Comunidade da EE Clodomiro Carneiro luta contra o fim das turmas de EJA


14/08/2019 06:41 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Giannazi

Carlos Giannazi (2º à esq.)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-08-2019/fg237948.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Professores e estudantes da EE Clodomiro Carneiro, na Freguesia do Ó, estiveram na Alesp, em 9/8, para denunciar a tentativa de fechamento das turmas de EJA daquela unidade. Conforme a carta de repúdio assinada pelos membros do Conselho de Escola, a Diretoria de Ensino Norte 1 fez de tudo para evitar a renovação das matrículas, chegando a enviar uma comissão para averiguar a veracidade das assinaturas e documentos apresentados pelos alunos. A continuidade das aulas somente foi garantida após recurso à Secretaria da Educação e intervenção da Comissão de Educação da Alesp, representada pelo deputado Carlos Giannazi.

Após esse pedido de ajuda, os docentes envolvidos começaram a sofrer perseguições, segundo relatou o professor Rafael Valmoleda, que teme novas investidas contra o funcionamento das salas de EJA. Ele vê a implantação da gestão democrática como uma forma de garantir a lisura da administração e a manutenção dos cursos. "Nós atendemos alunos de bairros próximos, que já fecharam diversas salas de EJA, como a Emef Mário Lago (Cohab Brasilândia), e a EE Renato de Arruda Pereira (Jardim Carombe) e a EE República Argentina (Parque Nações Unidas)."

A escola vem sendo investigada pelo Ministério Público desde 2018, após denúncias de má administração. Uma das constatações foi a de que os filtros d"água jamais haviam sido trocados, apesar dos pagamentos regulares. Além disso, a biblioteca foi desativada e a cobertura da quadra corre risco de ruir.