Projeto de reaproveitamento de policiais

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
29/06/2020 15:41 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Coronel Nishikawa

Coronel Nishikawa<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-06-2020/fg250523.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Na sexta-feira (26/6) foi aprovado na Comissão de Administração Pública e Relações do Trabalho o PL 413/2019, de autoria do deputado Coronel Nishikawa (PSL), que autoriza o governo do Estado de São Paulo a promover a manutenção e aproveitamento de policiais militares com mobilidade reduzida ou aposentados nas atividades administrativas da Polícia Militar e Secretaria da Segurança Pública.

No Estado de São Paulo, nos últimos anos, tem crescido o número de policiais militares que após confronto ou como vítimas de acidentes acabam com a saúde atingida ficando parcial ou totalmente com mobilidade prejudica.

"Muitos policiais se aposentam, mas ainda podem e querem trabalhar. Essa mão de obra especializada otimiza o serviço administrativo da corporação", enfatizou Nishikawa.

Mais uma vez o estado de São Paulo será pioneiro em reaproveitar o policial militar nas ações administrativas promovendo a troca de experiências e execução de trabalho policial administrativo.

Segundo a proposta todos os policiais militares com mobilidade reduzida ou aposentados poderão fazer uma inscrição junto à Secretaria de Segurança Pública do Estado, a qual fará a análise dos interessados e sua convocação.

Vale ressaltar que o trabalho a ser desempenhado pelos interessados não poderá exceder a carga horária de 8 horas diárias para portadores de mobilidade reduzida em grau leve e de 6 horas diárias para portadores de mobilidade reduzida em grau severo.

Agora o projeto será analisado na Comissão de Finanças, Orçamento e Planejamento (CFOP), e então o projeto poderá ser aprovado no plenário da Alesp.