado de Miguel Fonseca, sóbem por êste, pelo seu galho da direita até sua cabeceira que fica cêrca de um quilometro e meio da lêste da séde da fazenda Bela Vista, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dos rios Tatuí, e Alambarí, e à direita, as do ribeirão Ponte Alta, indo até frontear a cabeceira do córrego da fazenda Monte Alto, (afluente do córrego do Delfino);

COM O DISTRITO DE PAZ DE ALAMBARI:

Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas, do rio Alambarí, e, à direita, as do ribeirão Ponte Alta, em frente da cabeceira do córrego da fazenda Monte Alto (afluente do córrego do Delfino); continuam pelo espigão até alcançar a cabeceira do galho final mais ao norte do rio Alambari e por êste descem até aquele rio, vão dessa forquilha pelo espigão que deixa, à direita, as águas do Alambari, e as do córrego Belo Horizonte, e, à esquerda, as do ribeirão da Estiva, indo até a cabeceira do córrego da Varzea;

COM O DISTRITO DE PAZ DE GRAMADINHO:

Começam na cabeceira do córrego dos Almeidas, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Faxinal e rio Itapetininga, e à esquerda, as do rio Capivari, até a barra do córrego do Campo do Meio no rio Capivari e vão por êste abaixo até a barra do córrego do Areão, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais ocidental, alcançando a seguir a cabeceira mais nororiental do ribeirão da Pescaria, que fica na contravertente, pelo qual descem até a barra do córrego do Veado Pardo.

DISTRITO DE PAZ DE ALAMBARÍ:

O distrito de paz de Alambarí terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na cabeceira do córrego da Varzea, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste córrego e as do rio Alambarí, e, à direita, as do ribeirão da Estiva, indo até a forquilha dos dois maiores galhos finais do rio Alambarí sóbem pelo galho mais do norte até sua cabeceira, alcançam o espigão que deixa, à direita, as águas do rio Alambari, e, à esquerda, as do ribeirão da Ponte Alta, indo até frontear a cabeceira do córrego da fazenda Monte Alto;

COM O DISTRITO DE PAZ DE MORRO ALTO:

Começa no espigão que deixa, à direita, as águas do rio Alambari, e, à esquerda, as do ribeirão da Ponte Alta, em frente à cabeceira do córrego da fazenda Monte Alto, descem por êste até sua barra no córrego do Delfino e por êste ainda até a barra do córrego que fica na contravertente do córrego Pinheirinho.

DISTRITO DE PAZ DE GRAMADINHO:

O distrito de paz de Gramadinho terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Itapetininga:
Começam no ribeirão da Pescaria, na foz do córrego do Veado Pardo, sóbem por aquele até sua cabeceira mais nororiental, alcançam a cabeceira mais ocidental do córrego do Arcão, pelo qual descem até sua barra no rio Capivari e vão por êste acima até a boca do córrego do Campo do Mato, continuam pelo espigão intermediário a êsses dois curtos, e prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Capivari, e, à esquerda, as do rio Itapetininga e ribeirão do Faxinal, indo pelo espigão, até a cabeceira do córrego dos Almeidas.

DISTRITO DE PAZ DE MORRO ALTO:

O distrito de paz de Morro Alto terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ALAMBARÍ:

Começam no córrego do Delfino, na foz do córrego que fica na contravertente do córrego Pinheirinhos, sóbem pelo córrego do Delfino até a foz do córrego da fazenda Monte Alto, sóbem por êste até sua cabeceira, e alcançam o espigão que deixa à direita, as águas do rio Alambarí, e à esquerda, as do ribeirão Ponte Alta.

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão que deixa, à direita, as águas do rio Alambarí e, à esquerda, as do ribeirão da Ponte Alta, em frente à cabeceira do córrego da fazenda Monte Alto, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as mesmas águas do Ponte Alta, e, à direita, as do rio Tatuí, até atingir a cabeceira de galho da esquerda do córrego Capão Alto, também chamado de Miguel Fonseca, cabeceira, que fica a cêrca de um quilometro e meio a lêste da séde da fazenda Bela Vista, e pelo Capão Alto descem até o rio Tatuí.

ITAPIRA

O município de Itapira, comarca do mesmo nome terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MOGÍ-GUASSÚ:

Começa no rio Mogí-Guassú, onde faz barra o córrego da Fazenda Velha, sobem por aquele até a barra do ribeirão dos Porcos;

COM O MUNICÍPIO DE PINHAL:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde deságua o ribeirão dos Porcos e seguem por aquele acima até a embocadura do rio Eleuterio, pelo qual sobem até a foz do ribeirão Cavour nas divisas de Minas Gerais;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no rio Eleuterio, onde faz barra o ribeirão Cavour, sobem por aquele até o ponto fronteiro, à extremidade de um contraforte da Serra dos Coutos, próximo da ponte da Fazenda Velha, sobem por êste contraforte e pela Serra dos Coutos até onde cruza com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Coutos, e à esquerda do ribeirão da Água Quente;

COM O MUNICÍPIO DE LINDOIA:

Começam na Serra dos Coutos, onde esta cruza com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão do mesmo nome, e, à esquerda, as do ribeirão da Água Quente, seguem por esse divisor até a barra do ribeirão dos Coutos no rio do Peixe, atravessam o rio e prosseguem pela cumiada da Serra das Águas Claras, até onde esta entronca com o espigão que deixa, à direita, as águas do córrego de J. Machado e, à esquerda, as do ribeirão Tabaranas;

COM O MUNICÍPIO DE SERRA NEGRA:

Começam na Serra das Águas Claras, no cruzamento com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do córrego de J. Machado, e, à direita, as do ribeirão Tabaranas, seguem pela Serra até cruzar com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Cardosos, e, à esquerda, as do rio da Penha;

COM O MUNICÍPIO DE AMPARO:

Começam na Serra das Águas Claras, no cruzamento do espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Cardosos, e, à esquerda, as do rio da Penha, e pelo espigão caminham até a confluência do córrego do Morro Agudo no rio da Penha, tomam o espigão fronteiro e vão até o espigão mestre Peixe-Jaguarí, pelo qual caminham até frontear a cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge;

COM O MUNICÍPIO DE MOGÍ-MIRIM:

Começam no espigão mestre Peixe-Jaguari, em frente à cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge, seguem pelo espigão mestre até cruzar com o divisor que deixa, à esquerda, as águas do rio Mogi-Mirim, e, à direita, as do rio da Penha, e por êste divisor avançam em demanda da confluência do córrego da Calunga, no açude do rio Mogi-Mirim, descem por êste até a barra do córrego do Gola, vão daqui, em reta, à confluência do córrego do Lanhoso no córrego Santa Ana, e prosseguem pelo espigão em direção ao alto do Morro do Gravi, e atravessando-lhe a cumiada, pela sua ponta setentrional, contornam as cabeceiras do córrego do Gonçalves e atingem a nascente mais meridional do córrego da Fazenda Velha, pelo qual descem até o rio Mogi-Guassú, onde tiveram inicio estas divisas.

ITÁPOLIS

O município de Itapolis, comarca do mesmo nome, compreendendo os distritos de paz da séde do município e dos de Nova América e Tapinas, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BORBOREMA:

Começa no rio São Lourenço, na barra do ribeirão dos Porcos, sóbem por êste até a embocadura do córrego da Queimada e vão por êste acima até sua cabeceira mais setentrional;

COM O MUNICÍPIO DE ITAJOBÍ;

Começam na cabeceira do córrego da Queimada, procuram o espigão que deixa, a direita, as águas do ribeirão dos Porcos, e, à esquerda, as do ribeirão Palmeiras, alcançam a cabeceira do córrego do Barreiro descem por êste até o córrego das Formigas e por êste ainda até a barra do córrego da Limeira, pelo qual sóbem até sua cabeceira, contornam as cabeceiras do córrego Macaúbas e vão, pelo espigão até a cabeceira do córrego da Divisa pelo qual descem até o ribeirão da Água Limpa ou Três Barras;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ADELIA:

Começam no ribeirão Água Limpa ou Três Barras, no córrego da Divisa, descem por aquele até o ribeirão dos Porcos e vão por êste acima até a barra do córrego da Agulha.    
COM O MUNICÍPIO DE FERNANDO PRESTES:

Começam no ribeirão dos Porcos, na foz do córrego da Agulha, sóbem por aquele até a boca do córrego do Tanque ou da Areia;

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA:

Começam no ribeirão dos Porcos, na foz do córrego do Tanque ou da Areia, sobem por aquele até a barra do córrego São João, vão por êste acima e pelo córrego dos Três Galhos até sua cabeceira mais meridional, ganham, a rumo, o espigão mestre São Lourenço-Porcos, pelo qual caminham até a cabeceira mais setentrional do córrego Seco ou Lageadinho Velho e por este abaixo até a barra do córrego da Lanceta, pelo qual sóbem ate a boca do córrego Agulha e por êste ainda sua cabeceira, ganham a cabeceira na contravertente do córrego Lourenço e por êste descem ate o rio do mesmo nome;

COM O MUNICÍPIO DE MATÃO

Começam no rio São Lourenço, na foz do córrego do mesmo nome, sóbem por aquele até a boca do córrego da Lagoa e por êste acima e pelo córrego do Bonifácio ate sua cabeceira, daí em réta á barra do córrego dos Alemães no córrego da Venda e, por outra reta, a barra do córrego da Baixada no ribeirão do espírito Santo;

COM O MUNICÍPIO DE TABATINGA:

Começam no ribeirão Espírito Santo, na foz do córrego da Baixada, descem por aquele até a boca do córrego do Barreiro e por êste acima e pelo córrego do Torquato até sua cabeceira, ganham o espigão mestre São Lourenço-São João e por este prosseguem até cruzar com o contraforte que deixa, á esquerda, as águas do córrego do Sapo e, á direita, as do córrego Santana;

COM O MUNICÍPIO DE IBITINGA:

Começam no espigão mestre São Lourenço-São João, no cruzamento do contraforte que deixa, a esquerda, as águas do córrego do Sapo, e, a direita, as do córrego de Santana, seguem pelo espigão mestre ate entroncar com o espigão que deixa, á direita, as águas do córrego do Algodoal ou da Cacimba,e, á esquerda, as do córrego da Roseira, modo até a barra deste no rio São Lourenço, descem por êste ate a barra dêste no rio São Lourenço, descem por êste até a embocadura do ribeirão dos Porcos, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE ITAPOLIS:

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Itapolis terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAPINAS:

Começam no ribeirão dos Porcos, na foz do ribeirão Água Limpa ou Três Barras, seguem pelo espigão que deixa, á direita as águas dos córregos do Lenço e Monjolinho, e, a esquerda, as dos córregos Capituva, Bebedouro e Cachoeira, indo até o espigão mestre São Lourenço-Porcos, pelo qual caminham até frontear a cabeceira do córrego Biela ramo final do córrego Tijuco-Preto;
COM O DISTRITO DE PAZ DE NOVA AMÉRICA:
Começam no espigão mestre São Lourenço-Porcos, em frente à cabeceira do córrego Biela, ramo final do córrego Tijuco-Preto, descem por êste ate a sua confluência no córrego São Pedro, vão dai em réta a cabeceira do córrego do Retiro, pelo qual descem ate o rio São Lourenço e por êste acima ate a foz do córrego do mesmo nome;

DISTRITO DE PAZ DE NOVA AMÉRICA:

O distrito de paz de Nova America, terá as seguintes divisas internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam no rio São Lourenço, na foz do córrego do mesmo nome, descem por aquele até a boca do córrego do Retiro e vão por êste acima até sua cabeceira, vão daí, em réta, a barra do córrego do Tijuco Preto no córrego S. Pedro e continuam por aquele acima e pelo córrego do Bicia até sua cabeceira e ganham o espigão mestre São Lourenço-Porcos;

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAPINAS:

Começam no espigão mestre S. Lourenço-Porcos, em frente a cabeceira do córrego do Biela, ramo final do córrego Tijuco Preto, seguem pelo espigão mestre ate frontear a cabeceira mais meridional do córrego dos Três Galhos, ramo final córrego São João.

DISTRITO DE PAZ DE TAPINAS:

O Distrito de paz de Tapinas terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE NOVA AMÉRICA:

Começam no espigão mestre São Lourenço-Porcos, em frente á cabeceira mais meridional do córrego Três Galhos, ramo final do córrego de S. João, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego Biela, ramo final do córrego do Tijuco Preto;

COM O DISTRITO DE PAZ  DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam no espigão mestre S. Lourenço-Porcos, em frente á cabeceira do córrego do Biela, ramo final do córrego do Tijuco Preto, seguem pelo espigão mestre, até entroncar com o espigão que deixa, á direita, as águas dos córregos Cachoeira, Bebedouro e Capituva, e, a esquerda as dos córregos Monjolinho e do Lenço, indo até a barra do ribeirão Água Limpa ou Três Barras, no ribeirão dos Porcos.

ITAPORANGA

O município de Itaporanga, comarca do mesmo nome, constituido do distrito de paz da séde e dos de Coronel Macedo, e Ribeirão Vermelho terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE FARTURA:

Começam no rio Itararé, onde faz barra o rio Verde vão por êste acima até a barra do rio da Aldeia ou Barra Grande, continuam por êste até a foz do ribeirão da Ariranha, e por êste acima até sua cabeceira mais oriental, atingindo depois o espigão mestre entre as águas dos rios Itararé e Verde á direita e as do rio Taquarí, à esquerda;

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARÍ

Começam no espigão mestre entre as águas dos rios Verde e Itararé, á direita, e as do rio Taquari, á esquerda, em frente á cabeceira mais oriental do ribeirão da Ariranha, seguem pelo espigão mestre em demanda da barra do córrego da Divisa, no ribeirão Muniz, sobem pelo córrego da Divisa até sua cabeceira, procuram a cabeceira mais ocidental do córrego do Vaquejador e por êste abaixo até o rio Taquarí;

COM O MUNICÍPIO DE ITAI:

Começam no rio Taquarí, na foz do córrego do Vaquejador e sobem por aquele até a barra do córrego Nhá-Candida;

COM O MUNICÍPIO DE ITABERÁ:

Começa no rio Taquari, na foz do córrego Nhá-Candida, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, vão daí, em reta, á embocadura do córrego do Cerrado, no ribeirão Ponte Alta, seguem pelo espigão intermediário entre essas duas águas, deixando este ultimo á esquerda, até atingir o espigão mestre entre o rio Verde e o rio Taquarí, continuam pelo espigão que deixa a direita, as águas do córrego Turiba, e, á esquerda, as do ribeirão da Forquilha, até a junção dêsses dois cursos descem por êste ultimo até o rio Verde, e por êste acima até a sua cabeceira mais meridional da água da Fazenda Velha descendo por esta até sua barra no ribeirão da Pedra Branca;

COM O MUNICÍPIO DE ITARARÉ:

Começam no ribeirão da Pedra Branca, na foz da água da Fazenda Velha, sobem por aquele ate a barra da Água do Buraco Fundo, continuam por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, vão daqui á embocadura do córrego do Coronel Frutuoso, no ribeirão Vermelho, seguem dêsse ponto á cabeceira mais oriental do galho da esquerda, do ribeirão das Furnas, pelo qual descem até o ribeirão da Forquilha e por êste ao rio Itararé.

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio Itararé, na barra do ribeirão da Forquilha e descem por aquele até a barra do rio Verde, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE ITAPORANGA

SEDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da sede do município de Itaporanga, terá as seguintes divisas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CORONEL MACEDO:

Começam na Serra da Fartura, em frente a cabeceira mais oriental do ribeirão da Ariranha, continuam pelo contraforte que deixa á direita, as águas do córrego do China, e, á esquerda, as do ribeirão Barra Grande, indo até a confluência de ambos, seguem pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do Barra Grande, e, á direita, as do rio Verde, contornava as cabeceiras do ribeirão do Lageado, continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas dêste último, e, á esquerda as do ribeirão Branco indo até êste rio na barra do córrego da Ponte, seguem por êste até a ponte da estrada de rodagem que vai para a vila de Coronel Macedo e prosseguem pelo eixo da estrada até o ribeirão da Forquilha;

COM O DISTRITO DE PAZ DE RIBEIRÃO VERMELHO

Começam no rio Verde, na barra do ribeirão da Forquilha, descem por aquele até a embocadura do ribeirão do Passo da Anta, vão daí, em reta, á cabeceira do córrego Lindeiro e por êste descem até o ribeirão Vermelho e prosseguem pelo espigão fronteiro, que deixa, á esquerda, as águas do rib. Vermelho e as do ribeirão Laranja Azeda, até a barra dêste no rio Itararé;

CORONEL MACEDO

O distrito de paz de Coronel Macedo, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município de Itaporanga:
Começa no ribeirão da Forquilha, na ponte da estrada de rodagem que vai para a vila do Coronel Macedo seguem pelo eixo da mesma estrada até a ponte do córrego do mesmo nome, descem por êste até o ribeirão Branco e continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas dêste último, e, á esquerda, as do ribeirão do Lageado, contornam as cabeceiras dêste e prosseguem pelo divisor que deixa, á esquerda, as águas do rio Verde, e a direita, as do ribeirão Barra Grande, indo até a embocadura do córrego do China nêste último, e continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas do China, e, á esquerda, as do Barra Grande, até o alto da Serra da Fartura e por esta avançam até frontear a cabeceira mais oriental do ribeirão da Ariranha.

RIBEIRÃO VERMELHO

O distrito de paz de Ribeirão Vermelho, terá as seguintes divisas internas, com o distrito de paz da sede do município:
Começa no rio Itararé, na barra do ribeirão da Laranja Azeda, seguem pelo espigão que deixa, á direita, as águas dêste ultimo, indo até a boca do córrego Lindeiro no ribeirão Vermelho, seguem pelo córrego até sua cabeceira e daí em reta á foz do ribeirão do Passo da Anta do rio Verde, e por êste acima até a barra do ribeirão da Forquilha.

ITAPUÍ

O município de Bica de Pedra, que passa a denominar-se Itapui, comarca de Jaú, constituído do distrito de paz da séde e do de Floresta, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BARIRÍ:

Começa no rio Tietê, onde desagua o ribeirão Água Limpa, e vão por aquele até a barra do rio Jaú, e por êste ainda até a foz do ribeirão da Prata:

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no rio Jaú, na barra do ribeirão da Barra, e vão por aquele acima até a foz do córrego de Tonico Barbosa, também conhecido por Arca de Nóe, sobem por êste até sua cabeceira, e daí, vão em reta á cabeceira do córrego da Lagôa, e por esta abaixo até o ribeirão Barra Mansa e por êste ainda até o rio Tietê:

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam no rio Tietê, onde se lança o ribeirão Barra Mansa e descem por aquele até a foz do rio Bauru, sobem por êste até a barra do córrego Anhumas, daí prosseguem pelo espigão da margem direita do córrego Anhumas, até cruzar no divisor entre as águas do rio Baurú, de um lado e ribeirão Água Limpa, do outro e por êste divisor prosseguem em demanda da cabeceira do córrego da Pedra, pelo qual descem até o ribeirão Água Limpa, e por êste ainda até sua foz no rio Tietê, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITAPUÍ:

FLORESTA

O distrito de paz de Floresta terá como divisa internas com o distrito de paz da séde do município de Itapui, o rio Tietê, em toda a sua extensão, desce a barra do rio Baurú á foz do rio Jaú.
Este distrito com a área acima descrita, é nesta data, transferido do município de Pederneiras para o de Itabuí.

ITARARÉ

O município de Itararé, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPORANGA:
Começam no rio Itararé, onde faz barra o ribeirão da Forquilha, sobem por ^ste até a barra do ribeirão das Furnas e vão por êste acima até sua cabeceira mais oriental do galho da direita; seguem daqui em demanda da barra do córrego do Coronel Frutuoso no ribeirão Vermelho, desta barra prosseguem em demanda da nascente mais ocidental da Água do Buraco Fundo pela qual descem até sua barra no ribeirão da Pedra Branca e por êste abaixo até a foz da água da Fazenda Velha;

COM O MUNICÍPIO DE ITABERÁ:

Começam no ribeirão da Pedra Branca, na foz da água da Fazenda Velha, descem por aquêle até o rio Verde, sobem por este até a barra do ribeirão Verdinho e por este ainda, até a ponte da Estrada de Ferro  Sorocabana;
COM O MUNICÍPIO DE FAXINA;
Começam na ponte da Estrada de Ferro Sorocabana no rio Verdinho, alcançam e caminham pelo contraforte na margem direita, do ribeirão Jaubuca, em demanda da barra desse ribeirão, no rio Verde; sobem por este ate sua cabeceira mais meridional e continuam pelo espigão que deixa, a direita, as águas do rio Itararé, e, á esquerda, as do rio Pirituba, até a cabeceira mais ocidental do córrego das Lavras pelo qual descem até sua foz no ribeirão das Pedras;

COM O MUNICÍPIO DE APIAÍ:

Começam no ribeirão das Pedras, onde faz barra o córrego das Lavras, prosseguem pelo contraforte da margem direita do ribeirão das Pedras, até a Serra do Bom Sucesso e por esta Serra continuam até a cabeceira mais setentrional do rio Macaco;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam na cabeceira do rio Macaco, na Serra do Bom Sucesso, pelo qual prosseguem até a cabeceira do ribeirão Egua Morta, descem por êste até o rio Itararé e vão por êste abaixo até a barra do ribeirão da Forquilha, onde tiveram início estas divisas.

