30 DE SETEMBRO DE 2002

 

ATO PÚBLICO SOLENE EM HOMENAGEM AO ABADE GERAL DO MONASTÉRIO DE FO GUANG SHAN - VENERÁVEL MESTRE HSIN TING

 

O SR. PRESIDENTE - CARLÃO CAMARGO - PFL - Sob a proteção de Deus, iniciamos os nossos trabalhos.

Gostaria de convidar para assumir a Presidência dos trabalhos o nobre vereador William Woo, da Câmara Municipal de São Paulo.

 

* * *

 

- Assume a Presidência o Sr. William Woo.

 

* * *

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Nesse momento, vou nomear as autoridades que compõem esta Mesa.

Venerável mestre Hsin Tin, Abade Geral do Monastério de FO GUANG SHAN, Taiwan - China. (Palmas.) Senhor Hong Tsu Ho, Presidente da Blia do Brasil. (Palmas.) Reverenda Mestra Sinceridade do Templo Budista Zu Lai do Brasil. (Palmas.) Sr. Moacir Mazariol Soares, do Templo Zulai, de Cotia, (Palmas). Sr. Eric Liu, intérprete, Templo Zulai, de Cotia. (Palmas.)

Estamos hoje reunidos na Assembléia Legislativa de São Paulo, na data de 30 de setembro de 2002, Ato Solene em Homenagem ao Abade Geral do Monastério de FO GUANG SHAN, venerável mestre Hsin Ting de Taiwan - China.

Solicitação feita pelo nobre Deputado Estadual Carlão Camargo.

Neste momento, convido todos os presentes para de pé ouvirmos o Hino Nacional Brasileiro, executado pela Banda da Polícia Militar.

 

* * *

-                     É executado o Hino Nacional Brasileiro.

 

* * *

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Gostaria de agradecer, através do Tenente PM Sérgio Rodrigues, a toda a gloriosa Banda da Polícia Militar do Estado de São Paulo. (Palmas.)

Nesse momento gostaria de passar a palavra ao Sr. Hong Tsu Ho, Presidente da Blia do Brasil.

 

O SR. HONG TSU HO - Em primeiro lugar a saudação e agradecimento da Blçia do Brasil, ao Exmo. Sr. Deputado Carlão Camargo, Vereador o Sr. William Woo, demais autoridades presentes, venerável Mestre Hsin Ting e Reverenda Mestra Sinceridade e todos os convidados presentes.

Estamos hoje aqui em homenagem e ouvir as sábias palavras do Abade Geral do Monastério Fo Guang Shan, venerável mestre Hsin Ting em visita ao nosso País.

Somos profundamente gratos ao povo brasileiro e em especial ao nosso amigo Deputado Carlão Camargo, pela iniciativa em convite, em convocar este Ato Solene e assim proporcionamos a oportunidade rara de estar ao Plenário Franco Montoro da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.

Ouvindo e aprendendo com as palestras que será proferida pelo venerável Mestre Hsin Ting.

Este Ato Solene e esta homenagem, é um acontecimento precioso para todos nós da Blia Brasil e para todos os nossos convidados.

Obrigado. (Palmas.)

 

O SR. PRESIDENTE -WILLIAM WOO - Gostaria de registrar a presença do Reverendo Gustavo Correia Pinto do Templo Honpa Hongji de São Paulo - Capital e também da Sra. Aline Hernandes, representante do Centro Lama Tsong Kapa, de Porto Alegre - Rio Grande do Sul.

Obrigado pela presença.

 

O SR. MOACIR MAZARIOL SOARES - O venerável Mestre Hsin Ting é diretor em exercício do Comitê para assuntos religiosos e Abade Geral do Monastério de Fo Guan Shan.

Responsável pela administração de mais de 250 templos ao redor do mundo, líder do Centro Internacional de Meditação Chan, nasceu em Taiwan em 1944.

Quando ainda jovem recruta do exército, conheceu o grande mestre Hsin Ting e decidiu tornar-se o seu discípulo. Após graduar-se na Faculdade Istambul College, continuou aprofundando os seus estudos no Instituto de Pesquisa da Índia, na Universidade Cultural.

Detém o título de Doutor em filosofia, pela Universidade Hsi Lai de Los Angeles na Califórnia.

Um dos mais compassivos mestres Chan que ocupa a 49ª posição hierárquica, dentro da linhagem Lin Ti, profundo conhecedor da língua pale, notável mestre em meditação Chan Zen. Dotado de grande talento musical, reconhecido por suas grandes performances na condução de cantos cerimoniais. Escritor e compositor de temas budistas com vários CDs e cassetes produzidos.

Por mais de 30 anos, tem estado profundamente ligado a todos os aspectos do desenvolvimento das mais variadas atividades do monastério de FO GUANG SHAN. Tem prestado grande contribuição na criação de programas institucionais e na formação de monges dentro da carreira monástica. Atuou como Abade Geral, no templo Hsi Lai em Los Angeles nos EUA., e no templos Hsi Lai- em Taipei e na Malásia.

Dentre os seus muitos talentos, é palestrante extremamente preparado na propagação do darma, versado em temas como a vida após a morte entre outros. Tem sido convidado para conferências ao redor do mundo, por várias organizações, tais como universidades, escolas, penitenciárias e inúmeros templos ao redor do mundo.

Obrigado. (Palmas.)

