Implantação de hospital de campanha na Região de Campinas

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
07/04/2021 09:13 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Dirceu Dalben

Compartilhar:

Dirceu Dalben<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-04-2021/fg264280.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Preocupado com o avanço da disseminação da covid-19 e sempre atento às necessidades do sistema de saúde, o deputado Dirceu Dalben (PL) acionou o governo do Estado de São Paulo para reiterar seu pedido de abertura do hospital de campanha regional na Região Administrativa de Campinas.

A medida foi tomada logo após recente reunião entre os prefeitos da RMC (Região Metropolitana de Campinas), na qual foram apresentados números que indicam o aumento de pacientes contaminados pela covid, bem como a insuficiência de estrutura hospitalar para fazer frente à demanda do momento.

"Estamos acompanhando todos os esforços aplicados pelos gestores municipais, mas, ainda assim, os municípios precisam de auxílio do governo estadual. A implantação de uma nova unidade de saúde regional seria de extrema importância para a ampliação dos atendimentos da população acometida pela doença. A união é uma ferramenta fundamental nessa luta pela preservação de vidas!", explicou Dalben.

O parlamentar também tem reiterado diversas solicitações ao governo estadual, entre elas o aumento no número de leitos hospitalares de UTI, respiradores, insumos diversos e o fornecimento de mais doses da vacina contra o coronavírus para os municípios paulistas.

Além disso, o parlamentar propôs a isenção de pedágio aos caminhoneiros, a fim de assegurar o abastecimento à população; a diminuição da alíquota do ICMS incidente na gasolina, etanol e diesel; e a flexibilização da Lei do Cadin, o que suspenderia o registro de dívidas com órgãos ou entidades estaduais no cadastro, permitindo, assim, que os negativados possam financiar recursos e celebrar outros convênios que contribuam com a manutenção de seus negócios.