ITIRAPINA

O município de Itirapina comarca de Rio Claro constituído do distrito de paz da séde e do Itaqueri da Serra, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SÃO CARLOS:

Começam onde o ribeirão do Lobo faz barra no ribeirão do Feijão sóbem por êste até a foz do córrego do Lageadinho;

COM O MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS:

Começam onde o córrego do Lageadinho desagua no ribeirão do Feijão sóbem por aquele até sua cabeceira, vão daqui, em réta, à cabeceira mais meridional do córrego das Cóbras e daqui seguem pelo espigão entre as àguas do ribeirão do Feijão, de um lado, e rio Corumbatái, do outro, até cruzar com o divisor entre as águas do ribeirão do Retiro, à direita, e as do rio Corumbatái, à esquerda, prosseguem por êste divisor até a barra do córrego da Fazenda Santa Rita, no ribeirão do Retiro, vão desta barra, em réta, até a cabeceira mais meridional do ribeirão da Barra;

COM O MUNICÍPIO DE RIO CLARO:

Começam na cabeceira mais meridional do ribeirão da Barra, vão daqui a rumo, em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego da Serra e por este descem até o rio da Cabeça, pelo qual sobe, até a foz do córrego Tijuco Preto, subindo por êste até a sua cabeceira mais meridional transpõem o divisor, em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego que passa o oeste da Fazenda Passa Cinco e pelo córrego descem até o rio Passa Cinco, e por êste abaixo até a embocadura do rio Passa Cinco, e por este abaixo até a embocadura do ribeirão da Lapa, que passa a oeste da Fazenda de São João da Lapa, subindo pelo ribeirão até sua cabeceira sudoriental, já na Serra do Itaqueri vão daí, em reta, ao aparado da Serra do Itaquerí em frente a cabeceira mais oriental do ribeirão da Água Vermelha.

COM  O MUNICÍPIO DE SÃO PEDRO:

Começam na Serra do Itaquerí, em frente a cabeceira mais oriental do ribeirão da Água Vermelha, seguem pelo aparado ou quina da Serra até frontear o espigão que separa as águas do rio Passa Cinco, à direita, e ribeirão Jardim ou Pinheirinhos, à esquerda;

COM O MUNICÍPIO DE BRÓTAS;

Começa, no aparado da Serra Itaquerí onde êste fronteia o espigão que deixa, à direita, as águas do rio Passa Cinco, e,  à esquerda, as do ribeirão Jardim ou Pinheirinhos, prosseguem por êste espigão e pelo espigão divisor Tamanduá, à direita, e Pinheirinhos, à esquerda, até a cabeceira mais oriental do córrego da fazenda Santa Gertrudes, descem por êste até o ribeirão Tamanduá  e por êste abaixo até a  barra do córrego da Fazenda Santa Clara, pelo qual sóbem até sua cabeceira, continuam pelo espigão divisor, que deixa à esquerda, as águas dos ribeirões Tamanduá e Goiabal, e, à direita, as do ribeirão Itaquerí, em demanda da cabeceira mais meridional do ribeirão do Lobo, pelo qual descem até a sua foz no ribeirão do Feijão, onde tiveram começo estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITIRAPINA

ITAQUIRI DA SERRA

O distrito de paz de Itaquirí da Serra terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam na cabeceira do ribeirão do Lobo, ganham a cabeceira ocidental do córrego da Fazenda Santa Cruz, pelo qual descem ao ribeirão Itaquerí, vão dessa barra à cabeceira do galho do centro do córrego Espraiado e por êste abaixo até o rio Passa Cinco, descendo por êste até a barra do córrego Cachoeira, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais meridional do galho de leste, atingida depois, a rumo, o aparado da Serra do Itaquerí.

ITATIBA

O município de Itatíba, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e do de Morungaba, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE CAMPINAS;

Começam no alto da Serra dos Cocais em frente da cabeceira do córrego do Reservatório, prosseguem pelo Serra até cruzar o divisor que deixa, à direita, as águas que passam na fazenda de Joaquim Franco de Bento Pires de Almeida e as do córrego da fazenda de Jolí, continuam pelo divisor até a barra do córrego da fazenda Espírito Santo do Morro Agudo, no rio Atibaia, atravessam o rio em demando do alto do Morro Agudo do Franco e pelo espigão prosseguem até alcançar a Serra das Cabras, que separa as águas do rio das Cabras, de um lado, das do rio Atibaia, do outro prosseguindo pela crista da serra, contornando sempre as vertentes do rio das Cabras, até o contraforte que deixa, à esquerda as águas do córrego da Vendinha do Jaguarí e por êste contraforte seguem até a barra do referido córrego no rio Jaguarí;

COM O MUNICÍPIO DE PEDREIRA;

Começam no rio Jaguarí, na barra do córrego da Vendinha do Jaguarí, sobem pelo rio até a ponte de J. Soares na estrada, que vai ao bairro de Entre Monte:

COM O MUNICÍPIO DE AMPARO:

Começam no rio Jaguarí, na ponte de J. Soares na estrada que vai ao bairro do Entre Montes e continuam rio acima até a ponte de J. Marinho, que leva ao bairro das Onças;

COM O MUNICÍPIO DE BRAGANÇA;

Começam no rio Jaguarí, na ponte de J. Marinho, na estrada que leva ao bairro das Onças, e sobem pelo rio até a barra do ribeirão que vem da fazenda de Manuel Ferraz, pelo qual sobem até a cabeceira do braço sudoriental, transpõem o espigão entre as águas do rio Atibaia ao sul e as do rio Jaguarí, ao norte, e continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão da fazenda Velha, e, à direita, as do córrego da fazenda Bareiro, até a conjunção desses dois cursos, descendo depois pelo ribeirão da fazenda Velha até o rio Atibaia;

COM O MUNICÍPIO DE ATIBAIA:

Começam no rio Atibaia, onde desagua o ribeirão da fazenda Velha, descem por aquele rio até a barra do ribeirão do Morro Azul, e por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, alcançam o espigão entre as águas do rio Atibaia, ao norte, e as do Jundiaí, ao sul,e por êste prosseguem até cruzar com o espigão divisor da margem direita das águas do ribeirão Invernada ou Tanque;

COM O MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ;

Começam no espigão entre as águas do rio Atibaia, ao norte, e as do rio Jundiai, ao sul onde o espigão cruza com o divisor da margem direita das águas do ribeirão Invernada ou Tanque, seguem por êsse espigão até cruzar o divisor das águas do rio Capivarí-Mirim, à esquerda, e as do rio Alagado ou Pinhal, à direita, continuam por êste último espigão até a Serra do Jardim, que é o divisor entre as águas do rio dos Pinheiros, e as do rio Alagado ou Pinhal, e por esta prosseguem até a Serra dos Cocais, em frente, à cabeceira do córrego do Reservatório, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITATIBA:

MORUNGABA:

O distrito de paz de Morungaba terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Itatiba;
Começam na ponte de Eugenio Jolí, sôbre o rio Atibaia sobem por êste até a foz do córrego da fazenda Santa Bárbara e vão por êste acima até sua cabeceira mais oriental, e continuam pelo espigão mestre entre as águas do rio Jaguarí, ao norte, e as do rio Atibaia, ao sul, até cruzar com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da fazenda Velha, e, à direita, as do córrego da fazenda Barreiro.

ITATINGA

O município de Itatinga, comarca de Botucatu, constituído do distrito de paz da séde e do Lobo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BOTUCATÚ:

Começam no rio Pardo, onde faz barra do ribeirão do Tijuco Preto, sobem por aquele até a barra do córrego das Pedrinhas e por êste acima, até sua cabeceira mais ocidental, vão daí em reta à confluência do córrego da Divisa no rio das Pedras, e pelo rio das Pedras acima, até encontrar a barra do ribeirão do Atalho e por êste acima até sua cabeceira meridional, continuando pelo espigão que separa as águas do córrego da Fazenda Bôa Vista, a leste das da Fazenda da 5.ª Secção,  a oeste, até a confluência destas duas águas, formadoras do ribeirão da Posse, pelo qual descem até a sua barra no ribeirão Lageado e por êste abaixo até o rio Santo Inácio;

COM O MUNICÍPIO DE BOFETE:

Começam no rio Santo Inácio, onde desemboca o ribeirão do Lageado, descem por aquele até a barra do córrego da Estiva, também conhecido como Potreiro do Lima:

COM O MUNICÍPIO DE ANGATUBA:

Começam no rio Santo Inácio, onde deságua o córrego da Estiva ou Potreiro do Lima e vão por aquele até a barra do rio Jacú;

COM O MUNICÍPIO DE ITAI:

Começam no rio Inácio, onde descarrega o rio Jacú, e vão por aquele até sua confluência no rio Paranapanema e por êste ainda até a barra do ribeirão Corrente;

COM O MUNICÍPIO DE AVARÉ:

Começam no rio Paranapanema, onde se lança o ribeirão Corrente, seguem pelo espigão entre as águas dêste último, a leste, e as do ribeirão da Pedra Preta, a oeste até encontrar a cabeceira sudocidental do ribeirão Bonito e por êste abaixo até o rio Novo, vão desta confluência, em reta, à nascente do galho central do ribeirão do Tijuco Preto e por êste seguem até a sua barra no rio Pardo, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITATINGA :

LOBO:

O distrito de paz de lobo terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Itatinga:
Começam no ribeirão Bonito, na ponte da estrada de rodagem que leva a cidade de Avaré, seguem pelo eixo da estrada até Água do Morrinho de José Leite, descem por esta até o rio Novo, vão, depois, pelo divisor que deixa, à direita, as águas dêste rio, e, à esquerda, as do ribeirão do Lobo, até o alto do espigão mestre entre o Rio Novo e o rio das Pedras, seguindo, depois, pelo divisor ainda, até a barra do córrego do Saltinho, no rio das Pedras, continuando por fim, pelo espigão fronteiro, ate atingir o divortium aquarum entre o rio das Pedras, à esquerda, e o rio Pardo, à direita.

ITÚ

O município de Itú, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PORTO FELIZ;

Começam no espigão mestre Tietê-Sorocaba, onde êle cruza com o divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Conceição, e, à esquerda, as do rio Avecuia, seguem por êste último divisor e alcançam a cabeceira mais meridional do rio Caiacatinga, que nasce pouco ao sul da séde da Fazenda Copoavinha, descem pelo Caiacatinga até o rio Tietê e sobem por êste até a cabeceira de Itapocú;

COM O MUNICÍPIO DE SALTO:

Começam no rio Tietê, na cachoeira de Itapocú, sobem pelo tietê até a barra do rio Itaím, tomam o espigão que deixa, à direita, as águas dêste último, contornam as cabeceiras do córrego Frio e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Guarau, vão até a confluência dêste com o córrego da Cangica, sobem o Cangica até sua cabeceira oriental e, pelo espigão, procuram a cabeceira mais oriental do pequeno córrego Bananeira que desagua no rio tietê, pouco ao norte da séde da Fazenda Juru-mirim, descendo pelo citado córrego até o tietê e por êste acima até a barra do córrego do Sítio do Buraco, que desemboca junto à séde desta propriedade agrícola, tomam o espigão que deixa, á direita, as águas dêste córrego e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego da Bôa Vista, que nasce pouco ao sul da séde da Fazenda do mesmo nome, indo até a barra do citado córrego no rio Piraí, vão daqui em reta,à barra do ribeirão Cana Verde ou Água Branca, no ribeirão da Grama, sobem pelo ribeirão da Grama até  a barra do córrego do Valerio;

COM O MUNICÍPIO DE INDAIATUBA:

Começam no ribeirão da Grama, na barra do córrego do Valério, vão pelo espigão entre as águas dêste, à esquerda, e as do ribeirão Cana Verde ou Água Branca, à direita, até o espigão mestre Tietê-Jundiaí,em frente à cabeceira do ribeirão Santa Rita;

COM O MUNICÍPIO DE CABREÚVA:

Começam no espigão mestre Tietê-Jundiaí, me frente à cabeceira do ribeirão Santa Rita, seguem pelo espigão Pinhal-Jundiaí ate a cabeceira do córrego Municipal, pelo qual descem ao rio Pinhal, descem por êste até onde é cortado pela reta norte-sul que vem da barra do córrego da Fazenda Morro Grande no ribeirão Itaguá ou do Sítio do Tucunduva, que nasce na povoação de Itaguá, seguem pela reta até a citada barra, descem pelo Itaguá, seguem pela reta até a citada barra, descem pelo Itaguá ao rio Tietê e por êste sobem até a barra do rio Putribú ou Apotribú de Cima;

COM O MUNICÍPIO DE S. ROQUE:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o rio Putribu ou Apotribú de Cima, sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental, que nasce cerca de um quilometro ao norte da estação de D. Catarina, na E. F. Sorocabana, procuram o espigão que deixa as águas do ribeirão dos Cristais, córrego Olhos Dágua e ribeirão Mato Dentro, à esquerda, e as do ribeirão Varjão, a direita, pelo qual prosseguem em demanda da barra do ribeirão de Mato Dentro no rio Pirajibú;

COM O MUNICÍPIO DE SOROCABA;

Começam no rio Pirajibú, onde faz barra o ribeirão de Mato Dentro, sobem pelo rio até a barra do ribeirão do Varjão, vão desta barra pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais oriental do córrego Monteiro de Carvalho e por êste abaixo até o ribeirão da Tapéra Grande e por êste ainda até a barra do córrego do Eufrasio, pelo qual sobem até sua cabeceira mais setentrional, alcançam o espigão mestre Tietê-Sorocaba e por êle caminham até cruzar com o divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão da Conceição, e, à esquerda, as do rio Avecula, onde tiveram início estas divisas.

ITUVERAVA

O município de Ituverava, comarca do mesmo nome, constituído do distrito da sede e do de Miguelópolis, terá as seguintes divisas.

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS

Começam onde o rio Sapucaí faz barra no rio Grande, sobem por êste até a foz do rio do Carmo;

COM O MUNICÍPIO DE IGARAPAVA;

Começam no rio Grande, onde deságua o rio do Carmo, sóbem por êste até a barra do rio Ponte Nova e por êste acima até a foz do ribeirão Jeriquára;

COM O MUNICÍPIO DE FRANCA:

Começam no rio Ponte Nova na barra do ribeirão Jeriquará, pelo qual sobem até a barra do córrego Lageadinho, sobem ainda por êste até a sua cabeceira mais alta, atingem, depois o espigão divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão Capivarí, e, à esquerda, as do córrego Jeriquára e as do ribeirão São Luiz; prosseguem pelo espigão até a confluência do ribeirão São Luiz no ribeirão Japão, formando ambos o rio Sulapão, que nada mais é que a continuação do rio do Carmo, e por êste desce até a foz do córrego do Palmital, pelo qual sóbem até sua cabeceira mais meridional, atingem o espigão mestre, Carmo-Sapucaí, pelo qual prosseguem até o ponto de entroncamento dêste com o contraforte divisor das águas dos córregos Posses, afluentes do Salgado, e Paineiras afluente do Bocaína;

COM O MUNICÍPIO DE GUARÁ:

Começam no ponto de entroncamento do contraforte divisor Palmeiras - Posses com o divisor mestre Carmo - Sapucaí, prosseguem por êste divisor até frontear a cabeceira mais oriental, conhecida por córrego da Baixada, do ribeirão do Retiro da Mata, pelo qual descem até sua embocadura no rio Sapucaí;

COM O MUNICÍPIO DE S. JOAQUIM:

Começam onde o ribeirão do Retiro da Mata faz barra no Sapucaí, descem por êste até a fóz do Sucurí;

COM O MUNICÍPIO DE GUAIRA;

Começam onde o córrego do Sucuri faz barra no rio Sapucaí e vão por êste abaixo até desaguar no rio Grande, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE ITUVERAVA

MIGUELÓPOLIS

As divisas internas entre o distrito de paz de Miguelópolis e o da séde do município de Ituverava serão as seguintes:
Começam na barra do rio Carmo no rio Grande, continuam pelo espigão intermediário entre êsses dois cursos e pelo que deixa, à esquerda, as águas do córrego do Limão, e, à direita, as do córrego dos Borges, prosseguem pelo que deixa, à direita, as cabeceiras dêste último, e, as águas do córrego São Miguel e Paiva Lima, e à esquerda, as do córrego Fundo, indo pelo espigão até a Lagoa Grande que alimenta êste último córrego, cortam a lagoa e descem ao córrego Fundo, e, por êste abaixo até o rio Sapucaí.

JABOTICABAL

O município  de Jaboticabal, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da séde e dos de Córrego Rico Lusitania, Taiassú e Taiúva, Leia as Seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGI

Começam no córrego Barro Preto, na foz do córrego da Olaria descem por aquele até o rio Tabaranas, continuam pelo espigão que deixa, à direita as águas do córregos Tamanduá, atingem o espigão mestre entre os rios Turvo e Tabaranas e seguem por ele em demanda da cabeceira mais meridional do córrego do Burro e por este abaixo até o rio Turvo;

COM O MUNICÍPIO DE BEBEDOURO:

Começam no rio Turvo, na foz do córrego do Burro, sobem por aquele até a barra do córrego Água Limpa e por este acima até sua cabeceira oriental, ganham a cabeceira mais meridional do córrego Três Barras:

COM O MUNICÍPIO DE PITANGUEIRAS:

Começam na cabeceira mais meridional do córrego das Três Barras, vão em reta à cabeceira do córrego Fundo e por êste abaixo e pelo ribeirão Taquaral até o rio Mogi-Guassú, e por este sobem até a boca do ribeirão Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE SERTÃOZINHO:

Começam no rio Mogi-Guassú na barra do ribeirão Palmital e vão por aquele acima até a barra do córrego Triste ou do Açude.

COM O MUNICÍPIO DE GUARIBA:

Começam no rio Mogi-Guassú, na foz do córrego Triste ou de Açude, sobem por aquele até a boca do córrego Santa Izabel e por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as cabeceiras do córrego Anhumas, indo até atingir a cabeceira do córrego Dona Zilda, pelo qual descem até o córrego Gordura, por êste abaixo até o ribeirão Córrego Rico, por êste acima até a barra do córrego Fundo, por êste acima até a barra do córrego Fundo, por êste ainda, até a barra do córrego Estiva, vão em reta a foz do córrego da Fazenda do Côco no córrego do Côco.

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA:

Começam na barra do córrego da Fazenda do Côco no córrego do Côco, sobem por aquele até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego do Carrão e por este abaixo até o ribeirão do Córrego Rico e por êste acima até a boca do córrego do Rumo;

COM O MUNICÍPIO DE MONTE ALTO:

Começam no ribeirão impropriamente chamado Córrego Rico, na foz do córrego do Rumo, seguem pelo espigão fronteiro contornando as cabeceiras do córrego de José Crispim indo à cabeceira do córrego de Antonio Francisco, pelo qual descem até o córrego Fazenda Laranjal, e, por êste acima à sua nascente mais próxima do marco do Km. 364 do ramal de Jaboticabal da Companhia de Estradas de Ferro, vão daí em reta, à nascente do córrego da Graminha, conhecida com de Dona Candida, e daí, por nova réta, à nascente do córrego da Estiva, denominada Biagio, tomam o espigão mestre Turvo - Mogí-Guassú até frontear a cabeceira do córrego da Divisa pelo qual descem ao rio Turvo, continuam pelo contraforte fronteiro que deixa à esquerda as águas do córrego do j. Carvalho no ribeirão Tabaranas, prosseguem pelo espigão fronteiro que deixa, à direita, as águas do córrego Água-Suja, indo à barra do córrego da Olaria no córrego Barro Preto, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE JABOTICABAL

DISTRITO DE PAZ DA SÉDE:

O distrito de paz da sede terá as seguintes divisas:
COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIÚVA:

Começam na cabeceira sudocidental do córrego da Estiva, junto dos trilhos da Companhia Paulista, cerca de um km. e meio ao norte da Estação de Ibitirama e descem pelo Estiva até a ponte da estrada de rodagem que de Jaboticabal vai a Taiúva, seguem em reta à barra do córrego da Fazenda Bôa Sorte, no córrego do Cercadinho;

COM O DISTRITO DE PAZ DE LUSITANIA:

Começam na confluência do córrego da Fazenda Bôa Sorte no córrego do Cercadinho, descem por êste até o ribeirão Santa Rita, e vai por êste acima até a foz do córrego da Capela, pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam a rumo da cabeceira do córrego que desagua junto da séde da Fazenda Palmital, no ribeirão e vão por este abaixo até o rio Mogi-Guassú;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CÓRREGO RICO:

Começam no riuo Mogi-Guassú, na foz do ribeirão impropriamente chamado Córrego Rico, sobem por este até a barra do córrego do Mico e por êste acima até a ponte da estrada de rodagem que de Córrego Rico vai a Jaboticabal, seguem daí em reta até a ponte da estrada de rodagem que vai de Jaboticabal ao bairro do Côco sôbre o ribeirão Córrego Rico e continuam por êste acima até a barra do córrego Cartão.