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Tem a palavra o venerável mestre Hsin Ting, Abade Geral do Monastério FO GUANG SHAN, com o tema de hoje: “Sabedoria, a Prática do Budismo Humanista”. (Palmas.)

 

O SR. ABADE GERAL HSIN TING - (Tradução Simultânea) Exmo. Sr. vereador Willian Ho, ao Sr. Hong, Presidente da Blia Brasil - São Paulo, a Mestra Sinceridade, Moacir, todos os nossos amigos budistas e também as autoridades religiosas presentes.

Boa noite.

Assim como ontem, estou muito feliz hoje, com a presença de tantos amigos brasileiros ouvindo esta palestra.

Hoje, irei discursar sobre algumas formas de deixar a nossa mente tranqüila, a vontade, serena. Nesse nosso dia-a-dia corrido e conturbado.

Os principais fatores do sofrimento, pode ser resumido no desejo, problemas referentes ao sentimentos e muitas vezes a procura incessante pela riqueza e a frustração quando não conseguimos o mesmo.

Esse tipo de frustração e apego, que tipo de frustração será essa?

Vou citar alguns exemplos: tem um senhor de idade, já próximo da sua morte, seu falecimento e mesmo nesse instante, ele não consegue fechar os olhos, é como se tivesse ainda algo em sua mente, um apego. Então o filho perguntou ao pai:

-                     Pai, o senhor tem alguma coisa que o senhor está apegado, algum apego ou último desejo?

-                     Há muitos anos atrás, num jantar com um velho amigo meu, estou pensando naquele último pedaço de bisteca que ele comeu.

-                     Então o filho perguntou:

-                     Mas, por que o senhor não tirou a bisteca dele na ocasião?

-                     Porque no meu rashi, no meu palitinho, já tinha um pedaço de bisteca.

-                     O filho perguntou:

-                     Então, porque o Sr. não engoliu rapidamente e pegou o último pedaço de bisteca?

-                     É porque na minha boca já tinha um pedaço.

-                     Por que o senhor não engoliu rapidamente e colocasse o outro pedaço na boca e pegou o último pedaço ?

-                     Porque tinha acabado de engolir mais um pedaço, não dava tempo.

Um apego por uma mera e simples bisteca e o jantar há tanto tempo atrás, um apego tão forte que ele não conseguiu se desvencilhar até no momento da morte.

Outro caso é em Hong Kong, onde também uma outra pessoa já moribunda, uma pessoa pelo jeito muito rica e então o amigo dele perguntou antes da morte:

-                     Como você quer que eu resolva e distribua a sua herança?

-                     Pára de perturbar. Mesmo que eu morra, vou renascer, aí posso vir retirar esse dinheiro.

Por causa dessa pequena riqueza, dessa pequena fortuna, essas pessoas ficam apegadas a esse mundo e não conseguem deixá-lo.

Há várias pessoas no mundo que doam, contribuem fazendo doações de terrenos, imóveis para a construção de igrejas, escolas, enquanto que há outras pessoas , por causa da linha demarcatória dos terrenos, costumam processar uns aos outros.

Há casos de pessoas que por causa de uma cerca que o vizinho transgrediu ou seja, invadiu parte do seu terreno por alguns centímetros, ela ficou descontente e foi recorrer junto às autoridades.

 Em outros tempos passados, a correspondência não era tão sofistica e tão rápida como hoje, uma simples carta, poderia demorar mais de um mês para chegar ao destino.

A autoridade que no caso por coincidência era pai dessa pessoa, ao abrir a carta viu que era apenas uma reclamação por meros centímetros quadrados.

Então, o pai escreveu uma carta de retorno, a sua carta viajou centenas de quilômetros, apenas por causa de uma parede?

Alguns centímetros quadrados de terreno, deixa para ele, o quê tem demais?

Enquanto que o cliente pode até hoje testemunhar o tesouro que é a grande muralha da China, a gente nunca mais se lembra da pessoa que ordenou a construção, será um reino passado.

Tudo nesse mundo é permanente, esse terreno, esse imóvel, essa propriedade que hoje é sua, quando você morrer não será mais.

Devemos aprender a nos desapegar de possessões materiais, até mesmo do sentimento de riqueza, de cobiça pelo poder. Temos que aprender a lidar com eles de uma forma desapegada, sem sofrer por causa deles, usando uma atitude sábia. Esse tipo de sabedoria do desapego é muito fácil de se falar, mais é difícil de se cumprir e se concretizar.

O Buda, logo após a sua iluminação proclamou que todos o fenômenos e objetos desse universo, são na verdade oriundos da interdependência de fatores, da interação de fatores. São permanentes e são irreais na sua essência.

Um exemplo que podemos citar, é a água que bebemos, a água nada mais é que o composto de H²O e com e a mudança da temperatura, ela pode ou se tornar gelo ou simplesmente evaporar, portanto ela é permanente, nasceu interdependência de causas e fatores, ela cessa da mesma forma. Embora seja apenas uma ilusão, algo irreal, mas a maioria de nós se apega a ele, vendo como algo real.

Era uma vez uma princesa há muito tempo atrás, ela estava passeando no jardim e viu a água borbulhando no riacho, ela tinha achado na ocasião algo lindo, as bolhinhas de água. Então, ao retornar ao castelo, ela solicitou ao pai.

Pai, quero um colar feito de bolhinhas de água.

