Pacientes do SUS com esclerose múltipla terão direito a medicamento


01/02/2019 17:52 | Saúde | Fabio Donato

Imagem ilustrativa (Fonte: pixabay.com)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-02-2019/fg229760.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A esclerose múltipla é uma doença rara que atinge 35 mil pessoas no Brasil, segundo estimativa do Ministério da Saúde. Desse número, 15 mil pessoas (mais de 40%) são tratadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Os pacientes agora receberão do SUS o acetato de glatirâmer 40mg, conhecido com Copaxone. O medicamento já era oferecido na versão de 20mg, mas a maior concentração permitirá diminuir as doses semanais de sete para três injeções.

A doença pode ser classificada por níveis de evolução clínica. A nova fórmula está sendo oferecida para os casos chamados de remitentes recorrentes, que têm como característica surtos autolimitados de disfunção neurológica, com recuperação completa ou parcial. Os sintomas são fadiga, formigamento nos membros, visão embaçada, perda ou duplicidade de visão, tonturas, rigidez muscular e falhas cognitivas.

O Ministério da Saúde tem até 180 dias para ofertar o medicamento aos pacientes, contados a partir da publicação da portaria no Diário Oficial da União, em dezembro.