CÓRREGO RICO

O distrito de paz do Córrego Rico terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede:
Começam no ribeirão impropriamente chamado Córrego Rico, onde desagua o córrego do Cartão, descem por aquele até a ponte da estrada de rodagem que do bairro do Côco vai à Jaboticabal, seguem daí até a ponte da estrada de rodagem que dá via de Córrego Rico, vai a Jaboticabal, sôbre o córrego do Mico, descem por êste até o ribeirão impropriamente chamado córrego Rico e este abaixo até o rio Mogi-Guassú.

LUSITANIA

O distrito de paz de Lusitania terá as seguintes divisas interinas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE:

Começam no rio Mogi-Guassú, na barra do ribeirão do Palmital, sobem por este até a barra do córrego que deságua junto da séde da fazenda do mesmo nome e vão por este acima até sua cabeceira, ganham, à rumo a cabeceira do córrego da Capela e por este abaixo até o ribeirão de Santa Rita, pelo qual descem até a boba do córrego do Cercadinho e por êste acima até a fóz do córrego da Fazenda Bôa Sorte;

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIUVA:

Começam no córrego do Cercadinho, onde desagua o córrego da Fazenda Boa Sorte, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste último e alcançam a cabeceira do córrego de A. Estrelina, pelo qual descem até o córrego Fundo.

TAIASSÚ

O distrito de paz de Taiassú, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz de Taiúva;
Começam no córrego da Água Limpa, na foz do córrego da Fazenda Santa Tecia, sobem por êste até sua cabeceira e continuam pelo espigão em demanda da barra do córrego do Barreiro no rio Turvo, indo por êste acima até a foz do córrego da Divisa;

TAIÚVA

O distrito de paz de Taiuva terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSÚ:

Começam no rio Turvo, na barra do córrego da Divisa, - descem pelo Turvo até a foz do córrego do Barreiro, continuam pelo espigão intermediário a essas duas águas em demanda da cabeceira - do córrego da Fazenda Santa Tecla, pelo qual descem até o córrego da Água Limpa;

COM O DITRITO DE PAZ DE LUSITANIA:

Começam no Córrego Fundo, na foz do córrego de A. Estrelina, sobem por este até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego da Fazenda Bôa Sorte, indo até a confluência deste último no córrego do Cercadinho;
COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE:

Começam na confluência do córrego da Fazenda Bôa Sorte no córrego do Cercadinho, vão dai em reta á ponte sôbre o córrego da Estiva, na estrada de rodagem que de Taiúva vai a Jaboticabal, e sobem pelo Estiva até sua cabeceira sudocidental, junto aos trilhos da Companhia Paulista, cerca de um km. e meio ao norte da estação de Ibitirama.

IBITIRAMA

Fica suprimido o distrito de paz de Ibitirama

JACAREÍ

O município de Jacareí, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ISABEL:

Começam no rio Paratel, na barra do córrego da margem direita que desemboca acima da ponte da Pigueira, descem pelo Paratel, até o primeiro córrego da margem esquerda, pelo qual sobem até a sua cabeceira, continuam pelo espigão fronteiro que deixa á direita, as águas do ribeirão Santo Argelo em demanda da barra do córrego Santa Cruz, no ribeirão  Santo Angelo; sobem por aquela até sua cabeceira mais oriental e continuam pelo espigão da margem direita do ribeirão do Brás, até a cabeceira do córrego da Divisa, pelo qual descem até a sua barra, no rio Jaguarí e pelo espigão fronteiro caminham até cruzar o contraforte que morre na barra do ribeirão Piuva, no rio do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS:

Começam no espigão entre as águas do rio do Peixe, à esquerda, e as do rio Jaguari, à direita, no ponto de cruzamento com o contraforte que morre 1.ª barra do ribeirão Piúva, no rio do Peixe, seguem pelo espigão até a cabeceira mais ocidental do galho da direita do ribeirão do Patrício, pelo qual descem até o rio Jaguari e por este ainda, até a barra do ribeirão Pinheiros, alcançam e prosseguem pelo divisor entre as águas do rio Jaguarí e Paraíba, em demanda da cachoeira do Poço, no rio Paraíba, pelo qual sobem até a barra do rio Comprido e por êste ainda, até sua cabeceira mais oriental, cerca de dois quilómetros a leste da fazenda Jardim; continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dos rios Serimbura e Potins, em demanda da barra do rio das Pedras, no rio Varador;

COM O MUNICÍPIO DE JAMBEIRO:

Começam na foz do rio das Pedras, no rio Varador, pelo qual descem até sua barra no rio Paraíba;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BRANCA:

Começam no rio Paraíba, na barra do rio Varador, descem até sua barra no rio Paraíba;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BRANCA:

Começam no rio Paraíba, na Barra do rio Varador, descem por aquêle até a barra do rio Potins;

COM O MUNICÍPIO DE GUARAREMA:

Começam no rio Paraíba, na barra do rio Potins seguem pelo espigão fronteiro até alcançar o massiço do morro das Pilulemas prosseguem por êste massiço passando pelo morro da Itapema, até alcançar a barra do córrego do Sr. Monéco, no rio Paraíba; sobem pelo córrego do Sr. Monéco no rio Paraíba; sobem pelo cabeceira, alcançam a cabeceira do córrego que fica na contravertente e que desemboca no rio Paratel, logo acima da ponte da Fiqueira, descem por êste córrego, até sua barra no rio Paratel onde tiveram inicio estas divisas.

JACUPIRANGA

O município de Jacupiranga, comarca de Xiririca, constituído do distrito de paz da séde e do de Pariquera-Assú, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE IPORANGA:

Começam na Serra do Cadeado, onde esta faz cruzamento com o "divortium acquarum" Turvo-Jacupiranga, seguem pelo "divortium" até o ponto em que êste cruza com o espigão divisor das águas dos rios Jacupiranguinha e Batatal:

COM O MUNICÍPIO DE XIRIRICA:

Começam na Serra que serve de divisor de águas entre o rio Turvo, à esquerda, e o rio Jacupiranguinha, à direita, no ponto em que êsse divisor entronca com a Serra do Descanso, seguem pela crista desta e pela do Macaco Branco e do Jaguarí, até a Serra do Hilario, que é início do divisor de águas da Ribeira de Iguape com o rio Jacupiranga e seguem por êsse divisor, que tem as denominações locais de Serra da Cutia e do Bananal Pequeno, até frontear a nascente mais setentrional do ribeirão Capinzal;

COM O MUNICÍPIO DE IGUAPE

Começam na nascente do ribeirão Capinzal, na Serra do Bananal Pequeno, descem por êle até a sua barra no rio Jacupiranga, dirigem-se dêste ponto, em reta, até a barra do ribeirão Branco Preto, no ribeirão Pariquera Mirim, sóbem por êste até a confluência do ribeirão Arataca e caminham por êste acima até sua cabeceira, continuando pela Serra do Pariquera-Assú até frontear a nascente mais setentrional do ribeirão Cordeiro;

COM O MUNICÍPIO DE CANAÉA:

Começam na Serra de Pariquera-Assú, onde nasce o ribeirão Cordeiro, prosseguem pela Serra, acompanhando a cumiada do divisor de Águas do rio Jacupiranga e seus afluentes, divisor que toma os nomes de Serras da Folha Larga, do Canha, do Itapitangu, do Mandira e do Taquarí, até o ponto de junção desta com as Serras Negra e do Cadeado:

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam na junção das Serras do Taquarí com a Serra do Cadeado e Serra Negra e prosseguem pela crista da Serra do Cadeado até entroncar com o divisor das águas dos rios Jacupiranguinha-Turvo, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE JACUPIRANGA, PARIQUERA-ASSÚ

O distrito de paz de Pariquera-Assú terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Jacupiranga:
Começam na Serra do Pariquera-Assú, que é o espigão mestre entre as águas que vertem para o rio Jacupiranga, à esquerda, e as que vertem para o litoral, à direita, no ponto de cruzamento com o espigão que deixa, à direita, as águas do rio Pariquera-Assú, e, à esquerda, as do ribeirão Canha e rio Jacupiranga, caminham por êste último espigão indo até a barra do ribeirão da Capinzal, no rio Jacupiranga, pelo qual descem até a barra do córrego Quilombo.

JAMBEIRO

O município de Jambeiro, comarca de Caçapava, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE JACAREÍ:

Começam no rio Paraíba, na barra do rio Varador sóbem por êste até a barra do rio das Pedras;

COM O MUNICÍPIO DE S. JOSÉ DOS CAMPOS:

Começam na confluência dos rios das Pedras e Varador, sóbem por aquele até sua cabeceira mais oriental, alcançam o alto da Serra do Jambeiro, e pela crista desta continuam até defrontar a cabeceira do ribeirão da Divisa;

COM O MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA:

Começam na Serra do Jambeiro, em frente a cabeceira do ribeirão da Divisa, seguem pela crista daquela até defrontar com a cabeceira do córrego da Fonsecada no bairro do mesmo nome;

COM O MUNICÍPIO DE REDENÇÃO

Começam na Serra do Jambeiro, de fronte à cabeceira do córrego da Fonsecada, descem por êste até o ribeirão Taperão ou Piraí, e por êste abaixo até a boca do ribeirão da Samambáia, pelo qual sóbem até a barra do córrego Santo Antonio e ainda por êste até a sua cabeceira, atingindo, depois, o alto do pião divisor entre as cabeceiras dêste ultimo e do ribeirão Três Monjolos e dos córregos dos Potes e do Franco;

COM O MUNICÍPIO DE PARAIBUNA:

Começam no pião divisor entre as cabeceiras dos córregos dos Potos e do Franco e as dos ribeirões Santo Antonio e Três Menjotos, prosseguem pelo espigão da margem direita do rio Paraíba, espigão conhecido como Serra da Samambaia até a cabeceira mais oriental do córrego Jataí pelo qual descem até o rio Paraíba e por êste ainda até o Funil, no mesmo rio;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BRANCA:

Começam no local denominado Funil, no rio Paraiba, desce pelo rio até a barra do rio Varador, onde tiveram inicio estas divisas.

JARDINÓPOLIS

O município de Jardinópolis, comarca de Batatais, constituído dos distritos de paz da sede e de Sarandi, passa a ter as seguintes divisas:

COMO O MUNICÍPIO DE PONTAL:

Começam no rio Pardo, onde desemboca o córrego Tamboril, descem por aquele até a barra do ribeirão da Mata da Chuva, vão pelo espigão que deixa, à esquerda, o ribeirão da Santa Quiteria, e, à direita, as do córrego Mata da Chuva, até a cabeceira do córrego Limeira;

COM O MUNICÍPIO DE ORLANDIA:

Começam na cabeceira do córrego da Limeira, no divisor entre as águas do ribeirão Santa Quiteria e córrego Mata da Chuva, vão dessa cabeceira, em retas, à cabeceira mais ocidental do galho da direita do córrego da fazenda S. Jerônimo, descem por êste até o ribeirão S. Barbara, sobem por êste e pelo ribeirão Engenho e pelo córrego da Onça até a sua cabeceira e vão dai, em reta, à barra do córrego da Lagoinha, no ribeirão de Santana;

COM O MUNICÍPIO DE BATATAIS:

Começam no ribeirão São Pedro, onde deságua o córrego da Lagoinha e descem por aquele até a embocadura do ribeirão da Mata;

COM O MUNICÍPIO DE BRODOSQUI:

Começam no ribeirão São Pedro, na barra do ribeirão da Mata, vão desse ponto, em reta, até a confluência do córrego do Claudino, no córrego São Felipe, e, daí, em reta, a confluência do córrego da fazenda Parnaiba, no ribeirão das Posses, prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Jacutinga, e, à esquerda, as do ribeirão do Silva, até o contraforte da margem esquerda do ribeirão Jacutinga e por esse contraforte caminham até a barra do citado ribeirão, no rio Pardo;

COM O MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO PRETO:

Começam onde o ribeirão Jacutinga se lança no rio Pardo e por este abaixo até a barra do córrego Jatobá.
COM O MUNICÍPIO DE SERTÃOZINHO
Começam no rio Pardo, onde faz barra o córrego Jatobá e descem por aquele até a barra do Tamboril, onde principiaram estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE JARDINÓPOLIS

SARANDÍ:

O distrito de paz de Sarandí, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Jardinópolis:
Começam no rio Pardo, na barra do ribeirão das Posses e vão pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas desses e vão pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas deste último curso, e, à direita, as dos córregos Santa Branca, Pedras e Jacutinga, indo até cruzar com o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Silva, e, à esquerda os do córrego Jacutinga.

JAÚ

O município de Jaú, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede e do de Potunduva, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE ITAPUÍ:

Começam no rio Tietê, onde desemboca o ribeirão Barra Mansa, sobem por êste até a foz do córrego da Lagôa e por êste acima até sua cabeceira, alcançam em reta a cabeceira mais ocidental do córrego de Tonico Barbosa, também conhecido como Arca de Noé, pelo qual vão até a barra do citado córrego no rio Jaú, descem por êste até a embocadura do ribeirão da Prata;

COM O MUNICÍPIO DE BARIRÍ

Começam na barra do ribeirão da Prata no rio Jaú, sobem pelo ribeirão da Prata até a foz do córrego da Fazenda Prata, e por êste acima até sua cabeceira e daí em reta até a cabeceira do córrego Taboca;

COM O MUNICÍPIO DE BOCAINA:

Começam na cabeceira do córrego da Taboca e vão por êste abaixo até o ribeirão da Prata, sobem por êste até a barra do córrego Curuzú, que nasce cêrca de um quilômetro ao norte da sede da Fazenda Curuzú, sobem pelo córrego até sua cabeceira, alcançam o espigão divisor entre as águas do ribeirão da Prata, à esquerda, e as do ribeirão Pouso Alegre, à direita, pelo qual caminham indo até a ponte sôbre o ribeirão Boa Vista, na estrada que vai à cidade de Bocaina, e daí em reta à cabeceira do córrego Macaco, e por êste abaixo e pelo ribeirão da Figueira, até o rio Jacaré-Pepira;

COM O MUNICÍPIO DE DOURADO:

Começam no rio Jacaré-Pepira, na foz do ribeirão da Figueira, sobem pelo rio até a bôca do córrego do Mosquito;

COM O MUNICÍPIO DE BROTAS:

Começam no rio Jacaré-Pepira, na foz do córrego do Mosquito e vão por êste acima, até sua cabeceira na Serra de Brotas;

COM O MUNICÍPIO DE DOIS CÓRREGOS

Começam na Serra de Brotas na cabeceira do córrego do Mosquito, vão daí em reta à barra do córrego Cemitério no ribeirão Figueira Vermelha, sobem por êste até sua cabeceira do galho do centro, ganham a cabeceira do ribeirão do Matão e por êste descem até o rio Jaú e por êste abaixo, até o rio São João e por êste acima até a foz do córrego do Gavião;

COM O MUNICÍPIO DE MINEIROS:

Começam no ribeirão São João, onde deságua o córrego Gavião, sobem por aquele até o córrego da Fazenda Santa Estefânia e por êste acima até sua cabeceira mais meridional, ganham a cabeceira do córrego de Eugênio Machado pelo qual descem até o córrego da Jacutinga e daí, em reta, ao espigão mestre Tietê-Jaú, em frente à cabeceira do córrego da fazenda Ferraz do Amaral;

COM O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA:

Começam no espigão mestre Tietê-Jaú, em frente à cabeceira do córrego da Fazenda Ferraz do Amaral, e daí seguem pelo espigão mestre em demanda da confluência do córrego da Trindade com o ribeirão Iguatemi, e por êste abaixo até o Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE BOCAIÚVA:

Começam no rio Tietê, onde desagua o ribeirão Iguatemi e descem pelo rio até a foz do ribeirão dos Patos;

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam onde o ribeirão dos Patos faz barra no rio Tietê, descem pelo Tietê até a barra do ribeirão Barra-Mansa, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE JAÚ:

POTUNDUVA

O distrito de paz de Potunduva terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no ribeirão Barra Mansa, na foz do córrego da Lagôa, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Ave-Maria, indo até a barra do córrego do Brejo, naquele ribeirão, sobem pelo Ave-Maria até a barra do córrego do Cerne e por êste acima até sua cabeceira, alcançam, depois, a rumo, o espigão mestre entre as águas do rio Tietê, ao sul, e as do rio Jaú, ao norte.

JOANÓPOLIS

O município de Joanópolis, comarca de Piracaia, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE BRAGANÇA:

Começam no rio Jacareí, onde faz barra o ribeirão do Mato Dentro, sobem por êste até sua cabeceira mais setentrional, transpõem o espigão entre as águas do rio Jacarei e as do Jaguarí, em demanda da cabeceira da contravertente do córrego do Piuca, descem por êste até o ribeirão dos Penteados e por êste acima até a barra do córrego da Extrema e por êste ainda até sua cabeceira mais oriental, prosseguem pelo contraforte a Pedra da Extrema e ainda pelo contraforte seguem até ao divisor de águas entre os rios Jacareí e Jaguarí, pelo qual vão até a Pedra da Guaraiuva, ponto culminante do Morro do Lobo;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS

Começam na pedra da Guaraiuva, ponto culminante do Morro do Lobo, seguem pela cumiada da serra até o Pico situado entre Estanislau Pereira e o bairro da Batatinha, daí prosseguem no rumo Sul e continuam pelo espigão da margem direita do córrego Dario, alcançando o rio Can-Can e continuam por um espigão da sua margem esquerda para atingir o divisor das águas da margem direita do Córrego do Abel, seguem por êsse divisor e por um espigão, para atravessar em seguida o córrego do Abel, cerca de dois Km. abaixo da capela do bairro do mesmo nome, continuam por um espigão que vai ter à Pedra do Abel e ao pico do Morro do Selado;

COMO O MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS:

Começam no pico do Morro do Selado, e continuam pelo divisor de águas do rio do Peixe e ribeirão do Guirra, à esquerda e rio do Moquem, à direita, até atingir a Serra do Guirra e por esta prosseguem até cruzar com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Guirra, e, à direita, as do rio das Cobras;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA IZABEL:

Começam na Serra do Guirra, onde esta cruza com o espigão que deixa, de um lado, as águas do rio do Guirra e, do outro as do rio das Cobras, continuam pela cumiada da Serra até encontrar com o espigão divisor das águas dos rios das Cobras e Carmo;

COM O MUNICÍPIO DE PIRACAIA:

Começam na Serra do Guirra, onde esta cruza com o espigão divisor das águas dos rios das Cobras e Carmo, seguem pelo espigão entre as águas do rio do Carmo, à esquerda, e à direita, o ribeirão do Moquem indo em demanda da barra do córrego de Santa Cruz de Piracaia no rio Cachoeira, vão desta confluência, pelo espigão, até o alto da Pedra de Piracaia, e daqui, em reta, até a junção do córrego de Antonio Jacinto no ribeirão dos Limas, que nasce na serra do mesmo nome, prosseguem pelo espigão da margem direita, do ribeirão do Barrocão em demanda da confluência dêste último no rio Jacareí e por êste abaixo até a foz do ribeirão de Mato Dentro, onde tiveram inicio estas divisas.