O rei convocou vários artesãos e solicitou alguns deles, àquele que fosse capaz de criar um colar feito de bolhas de água. Isso causou uma grande comoção entre as autoridades e os artesãos presentes, pois sabiam da impossibilidade de realizar tal ato e do fato que se não fizessem, seriam punidos ou até mesmo com pena de morte.

Uma das autoridades presentes se dirigiu ao rei e falou:

-                     Eu posso fazer um colar de bolhas de água para a princesa.

-                     Ele falou que tudo bem, leva a princesa e faça um para ela.

-                     Ele muito sabiamente levou a princesa até o riacho e apontou, você faz o seguinte, escolhe e você pega aquela bolhinha que você mais gostar, daí monto o colar para você.

A princesa a cada tentativa de pegar uma bolha que achava bonitinha, ela estourava em sua mão. A autoridade falou para a criança, depois de um bom tempo com insucesso das tentativas falou para ela:

-                     Está vendo que você mesma tentou pegar as bolhas e não conseguiu?

Vamos voltar ao Castelo e você fala para o seu pai, que toda vez que tentava pegar uma bolhinha ela estourava na sua mão, não sou eu quero não quero fazer para você, é que você mesma não consegue pegar as bolhas. Esses cristais de pedras preciosas que tanto gostamos, temos que entender que a formação dessas pedras podem se contar milhões e milhares de anos para conseguir formar um cristal, um diamante. As nossas vidas, esses meros anos que vivemos, não são mais que bolhas pipocando no ar, se comparados a existência deles, se comparado com o Universo, muito menos então.

O ser humano embora na sua curta existência, sempre disputando, sempre se confrontando por meros objetos que são permanentes, por causa disso o ser humano provoca guerras e conflitos intermináveis, por essa falsa riqueza.

Uma vez o Buda, ao voltar da cidade para o templo, antigamente os templos eram construídos nos subúrbios, arredores da cidades, não é? Então, tinha um longo caminho do templo até a cidade e durante esse trajeto, ele observou que alguns bois estavam brigando entre si. O Buda não contente com que viu, balbuciou algumas palavras, só que o discípulo que o acompanhava não conseguiu ouvir as palavras, mas ele estava muito curioso, quando chegou ao templo, ele se dirigiu ao mestre. O Buda perguntou a ele:

-                     Você reparou que os bois, além de ficar mugindo, ficavam de certa forma disputando e brigando toda hora?

Você sabe que todo dia, um dos bois é abatido, aquele que é mais gordinho, mais forte, sempre é abatido. Os bois não sabendo disso continuam brigando incessantemente uns com os outros, coitado deles! Não sabem como a morte está próxima a cada um.

Assim acontece com o ser humano e não percebe que a vida se esvai a cada minuto, a cada instante, como uma represa secando com a ação do tempo. Não vejo diferença entre nós humanos e os animais ignorantes da própria morte, não sabendo que a morte se aproxima, ficam brigando entre si, disputando um pedaço de pão, um pedaço de terreno.

Dessa forma, acho que o povo brasileiro, realmente é um povo muito abençoado, povo bem tranqüilo. Assim são em todas as suas atitudes, sempre comendo com calma, tranqüilidade, fazendo tudo com calma e tranqüilidade. Isso na verdade, é o que julgo de uma vida correta.

Uma velhinha ao atravessar a rua, atravessa de uma forma bem devagar e lenta, o motorista de carro que a aguardava atravessar a rua, se irritou, abriu a janela e gritou:

-                     Dá para a senhora se mexer mais rápido!

A velhinha muito sabiamente falou:

-                     Há um velho ditado que fala que o ser humano caminha em direção a morte, desde o momento que nasce, então qual é a sua pressa? Você quer chegar tão perto da morte e tão rápido?

Vejo na minha opinião, que se os povos do mundo seguissem os exemplos do povo brasileiro de levar essa vida tranqüila, sem pressa, o mundo será um lugar muito melhor.

Podermos saber, mais como realmente experimentar, vivenciar essa impermanência de saber que o mundo é impermanente, como podemos vivenciá-lo.

O Buda sempre disse que todos os fenômenos do mundo se originam a partir da causa e efeito e cessam pelos mesmos. Nós humanos, animais, a própria terra e o universo, nada mais somos do que agregados, de fatores que interagem entre si, todos somos compostos por causas e condições e cessamos uma vez que as mesmas não sejam mais favoráveis.

 Vemos que o nosso simples microfone, composto por diferentes matérias como: metal, plástico e componentes eletrônicos. Na verdade, ele nada mais é do que um agregado de fatores e condições.

Para que se crie um microfone, é necessário que todos os componentes estejam presentes, desde da borracha, da parte metálica, do plástico e de outros componentes.

É uma coisa bem simples, dessa simples analogia, percebemos que tudo se cria a partir de causas e condições favoráveis, sem os mesmos, nada existe. Da mesma forma, a simples borracha que vemos aqui, para que se crie essa borracha, foi necessário a matéria-prima do látex, o fator humano que seria a mão-de-obra, os moldes, todos os equipamentos necessários, somente com a união de todos esses fatores e essas causas, é que se originou essa borracha. Só analisando mais analiticamente, apenas o material dessa borracha, podemos perceber os processos por que ela teria que passar, desde a extração do látex até o processo do mesmo. Quantas pessoas, quantos fatores e causas, foram necessários para a criação do mesmo.

