Deputado pede cancelamento do carnaval 2022 no estado de SP

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.
07/12/2021 15:53 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Marcio Nakashima

Compartilhar:

Marcio Nakashima<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-12-2021/fg279765.jpeg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Com lembranças do passado e solidariedade às pessoas que perderam um ente querido ou amigo, há o apelo para conscientizar de quem a covid-19 ainda não acabou. Movido por essa noção, o deputado Marcio Nakashima (PDT), que contraiu a Covid19 nesse ano e que perdeu a mãe em abril por complicações da doença, enviou Moção de Apelo ao governador do Estado de São Paulo, João Doria, no sentido de não autorizar a realização do Carnaval no próximo ano e de rever a suspensão da obrigatoriedade do uso de máscaras, que passaria a vigorar a partir do próximo dia 11.

A manifestação do parlamentar, protocolada na Assembleia Legislativa em 30 de novembro, já surtiu o primeiro efeito: o Palácio dos Bandeirantes suspendeu a decisão e o uso de máscaras continua obrigatório tanto em ambientes abertos quanto em locais fechados em todo o Estado. O deputado Marcio Nakashima, entretanto, espera que o governador tenha a sensibilidade e coragem de suspender também a realização do Carnaval em 2022.

"Não sou contra o carnaval, muito pelo contrário, sempre que posso prestigio os blocos de rua acompanhado de familiares e amigos. Mas, neste momento precisamos conscientizar as pessoas sobre a doença, a necessidade de manter o distanciamento, além da vacinação e do uso de máscara", afirma. "Penso que devemos manter os mesmos critérios que nos ajudaram a esvaziar os leitos de UTIs e o número de mortes por covid-19", reiterou Nakashima.