JOSÉ BONIFÁCIO

O município de José Bonifácio, compreendendo, além do distrito de paz da séde e os de Planalto e Ubarana, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MONTE APRAZIVEL:

Começam no rio Tietê, onde faz barra o ribeirão dos Ferreiros e vão por êste acima até a foz do ribeirão Bacuri e por êste acima até a barra do córrego de Tias ou Traz;

COM O MUNICÍPIO DE MIRASSOL:

Começam no ribeirão do Bacuri, na foz do córrego de Traz ou Tiaz, vão em reta à cabeceira do córrego do Siva, descem por êste ao ribeirão Jacaré e desse ponto, em reta oeste-léste, até o ribeirão da Fartura;

COM O MUNICÍPIO DE RIO PRETO

Começam no rio Fartura, onde êle é cortado pela reta oeste-léste que vem da barra do córrego do Silva no ribeirão Jacaré, descem por êste até a sua embocadura no rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE PROMISSÃO:

Começam no rio Tietê na foz do rio Fartura e descem por aquêle até a barra do ribeirão dos Patos;

COM O MUNICÍPIO DE AVANHANDAVA:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão dos Patos e vão por aquêle abaixo até a embocadura do ribeirão dos Ferreiras onde principiaram estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE JOSÉ BONIFÁCIO:

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de José Bonifácio terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE UBARANA:

Começam no rio Fartura, na barra do córrego Capivá, vão em reta, à barra do córrego Miú, no ribeirão da Bocaína, sobem o Miú até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego Retiro Queimado e por êste abaixo até o ribeirão da Corredeira;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PLANALTO:

Começam no ribeirão da Corredeira, na foz do córrego do Retiro Queimado, sobem por aquêle até sua cabeceira, vindo depois pelo espigão fronteiro até encontrar a reta que vai da barra do córrego do Tiaz ou Traz no ribeirão do Bacurí à barra do córrego Fundo no ribeirão do Jacaré;

PLANALTO

O distrito de paz de Planalto, transferido do município de Monte Aprazível, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam na reta que vai da barra do Córrego Fundo no ribeirão Jacaré, à confluência do córrego do Tiaz ou Traz no ribeirão Bacuri, onde ela corta o espigão que leva a cabeceira do ribeirão Corredeira, tomam pelo espigão até a cabeceira do citado ribeirão e por êle descem até a barra do córrego Retiro Queimado;

COM O DISTRITO DE PAZ DE UBARANA:

Começam no espigão Corredeira, na foz do córrego do Retiro Queimado e por êste descem até o rio Tietê;

UBARANA

O distrito de paz de Ubarana, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE PLANALTO:

Começam no rio Tietê, na foz do ribeirão Corredeira, sobem por êste acima até a barra do córrego Retiro Queimado;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão Corredeira na barra do córrego Retiro Queimado, sobem por êste até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego do Miu, descem por êste até o ribeirão da Bocaina e daí em reta à barra do córrego Capivá no ribeirão da Fartura.

JUNDIAÍ

O município de Jundiaí, comarca do mesmo nome, compreendendo o distrito de paz da séde e o de Rocinha, até as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE INDAIATUBA:

Começam no espigão mestre Tietê-Jundiaí, na cabeceira mais meridional do ribeirão de Santa Rita, descem por êste até o rio Jundiaí e subindo por êste até a barra do córrego da Fazenda Itatuba, vão pelo córrego acima até sua cabeceira mais oriental, que nasce ao norte da séde da Fazenda Santa Tereza, vão daí, em reta em demanda da cabeceira mais meridional do córrego da Fazenda Quilombo, e por êste descem até o rio Capivari-Mirim, no tanque da Fazenda Bom Fim:

COM O MUNICÍPIO DE CAMPINAS:


Começam no tanque da Fazenda Bom Fim, onde o córrego da Fazenda Quilombo deságua no rio Capivari-Mirim, sobem pelo córrego do Bom Fim  até sua cabeceira sudoriental, vão em reta à barra do córrego da Fazenda Rio da Prata no rio Capivari, sobem pelo rio até a barra do ribeirão do Moinho, daí prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, e as do córrego da Fazenda Santa Candida, à direita, e as do córrego São Bento, à esquerda, até o espigão mestre Capivari-Pinheiros, na estrada da rodagem estadual Jundiaí-Campinas, pela qual caminham até encontrar a reta leste-oéste, que vem da barra do córrego dos Ortizes, no ribeirão do Jardim, e por êste acima até a barra do córrego do Reservatório, e por êste ainda até sua cabeceira na Serra dos Cocais;


COM O MUNICÍPIO DE ITATIBA:


Começam, na Serra dos Cocais, em frente à cabeceira do córrego do Reservatório, seguem pela Serra até cruzar com o espigão divisor entre as águas do rio Atibaia, à esquerda, e as do rio Capívari, à direita, e pelo espigão prosseguem até cruzar no divisor da margem direita das águas do ribeirão Invernada ou Tanque;


COM O MUNICÍPIO DE ATIBAIA:


Começam no espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Tanque ou Invernada, onde êste espigão cruza com o divisor das águas dos rios Alagado ou Pinhal e as do rio Jundiaí-Mirim, seguem pelo espigão até a barra do ribeirão do Tanque no rio Jundiaí-Mirim, sobem por êste até a foz do ribeirão do Perdão, e por êste acima até sua cabeceira mais oriental, e prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Maracanã, em demanda da barra do ribeirão das Táipas no rio Jundiaí, continuando pelo espigão depois de atravessar o rio que separa as águas do ribeirão das Táipas, á esquerda, das do ribeirão da Fazenda Velha ou das Éguas, à direita, até alcançar o alto da Serra do Botujurú:


COMO O MUNICÍPIO DE JUQUERÍ:


Começam na Serra do Botujurú, onde esta cruza com o espigão que separa as águas do ribeirão das Táipas, à esquerda, e as do ribeirão das Éguas ou Fazenda Velha, à direita, seguem pela crista da Serra, que é o "divortium acquarum", entre as águas do rio Jundiaí, ao norte, e as do rio Juquerí, ao Sul, até a serra do Cristais, caminhado pela sua cumiada, até frontear a cabeceira mais setentrional do ribeirão Tabuões;


COM O MUNICÍPIO DE PARNAÍBA


Começam na Serra dos Cristais, na cabeceira mais setentrional do ribeirão Tabuões, prosseguem pela Serra em demanda da cabeceira mais oriental do córrego da Fazenda, pelo qual descem até o ribeirão Cachoeira, conhecido como córrego Guapiara, descem por êste até sua confluência com o ribeirão Caáguassú, onde ambos  formam o rio Jundíuvira;


COM O MUNICÍPIO DE CABREUVA


Começa na confluência dos ribeirões Cachoeira e Caáguassú, onde ambos formam o rio Jundiuvira, e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Caáguassú, conhecido pelo nome de espigão de São Bento, e que é um contraforte da Serra de Japi, alcançam esta Serra e por sua crista continuam, contornando as cabeceiras do rio Guaxinduva, até frontear a cabeceira sudorientala do ribeirão da Cachoeira, afluente do ribeirão Caxambú, e descem por aquele até a barra do córrego Caracol, e prosseguem pelo espigão a que deixa as águas dêste córrego, à esquerda, até cruzar com o espigão mestre entre ás águas do rio Jundiaí, ao norte, e as do rio Tietê e Jacaré ou Pinhal, ao sul, e por êste espigão mestre caminham até a cabeceira mais meridional do ribeirão de Santa Rita, onde tiveram início estas divisas.


DISTRITO DE PAZ DE JUNDIAÍ:


ROCINHA:


O distrito de paz de Rocinha terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município;

Começam no rio Capivari, na foz do ribeirão do Moinho, e vão por êste acima até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão que deixa esquerda, as águas do rio Capivari, e à direita, as do rio Jundiaí, indo até a barra do córrego do Traviú no córrego do Sapezal, vão daí,em reta, à embocadura do córrego do Currupira, no rio Capivari, e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Capivari, e, à esquerda, as do córrego do Engenho Sêco, até cruzar com o espigão mestre entre as águas do rio Jundiaí, à direita, e  rio Pinhal, a esquerda.

JUQUERÍ


O município de Juquerí, comarca da Capital, constituído dos distritos de paz da séde e dos de Caieiras e Franco da Rocha, terá as seguintes divisas:


COM O MUNICÍPIO DE JUNDIAÍ:


Começa na Serra dos Cristais, na cabeceira setentrional do ribeirão Tabuões, seguem pela crista da serra e pela da de Botujurú até cruzar com o espigão que deixa à esquerda, o ribeirão das Éguas ou da Fazenda Velha, e, à direita, o ribeirão das Taipas:


COM O MUNICÍPIO DE ATIBAIA:


Começam na Serra do Botujurú, onde se entronca com o espigão que deixa, à esquerda, o ribeirão das Éguas ou da Fazenda Velha, e, á direita, o ribeirão Taipas, seguem pela crista da Serra até a confluência do córrego da Cangica no rio Jundiaí, atravessam o rio e continuam pelo espigão fronteiro até atingir o divisor entre as águas do rio Jundiaí, ao Sul, as do rio Atibaia, ao norte, pelo qual seguem até a Serra da Pedra Vermelha, prosseguindo por esta até o pião divisor entre os rios Jundiái, Onofre e Cachoeirinha:


COM O MUNICÍPIO DE NAZARÉ:


Começam na Serra da Pedra Vermelha, no pião divisor entre as águas dos rios Jundiaí, Onofre e Cachoeirinha, prosseguem pelo espigão chamado dos Remédios e as do ribeirão Matro Dentro, até atingir a confluência do córrego da Ponte Alta no rio Juquerí, atravessam o rio seguindo pelo espigão fronteiro em demanda do massiço denominado Morro do Zorelho e pela cumiada dêste continuam e pela da Serra Guavirutuba, contornando as cabeceiras do ribeirão da Tapera Grande, alcançam a Serra do Gil ou de Itaberaba:


COM O MUNICÍPIO DE GUARULHOS:


Começam na Serra do Gil ou de Itaberaba, onde esta cruza o espigão que contorna as cabeceiras do ribeirão da Tapera Grande, separando-as das do ribeirão dos Pinheirinhos ou Quilombo, cabeceiras do rio Juquerí, prosseguem pela cumiada da Serra, que é o divisor entre as águas do rio Tietê, ao sul e as do rio Juquerí, ao norte, até a Serra de Pirucaia, onde ela cruza com Serra do Capitão Freire, ou Mata Fria:


COM O MUNICÍPIO DA CAPITAL:


Começam na Serra de Pirucaia, onde ela cruza com a Serra do Capitão Freire, ou Mata Fria e pela direita desta e pela Serra da Cantareira caminham até alcançar a cabeceira mais meridional do ribeirão dos Pinheirinhos, pelo qual descem até o rio Juquerí, descem por êste até a barra do ribeirão dos Perús prosseguem desta barra, pelo contraforte da margem direita em demanda do Morro do Tico-Tico e dêste continuam pelo espigão da margem esquerda do rio Juquerí e pelo divisor que deixa, à esquerda, as águas dêste rio e à direita as do córrego do Itaim afluente do Tabuões até cruzar com a reta de rumo norte sul que parte da barra do córrego do Itaim no rio Juquerí:


COM O MUNICÍPIO DE PARNAÍBA:


Começam no espigão entre as águas do rio Juquerí e as do córrego do Itaim, afluente do rio Tabuões, onde é cortado pela reta norte-sul que vem da barra do córrego do Itaim no rio Juquerí, continuam por essa reta até o espigão divisor das águas dos córregos do Itaim e Olhos D’água, vão dêste ponto por nova reta à barra do córrego do Felix no ribeirão Tabuões, sobem por êste ribeirão até sua cabeceira mais setentrional na Serra dos Cristais, onde tiveram início estas divisas.


DISTRITOS DE PAZ DE JUQUERÍ:


SÉDE DO MUNICÍPIO:


O distrito de paz da séde do município de Juquerí, terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DE CAIEIRAS:


Começam na Serra da Cantareira, onde ela cruza com a Serra do Ajuá, seguem pela crista desta até frontear a cabeceira mais sudoriental do ribeirão Cresciuma:


COM O DISTRITO DE PAZ DE FRANCO DA ROCHA:


Começam na Serra de Ajuá, em frente da cabeceira sudoriental do ribeirão Cresciuma, seguem pelo alto da Serra em demanda da barra do córrego do Engenho no ribeirão de Santa Inês e vão por êste abaixo até sua barra no rio Juqueri, continuam pelo espigão fronteiro até a barra do córrego da Estiva no ribeirão do Itaim, e daí pelo espigão fronteiro até a barra do córrego da Estiva no ribeirão do Itaim, e daí pelo espigão que deixa á direita as águas Estiva, e á esquerda as do ribeirão do Eusebio vão até a cabeceira mais meridional dêste, atingindo, a rumo, o alto da Serra do Botujurú:

CAIEIRAS

Fica criado o distrito de paz de Caieiras, no município de Juqueri, o qual terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE FRANCO DA ROCHA:
 
Começam no espigão divisor das águas do córrego do Felix á esquerda e do córrego Olhos Dágua á direita no ponto em que é cortado pela reta norte-sul que parte da barra do córrego Itaim no rio Juqueri seguem pelo espigão que deixa as águas do Felix á esquerda, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego do Tanque Velho descem por êste até o córrego dos Abreus e por êste  abaixo, até o rio Juqueri pelo qual descem até a boca do ribeirão do Cresciuma, e subindo por êste até sua cabeceira sudoriental, atingem o alto da Serra do Ajuá:
COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:
Começam  na Serra do Ajuá em frente da cabeceira sudoriental do ribeirão Cresciuma e seguem pela crista da Serra até seu cruzamento com a Serra da Cantareira:

DISTRITO DE PAZ DE JUQUERÍ:

O distrito de paz de Franco da Rocha terá como divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO

Começam na Serra do Botujurú, em frente da cabeceira mais setentrional do ribeirão do Eusebio continuam pelo espigão que deixa, á direita , as águas dêste ribeirão e, á esquerda as do córrego da Estiva, indo até a barra dêste no ribeirão do Itaim, seguem pelo espigão fronteiro em demanda do Alto da Serra do Juqueri e por ela continuam até a barra do ribeirão de Santa Inês no rio Juqueri, sobem por aquele até a foz do córrego do Engenho, e alcançam a seguir a Serra do Ajué pelo alto da qual caminham até frontear a cabeceira sudoriental do ribeirão Cresciuma:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CAIEIRAS:

Começam no alto da Serra do Ajuá em frente á cabeceira sudoriental do ribeirão Cresciuma, e seguem pela crista da Serra ate seu entrocamento na Serra da Cantareira.

LARANJAL

O município de Laranjal comarca de Tietê, constituído do distrito da sede e do de Laras, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRACICABA

Começam no rio Tietê, onde faz barra o córrego das Flores, em frente á ilha do mesmo nome, prosseguem pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas dêsse córrego e, á cabeceira mais ocidental do córrego da Divisa Nova,  pelo qual descem no ribeirão dos Ponces e por êste até a sua cabeceira mais setentrional, daqui, em reta, ao salto do ribeirão das Perdeneiras:

COM O MUNICÍPIO DE TIETÊ

Começam no Salto do ribeirão das Perdeneiras, descem por êste até o rio Tietê e vão por êste acima até a cachoeira do Matias, vão daí em reta á ponte da estrada de Ferro Sorocabana sôbre o rio Sorocabana, sobem pelo rio Sorocabana até o salto e vão daqui, em reta, até a barra do ribeirão da Onça no rio Sorocaba:

COM O MUNICÍPIO DE TATUÍ

Começam no rio Sorocaba, onde faz barra o ribeirão da Onça, sobem por êste até a barra do ribeirão de Dentro e por êste acima  até a foz do córrego das Perobas ;

COM O MUNICÍPIO DE PEREIRAS :

Começam onde o córrego das Perobas faz barra no ribeirão de Dentro, seguem pelo espigão da Margem esquerda do córrego das Perobas, até a cabeceira mais meridional do ribeirão das Abóboras e por êste abaixo até o ribeirão do Queimador ou do Bicame e por êste ainda até a barra do Água do Bernadinho, seguindo depois pelo espigão que deixa, as do córrego do Bicame, até a confluência das duas principais nascentes do córrego do Picante. Daí prosseguem pelo divisor que separa estas duas nascentes e continuam pelo espigão entre as águas do rio Sorocaba, a leste, e as do rio das Conchas,  a oeste,  até  a cabeceira mais oriental do Água Espanhola;

COM O MUNICÍPIO DE CONCHAS:

Começam na cabeceira mais oriental da Água da Espanhola, continuam pelo espigão Tietê - Conchas até cruzar com o espigão dos Morais, indo daí em demanda da cabeceira mais meridional do ribeirão do Pará, conhecido pelo nome de córrego de Luiz Ribeiro e descem pelo ribeirão até o rio Tietê e por êste abaixo até a barra do córrego das Flores,  onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE LARANJAL
LARAS:

O distrito de paz de Laras terá como divisa Interna com o distrito de paz da séde do município o rio Tietê em toda a sua extensão, desde a foz do ribeirão Perdeneiras até a barra do ribeirão do Pará.

LEME

O município de Leme, comarca de Araras, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRASSUNUNGA:

Começa no ribeirão do Roque, onde faz barra o córrego do Monjolo, daí prosseguem pelo espigão as margem direita do córrego do Monjolo até cruzar no espigão divisor das águas do ribeirão do Roque, á esquerda, e as do ribeirão do Meio e córrego das Palmeiras, á direita, e por êste espigão continuam até a confluência do córrego das Palmeiras, no ribeirão do Roque, descem pelo ribeirão do Roque  pelo ribeirão do Roque até a barra do córrego da Conserva, pelo qual sobem até sua cabeceira: daí vão em reta, á cabeceira do córrego de A. Correira ou dos Pintos, descendo por êste até o ribeirão do Taquari e por êste e pelo do ribeirão do Meio até o rio Mogi-Guassú:

COM O MUNICÍPIO DE MOGI-GUASSÚ

Começam onde o ribeirão do Meio deságua no rio Mogi-Guassú e vão por êste acima até a barra do córrego do rio das Pedras;

COM O MUNICÍPIO DE ARARAS:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde deságua o córrego do Rio das Pedras e ribeirão de Melo, e, a esquerda, as do ribeirão das Araras, seguem por êste até a cabeceira mais meridional do córrego da Colônia do Crispim, descem por êste até o córrego da Fazenda São Bento, e por êste acima até sua cabeceira mais ocidental, seguem pelo espigão que deixa, ao norte, as águas do ribeirão da Invernada até alcançar a cabeceira mais oriental do rio Jacú, e por êste abaixo até a barra do córrego Monte Alegre.

COM O MUNICÍPIO DE RIO CLARO

Começam no córrego Jacú, que é a denominação local do ultimo trecho do ribeirão do Roque onde faz barra o córrego Monte Alegre e Vão por aquele abaixo até a barra do córrego do Monjolo onde tiveram inicio estas divisas.

LENÇOIS

O município de Lençois, comarca de Agudos, constituído co distrito de paz da séde e dos Borebi e Alfredo Guedes terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE AGUDOS:

Começam no espigão mestre Turvo-Pardo, onde cruza com o espigão divisor das águas do ribeirão do Caçador, e das do ribeirão Capivara, seguem pelo espigão mestre até entroncar com o espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Turvo, e, à direita, as do córrego das Antas, e por êste ultimo espigão, seguem até o contraforte entre as águas do córrego da Serrinha à esquerda, e as do córrego das Antas, á direita; continuam por êste contraforte em demanda da barra do córrego das Antas, no rio Lençóis, descem pelo rio Lençóis até a barra do córrego dos Cochos, daí alcançam o espigão divisor da margem esquerda do córrego dos Côchos, pelo qual prosseguem até o espigão mestre das águas do ribeirão dos Patos e rio Lençóis, continuam por êste e pelo contraforte da margem esquerda do córrego do Marco B até a confluência dêste último córrego no ribeirão dos Patos;

COM O MUNICÍPIO DE PEDERNEIRAS:

Começam no ribeirão dos Patos, na fóz do córrego do Marco B, e descem por aquele até a barra do ribeirão Bom Jardim;

COM O MUNICÍPIO DE BOCAIUVA:

Começam no ribeirão dos Patos, na foz do ribeirão Bom Jardim, sóbem por êste até sua cabeceira mais meridional, vão em reta à barra do córrego da Divisa, no córrego Barra Grande e continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras dos córregos Cachoeirinha e dos Prados, até alcançar a cabeceira do córrego da Iara, pelo qual descem até o rio Lençóis;

COM O MUNICÍPIO DE S. MANOEL DO PARAISO:

Começam no rio Lençóis, na fóz do córrego da Iara, sóbem pelo rio até a barra do córrego da Grama, que nasce cêrca de um km, a oéste da estação de Paranhos, seguem pelo espigão entre esta água e o rio Lençóis, em demanda da barra do córrego do Vicente, no ribeirão da Areia Branca, sóbem pelo córrego até sua cabeceira mais meridional e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Areia Brancas, e à direita, as dos ribeirões Bocaina e Fartura, até alcançar a cabeceira mais oriental do córrego das Corujas, pelo qual descem ao rio Claro, descem por êste até a barra do córrego da Floresta e por êste acima e pelo braço de oeste até sua cabeceira e daí prosseguem pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego do Monjolo até alcançar o espigão mestre Rio Claro-Rio Pardo, continuando pelo espigão mestre em demanda da barra do córrego da Fazenda Palmital, no ribeirão Palmital;

COM O MUNICÍPIO DE AVARÉ:

Começam no ribeirão do Palmital, na foz do córrego da Fazenda Palmital, descem pelo ribeirão Palmital até a barra do córrego Muniz;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BARBARA DO RIO PARDO:

Começam no ribeirão do Palmital, na barra do córrego do Muniz sóbem por êste até sua cabeceira mais ocidental, continuam pelo espigão divisor rio Claro-Rio Pardo, até a cabeceira do córrego da Laranja Azêda e vão por êste até o rio Claro e por êste ainda até a barra do rio Turvinho, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Caçador, e à esquerda, as do ribeirão Capivara, até cruzar com o espigão mestre Pardo-Turvo, onde tiverem início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE LENÇÓIS

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito da séde do município de Lençóis terá as seguintes divisas internas:

COM O MUNICÍPIO DE PAZ DE BOREBÍ:

Começam no ribeirão do Palmital, na fóz do córrego da Água Branca, vão pelo espigão em demanda da barra do ribeirão do Pulador, no rio Claro, e por aquele acima até sua cabeceira mais meridional, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Turvinho, e a direita, as do ribeirão da Graminha, avançam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Serrinha, e, à esquerda, as do ribeirão da Fazenda Marmedina, prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas dêste último, indo até o rio Lençóis, na foz do córrego que nasce junto à estação do Bom Jardim, subindo pelo Lençóis até a boca do córrego dos Côchos;

COM O DISTRITO DE PAZ DE ALFEDO GUEDES:

Começam no espigão divisor entre as águas do rio Tietê, á esquerda, e as do rio Lençóis, à direita, em frente à cabeceira do córrego da Lontra, descem por êste até o rio Lençóis pelo qual sóbem até a embocadura do ribeirão da Barra Grande e por êste acima até sua cabeceira mais meridional, ganham a cabeceira do córrego do Boquerão e por êste abaixo até o rio Claro, pelo qual sobem até a foz do córrego Floresta;

ALFREDO GUEDES

O distrito de paz de Alfredo Guedes terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no rio Claro, na barra do córrego Floresta, descem por aquele até a barra do córrego do Boqueirão, sóbem por êste até sua cabeceira mais meridional do ribeirão da Barra Grande, e vão por êste abaixo até sua boca no rio Lençóis, pelo qual descem até a foz do córrego da Lontra, subindo por êste até sua cabeceira alcançam o espigão entre as águas do rio Tietê, à esquerda, e as do rio Lençóis, à direita;

BOREBÍ

O distrito de paz de Borebí, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no rio Lençóis na boca do córrego dos Cochos, descem pelo rio até a barra do córrego que nasce junto à estação do Bom Jardim, na Estrada de Ferro Sorocabana, continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Fazenda Memedina, ganham o espigão que deixa, a direita, as águas dêste último e, a esquerda, as do ribeirão da Serrinha, e atingem por ele o divisor que deixa, á direita, as águas do rio Turvinho, e à esquerda, as do ribeirão da Graminha, pelo qual caminham até chegar à cabeceira do ribeirão do Pulador, descendo por êste ao rio Claro, vão dessa barra pelo espigão, em demanda da foz do rio da Aguia Branca no ribeirão do Palmital.