Da mesma forma, para que se existisse o látex, teria que primeiro existir a árvore que através de condições naturais favoráveis, com os nutrientes ricos no solo, água e sol, pode crescer e de onde finalmente podemos extrair o látex. A terra pertence ao nosso planeta, assim como o ar e a água, todos pertencentes ao universo. Podemos perceber a cadeia de causas e fatores que interligam cada processo até a formação somente desse cabo de borracha. De repente, acho que vocês podem até pensar, quem não sabe disso?

Da mesma forma é o cabeçote do microfone, feito de material plástico, necessita de moldes, de mão-de-obra, da matéria-prima, em si do plástico, do forno, ou seja ele também é composto de vários fatores e de várias causas. Somente o molde, independente se ele é feito de aço, ferro, cobre ou outro material, todos eles dependem de matéria-prima, de processamento, para que exista o molde. Da mesma forma, o plástico vem do petróleo, o petróleo dependendo do diferente processamento dele, ele pode ser usado como combustível ou matéria-prima, como polímeros que é o plástico para outras aplicações.

De onde vem o petróleo, o petróleo nada mais é do que restos fósseis que extraímos debaixo da Terra e novamente para extrair-se o petróleo precisamos de plataformas, equipamentos e de tudo necessário para a extração.

Por que nesses locais existem petróleo, diamantes e outros?

Porque são diferentes as causas e as condições.

Para falarmos de petróleo, precisamos falar de terra que por sua vez nada mais é do que uma partícula que foi expelida do sol, dessa forma de um simples microfone, conseguimos extrair uma cadeia gigantesca de fenômenos de causas e fatores.

Da mesma forma, a existência do ser humano que precisa primeiramente do carinho e da atenção dos pais, alimento, oxigênio, água e de constante cuidado, ou seja, ele também é um agregado de fatores de causas e condições, só poderá existir quando as mesmas são favoráveis.

A verdade tem que ser dissecada minuciosamente, ponto a ponto, etapa por etapa, desvendar os mistérios da verdade. Percebemos que apenas as analogias da criação de um microfone e da existência desse microfone, vimos os processos porque ele teve que passar, é importante que tentemos perceber que todos esses processos são como fluxos contínuos e incessantes. É importantíssimo que nada nesse Universo é fixo e determinado.

Infelizmente, procuramos algo que é concreto, sólido e eterno e infelizmente acabamos percebendo que não é, causando o sofrimento. Tudo é criado a partir de causas e efeitos, depois transformado naquilo e depois naquilo. Tudo baseado nas causas e nos efeitos.

Podemos pegar a analogia da economia mundial, basta o Bush falar que vai conduzir uma guerra, vai atacar o Iraque que o dólar pode consequentemente valorizar ou se desvalorizar e claro de carona o real, desvaloriza ou valoriza.

Tudo nesse mundo está mudando, a matéria muda, o dinheiro muda e até o sentimento muda também. Assim é com o poder, hoje o poder de um governador é limitado ao seu mandato, uma vez que o mandato se excede, o mandato do governador se excede, ele tem que deixar o governo para outras pessoas ou seja, nada é eterno. Então, porque nos apegamos, porque não sabemos, mais o curioso é, quando perguntamos as pessoas, as respostas são sempre as mesmas, é claro que sei que nada é permanente.

Se você sabe, porque você se apega, algo muito estranho, algo contraditório. Assim como tudo, também envelhecemos com a ação do tempo, é impossível preservar a sua beleza por muito tempo.

Vemos as pessoas quando se olham no espelho, saiu mais um cabelo branco, estou com mais um pé de galinha a mais aqui. Você vê esse tipo de preocupação, mais na verdade, envelhecemos desde o momento que nascemos, isso é um processo natural da vida, para que sofrer por causa disso?

Àqueles que enxergaram através da ilusão, enxergaram a verdade, eles entendem que o mundo está em constante mudança e em constante transformação. Sabendo disto ele não sofre.

Para que realmente não fiquemos apegados e sofrendo de constantes medos de perda, angústia, com essa transformação, essa mutação constante de todos os fenômenos, temos que falar para si mesmos e encarar a dura realidade. Isso é um fato, preciso saber que nada é permanente no mundo. Temos que aceitar e encarar essa verdade.

Sempre vemos todo mundo parabenizando a mãe pelo recém-nascido, que bonitinho! Parabéns! Temos que lembrar que desde o momento que nasce. Ele está destinado ao sofrimento da velhice, da doença e da morte. Por que parabenizá-lo?

Vemos que na verdade o bebê não quer nascer, na verdade se formos pensar, ele sempre fica preso ao ventre da mãe, mas os deuses falam: “Não, você tem que ir, porque você não tem essa de ficar aqui, não”.

Então, eles chutam ele para fora, por isso que quando ele sai, ele nasce com o bumbum roxo.

Não aceitamos a morte na velhice, quando estamos no hospital, presenciamos velhinhos enfermos e em estado terminal, um cano ali o outro aqui, respirando totalmente de forma artificial, vivendo à base de máquinas. A enfermeira ou o médico sempre consultam a família, se por acaso de uma piora ou de uma caída no batimento, você quer que ressuscite ele?

A resposta é sempre unânime de todos os filhos: “Sim, ressuscite-o”.