LIMEIRA

O município de Limeira, comarca do mesmo nome, constituído dos distritos de paz da séde, do de Cordeiro e Iracemápolis, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE RIO CLARO:

Começam no ribeirão Bôa Vista, onde faz barra o córrego Minúsculo, sobem pelo ribeirão até sua cabeceira mais oriental e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do rio Corumbataí e, à direita, as dos ribeirões Cachoeirinha e Tatú, indo até a Lagôa do Catingueira, vão daí à ponte meridional do contraforte que deixa, à direita, as águas do ribeirão Tatú, e, à esquerda as do ribeirão Santa Gertrudes, pelo qual prosseguem até o espigão Mogí-Guassú-Piracicaba;

COM O MUNICÍPIO DE ARARAS:

Começam no espigão mestre Mogi-Guassú-Piracicaba, no cruzamento com o divisor de águas do ribeirão Santa Gertrudes, à esquerda, e as do ribeirão Tatú, à direita, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas dêste último ribeirão e, a esquerda, as do ribeirão das Araras, indo até a cabeceira mais ocidental do ribeirão do Ferraz, descem por êste até a barra do córrego Bom Jesus;

COM O MUNICÍPIO DE MOGÍ-MIRIM:

Começam no ribeirão do Ferraz, onde faz barra o córrego do Bom Jesus, sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental, ganham o espigão que deixa, a oeste, as águas do ribeirão Tabajara, e, a leste,as do ribeirão de Guaiquica, prosseguindo pelo espigão até alcançar a cabeceira mais setentrional do córrego da fazenda de J. Sampaio, pelo qual descem até a sua barra no córrego do Barreiro; daí, alcançam o espigão que deixa as águas do ribeirão do Pinhal, à direita, e as do ribeirão Três Barras, à esquerda, prosseguem por êste espigão até a cabeceira mais ocidental do córrego Pinheirinhos;

COM O MUNICÍPIO DE CAMPINAS:

Começam no divisor de águas dos ribeirões Pinhal de um lado e Três Barras, do outro, na cabeceira mais ocidental do córrego dos Pinheirinhos, seguem pelo divisor até a barra do ribeirão do Pinhal no rio Jaguarí;

COM O MUNICÍPIO DE AMERICANA (EX-VILA AMERICANA):

Começam no rio Jaguari, onde deságua o ribeirão do Pinhal, descem por aquêle até a confluência do rio Atibaia e vão pelo Piracicaba abaixo até a barra do córrego Socegan;

COM O MUNICÍPIO DE SANTA BÁRBARA:

Começam no rio Piracicaba, na barra do ribeirão do Tatú e descem por aquêle até a barra do córrego da Balsa;

COM O MUNICÍPIO DE PIRACICABA:

Começam no rio Piracicaba, onde desemboca o córrego da Balsa, descem por aquêle até a barra do ribeirão das Palmeiras ou de Santa Rita, subindo por êste até o pequeno córrego da Nova Divisa, pelo qual sobem até sua cabeceira, seguindo, depois, em demanda da confluência o ribeirão da Bôa Vista no ribeirão Cachoeira ou Cachoeirinha, e, subindo por aquêle vão até a barra do córrego Minúsculo, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE LIMEIRA

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Limeira terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE IRACEMÁPOLIS:

Começam no rio Piracicaba, na foz do ribeirão dos Coqueiros ou da Geada, sobem por êste até a boca do córrego da Água Suja e continuam pelo espigão intermediário aos dois cursos até o morro Azul;

COM O DISTRITO DE PAZ DE CORDEIRO:

Começam no morro Azul, seguem pelo espigão que deixa, à direita as águas do rio Piracicaba e, à esquerda, as do ribeirão Tatú, até alcançar a cabeceira do córrego do Saltinho, descem por êste até o ribeirão Tatú, e por êste abaixo até o Tanque da estação de Ibicaba, alcançam a barra do córrego de São Francisco e continuam pelo espigão que deixa esta água, à esquerda, até apanhar a cabeceira do córrego da fazenda Barreiro, pelo qual descem até o ribeirão do Pinhal, vão desta barra em demanda da cabeceira mais ocidental do ribeirão Tabajara e por êste abaixo até a boca do córrego da fazenda São Jeronimo, pelo qual sobem até sua cabeceira, procuram depois a cabeceira do pequeno córrego do Alexandre, que fica na contravertente, pelo qual descem até o ribeirão do Ferraz.

DISTRITO DE PAZ DE CORDEIRO:

O distrito de paz da Cordeiro terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão do Ferraz, na foz do pequeno córrego do Alexandre, sobem por êste até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego da fazenda São Jeronimo, que fica na contravertente, descem pelo São Jeronimo até o ribeirão do Tabajara e por êste sobem até sua cabeceira mais ocidental, vão em demanda da barra do córrego da fazenda Barreiros no ribeirão do Pinhal e sobem o Barreiros até sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do córrego de São Francisco, indo à embocadura dêste no ribeirão Tatú, sobem por êste passando pelo Tanque junto à estação de Ibicaba, até a barra do Saltinho e por êste acima até sua cabeceira, ganham o espigão que deixa, à esquerda, as águas do Piracicaba, e, à direita, as do ribeirão Tatú, indo até o Morro Azul;

COM O DISTRITO DE PAZ DE IRACEMÁPOLIS:

Começam no morro Azul, continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras do ribeirão da Cachoeirinha até frontear a cabeceira do córrego da fazenda Santa Gertrudes.

DISTRITO DE PAZ DE IRACEMÁPOLIS:

O distrito de paz de Iracemápolis terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE CORDEIRO:

Começam no espigão que contorna as cabeceiras do ribeirão da Cachoeirinha, em frente à cabeceira do córrego da fazenda de Santa Gertrudes, seguem pelo espigão até o Morro Azul;

COM O MUNICÍPIO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no morro Azul, ganham o espigão que deixa à direita, as águas do ribeirão da Cachoeirinha e as do córrego da Água Suja e, à esquerda, as do ribeirão dos Coqueiros ou da Geada, indo até a confluência dêstes dois últimos, e descem pelo ribeirão da Geada ou dos Coqueiros até sua barra no rio Piracicaba.

LINDOIA

O município de Lindóia, comarca de Serra Negra, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE ITAPIRA:

Principiam na Serra das Águas Claras, no ponto de cruzamento com o contraforte divisor das águas do ribeirão das Tabaranas e do córrego de J. Machado, avançam pela cumiada da Serra em demanda da confluência do ribeirão dos Coutos no rio do Peixe: atravessam o rio e prosseguem pelo espigão que deixa a, a direita, as águas do ribeirão Água Quente, e, á esquerda as do ribeirão dos coutos, até atingir a Serra dos Coutos jás nas divisas de Minas Gerais;
COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam na Serra dos Coutos, onde êste entronca com o espigão que separa as águas do ribeirão da Água Quente, à direita, e as do ribeirão dos Coutos, à esquerda, prosseguem pela crista da serra até o morro Pelado na Serra de Sião;

COM O MUNICÍPIO DE SOCORRO:

Começam na Serra de Sião no Pico Pelado, continuam pela Serra e pelo divisor das águas dos ribeirões do Tanque ou Freitas, Monte Sião e Jaboticabal à esquerda, e, à direita, as dos ribeirões Água Quente, Barreiro e Barbosas indo até a barra do ribeirão da Bôa Vista, no rio do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE SERRA NEGRA:

Principiam na foz do ribeirão Bôa Vista no rio do Peixe, descem pelo peixe até a barra do ribeirão dos Mosquitos e por êste acima até a barra do córrego dos Pintos, e desta confluência prosseguem pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas dos ribeirões Pinto e Tabarana, e á direita, as do rio do Peixe em demanda da barra do córrego de J. Machado no ribeirão das Tabaranas, continuam pelo contraforte que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão da Tabaranas e á direita as do córrego de J. Machado no ribeirão das Tabaranas,  continuam pelo contraforte que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão das Tabaranas e á direita as do córrego de J. Manchado até o ponto de cruzamento na Serra das Águas Claras, onde tiveram inicio estas divisas.

LINS

O município de Lins, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz do distrito de paz da séde e dos de Guaíçara, Guaimbê, e Vila Sabino, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GETULINA:

Começam no rio Tibiriçá, onde  se lança o córrego Pônei , sóbem pôr êste até sua cabeceira e seguem em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego da Aliança, pelo qual descem ao rio Feio, e caminham por êste abaixo até a barra do córrego Tabocal;

COM O MUNICÍPIO DE PROMISSÃO:

Começam no rio Feio, na foz do córrego Tabocal, sobem por êste até sua cabeceira e continuam pelo espigão que deixa, á esquerda, as águas do ribeirão dos Patos, e, á direita, as do córrego do Fim, até encontrar a barra dêste córrego no ribeirão Campestre, pelo qual descem até a barra no ribeirão dos Dourados, pelo qual chegam até o rio Tietê;

COM O MUNICÍPIO DE RIO PRETO
Começam no rio Tiete, onde deságua o ribeirão dos Dourados e sobem pelo rio até a embocadura do rio Barra Mansa.

COM O MUNICÍPIO DE NOVO HORIZONTE
Começam no rio Tietê, onde descarrega o rio Barra Mansa, e vão por aquele acima até a barra do córrego do Macucos;

COM O MUNICÍPIO DE CAFELANDIA;

Começam no rio Tietê, onde faz barra o córrego do Macucos, continuam pelo espigão que deixa, á direita, a águas dêste, e, a esquerda, as do córrego Bacurí, ou do Meio, atingem o divisor Tietê-Dourados, prosseguem em demanda da cabeceira mais setentrional do córrego Anhumas ou do Coronel Pontes, pelo qual descem até o rio dos Dourados, sobem por este até a fóz do ribeirão Grande, encontram por êste acima até sua cabeceira, ficam o divisor Feio-Dourados, e procuram pelo contraforte que deixa, à direita, as águas do córrego Lagoa, e à esquerda, o córrego Duas Pontes, indo em demanda da confluência do córrego da Santa Elisa, no rio Feio, sobem pelo Santa Elisa até sua cabeceira, vão daqui a rumo a cabeceira do córrego Cambará e ainda em reta, à cabeceira do córrego Iracema, pelo qual descem até o rio Padua Sales;

COM O MUNICÍPIO DE MARÍLIA:

Começam no rio Padua Sales, na foz do córrego Iracema, descem por aquêle até sua embocadura no rio Tibiriçá, seguindo por êste abaixo até a foz do córrego Pônei, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE LINS:

SÉDE DO MUNICÍPIO:

O distrito de paz da séde do município de Lins terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE GUAIÇARA:

Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego Desfiladeiro, sobem pôr êste até sua cabeceira, vão em reta, aproximadamente norte, ao espigão entre as águas dos córregos Feio e Campestre, e, por nova reta, atingem o espigão mestre Tietê- Dourados, em frente à cabeceira do córrego do Esgôto;

COM O DISTRITO DE PAZ DE VILA SABINO:

Começam no espigão mestre Tietê-Dourados, em frente à cabeceira do córrego do Esgoto, seguem pelo espigão mestre até cruzar com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do córrego Macucos, e, à direita, as do córrego do Bacurí;

COM O DISTRITO DE PAZ DE GUAIMBÉ:

Começam no rio Feio, na foz do córrego de Santa Elisa, e descem por aquêle até a boca do córrego da Aliança;

GUAIÇARA

O distrito de paz de Guaiçara terá as seguintes divisas internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE VILA SABINO:

Começam no rio Dourados, onde começa o espigão mestre entre as águas desse rio e as do rio Tietê, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego do Esgoto;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre Tietê-Dourados, em frente à cabeceira do córrego do Esgoto, vão daí, em reta, ao espigão entre as águas dos córregos Feio e Campestre, e por nova reta, à cabeceira do córrego Desfiladeiro, pelo qual descem até o rio Feio;

GUAIMBÊ:

O distrito de paz de Guaimbê, terá as seguintes divisas internas com o distriro de paz da séde do município de Lins:
Começam no rio Feio, na foz do córrego da Aliança, e sobem por aquêle até a boca do córrego Santa Elisa;

VILA SABINO:

O distrito de paz de Vila Sabino terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPO:

Começam no espigão mestre Tietê-Dourados onde cruza com o contraforte que deixa, à esquerda, as águas do córrego do Macucos, e, à direita, as do córrego Bacuri, seguem pelo espigão mestre até derrotar com a cabeceira do córrego do Esgôto:

COM O DISTRITO DE PAZ DE GUAIÇARA:

Começa no espigão mestre Tietê-Dourados, em frente à cabeceira do córrego do Esgôsto, e seguem pelo espigão mestre até o rio Dourados.

LORENA

O município de Lorena, comarca do mesmo nome, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPO DE PIQUETE:

Começam no ribeirão da Fortaleza, na fóz do córrego Carazal, descem pelo Fortaleza e pelo ribeirão do Ronco, até a barra desce no ribeirão da Limeira, seguem pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais meridional do córrego Cantagalo;

COM O MUNICÍPIO DE CACHOEIRA:

Começam na cabeceira mais meridional do córrego Cantagalo ou Vargem Grande, continuam pelo espigão em demanda da nascente do córrego Limoeiro, e por êste abaixo até o rio Paraíba, descem por êste até a boca do ribeirão Caninhas, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional, já na Serra da Bocaína, pela qual caminham em demanda da cabeceira mais setentrional do ribeirão Entrecosto;

COM O MUNICÍPIO DE SILVEIRAS:

Começam na Serra da Bocaina na cabeceira mais setentrional do ribeirão Entrecosto, pelo qual descem até a barra no rio Paraitinga:

COM O MUNICÍPIO DE CUNHA:

Começam na confluência do ribeirão Entrecosto, no rio Paraitinga descem por êste até a barra do ribeirão Taboãozinho,  continuam pelo espigão que deixa, á esquerda as águas do Paraitinga até o alto do Lageado de Cima;

COM O MUNICÍPIO DE GUARATINGUETA

Começam no espigão que deixa de um lado, as águas do rio Paraitinga, e, do outro as do ribeirão Taboãozinho no alto do Lageado de Cima seguem pelo espigão citado, atingem o alto da Serra Quebra-Cangalha pela qual prosseguem e pelo espigão que deixa á esquerda, ás águas dos ribeirÕes das Três Barras das Pedras e Santa Gertrudes e á direita o ribeirão Lorena em demanda da cabeceira do galho da direita do ribeirão Aterrado ou São João, e por êste descem até a forquilha de seus dois principais formadores: vão daí,  em, reta, á nascente de um pequeno córrego sem denominação especial, situado no km 286 da Estrada de Ferro Central do Brasil, descem por êle até o rio Paraíba, onde deságua  cerca de um Km a jusante da boca do rio Piagui, seguem pelo rio até o local chamado de Paraíba-Morto na Ilha de José Maximo, procuram  a barra do córrego Lava-Roupas e por éle sobem até sua cabeceira mais setentrional continuando depois pelo divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão dos Macacos, vão á confluência da Água da Posse, no referido ribeirão e pelo Macacos acima até a barra do córrego da Fazendinha e por êste até sua cabeceira seguindo, por fim, em reta, á barra do córrego do Carazal, no ribeirão da Fortaleza, onde tiveram inicio estas divisas.

MARACAÍ

O município de Maracaí, comarca de Paráguassú, constituído do distrito de paz da séde e do de Cruz Alta terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE RANCHARIA:

Começam no rio Paranapanema, onde fez barra o rio Capivara, vão por êste acima até a foz do rio Capivari;

COM O MUNICÍPIO DE PARAGUASÚ:

Começam no rio Capivara na foz do rio Capivari, vão por aquele acima até a barra do ribeirão de São Mateus, e daí, em reta, á cabeceira mais ocidental do córrego Barreirinha e por êste descem até o rio Capivari, sobem por êste até a foz do ribeirão das Antas, pelo qual sobem até a barra do córrego do Campo Bonito:

COM O MUNICÍPIO DE ASSIS:

Começam no ribeirão das Antas na barra do córrego do Campo Bonito, sobem pelo Antas até a barra do córrego do Ajoro, sobem por êste até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego Tempestade, e por êste abaixo até o ribeirão do Cervo, descem pelo Cervo até a embocadura do córrego Cambé ou Cateto, pelo qual sobem até sua cabeceira, continuam depois pelo espigão que deixa, direita, as águas do ribeirão do Cervo e do rio Capivara, e, á esquerda, as do ribeirão Dourado até a cabeceira do ribeirão Anhuminhas ou Bugio, e por êste abaixo até o rio Paranapanema:

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio Paranapanema, na foz do ribeirão Anhuminhas, ou Bugio descem elo rio até a confluência do rio Capivara onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE MARACAÍ:
CRUZ ALTA:

O distrito de paz de Cruz Alta, terá as seguintes divisas internas, com o distrito de paz da séde do município de Maracaí:
Começam no rio Capivara na foz do córrego Barra Mansa, sobem por este até sua nascente mais ao norte vão em reta, à nascente do córrego Caçador, e daí, ainda em reta, à nascente do córrego Grota Seca, e por outra reta, à nascente do córrego Bugiozinho, no ribeirão Anhuminhas, alcançam o espigão entre o ribeirão Anhumas e o ribeirão Anhuminhas ou Bugio.

MARILIA

O município de Marilia, comarca do mesmo nome, compreendendo além do distrito de paz de sede, os de Amadeu Amaral, Avencas, Dirceu, Lacio, Oriente, Padre Nóbrega e Primavera terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE POMPÉIA:

Começam no rio do Peixe, na foz do córrego do Sapo seguem a rumo da barra do córrego Água Limpa no córrego Jatobá, e vão por aquele acima até sua cabeceira, ganham o espigão mestre Aguapei-Peixe, avançam pelo espigão mestre em demanda da cabeceira do córrego Imacam, pelo qual descem até o ribeirão Caingang ou Guaporanga, vão daqui, em reta, à cabeceira do córrego do Dr. Senha, e por nova reta à cabeceira do córrego Ariri, pelo qual descem até o rio Tibiriçá;

COM O MUNICÍPIO DE GETULINA:


Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego Ariri e sobem até a barra do córrego Pônei;
COM O MUNICÍPIO DE LINS
Começam no rio Tibiriçá, onde descarrega o córrego Pônei e vão por aquele acima até a barra do rio Pádua Sales e por este ate a embocadura do córrego Iracema; 

COM O MUNICÍPIO DE CAFELANDIA

Começam no rio Padua Sales na barra do córrego Iracema sobem pelo rio até a sua cabeceira mais oriental e vão daí ao pião divisor dos córregos Pedro Sales Moraes Barros e Forquilha;

COM O MUNICÍPIO DE GARÇA:

Começam no pião divisor dos Córregos Padua Sales, Moraes Barros e Forquilha, alcançam a cabeceira mais setentrional do córrego da Forquilha  e por êste descem até o rio Tibiriçá;

COM O MUNICÍPIO DE VERA CRUZ:

Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego da Forquilha, descem por aquele até a barra do córrego Cincinatina pelo qual sobem até a barra do córrego da Cascata, e por êste ainda até o córrego Sete Quedas pelo qual descem até o córrego Paraizo e por êste até sua cabeceira continuam pelo espigão em demanda da cabeceira do córrego Três Unido, pelo qual descem até o córrego do Norte, e por êste e pelo rio do Peixe, até o ribeirão do Alegre;

COM O MUNICÍPIO DE BELA VISTA:

Começam no ribeirão do Alegre na sua barra do rio do Peixe e por êste descem até o córrego do Sapo, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE MARÍLIA

SEDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Marília terá as seguintes divisas internas.

COM O DISTRITO DE PAZ DE PADRE NOBREGA:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande, na foz do córrego do Tombador, sobem por êste, pelo seu galho de leste, até  sua cabeceira, atravessam os trilhos da Companhia  Paulista  de Estradas de Ferro cerca de Três Quilometros, aproximadamente, a leste da estação de Padre Nóbrega,  e ganham a cabeceira mais alta do ribeirão dos Indios, pelo qual descem na sua extensão de quatro quilometros:

COM O DISTRITO DE PAZ DE DIRCEU:

Começam no ribeirão dos Indios, no ponto em que êste atinge quatro quilometros a a contar da sua cabeceira mais alta, seguem daí em linha reta, até a ponte sobre o ribeirão Cincinatina, na estrada de rodagem que da cidade de Marilia vai á Vila de Dirceu,  e dessa ponte, por uma linha oeste - leste, alcançam o ribeirão da Cascata;
 
COM O DISTRITO DE PAZ DE LACIO:

Começam no ribeirão da Cascata, onde êste é atingido pela linha oeste-leste que vem da ponte sobre o ribeirão Cicinatina, sobem pelo Cascata até sua cabeceira mais meridional, atravessam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro em demanda da Cabeceira da Água dos Anjos e por êste abaixo até o córrego da Onça ou da Cascata, e vão por êste abaixo até o rio do Peixe:

COM O DISTRITO DE PAZ DE AVENCAS:

Começam no rio do Peixe, na foz do córrego do Jatobá, sobem por êste até sua cabeceira e continuam a rumo da barra do córrego do Tombador no ribeirão da Pomba ou Barra Grande:

AMADEU AMARAL

O distrito de paz de Amadeu Amaral terá as seguintes divisas Internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE DIRCEU :

Começam no rio Tibiriçá na foz do córrego da Forquilha, descem pelo rio até a barra do córrego do Macuco;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PRIMAVERA:
Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego do Macuco e vão pelo rio abaixo até sua confluência com o rio Padua Sales;

AVENCAS

O distrito de paz de Avencas terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ORIENTE:

Começam no rio do Peixe, na barra do ribeirão da Pomba ou Barra Grande, sobem  por êste  até a foz do córrego do Pau Dalho;
 
COM O DISTRITO DE PAZ DE PADRE NOBREGA:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande, na boca do córrego de Pau Dalho, sobem por aquele até a foz do córrego do Tombador;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande na foz do córrego do Tombador continuam a rumo da cabeceira do córrego do Jatobá pelo qual descem até o rio do Peixe;

DIRCEU

O distrito de paz de Dirceu terá as seguintes divisas internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE AMADEU AMARAL

Começam no rio Tibiriçá, na barra do córrego do Macuco sobem por aquele até a boca do córrego da Forquilha;
COM O DISTRITO DE PAZ DE LACIO:

Começam no córrego das Sete Quedas, onde deságua no ribeirão da Cascata, e vão por êste acima até o ponto em que é atingido pela reta leste-oeste, que vem da ponte sobre o ribeirão cincinatina, na estrada de rodagem que da cidade de Marilia vai à vila de Dirceu;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão da Cascata, no ponto em que ele é atingido pela reta leste-oeste que vem da ponte sobre o ribeirão Cincinatina, na estrada de rodagem que da cidade de Marília vai à vila de Dirceu, seguem pela reta até a ponte e continuam, por outra reta, até o ribeirão dos Índios, no ponto em que êste alcança quatro quilometros a contar de sua cabeceira mais alta;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PADRE NOBREGA:

Começam no ribeirão dos Indios, onde ele alcança quatro quilometros a contar de sua cabeceira mais alta, e segue, a rumo da nascente do córrego do Macuco, pelo qual descem até o rio Tibiriçá;

LACIO

O distrito de paz de Lacio terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio do Peixe, na foz do córrego da Onça ou da Cascata, sobem, por êste até a barra da Água dos Anjos e por êste acima até sua cabeceira, atravessam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro em demanda da cabeceira mais meridional do ribeirão da Cascata, pelo qual descem até onde ele é atingido pela reta leste-oeste que vem da ponte sobre o ribeirão Cincinatina, na estrada de rodagem que da cidade de Marília vai à vila de Dirceu;

COM O DISTRITO DE PAZ DE DIRCEU:

Começam no ribeirão da Cascata, no ponto em que este é atingido pela reta leste-oeste que vem da ponte sobre o ribeirão Cincinatina, na estrada de rodagem que da cidade de Marília vai à vila de Dirceu, e descem pela Cascata até sua confluência com o ribeirão das Sete Quedas;

ORIENTE

O distrito de paz de Oriente terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE PADRE NOBREGA:

Começam na cabeceira do córrego Dr. Senha, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Veado, e, a direita, as do ribeirão Caingang ou Guaporanga, até cruzar com o espigão mestre entre as águas do rio Tibiriçá, ao norte, e Peixe, ao sul, cortam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e prosseguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do córrego de Santa Maria, e, à direita, as do córrego Páu Dalho, indo até a confluência deste último no ribeirão da Pomba ou Barra Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DE AVENCAS:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande, na foz do córrego Páu Dalho e descem por aquele até o rio do peixe;

PADRE NOBREGA:

O distrito de Padre Nóbrega terá as seguintes divisas internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PRIMAVERA:

Começam na cabeceira do córrego Dr. Senha, seguem em reta à barra do córrego do Macuco, no rio Tibiriçá:

COM O DISTRITO DE PAZ DE DIRCEU:

Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego do Macuco e vão por êste acima até sua cabeceira, continuam, a rumo, em demanda do ribeirão dos Índios, no ponto em que ele alcança quatro quilômetros a contar de sua mais alta cabeceira:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão dos Índios, no ponto em que êste alcança quatro quilômetros a contar de sua mais alta cabeceira e sobem pelo ribeirão até essa cabeceira citada, cortam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, cerca de três quilômetros, aproximadamente, a leste da estação de Padre Nóbrega, em demanda da cabeceira do galho de leste do córrego do Tombador, pelo qual descem até o ribeirão da Pomba ou da Barra Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PAZ DE AVENCAS:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande, na foz do córrego Tombador, descem pelo ribeirão até a barra do córrego Páu Dalho;

COM O DISTRITO DE PAZ DE ORIENTE:

Começam no ribeirão da Pomba ou Barra Grande, na foz do córrego Páu Dalho, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, êste último, e, à direita, o córrego Santa Maria, alcançam o espigão mestre entre os rios Tibiriçá, ao Norte, e Peixe, ao sul, cortam os trilhos da Companhia Paulista de Estradas de Ferro e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão do Veado, e, à esquerda, as do ribeirão Caingang ou Guaporanga até atingir a cabeceira do córrego Dr. Senha;

PRIMAVERA

O distrito de paz de Primavera terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE AMADEU AMARAL:

Começam na confluência do rio Padua Sales, com o rio Tibiriçá, sobem por êste até a foz do córrego do Macuco;

COM O DISTRITO DE PAZ DE PADRE NOBREGA:

Começam no rio Tibiriçá, na foz do córrego do Macuco e vai, em reta, à cabeceira do córrego do Dr. Senha.

MARTINÓPOLIS

Fica creado o município de Martinópolis, com sede na Vila de José Teodóro, constituído do distrito de paz da séde e do de Baliza, o qual pertencerá à comarca de Presidente Prudente, e terá as seguinte divisas.

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE:

Começam no rio Paranapanema, onde deságua o rio Laranja Doce, sobem por êste até a foz do ribeirão da Bôa Vista;

COM O MUNICÍPIO DE REGENTE FEIJÓ:

Começam no rio Laranja Doce, onde desemboca o ribeirão da Bôa Vista e sobem por aquele até a foz do ribeirão de Indiana, e por êste acima até a barra do córrego da Barrinha, e por êste acima até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego Santa Maria pela qual descem até a reta da estrada de rodagem que da Vila de Indiana, vai até o rio do Peixe e pelo eixo ate a ponte sôbre aquele rio;

COM O MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE:

Começam no rio do Peixe, na ponte da reta da estrada de rodagem que vai à Vila de Indiana, sobem pelo rio até a barra do ribeirão dos Ranchos e por êste acima até sua cabeceira no espigão mestre Aguapeí-Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE VALPARAIZO:

Começam no espigão mestre Aguapeí-peixe, em frente à cabeceira do ribeirão dos Ranchos, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do ribeirão da Bôa Esperança;

COM O MUNICÍPIO DE GUARARAPES:

Começam no espigão mestre Aguapei-Peixe, em frente à cabeceira do ribeirão Bôa Esperança, seguem pelo espigão até frontear a cabeceira do córrego da Lagóa, afluente do ribeirão Drava, da bacia do rio Aguapeí;

COM O MUNICIÍPIO DE TUPAN:

Começam no espigão mestre Aguapeí Peixe, em frente à cabeceira do córrego da Lagôa, afluente do ribeirão Drava, da bacia do rio Aguapeí, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Frutos ou Negrinha, e, à esquerda, as do ribeirão do Taquaral e pelo espigão vão até a barra do ribeirão da Confusão, no rio do Peixe;

COM O MUNICÍPIO DE RANCHARIA:

Começam no rio do Peixe, onde descarrega o ribeirão da Confusão, continuam pelo contraforte que deixa, à direita, as águas do ribeirão dos Guachos, e, à esquerda, as do ribeirão da Confusão até o espigão mestre Peixe-Paranapanema, e prosseguem em demanda da barra do córrego Faxinal, no rio Laranja Doce, sobem pelo córrego até sua cabeceira, alcançam a cabeceira mais oriental de ribeirão Jaguareté, pelo qual descem até o rio Paranapanema;

COM O ESTADO DO PARANÁ:

Começam no rio Paranapanema, onde deságuam o ribeirão Jaguaretê e descem pelo rio abaixo, até a foz do rio Laranja Doce, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE MARTINÓPOLIS

BALIZA
 
O distrito de paz de Baliza, que fica creado, terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município de Martinópolis;
Começam no rio do Peixe, na foz do ribeirão da Confusão, e descem por aquele a barra do ribeirão dos Ranchos.

MATÃO

O município de Matão, comarca de Araraquara, compreendendo, além do distrito de paz da séde, os de Dobrada e São Lourenço do Turvo, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA:

Começam no rio São Lourenço, na barra do córrego da Lagôa, sobem pelo rio até a foz do córrego da Onça, e por êste acima até sua cabeceira mais oriental, continuam pelo espigão, que deixa, ao norte, as águas do ribeirão Dobrada e, ao sul, as do ribeirão Marimbombo, em demanda da confluência do córrego da fazenda São Luiz com o ribeirão da Dobrada. Sobem por êste a foz do córrego da Fazenda Santa Eliza, prosseguem pelo espigão que deixa à esquerda, as águas dêste córrego e ganham o espigão entre as águas do ribeirão Dobrada, ao sul, e as do Ribeirão dos Porcos, ao norte, pelo qual caminham até a cabeceira mais ocidental do córrego Cucuí, e por êste descem até a sua barra no córrego do Luciano;

COM O MUNICÍPIO DE GUARIBA:

Começam na barra do córrego Cucuí, no córrego de Luciano e por êste descem até o ribeirão do Lageado;

COM O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA:

Começam no ribeirão Lageado, onde deságua o córrego Luciano, sobem pelo Lageado até a barra do córrego da Ponte, e por êste acima até a barra do córrego da Colonia Guarantan, subindo por êste até sua cabeceira, vão dai em reta à barra do córrego da Colonia São Joaquim no ribeirão Monte Alegre, pelo qual sobem até sua cabeceira, vão daí, pelo espigão, em demanda do contraforte que deixa à direita, as águas do córrego da Fazenda Santa Antonieta, e, à esquerda, as do córrego de Zeca Pinto, prosseguem pelo contraforte à barra do córrego da Fazenda Santa Antonieta no rio Itaquerê, descem por êste rio até a embocadura do córrego da Fazenda Água Sumida;

COM O MUNICÍPIO DE TABATINGA:

Começam no rio Itaqueré, onde faz varra o córrego da Fazenda Água Sumisa, sobem por este pelo galho da esquerda até sua cabeceira cortando os trilhos da Estrada de Ferro Araraquara, no ramal de Silvania, cerca de dois quilômetros ao oeste da Estação de Uporoba, ganham a cabeceira do córrego da Turma e por êste descem até sua barra no córrego Fundo, vão daí, em reta a confluência do ribeirão São João com o córrego da Fazenda São Joãozinho, sobem por este até sua cabeceira mais ocidental, vão daí em reta à cabeceira do córrego Barreiro, pelo qual descem até o córrego Tamanduá e por êste ainda até o ribeirão Espírito Santo, e por êste abaixo até a boca do córrego da Baixada;

COM O MUNICÍPIO DE ITÁPOLIS:

Começam no ribeirão Espírito Santo, na foz do córrego da Baixada, vão daí em reta a barra do córrego dos Alemães no córrego da Venda, e daí, em nova reta, até a cabeceira do córrego Bonifacio, e por êste e pelo córrego da Lagôa até o rio São Lourenço, onde tiveram início estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE MATÃO

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Matão terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE S. LOURENÇO DO TURVO:

Começam na barra do córrego da Fazenda São Joãozinho, no córrego Barreiro, pelo qual sobem até a sua cabeceira, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão São João, a, á esquerda, as do ribeirão do Espírito Santo, ate atingir a cabeceira do córrego Tamanduá, pouco ao norte da sede da Fazenda Califórnia, e pelo córrego descem ate o ribeirão S. Lourenço e por este abaixo até a foz no ribeirão Marimbondo, pelo qual sobem até a barra so córrego da Fazenda Santa Matilde.
COM O DISTRITO DE PAZ DE DOBRADA:

Começam no ribeirão Marimbondo, na foz do córrego da Fazenda Santa Matilde, sobem pelo ribeirão até sua cabeceira mais oriental, continuam pelo espigão mestre entre as águas do ribeirão Dobrada, ao norte, e as do ribeirão São Lourenço, ao sul, até alcançar a cabeceira mais ocidental do ribeirão Passa Cinco, junto à séde da Fazenda São Sebastião, pelo qual descem até a barra do córrego Lageado;

DOBRADA

O distrito de paz de Dobrada terá as seguintes divisas internas:
COM O DISTRITO DE PAZ DE SÉDE DO MUNICÍPIO:
Começam no ribeirão do Lageado, na foz do córrego Passa Cinco, sobem por êste até sua cabeceira mais ocidental, junto à séde da Fazenda São Sebastião, continuam pelo espigão entre as águas do ribeirão Dobrada, ao norte, e as do ribeirão São Lourenço, ao sul, até atingir a cabeceira mais oriental do ribeirão Marimbondo, e por êste abaixo até a barra do córrego da Fazenda Santa Matilde;

COM O DISTRITO DE PAZ DE S. LOURENÇO DO TURVO:

Começam no ribeirão Marimbondo, na foz do córrego da Fazenda Santa Matilde, sobem por êste até sua cabeceira e alcançam, o espigão entre as águas do ribeirão da Dobrada, ao norte, e as do ribeirão Marimbondo, ao sul;

SÃO LOURENÇO DO TURVO

O distrito de paz de São Lourenço do Turvo terá as seguintes internas;

COM O DISTRITO DE PAZ DE DOBRADA:

Começam no espigão entre as águas do ribeirão Dobrada, ao norte, e as do ribeirão Marimbondo, ao sul, em frente à cabeceira do córrego da Fazenda santa Matilde, descem por êste ao ribeirão Marimbondo;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão Marimbondo, na foz do córrego da Fazenda Santa Matilde, descem por aquele até sua barra no ribeirão São Lourenço, e vão por êste acima até a foz do córrego Tamanduá e por êste ainda até sua cabeceira situada pouco ao norte da séde da Fazenda Califórnia, ganham o espigão que deixa, à esquerda, as águas  do ribeirão São João, e, à direita, as do ribeirão Espírito Santo, indo alcançar a cabeceira do galho da direita do córrego da Fazenda São Joãozinho e por êste abaixo até sua barra no córrego Barreiro.

MINEIROS

O município de Mineiros, Comar Ca de Dois Córregos, terá as seguintes divisas;

COM O MUNICÍPIO DE JAÚ:

Começam no espigão mestre Tietê - Jaú em frente a cabeceira a cabeceira do córrego da Fazenda Ferraz do Amaral vão daí em reta a barra do córrego de Eugenio Machado no córrego Jacutinga, sobem por aquele até sua cabeceira, ganham a cabeceira mais meridional do córrego Santa Estefânia e por êste abaixo até o ribeirão São João e por êste ainda até a boca do córrego Gavião;

COM O MUNICÍPIO DE DOIS CÓRREGOS

Começam no ribeirão de São João, onde deságua o córrego Gavião, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional do córrego do Borralho , prosseguem pelo divisor que deixa, á direita, as águas do ribeirão de São João e, à esquerda, as do ribeirão da Prata, afluente do rio Turvo, até  cruzar com o espigão que deixa á esquerda as águas dêste ultimo e, á direita, as do ribeirão da Água Vermelha, pelo qual caminham até frontear a cabeceira mais setentrional do ribeirão Mauricio Machado, pelo qual descem até o rio Tiête;

COM O MUNICÍPIO DE SÃO  MANOEL:

Começam no rio Tiête, onde faz barra o ribeirão Mauricio Machado e vão pelo rio abaixo até a embocadura do ribeirão da Água Vermelha;

COM O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA:

Começam no rio Tietê onde descarrega o ribeirão da água Vermelha sobem por êste até a embocadura do córrego da Fazenda do Dr. Wernek e vão por êste acima até sua cabeceira  mais setentrional, continuam pelo espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão da Água Vermelha, e, á esquerda, as do ribeirão das Três Barras, até a confluência do córrego da fazenda das Três Barras no último ribeirão e daí em reta, á nascente do córrego da fazenda Francisco, e dêste ponto, em reta á nascente da Água da Fazenda Boa Vista  e, depois, atigem  o espigão mestre Tietê - Jaú, no cruzamento do contraforte que deixa, a esquerda, as águas do ribeirão Ave-Maria, onde tiveram inicio estas divisas.