Se um filho falar que ele já sofreu o suficiente, está na hora dele ir, sempre vai ter um que vai ser contra, de maneira alguma, não podemos deixar ele morrer.

O médico pergunta àquele que não aceitou deixar o pai ir em paz, ele chama ao lado e pergunta: Se teus irmãos aceitam deixar o seu pai ir em paz, porque você não aceita?

Aí vem a resposta dele: “Não, o senhor não me entende, é que antes do meu pai perder a consciência, ele falou para mim que ele ia transferir o nome daquela casa para mim, só que até agora ele não fez, não posso deixar ele morrer”.

A resposta do médico: “O seu pai foi uma boa pessoa, sempre fazendo boas ações, com certeza quando ele morrer, ele irá para o paraíso, onde ele pode desfrutar das mil e uma maravilhas. Enquanto que aqui, ele está sofrendo, respirando artificialmente. Você tem mais que deixar ir logo”.

No budismo, falamos que àqueles que são cultivados, vão colher muitos méritos e provavelmente irão nascer na terra pura de Buda, ou seja no catolicismo seria, na morte ele irá para o céu. Porque não deixamos a pessoa ir em paz e de qualquer forma queremos segurar a pessoa no mundo terreno, mesmo sabendo que ele está sofrendo de dores terríveis.

De qualquer forma, quer segurar a pessoa no terreno, mesmo sabendo que ele está sofrendo de dores terríveis. Então, da mesma forma que os asiáticos apreciam a vida no ocidente, onde se tem mais conforto, mais espaço, após a morte o mesmo irá renascer num mundo melhor. Por que então ao invés de chorar nós não o saudamos com palmas e congratulações?

Da mesma forma, mesmo que ele não renasça no paraíso, vamos supor que ele reencarne novamente ele renasça como ser humano, no momento do nascimento todo mundo abraçando e beijando, dizendo “Ah, que bonitinho, que gracinha” enquanto que ele nesse estágio decadente, ninguém tem coragem de se aproximar.

Quem cuida do pai 24 horas, o pai todo enfermo e decadente? Ninguém. Mas, a partir do momento que vemos nascer o nenezinho todo bonitinho, todo fresquinho, todo mundo quer pegar, todo mundo quer beijar. Então, deixe ele renascer logo, cesse o sofrimento dele. Então a gente percebe que a mudança faz parte do universo, a mudança é a realidade do mundo que vivemos.

Então, além de percebermos que todos os fenômenos eles se originam a partir de causas e efeitos, ou seja, além de estar mudando constantemente de forma, de qualidades, sempre temos que ter uma coisa muito clara em nossa mente, que tudo está interligado, nenhum fator do mundo é independente.

Nada no mundo é independente. Na verdade, tudo está coligado através de elos, através de interdependência. Da mesma a água é formada por hidrogênio H2O, microfone e tudo que vemos aqui é formado por vários elementos; plástico, metal , etc. Da mesma forma este ser humano composto por fatores psicológicos e fatores físicos, tudo a base de carbono e hidrogênio. Assim nosso corpo não é real. Ele nada mais é do que o produto agregado de vários fatores, de vários componentes. Assim como o microfone se quebra um dia, o nosso corpo envelhecerá e se esvairá um dia.

A gente observa o artista cênico. Ele pode interpretar vários papéis: papel de rei, de presidente, de um pai, de um filho, basta ele mudar a sua fisionomia e a roupa que está vestindo. Antigamente era muito comum apresentação de circos e teatros e os artistas eram sempre em família. Então, na verdade, mesmo se na vida real os atores fossem relação de pais e filhos, muitas vezes no papel que eles interpretavam eles alternavam eles alternavam os papéis. O tio virava sobrinho, o pai virava filho e vice-versa. Então, na verdade era tudo mentira, nada era real.

E, depois de uma apresentação na cidade eles tinham que se apressar ir correndo para ir para outra cidade, ou seja, eles tinham que colocar tudo em cima das carroças e se locomover para outra cidade. E, durante o caminho como escureceu eles resolveram pousar num lugar e ouviram dizer que naquela região que eles estavam sempre apareciam muitos fantasmas. Então, no momento que eles pararam cada um procurou um cantinho e foi dormir e uma das pessoas acordou para fazer as necessidades e um outro que não conseguia dormir resolveu fazer uma fogueira e ele queria pregar uma peça nos outros membros do circo. Ele se maquiou de fantasma e ficou perto do fogo.

Daí então aquele que foi fazer as necessidades na hora que voltou não sabia que era o amigo que lá estava e soltou um berro: “Ah, tem fantasma aqui!”. Então, todos ficaram assustado e saíram correndo e aquele que estava pregando a peça, para continuar assustando eles correu atrás também.

Então, o pessoal da frente vendo que o fantasma estava atrás deles, que na verdade era o amigo deles, correram ainda mais rápido. Eles correram toda a madrugada até o nascer do sol, até que viram que o fantasma nada mais era do que o amigo deles.

Na verdade a moral da estória é a seguinte: que tudo quanto existe neste universo é ilusão, nada é real. Então, a gente sempre ouve dizer que a vida é uma grande comédia, um teatro, mas no entanto a gente sempre vê pessoas que se apegam, fazem de tudo para conseguir poder, um lugar na sociedade e riquezas. Então, toda vez que essas pessoas vêm alguém conhecido se tornar um presidente de uma empresa, um Deputado Federal, um senador, ele fica se roendo de inveja, falando: o que ele tem de especial? Eu mereço esse lugar muito mais do que ele.

Na hora de distribuir as coisas, aquele que não recebeu, sempre fica irritado, possesso da vida. Por que eles têm e eu não? Mas, agora, por outro lado se a gente observar que como tudo no mundo, nada é real, tudo é permanente, quando você pensa dessa forma você consegue tranqüilizar a sua mente, você já não fica tão irado, você controla a sua angustia, você controla a sua inveja.

Muitos alunos budistas não entendem afinal o que é a essência do vazio. O que é uma essência do vazio. Poucos entendem isso. Então, a gente pode usar o exemplo da água. A água, como a gente vê, composto de hidrogênio e oxigênio, H2O, e no momento em que se dá a transformação e ela muda de forma? Outro exemplo é o fósforo. A gente acende ele e aparece uma chama. No momento em que a gente assopra a chama ela some. Vazio é semelhante. É a extinção.

Então percebemos que tudo sofre a ação do tempo, das causas e condições. Então, a cada instante ele muda para essa forma, de repente para essa forma e assim sucessivamente. Só que tudo que muda é porque não tem essência própria, ele é vazio. A gente não, fazer uma simples análise e dizer isso aqui é um livro, a gente vai arrancar todas as folhas do livro e de repente ele sumiu. A gente não pode usar esse módulo de pensamento, esse formato de pensamento.

Na verdade temos que entender o seguinte: tudo se origina a partir de causas e condições. Então, nessa mutação a gente observando profundamente, dissecando ponto a ponto, vamos ver que ela é vazia de forma, ela não teria uma essência própria. A filosofia hindu e a budista, classificam a matéria a partir de suas propriedades, ou seja, se ela é quente ou fria, se ela é móvel ou fixa, enquanto que a ciência ocidental, classifica a matéria, quebrando-a em partículas. A gente vê o átomo, o elétron, depois o próton, hoje tem o quantum e mais outras tantas partes ainda. No budismo a gente classifica tudo que a gente julga que na maior parte do tempo ela é estável, ele é fixo e a gente classifica isso de terra. Terra na verdade é uma analogia. Ele quer dizer que a propriedade dele é sólida, é fixa.

Outra forma de matéria a gente chama ela tem a propriedade de unir. É como se fosse uma cola, ela faz com que duas superfícies diferentes fiquem unidas umas com as outras. Essa propriedade de união, essa propriedade de grudar os elementos, a gente chama de fluido. O fluido é simbolizado pela água. A gente pode perceber o efeito da água só usando a massa que a gente usa para fazer macarrão, pizza etc. No momento em que a gente joga a farinha na água, ela gruda uma com a outra. Essa é a propriedade da água.

E, há outro elemento que tem uma propriedade ela é leve, e está sempre em movimento.

Então, a gente julga isso de ar. Por último a gente tem o calor. O calor nada mais é do que energia que propicia com que a matéria mude de forma, que mude de suas propriedades. Então, isso na verdade ele permite a mutação, a energia que muda tudo. A isso chamamos de fogo.

Então, a gente observa uma boa analogia, é o sol. A energia do sol a planta cresce, muda de cor, quando ela fica madura de verde para amarela. Quanto às propriedades internas, o fruto fica sem sabor, para dar um sabor mais dócil, com açúcar, ou seja, ela causa a mudança nas propriedades físicas da matéria. Então, se formos ver toda a matéria do universo é composto por esses quatro elementos. Eles não são elementos, são quatro propriedades. Para que exista vida é preciso que tenha essas quatro propriedades.

Então o universo está sempre em movimento, na terra a atmosfera está sempre em movimento. A gente pode sentir o vento, canais de ventos através de pequenos movimentos, pequenos movimentos que na terra causam. Temos os tubos de oxigênio que são usados por esse pessoal que faz mergulho e a gente é claro que sabe que a matéria prima não é o oxigênio. Você tem que capturar o ar, através de um processo de purificação ou seleção para obter oxigênio puro. Se a gente for ver, o ar que respiramos contém umidade. Então, quase cinqüenta por cento do ar é umidade.

O nosso Presidente, o Sr. Hon é especialista em umidade de ar porque ela trabalha com fraudas. Como as fraudas dele tem a capacidade de absorver a umidade, durante a fabricação ele tem que eliminar toda a umidade do ar para que não prejudique a qualidade da frauda. Então, dessa forma, a gente acabou sabendo que realmente há muita umidade no ar.

Como funciona o corpo? Quando respiramos a gente movimenta todos os órgãos do corpo, com o oxigênio a gente causa o movimento do corpo, a circulação se inicia. Com a circulação começa a surgir o calor. O calor por sua vez começa a transformar todas as enzimas do nosso corpo começam a agir.

Dessa forma a gente começa a processar alimentos, transformando alimento em energia e vice-versa. Então, quando falecemos a respiração é quebrada. Naquele momento, a primeira coisa que começa a acontecer com o corpo é naturalmente a perda de calor, o esfriamento do corpo. Então, o corpo é formado por essas quatro propriedades, que seria a carne os ossos, a parte sólida, o sangue que gruda tudo, que é o elo de tudo, a parte fluida, o ar que é o movimento e a energia que o nosso corpo tem. No momento em que nascemos esses quatro elementos começam a agir, porque enquanto a gente está no ventre da mãe a gente fica dependente do sistema circulatório da mãe, respira através da mãe. Mas, no momento em que o nenen nasce essas quatro propriedades começam a entrar em conjunto.