MIRASSOL

O município de Mirassol, comarca de Rio Preto constituído dos distritos de Paz da Sede, e dos de Bálsamo, na Barra Dourada, Iaci, Mirassolândia, Neves e Rui Barbosa, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE MONTE APRAZIVEL:

Começam na confluência do córrego de Traz ou Tiaz, com o córrego da Cachoeira, formadores do ribeirão Bacuri, sobem pelo córrego de Traz até a barra do córrego Monteirinho e por êste acima até sua cabeceira, vão dai em reta, a cabeceira do córrego do Barreiro pelo qual descem até sua foz no rio São José dos Dourados e por êste ainda até a barra do córrego Ipê ou Água Fria, pelo qual sobem até sua cabeceira no ''divortium aquarum'' dos rios Turvo e São José dos Dourados;

COM O MUNICÍPIO DE TANABI:

Começam no ''divortum aquarum'' dos rios Turvo - São José dos Dourados, na cabeceira do córrego Água Fria ou Ipê, prosseguem pelo ''divortium aquarum'' e pelo espigão da margem direita ao ribeirão Jataí até a cabeceira do córrego da Divisa pelo qual descem qual descem até sua foz no rio Preto;

COM O MUNICÍPIO DE NOVA GRANADA:

Começam no rio Preto na barra do ribeirão Jataí, sobem pelo rio Preto até a foz do ribeirão Barra Grande;

COM O MUNICÍPIO DE RIO PRETO:

Começam no rio Preto na barra do ribeirão Barra Grande, sobem por êste acima até sua cabeceira, mais setentrional do córrego do Machado, descendo por êste até a barra do córrego da Estiva , no ribeirão da Piedade, sobem pelo córrego da Estiva até sua cabeceira, ganham rumo a cabeceira mais setentrional do córrego da Jacutinga, pelo qual descem até sua foz no ribeirão da Fartura e ainda por êste abaixo até onde ele é cortado pela reta oeste-leste que vem da barra do córrego da Silva, no ribeirão Jacaré;

COM O MUNICÍPIO DE JOSÉ BONIFACIO:

Começam no ribeirão da Fartura no ponto onde é cortado pela reta de rumo oeste-leste que vem da barra do córrego Silva, no ribeirão do Jacaré, prosseguem  pelo referido alinhamento reto até a barra citada, sobem pelo córrego do Silva até sua cabeceira e vão daí em reta, á confluência dos córregos de Traz ou Tiaz e Cachoeira, formadores do ribeirão do Bacuri  onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITO DE PAZ DE MIRASSOL

SÉDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da séde do município de Mirassol terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RUI BARBOSA:

Começam no ribeirão da Fartura, na foz do córrego  Grande, pelo qual sobem até a embocadura do córrego Inácio;

COM O DISTRITO DE PAZ DE IACÍ:

Começam no córrego Grande, na barra do córrego do Inácio e sobem por aquêle até sua cabeceira, atingindo a rumo o espigão mestre Tietê - São José dos Dourados, seguem pelo espigão até cruzar o contraforte que deixa, á direita, as águas do ribeirão Jacaré, á esquerda, o córrego do Mangue:
 
COM O DISTRITO DE PAZ DE BARRA DOURADA

Começam no cruzamento do espigão mestre Tietê São José dos Dourados,  com o contraforte que deixa, á direita, as águas do ribeirão Jacaré  e, á esquerda, as do córrego do Mangue, e continuam em demanda da cabeceira do córrego do Mangue, e continuam em deamanda da cabeceira do córrego Evaristo, pelo qual descem até o rio São José dos Dourados e por êste abaixo até a boca do córrego do Fulgêncio e por êste acima até sua cabeceira;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BÁLSAMO:

Começam na cabeceira do córrego do Fulgêncio e vão em reta á cabeceira do córrego do Bebedouro , pelo qual descem até o ribeirão Barra Grande e por êste abaixo até a barra do córrego da Ortiga;

BÁLSAMO:

O distrito de Paz de Bálsamo terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE MIRASSOLÂNDIA:

Começam na cabeceira do córrego da Divisa, afluente do ribeirão Jataí, seguem em reta, a barra do córrego dos Coqueiros, no ribeirão do Bálsamo, e daí, em reta á barra do córrego da Ortiga no ribeirão Barra Grande:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no ribeirão Barra Grande, na foz do córrego da Ortiga, sobem por aquêle até boca do córrego Bebedouro e por êste acima ate sua cabeceira e daí, em reta, á cabeceira do córrego do Fulgêncio;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BARRA DOURADA:

Começam na cabeceira do córrego do Fulgêncio, ganham, em reta, a cabeceira do córrego José Braz e por êste e pelo Ipê abaixo até a barra do córrego da Água Fria;

BARRA DOURADA:

O distrito de Barra Dourada terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BÁLSAMO:

Começam no córrego do Ipê, na barra do córrego Água Fria, sobem pelo Ipê e pelo córrego José Braz, até sua cabeceira, indo daí, em reta, á cabeceira do córrego Fulgêncio;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam na cabeceira do córrego do Fulgêncio e descem por êste até o rio São José dos Dourados, sobem por êste até a barra do córrego Evaristo e por êste  ainda até sua cabeceira, ganham  o espigão mestre Tietê- São José dos Dourados, no cruzamento com o contraforte que deixa, á direita, o ribeirão Jacaré e, á esquerda, o córrego do Mangue;

COM O DISTRITO DE PAZ DE NEVES:

Começam no cruzamento do espigão mestre Tietê-São José dos Dourados, com o contraforte Jacaré-Mangue, ganham a cabeceira do córrego da Água Vermelha, pelo qual descem ao rio São José dos Dourados e por êste abaixo até a foz do córrego do Ipê;

IACÍ:

O distrito de paz de Iací terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE NEVES

Começam na reta que vai da barra do córrego do Traz ou Tiaz, no ribeirão Bacuri,  á cabeceira do córrego da Silva, no ponto em que êste fronteia a cabeceira mais meridional do córrego Cachoeira, descem  por até   ribeirão Jacaré e por êste acima até a foz córrego do Mangue continuam pelo contraforte intermediário a essas duas águas até  o espigão mestre Tietê - São José dos Dourados:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SÉDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre Tietê-São José dos Dourados, onde cruza com o contraforte Jacaré-Mangue, alcançam pelo espigão mestre, a cabeceira do córrego Grande, descem por êste até a boca do córrego Inácio:

COM O DISTRITO DE PAZ DE RUI BARBOSA:

Começam no córrego  Grande, na foz do córrego do Inácio, sobem por êste até sua cabeceira, ganham, em reta, a cabeceira do córrego de Neca Braz, descem por êste até  o córrego da Fazenda Nova do Campo e por êste abaixo ate a boca do córrego de Chico Ambrosio, pelo qual sobem até sua cabeceira, caminhando depois,  pelo espigão que contorna as cabeceiras  do córrego do Laudelino, deixando, á direita , as águas do córrego do Mangue, indo até alcançar a cabeceira do córrego do Martiniano, pelo qual descem até o ribeirão do Jacaré, e daí , em reta, cabeceira do córrego da Silva;

MIRASSOLÂNDIA:

O distrito de paz de Mirassolândia terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz de Balsamo:
Começam no ribeirão Barra Grande , na foz do córrego da Ortiga, vão em reta a barra do córrego dos Coqueiros no ribeirão do Balsamo e dai, por outra reta á cabeceira do córrego da Divisa, afluente do ribeirão do Jataí;

NEVES

O distrito de paz de Neves terá as seguintes divisas Internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BARRA DOURADA

Começam no rio São José dos Dourados,  na foz do córrego Barreiro, sobem por aquelê até a boca do córrego Água Vermelho e por êste até sua cabeceira, ganham o cruzamento do espigão mestre Tietê-São José dos Dourados , com o contraforte que deixa, á esquerda, as do córrego do Mangue, e, á direita, as do ribeirão do Jacaré;

COM O DISTRITO DE PAZ DE IACÍ:

Começam no cruzamento do espigão mestre Tietê - São José dos Dourados, com o contraforte Jacaré - Mangue, seguem pelo ribeirão Jacaré, até a junção dessas duas águas descem pelo ribeirão Jacaré, até a foz do córrego Cachoeira e por êste acima até sua cabeceira mais meridional atingindo a rumo, a reta que da confluência do córrego de Tiaz ou Traz no ribeirão Bacuri, vai a cabeceira do córrego do Silva;
 
RUI BARBOSA

O distrito de paz de Rui Barbosa terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE IACÍ:

Começam na cabeceira do córrego do Silva, vão, em reta, á barra do córrego do Martiniaro, no ribeirão do Jacaré, sobem por êste até sua cabeceira, continuam pelo espigão que contorna as cabeceiras do córrego do Laudelino, á direita, e deixa, á esquerda, as águas do córrego do Mangue , indo até alcançar a cabeceira do córrego de Chico Ambrosio, pelo qual descem até o córrego da Fazenda Nova do Campo, subindo por êste e pelo córrego de Neca Braz até sua cabeceira, indo, depois, em reta, á cabeceira do córrego do Inácio e por êste abaixo até o córrego Grande;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no córrego Grande, na foz do córrego do Inácio, descem por aquêle até sua barra no ribeirão da Fartura.

MOCÓCA

O município de Mocóca, comarca do mesmo nome constituído do distrito de paz da séde e dos de Igaraí e São Benedito das Areias, passa a ter as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE CAJURÚ:

Começam no rio Pardo, onde faz barra o ribeirão da Boiada, sobem por este até a foz do córrego da Fazenda da Serra, seguem pelo espigão fronteiro que deixa, à esquerda, as águas desse córrego a procura dos aparados da Serra das Contendas, pelos quais prosseguem e pelos da Borda da Mata, até a cabeceira mais ocidental do córrego Comprido ou Marimbondo, pelo qual descem até o córrego das Areias;

COM O ESTADO DE MINAS GERAIS:

Começam no córrego das Areias, na barra do córrego Comprido ou Marimbondo, descem por aquele até sua barra no ribeirão das Areias e por êste até encontrar a embocadura do córrego Canoinhas ou Igaraí, continuando sobem pelo ribeirão Canôas ou Santa Bárbara até a foz do córrego Capituva, primeiro afluente da margem esquerda, daí pelo alto do espigão  da margem direita do córrego Capituva até o divisor que á direita deixa as águas do córrego Canoinhas e dos Fórros, e, á esquerda, as do ribeirão das Canôas ou Santa Bárbara  seguem  pelo divisor até econtrar com o espigão que deixa, á esquerda, o córrego dos Porros e, à direita, o córrego Igaraí ou Canoinhas;

COM O MUNICÍPIO DE TAPIRATIBA:

Começam no espigão que deixa, á direita, as águas dos córregos Canoinhas ou Igaraí e dos Forros, e á esquerda as do ribeirão das Canôas ou Santa Bárbara no ponto de cruzamento com o divisor da margem direita do córrego dos Fórros, prosseguem por êste divisor e continuam pelo espigão entre as águas do rio Guaxupé, á esquerda e as do rio Canôas á direita até encontrar com o divisor da margem esquerda do córrego José Eugenio, que passa na estação do mesmo nome;

COM O MUNICÍPIO DE S. JOSÉ DO RIO PARDO:

Começam no espigão divisor que deixa, á esquerda as águas do rio Guaxupé e, á direita, as do ribeirão da Bocaina, no ponto de cruzamento com o divisor da margem esquerda do córrego José Eugênio continuam pelo espigão mestre entre as águas do rio Canôas e as do Rio Pardo, até frontear a cabeceira mais setentrional do córrego da Fazenda Riachuelo, pelo qual descem até o ribeirão da Prata e continuam pelo contraforte fronteiro e pelo espigão da margem esquerda do ribeirão da margem esquerda do ribeirão da Pata até a cabeceira do córrego da Usina pelo qual descem até o rio Pardo e por êste ainda até  a foz do rio Verde:

COM O MUNICÍPIO DE CASA BRANCA:

Começam no rio Pardo, onde deságua o rio Verde, e vão por aquele abaixo até a foz do rio Tambaú:

COM O MUNICÍPIO DE TAMBAÚ:

Começam onde o rio Tambaú desemboca no rio Pardo e vão por êste abaixo até a foz do ribeirão da Bolada, onde tiveram inicio estas divisas;

DISTRITO DE MOCÓCA:
SEDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Mocóca, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITI DE PAZ DE IGARAÍ:

Começam no rio Canôas na foz do córrego da Fazenda de Dona Candida e vão por êste acima pelo seu galho da direita, ou de leste, até sua cabeceira, continuando pelo espigão que deixa, á esquerda as águas do ribeirão Igaraí e, á direita, as do ribeirão da Varginha até cruzar com o divisor que deixa, á esquerda as águas do Igaraí e, á direita, as do ribeirão Guaxupé:

 COM O DISTRITO DE PAZ DE SÃO BENEDITO DAS AREIAS:
   
Começam no ribeirão das Areias, na foz do ribeirão da Guardinha sobem por êste até sua cabeceira para alcançar a rumo o aparado da Serra da Borda da Mata;

IGARAÍ:

O distrito de paz de Igaraí terá as seguintes divisas com o distrito de paz da sede do município:
Começam no espigão que deixa á esquerda, as águas do ribeirão Guaxupé e á direita as do ribeirão Igaraí ou Canoinhas no ponto em que êsse espigão cruza com o divisor que deixa, á direita as águas do mesmo Igaraí ou Canoinhas e á esquerda as do ribeirão de Varginha seguem pela crista dêste ultimo divisror até encontrar a cabeceira do galo da esquerda ou de léste do córrego da Fazenda de Dona Candida, pelo qual descem até o rio Canôas :

S. BENEDITO DAS AREIAS:

O distrito de paz de São Benedito das Areias terá as seguintes divisas internas com o distrito de paz da séde do município:
Começam no aparado da Serra da Borda da Mata, em frente à cabeceira do ribeirão da Guardinha, e descem por êste até sua embocadura do ribeirão das Areias.

MOGÍ DAS CRUZES

O município de Mogí das Cruzes, comarca do mesmo nome, constituindo do distrito de paz da sede e dos de Biritiba-Mirim, Itaquaquecetuba, Poá, Sabaúna, Santo Angelo, Suzano e Taiassupeba, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE GUARULHOS:

Começam no rio Tietê, na foz do córrego do Piratímirim, sobem por êste, pelo seu galho da extrema direita, até sua cabeceira, ganham o morro Vermelho e por êste e pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Tietê, e, à esquerda, as do ribeirão Buquiruvú-guassú, alcançam a cabeceira do córrego do Taboão ou das Fontes:

COM O MUNICÍPIO DE SANTA ISABEL:

Começam na cabeceira do córrego do Taboão ou das Fontes, continuam pelo espigão em demanda da cabeceira mais ocidental do córrego Perová e por êste abaixo no ribeirão Caputera, seguem pelo espigão fronteiro que contorna as cabeceiras do ribeirão do Una, ganham a cabeceira mais norocidental do ribeirão Taboãozinho, e por êste abaixo até o rio Parateí, pelo qual descem até a barra do ribeirão da Divisa ou do Lambarí;

COM O MUNICÍPIO DE GUARAREMA:

Começam no rio Parateí, onde deságua o ribeirão da Divisa ou Lambarí, sobem por êste até a bôca do córrego do Morro do Feital, e por êste acima até o morro do mesmo nome que transpõem, continuando pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Divisa ou Lambari, e, à esquerda, as do ribeirão Itapetí, indo até a barra do córrego do Almeida neste último ribeirão, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Comprido, e, à direita, as cabeceiras do ribeirão Itapeti, atingem o alto da Serra do Itapeti, e pela crista desta continuam até sua ponta mais oriental, de fronte da cabeceira do córrego da Estiva: vão dai em reta, à barra do córrego de Jesuino Franco, no ribeirão da Guararema, e pelo córrego acima até sua cabeceira mais ocidental, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as cabeceiras do rio Potim, e, à direita, as do córrego da Fazendinha, até alcançar o espigão mestre Tietê-Paraíba, pelo qual caminham até defrontar com a cabeceira do córrego de João de Melo:

COM O MUNICÍPIO DE SALESÓPOLIS:

Começam no espigão Tietê-Paraiba, em frente à cabeceira do córrego de João de Melo, descem por êste ao rio Paraitinga (afluente do rio Tietê), seguem pelo Paraitinga até a bôca do córrego da Fazenda ou do Léo, pelo qual sobem até sua cabeceira, ganham a cabeceira da contravertente do córrego da Fazenda São José, pelo qual descem até o ribeirão Alegre ou Peroba, vão dai, em reta, à barra do rio Claro, e dai por nova reta, à cabeceira da água do Passarinho ou Boracica, seguem pelo espigão mestre que separa as águas que vertem para o litoral, das que correm para o planalto até cruzar o contraforte que deixa, à direita, as águas do Itapanhaú, e à esquerda, as dos rios Branco e Vermelho, seguindo pela reta ao cruzamento referido;

COM O MUNICÍPIO DE SANTOS:

Começam na cabeceira do Mar, onde ela tem o nome local de serra de Guaratuba, no ponto de cruzamento com o espigão que deixa, à direita, as águas do rio Claro, e à esquerda as do rio Itapanhaú, alcançam e seguem pela quina da serra até a barra do ribeirão Guaré neste último rio, continuam pelo divisor que deixa, à direita o ribeirão das Pedras, indo até a barra do ribeirão Grande no rio Itatinga, sobem por êste até a embocadura do ribeirão Claro, e continuam pelo divisor que deixa, à direita, as águas dêste último ribeirão e as cabeceiras do ribeirão da Vargem Grande, e, à esquerda, as do rio Itatinga, alcançado o Pico do Itáguassú, prosseguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Taiassupeba, até cruzar o espigão entre as águas dêsse rio, à direita, e as do rio Grande, à esquerda;

COM O MUNICÍPIO DE SANTO ANDRÉ
(EX- S. BERNANDO)

Começam na Serra do Morrão, onde ela cruza o espigão entre as águas dos rios Grande e Taiassupeba, seguem por êste espigão em demanda da cabeceira mais meridional do córrego mestre Leandro, pelo qual descem até sua barra no tio Taiassupeba-mirim, seguem pelo espigão fronteiro em demanda do Alto do Morro do Colégio, ou da Suindara, caminhando por êsse massiço até frontear a cabeceira mais oriental do córrego da Estiva, pelo qual descem até o rio Guató, indo dessa barra, em reta, ao alto do morro do Corrêa, em frente à cabeceira mais oriental do ribeirão Aricanduva;

COM O MUNICÍPIO DA CAPITAL:

Começam no Morro do Corrêa, em frente à cabeceira mais oriental do ribeirão Aricanduva, seguem pelo espigão que deixa, à direita, as águas do rio Guaió, e, à esquerda, as do ribeirão Itaquera e seus afluentes, passando pelos Morros Gerivá e Vermelho, até alcançar a cabeceira mais ocidental do córrego das Três Pontes, pelo qual descem até o rio Tietê, e por êste abaixo até a bôca do córrego Pirati-mirim, onde tiveram inicio estas divisas.

DISTRITOS DE PAZ DE MOGÍ DAS CRUZES

SEDE DO MUNICÍPIO

O distrito de paz da sede do município de Mogí das Cruzes terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANGELO:

Começam no rio Jundiaí, na barra do ribeirão Grande, descem por aquele até o rio Tietê e por êste abaixo até a bôca do rio Taiassupeba:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SUZANO:

Começam no rio Tietê, na foz do rio Taiassupeba, descem pelo primeiro até a embocadura do córrego da Capela, vão daqui, em reta, à ponte sôbre o ribeirão Jaguarí, na estrada de rodagem municipal que da cidade de Mogi das Cruzes vai ao bairro do Melo:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAQUAQUECETUBA:

Começam no ribeirão Jaguarí, na ponte da estrada municipal que da cidade de Mogí das Cruzes vai ao bairro do Meio, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as cabeceiras do ribeirão do Mandí, indo até a cabeceira do galho mais meridional do córrego de São Bento, pelo qual descem ao ribeirão do Pium e por êste abaixo até o rio Parateí;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SABAÚNA:

Começam no ribeirão do Lambarí ou da Divisa, na foz do córrego do Morro do Peital, sobem pelo primeiro até sua cabeceira mais meridional, atingem o alto da Serra do Itapetí, vão, dêsse ponto, em reta, à cabeceira mais ocidental do ribeirão Guararema, e continuam pelo espigão mestre entre as águas do rio Tietê, à direita, e as do rio Paraíba, à esquerda, até frontear a cabeceira do córrego Lindeiro;

COM O DISTRITO DE PAZ DE BIRITIBA-MIRIM:

Começam no espigão mestre entre as águas do rio Tietê, à direita, e as do rio Paraiba, à esquerda, em frente à cabeceira do córrego Lindeiro, descem por êste até o rio Tietê, pelo qual sobem até a bôca do rio Biritiba-mirim, subindo por êste até o ponto em que ele é cortado pela reta oeste-leste, que vem da cabeceira mais oriental de ribeirão da Estiva;

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSUPEBA:

Começam no rio Biritiba-mirim, no ponto em que êle é cortado pela reta oeste-leste que vem da cabeceira mais oriental do ribeirão da Estiva, seguem pela reta até a referida cabeceira e pelo Estiva descem até o rio Jundiai e por êste abaixo até a bôca do ribeirão Grande:

DISTRITO DE PAZ DE BIRITIBA-MIRIM:

O distrito de paz de Biritiba-mirim terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSUPEBA:

Começam no rio Itatinga na barra do rio Grande, vão, daí, em reta à cabeceira do galho mais meridional do rio Biritiba-mirim, pelo qual descem até o ponto em que êle é cortado pela reta oeste-leste que vem da cabeceira mais oriental do ribeirão da Estiva;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO

Começam no rio Biritiba-mirim, no ponto em que êle é cortado pela reta oeste-leste que vem da cabeceira mais oriental do ribeirão da Estiva, descem pelo Biritiba-mirim até o rio Tietê e por êste abaixo até a embocadura do córrego Lindeiro, pelo qual sobem até o espigão mestre Tietê-Paraiba;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SABAÚNA:

Começam no espigão mestre Tietê-Paraíba, em frente à cabeceira do córrego Lindeira caminham pelo espigão, mestre até cruzar o espigão entre as águas do córrego de Fazendinha, de um lado e as do rio Potim, do outro;

DISTRITO DE PAZ DE ITAQUAQUECETUBA:

O distrito de paz de Itaquaquecetuba terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE NO MUNICÍPIO

Começam no rio Parateí, na foz do ribeirão do Pium, sobem por aquele e depois pelo córrego de São Bento até a cabeceira do seu galho mais meridional, ganham o espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão do Mandi, e a esquerda as das cabeceiras do ribeirão Jaguarí, indo até êste, na ponte da estrada municipal que da cidade de Mogí das Cruzes vai ao bairro do Meio;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SUZANO:

Começam no ribeirão Jaguarí, na ponte da estrada municipal que da cidade de Mogí das Cruzes vai ao bairro do Meio, descem pelo ribeirão até o rio Tietê e por êste acima até a barra do córrego da Chácara Bela Vista:

COM O DISTRITO DE PAZ DE PÓÁ:

Começam no rio Tietê, na foz do córrego da Chácara Bela Vista, sobem por êste, pelo galho da direita, até sua cabeceira e daí, em reta, é barra do córrego de Armênio Soares no córrego das Três Pontes;

DISTRITO DE PAZ DE POÁ:

O distrito de paz de Poá terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAQUAQUECETUBA

Começam no córrego das Três Pontes, na foz do córrego de Armênio Soares, vão daí em reta á cabeceira do galho da esquerda do córrego da Chácara da Bela Vista, pelo que descem até o rio Tietê;

COM O DISTRITO DE PAZ DE SUZANO

Começam no rio Tietê na foz do córrego da Chácara Bela Vista, descem pelo Tietê até a barra do rio Guaió e por êste acima até a embocadura do córrego do Fernandes e por êste acima até sua cabeceira, continuando depois pelo espigão que deixa, á direita, as águas do rio Guaió, e á esquerda as do ribeirão Una e seu afluente o córrego da Varginha, e as do rio Taiassupeba-Mirim, indo até o alto do Morro da Suindara ou Colégio:

DISTRITO DE PAZ DE SABAÚNA:

O distrito de paz de Sabaúna terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BIRITIBA-MIRIM:

Começam no espigão mestre Tietê-Paraíba, onde cruza o divisor que deixa á direita, as águas do rio Potim e á esquerda as do córrego Fazendinha, seguem pelo espigão mestre até frontear a cabeceira do córrego Lindeiro;

COM  O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no espigão mestre Tietê-Paraíba, em frente á cabeceira do córrego Lindeiro, seguem pelo espigão mestre até a cabeceira mais ocidental do ribeirão Guarema, vão daí em reta ao Alto da Serra do Itaperí, em frente á cabeceira mais meridional do ribeirão Lambarí ou da Divisa, descem por êste até a embocadura do córrego do Morro do Feital:

DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANGELO:

Fica creado, com séde na povoação do mesmo nome, o distrito de paz de Santo Angelo, no município de Mogí das Cruzes, e que terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SUZANO:

Começam no rio Taiasupeba, na barra do ribeirão de Assucar, descem por aquele até a bôca do rio Tietê;

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Tietê, na foz do rio Taiassupeba, sobem por aquele até a bôca do rio Jundiai, e vão por êste acima até a barra do ribeirão Grande;
COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSUPEBA.