Até o momento da morte que você vê a sensação. Seja por cremação, se a pessoa prefere ser cremada ou simplesmente enterrada, você percebe que o corpo desaparece, ela não tem essência, é vazio. Então, se analisarmos uma pessoa apenas pela parte material que seria o corpo, a gente vê que nada mais é que o agregado dessas quatro propriedades e não tem muita diferença com uma árvore ou qualquer outra matéria viva. Nada mais é do que um agregado de fatores.

Então, a gente observa que tudo surge a partir da interação do próton, elétron e neutron que formam o átomo que por sua vez com diferentes combinações de efeitos e causas, formam matérias diferentes e objetos diferentes. No final das contas, ele começa a partir de partículas.

Na física a gente sabe que nada, nenhuma forma de matéria é estável, ela está sempre em movimento. E, isso o dízimo já falou há dois mil e quinhentos anos atrás. Então, muitas pessoas pensam que a filosofia do budismo é uma filosofia meio que acomodada, pessimista, porque todo os dias a gente fala de extinção, negativo; mas não é.

A realidade é que todas as matérias estão em constante mudança. Isso não tem nada a ver com a acomodação, ou dinamismo. É simplesmente a realidade do universo. Sabemos que nada é permanente, nem a sua carreira também é permanente. Se você hoje foi promovido, ou foi despedido, se hoje você está num cargo mais alto, ou num cargo mais baixo, nada importa, pois nada é real. Dessa forma você obtém a paz interior. Essa paz é a paz que te liberta desse apego. Aqueles sonzinhos de relógio, na verdade eram para alertá-lo que o tempo estava passando e isso estava deixando ele instável.

Tendo a consciência de que na verdade tudo nada mais é do que um agregado de fatores, causas e condições, a gente tem a sabedoria de que como isso não é real, aliás de que nada no mundo é independente, existe por si só, não vale a pena se apegar à matéria, ao dinheiro, cobiçar cargos, pois isso tudo na verdade não tem essência.

Havia um mestre que durante um passeio levou o discípulo para instruí-lo, mostrar o mundo como o mundo é. E, durante o trajeto deles, se depararam com uma forte chuva e o rio ficou muito violente e eles estavam duelando se deveriam cruzar o rio ou não. Nesse mesmo instante que eles estavam pensando se deveriam atravessar o rio ou não, apareceu uma garota muito bonita que estava com uma feição muito apreensiva. Eu vou te dar uma mãozinha para atravessar o rio. Então, o mestre muito compassivamente carregou a menina na posição de cavalinho e cruzou o rio. Enquanto ele cruzava o rio o discípulo dele começou a se questionar: o mestre sempre me falou que sempre deve haver distância entre o homem e a mulher, o mundo deve separar muito bem à distância de homem e de mulher. No entanto ele vendo essa moça tão bonita ele não pensou duas vezes em levá-la no colo e seguir o rio. Então, ele ficou muito apegado com essa idéia, ficou muito confuso.

Então, depois de cruzar o rio cada um seguiu o seu próprio rumo mas o discípulo sempre carregando essa imagem na cabeça, sempre carregando essa dúvida, dentro da sua cabeça, passados vários dias, vários meses. Ele falou: “Mestre tenho uma pergunta que gostaria de lhe dirigir, por favor me instrua”. E o mestre o autorizou. “Mestre o senhor sempre falou que não deve haver contato físico entre homem e mulher. No entanto, há dois meses, na ocasião da chuva, o senhor não pensou duas vezes na hora de levar a menina para atravessar o rio”. O mestre falou para ele: “Nossa você tem sofrido muito, tem sofrido muito. Coitado de você. O mestre no momento que largou a menina largou-a por completo, de corpo e alma, enquanto que você carregou-a dentro de si por dois meses”.

E, nessa teoria da originação interdependente que a gente vem falando desde o começo, no budismo há uma forma mais ativa de se analisar esse conto. Outra forma de analisar como o mundo está em constante mudança, a gente tem que sempre se apressar. O exemplo é uma fábrica. Uma fábrica que opera 24 horas por dia incessantemente, uma máquina produzindo duas mil unidades/dia.

Então, como tudo muda de forma tão rápida, você tem que agir de forma mais intensa, mais rápida e ativa, porque você não pode perder uma oportunidade.

Uma oportunidade não aparece duas vezes. Isso significa valorizar o tempo, valorizar a oportunidade, que no caso seria a opção propícia. Quer dizer você tem que valorizar esse momento. Os humanos, graças a sua inteligência, sua vontade, coragem e determinação, muitas vezes eles superam até os deuses, porque só o humano tem essa vontade, essa determinação de transpor todos os obstáculos que aparecem na sua frente.

Por isso é que digo: aquele que nasce humano é muito afortunado. Por isso que digo: aquele que nasce humano é muito afortunado. Um exemplo é uma pessoa ouvir dizer que um grande mestre, no caso o mestre Shing Ping, veio de Tawian vai dar uma palestra e pensa: “Ah! Ele veio de tão longe é uma oportunidade rara, mas ao mesmo tempo ele tem essa dúvida interna e fala: puxa mas eu já marquei com três amigos para tomar um chopinho e agora, como é que faço?!”

Outras pessoas que rezam, apenas alguns minutinhos e já começam a sentir cansaço, irritação. “Nossa, como isso é longo, não acaba mais!” E, quando ele vai no cassino, passa duas noites em claro e parece que o tempo é muito curto, não passou nem um minuto ainda.

O tempo é curto. Temos que valorizar o tempo. Temos que fazer as coisas que têm que ser feitas e as coisas que não têm importância, deixar de lado. Aqueles que conhece a lei da interdependência de todos os fatores, percebe que nenhuma obra é mérito apenas de uma pessoa. Pelo contrário, é mérito de um grupo de pessoas que tiveram a mesma visão e partilharam do mesmo pensamento. Ou seja, ele na verdade é uma obra criada, várias causas, condições que no caso são pessoas . Dessa forma ele se torna uma pessoa humilde.

Por exemplo, ontem a festa de comemoração dos dez anos foi um sucesso graças aos esforços do conjunto das pessoas do coral, das pessoas que estavam na cozinha, das pessoas que ajudaram a montar, ou seja, ninguém teve uma importância a mais ou a menos. Aquilo só deu certo, graças ao trabalho em conjunto, ao esforço mutuo e conjunto de um grupo de pessoas. A gente percebe que a qualidade de um grande líder, seja ele da vida empresarial ou política, sempre agradecer através de um discurso a todos que o apoiaram, e que está dando a ele a oportunidade de mostrar o seu serviço. Porque no final das contas, uma empresa, um país, uma nação, é fruto do trabalho em conjunto de todos.

Então, a gente agradece ao aglomerado de todos esses fatores, causas e ajuda de todas as pessoas, a gente chama de carma coletivo, porque tudo que existe é fruto do trabalho de todos. A gente vê que antes de um campeonato de basquete, antes do jogo os jogadores se cumprimentam e depois do jogo, independente de quem foi o vencedor, também há o cumprimento mutuo. Por quê? Porque sem o adversário, não existiria nem o jogo!

Então, para existir o jogo, você tem que ter o adversário. Você deve agradecê-lo também.

Ainda há tantos pontos a ser abordados, mas infelizmente devido à pressão do tempo me vejo me vejo obrigado a parar por aqui, mas espero que esse pouquinho que a gente conversou hoje aqui, possa ajudar para vocês possam encarar a vida de uma forma diferente, de uma maneira a levar tudo de uma forma de um espírito mais leve.

Como aprendemos uma lição do carma, uma lição da verdade, a gente obtém a paz e tranqüilidade e sabedoria instantânea, ou seja, você não tem que esperar até a morte para ir para um plano, para outro plano. O significado verdadeiro, a essência do budismo, a mágica do budismo consiste no momento, aquele clique que você tem, uma pequena iluminação, aquela sabedoria, conhecimento e paz que você obtém já naquele momento.

Esse é o verdadeiro segredo, essa é o grande virtude do ensinamento de Buda.

Na realidade, para se compreender o significado e o modo de vida correta através dessa sabedoria, a gente precisa de muitas e muitas aulas. Mas, pensamos desta forma, a condição que nos permitiu foi esta. E então, agradecemos este vínculo que nos uniu até hoje.

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Assistiremos agora uma apresentação do coral budista.

 

* * *

-         O coral budista entoa a canção.

 

* * *

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Na data de ontem pudemos comemorar os dez anos do templo Zu Lai. O templo faz parte da minha estória junto à comunidade. Há exatamente dez anos fui trabalhar junto ao Sr. Shen Shen Kay, no grupo Grasfanta.

E, me lembro, mestre sinceridade, quando a gente começou com um projeto de construir um novo templo.

Tínhamos um problema administrativo, porque na região de Cotia só se permitia a construção de casas na região. Para que pudesse se construir um templo, teria que ter a mudança da lei de zoneamento da cidade de Cotia.

Nesta data conhecemos o Presidente da Câmara Municipal de Cotia, na época o Vereador Carlão Camargo. Carlão é um companheiro que desde aquela época tem acompanhado nosso templo Zu Lai, tem participado e na data de hoje nos homenageou, promovendo este ato solene em homenagem ao venerável mestre Hsin Ting.

Gostaria, nesse momento, de pedir ao mestre sinceridade, e ao venerável mestre Hsin Ting, que se posicionassem à frente para receberem uma homenagem das assessoras do vereador e deputado, hoje, Carlão Camargo.

 

* * *

- É prestada a homenagem.

 

* * *

 

O SR. PRESIDENTE - WILLIAM WOO - Visto o curto tempo que temos até para uma palestra para o budismo, quero informar que a nossa mestra sinceridade sempre se encontra no templo Zu Lai, na estrada Fernando Nobre, em Cotia. Não tendo mais nada como objeto da presente sessão solene, antes de dar por encerrado, gostaria de agradecer a todo o cerimonial da Assembléia Legislativa, a todos membros e amigos do templo Zu Lai e também a todos os assessores do nobre deputado Carlão Camargo, que hoje pode nos promover esse grande evento e também o mestre está deixando uma lembrança a todos que compõe o coral que pode nos presentear na data de hoje.

Não tendo mais nada para esta solenidade, está encerrada esta reunião.

Muito obrigado.

 

* * *

-         Encerra-se a reunião.

 

* * *