Começam no rio Jundiaí, na foz do ribeirão Grande, vão dai em reta, à barra do ribeirão do Assucar, no rio Taiassupeba:

DISTRITO DE PAZ DE SUZANO 

O distrito de paz de Suzano terá as seguintes divisas internas.

COM O DISTRITO DE PAZ DE POÁ

Começam no alto do Morro da Suindara ou do Colégio seguem pelo espigão que deixa à direita, as águas do rio Taiassupeba-mirim, e as do ribeirão do Una e de seu efluente o córrego da Varginha e, à esquerda as do rio Gualó até frontear a cabeceira do córrego do Fernandes pelo qual descem ao rio Gualó e por este abaixo até o rio Tietê e este ainda a boca do córrego da Chácara Bela Vista:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ITAQUAQUECETUBA:

Começaram no rio Tietê na boca do córrego da Chácara Bela Vista, descem pelo primeiro até a barra do ribeirão Jaguari e por este acima até a ponte da estrada municipal que de Mogi das cruzes vai ao Bairro do Meio.

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

 Começam no rio ribeirão Jaguarí na ponte da estrada municipal que da cidade de Mogi das Cruzes vai ao Bairro do Meio seguem em reta, à barra do córrego da Capela no rio Tietê e vão por este acima até a embocadura do rio Taissupeba:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANGELO:

Começaram no rio Tietê, na foz do rio Taiassupeba e vão por este acima até a boca do ribeirão do Assucar:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSUPEBA:

Começam no rio Taiassupeba, na barra do ribeirão do Assucar vão por aquele acima até a barra do ribeirão Claro, pelo qual sobem até sua cabeceira mais meridional no espigão divisor entre as águas dos rios Grande e Taiassupeba:

COM O DISTRITO DE PAZ DE TAIASSUPEBA:

O distrito de paz de Taiassupeba terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SUZANO:

Começam no divisor entre as águas dos rios Claro e Taiassupeba, na cabeceira  do ribeirão Claro, pelo qual descem até sua barra no rio do Assucar:

COM O DISTRITO DE PAZ DE SANTO ANGELO:

Começam no rio Taiassupeba, na foz do ribeirão do Assucar e vão em reta, à barra do ribeiraõ Grande no rio Jundiaí:

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Jundiaí, na foz do ribeirão Grande, sobem por aquele até a boca do ribeirão da Estiva e por este acima até sua cabeceira mais oriental, indo depois um reta, oeste-leste, ao rio Biritiba-mirim:

COM O DISTRITO DE PAZ DE BIRITIBA-MIRIM:

Começam no rio Birirtiba-mirim, onde ele é cortado pela reta oeste-leste que vem da cabeceira mais oriental do ribeirão da Estiva, sobem pelo rio até a cabeceira de seu galho mais meridional e vaõ dai em reta à barra doribeiraõ Grande, no rio Itatinga.

MOGI GUASSÚ

O município de Mogi-Guassú, comarca de Mogi-MIrim, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRASSUNUNGA:

Começam no rio Mogi-guassú, onde faz barra o ribeirão  do meio, descem pelo rio até a foz do rio Itupeva e por este acima até a embocadura do ribeirão Capitinga.

COM O MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA

Começam no rio Itupeva, onde se lança o ribeirão Capitinga, sobem por aquele até o desaguadouro do ribeirão Taquarantan, dai seguem pelo espigão entre estas duas águas até entroncar no espigão entre estas duas águas até entroncar no espigão mestre que deixa, a esquerda, as águas do rio Itupeva e à direita, as do rio Orissanga, prosseguem até frontear a cabeceira mais setentrional do córrego Mangaratiba.

COM O MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO DO PINHAL

Começam no espigão entre as águas do rio Itupeva ao norte, e as do rio Orissanga, ao sul, em frente à cabeceira do córrego Mangaratiba, descem por este até o rio Orissanga e por este abaixo até a barra do ribeirão do catingueiro, seguem desta confluência, pelo espigão, em demanda da barra do córrego J.E. Souza no ribeirão dos Domingues, e daqui ainda pelo espigão, à procura da cabeceira mais setentrional do córrego Oliveira, pelo qual descem ao ribeirão as Anhumas, vão desse ponto em reta, A procura da nascente do córrego São Pedro pelo qual descem até o ribeirão da jangada e por este acima até a barra do córrego de José Luiz Diego, sobem por este e depois, pela grota até o marco divisório, a margem da rodovia Estadual, destes municípios, na cabeceira da referida grota, dai vão em reta a cabeceira mais ocidental do córrego da Divisa, pelo qual descem até o ribeirão dos Porcos e por este abaixo até o rio Mogi-Guassú.

COM O MUNICÍPIO DE ITAPIRA:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde se lança o ribeirão dos Porcos e descem por aquele até a barra do córrego da fazenda Velha:

COM O MUNICÍPIO DE MOGI-MIRIM:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde descarrega o córrego da fazenda Ovelha e vão por aquele abaixo até a barra do córrego da fazenda D. Joséfina, logo abaixo da Cachoeira de Cima, vão dai em reta a barra do córrego Capela dos Alves no ribeirão da Cachoeira, dai prosseguem em reta a cabeceira do córrego dos Macacos no espigão divisor Mogi-Mirim até a barra do ribeirão do Corta Rabicho:

COM O MUNICÍPIO DE ARARAS:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde faz barra o ribeirão Corta Rabicho, descem por aquele até a foz do córrego do Rio das Pedras:

COM O MUNICÍPIO DE LEME:

Começam no rio Mogi-Guassú, onde deságua o córrego do rio das Pedras e continuam pelo rio abaixo até a barra do ribeirão do Meio, onde principiaram estas divisas:

MOGÍ MIRIM


O município de Mogí-Mirim, comarca do mesmo nome, constituido do distrito de paz da séde e dos de Artur Nogueira, Conchal, Jaguari e Posse de Ressaca, terá as seguintes divisas:


COM MUNICÍPIO DE ARARAS:


Começam na barra do córrego Bom Jesus, no ribeirão do Ferraz, vão por êste abaixo até a barra do córrego do Barboza e daqui em reta, á confluência do ribeirão do Pantano, no ribeirão do Cerrado e daí, por nova reta, à cabeceira sudoriental do córrego Corta-Rabicho, pelo qual descem até o rio Mogí-Guassú;


COM O MUNICÍPIO DE MOGÍ-GUASSÚ:


Começam no rio Mogí-Guassú, onde desemboca o córrego Corta-Rabicho, sobem por aquele até a barra do rio Mogi-Mirim, continuam pelo espigão entre êsses dois rios até encontrar a cabeceira do córrego dos Macacos, vão daí, em reta, à confluência do córrego da Capela dos Alves com o ribeirão Cachoeira, e dessa confluência em reta, à barra do córrego da Fazenda Santa Josefina, no rio Mogi-Guassú, subindo por êste até o córrego da Fazenda Velha;


COM O MUNICÍPIO DE ITAPIRA:


Começam no rio Mogi-Mirim, onde deságua o córrego da Fazenda Velha, sobem por êste até sua cabeceira mais meridional, contornam as cabeceiras do córrego dos Gonçalves e ganham, sempre pelo espigão, a ponta mais setentrional do massiço chamado do Morro do Gravi, seguindo pela cumiada dêste e pelo espigão em demanda da confluência do córrego do lanhoso, no córrego do Gola, no rio Mogi-Mirim; sobem por êste até a barra do córrego da Fazenda da Calunga, no açude, dêste ponto prosseguem pelo contraforte que vai ao divisor entre as águas do rio do Peixe e ribeirão da Penha, à esquerda, e as dos rios Mogi-Mirim, à direita, até cruzar o espigão mestre entre os rios Jaguari, ao sul, e Mogi-Guassú, ao norte, avançam por êste espigão mestre, contornando as cabeceiras do rio Camandoncaia-Mirim, até encontrar o divisor entre as águas dêste mesmo rio e o ribeirão Morro Agudo, em frente á cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge;


COM MUNICÍPIO DE AMPARO:


Começam no espigão mestre entre as águas dos rios Jaguari, ao sul, e Mogi-Guasú, ao norte, no ponto em que êste entronca com o divisor das águas do rio Camandocala-Mirim, de um lado e do ribeirão do Morro Agudo, do outro, em frente à cabeceira mais meridional do córrego de Lucas Jorge, seguem por êste último divisor até a cabeceira do córrego do Tanque de S. Elias, continuando pelo divisor que deixa, à direita, as águas do córrego Santa Bárbara, indo à cabeceira do córrego da Fazenda S. Cloud e por este abaixo até o rio Camandocaia;


COM O MUNICÍPIO DE PEDREIRA:


Começam no rio Camandocaia, na barra do córrego da Fazenda S. Cloud vão pelo rio abaixo até foz do córrego da Fazenda Capim Fino, sobem por Êste até a sua cabeceira mais ocidental e, transpondo o espigão mestre entre as águas dos rios Camandocaia, ao norte, e Jaguarí, ao sul, alcançam a cabeceira do córrego da Fazenda de Carlos Aranha, pelo qual descem até o rio Jaguarí;


COM MUNICÍPIO DE CAMPINAS:


Começam na barra do córrego da Fazenda de Carlos Aranha, com o rio Jaguarim, seguem pelo espigão fronteiro até a cabeceira do córrego da Fazenda Castelo, pelo qual descem até a sua barra, no córrego Fazenda Santa Julia e prosseguem pelo espigão fronteiro em demanda da cabeceira mais oriental do córrego da Fazenda Tanquinho Velho, pelo qual descem até seu galho mais setentrional, continuando por êste acalma até sua cabeceira: daí vão, em reta, à ponte sobre o rio Jaguarí, da estrada estadual, descendo pelo rio Jaguari até a barra do ribeirão da Cachoeira, sobem por êste até a boca do córrego Boldiu. Cemitério ou Capéla e por este acima até sua cabeceira, ganham a cabeceira do córrego Socegan e por êste descem ao rio Pirapitinguí; sobem por êste até a boca da Água do Jacinto, caminham por êste acima até sua cabeceira e daí, em reta, à barra da Água do Km. 41, da Estrada de Rodagem no ribeirão Três Barras e por êste abaixo até o ribeirão Monjolo Grande, por êste acima até a boca do córrego Pinheirinhos e por êste acima até sua cabeceira:

COM O MUNICÍPIO DE LIMEIRA:


Começam na cabeceira do córrego dos Pinheirinhos, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Três Barras e à esquerda, as do ribeirão Tabajara indo até o córrego do Barreiro, onde faz barra o córrego que vem da Fazenda de J. Sampaio sobe por êste ultimo até sua cabeceira mais ocidental e continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, o ribeirão Tabajara e, à direita, as águas do ribeirão Ferraz, até encontrar a cabeceira mais ocidental do córrego Bom Jesus, pelo qual descem até o ribeirão do Ferraz, onde tiveram início estas divisas.


DISTRITOS DE PAZ DE MOGÍ-MIRIM:


SEDE DO MUNICÍPIO:


O distrito da sede do município, de Mogí-Mirim, terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DE ARTUR NOGUEIRA:


Começam no rio Pirapitingui, na foz do ribeirão de Manoel Dias, sobem por êste até sua cabeceira norocidental, continuam pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão Mato Dentro, e, à direita, as dos ribeirões Vatinga e Pederneira, e vão até a ponte sobre o córrego do Coxim, na estrada de rodagem que da cidade de Mogi-Mirim vai à cidade de Limeira;


COM O DISTRITO DE PAZ DE CONCHAL:


Começam na ponte sobre o córrego do Coxim, na estrada de rodagem que da cidade de Mogi-Mírim vai à cidade de Limeira, sobem pelo Coxim até sua cabeceira mais setentrional, ganham a cabeceira de contravertente do ribeirão da Ponte Baixa, descem por êste até o ribeirão da Ponte Alta, seguem por êste abaixo até a boca do córrego Aterradinho, e dessa barra, em reta, à Cachoeira do Itupava-Mírim, no rio Mogi-Guassú;


COM O DISTRITO DE PAZ DE POSSE DE RESSACA:


Começam no espigão mestre entre as águas do rio do Peixe, à direita, e as do rio Jaguari, á esquerda, no seu ponto de cruzamento com o espigão que deixa, á direita, as águas do ribeirão do Lambedor, e, à esquerda, as do ribeirão da Ressaca, seguem por êste último divisor até frontear a cabeceira do córrego da Fazenda Mato Alto, descem por êste até o ribeirão do Lambedor, vão por êste abaixo até o rio Pirapitingui, e por êste acima até a barra do ribeirão de Manoel Dias.


ARTUR NOGUEIRA:


O distrito de paz de Artur Nogueira terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DE CONCHAL:


Começam no ribeirão Ferraz, na barra do córrego da Guaiquíca, seguem pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão da Barra, indo até a confluência do córrego do Coxim, neste ribeirão, sobem pelo córrego do Coxim até a ponte da estrada de rodagem que da cidade de Mogí-Mirim vai à cidade de Limeira;


COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:


Começam na ponte do córrego do Coxim, na estrada de rodagem que da cidade de Mogí-Mirim, vai à cidade de Limeira, continuam pelo espigão que deixa á esquerda, as águas ribeirões Pederneira e Vatinga e, à direita, as do ribeirão de Mato Dentro, indo até a cabeceira norocidental do ribeirão de Manoel Dias, pelo qual descem até o rio Pirapitinguí;


COM O DISTRITO DE PAZ DE POSSE DE RESSACA:


Começam na barra do ribeirão de Manoel Dias, no rio Pirapitinguí, e continuam em direção ao sul, pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas de ribeirão da Ressaca, e, à direita, as do rio Pirapitinguí, indo até o alto da Borda da Mata;


COM O DISTRITO DE PAZ DE JAGUARI:


Começam no alto da Borda da Mata, e vão em reta, à barra do córrego do Boldiu, Cemitério ou Capéia, no ribeirão da Cachoeira.


CONCHAL:


O distrito de paz de Conchal terá as seguintes divisas internas:


COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO


Começam na cachoeira do Itupava-Mirim, no rio Mogi-Guassu, vão dai, em reta, à barra do córrego ao Aterradinho, no ribeirão da Ponte Alta, e por este acima e pelo ribeirão da Ponte Baixa até sua cabeceira, ganham a cabeceira mais setentrional do córrego do Coxim, que fica na contravertente, e por este descem até a ponte da estrada de rodagem que da cidade de Mogi-Mirim vai à cidade de Limeira.

COM O DISTRITO DE PAZ DE ARTUR NOGUEIRA:

Começam no córrego do Coxim, na ponte da estrada de rodagem que da cidade de Mogi-Mirim, vai à cidade de Limeira, descem pelo Coxim até sua barra, no ribeirão da Barra, e continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas deste ultimo até a barra do córrego Guaiquica, no ribeirão Ferraz.

JAGUARI:

O distrito de paz de Jaguari terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ARTUR NOGUEIRA

Começam no ribeirão da Cachoeira, na foz do córrego do Boldiun, Cemitério ou Capéla, continuam, em reta, até o alto da borda da Mata;

COM O DISTRITO DE PAZ DE POSSE DE RESSACA

Começam no alto da Borda da Mata, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Cachoeira e as do rio Camandocaia, e, à esquerda, as do ribeirão da Ressaca, indo até o marco do km. 43, da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, marco que fica 2000 metros ao norte da estação de Guedes, atingem esse marco, o rio Camandocaia-Mirim, em linha oeste-leste, e daí, em reta, vão até a confluência do córrego da Fazenda S. Cloud, no rio Camandocaia

POSSE DA RESSACA:

O distrito de paz de Posse da Ressaca, terá as seguintes divisas internas:

COM O DISTRITO DE PAZ DE ARTUR NOGUEIRA

Começam no alto da Borda da Mata, continuam pelo espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão Ressaca, e, à esquerda, as do rio Pirapitinguí, indo até a barra do ribeirão de Manoel Dias, naquele rio.

COM O DISTRITO DE PAZ DA SEDE DO MUNICÍPIO:

Começam no rio Pirapitinguí, na barra do ribeirão de Manoel Dias, sobem por aquele até a barra do ribeirão Lambedor, por este continuam acima até a boca do córrego da Fazendo Mato Alto, e por este ainda até sua cabeceira, prosseguindo depois pelo espigão que deixa, à esquerda, as águas do ribeirão do Lambedor, e, à direita, as do ribeirão da Ressaca;

COM O DISTRITO DE PAZ DE JAGUARI:

Começam no rio Camandocaia, na foz do córrego da fazenda S. Cloud, vão em reta, ao rio Camandocaia-Mirim, no ponto em que ele é atingido pela reta oeste-leste, que vem do marco do km. 43 da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, marco que fica 2600 metros ao norte da estação de Guedes, seguem pela reta até o marco e procuram depois o espigão que deixa, à direita, as águas do ribeirão da Ressaca, e, à esquerda, as do rio Camandocaia e as do ribeirão da Cachoeira caminham por este espigão até o alto da Borda da Mata.

MONTE ALTO

O município de Monte Alto, comarca do mesmo nome, constituído do distrito de paz da sede e do de Vista Alegre, terá as seguintes divisas:

COM O MUNICÍPIO DE PIRANGI:

Começam no ribeirão da Onça, na foz do córrego dos Queirozes, seguem pelo contraforte entre os córregos do Queirozes e Mombuca, até a estrada do Taboado, e pelo eixo desta até o córrego do Cambaúva, e daí, em reta, à barra do córrego Sovaca, no córrego da Fazendinha e por nova reta vão até a cabeceira mais ocidental do córrego da Olaria e por este abaixo até o córrego do Barro Preto :

COM O MUNICÍPIO DE JABOTICABAL:

Começam na barra do córrego da Olaria, no córrego do Barro Preto, caminham pelo espigão fronteiro, que contorna as cabeceiras do córrego da Água Suja e atingem a confluência do córrego de J. Carvalho no ribeirão Tabaranas, continuando pelo espigão que deixa, à direita as águas deste córrego e as do córrego até o espigão mestre Turvo-Mogi-Guassu, pelo qual caminham até frontear a nascente do córrego da Graminha conhecido pelo nome de Dona Candinha e por nova reta à cabeceira do córrego da Fazenda Laranjal, mais próxima do marco do km. 364, do ramal de Jaboticabal, da Co