Realidade das escolas contradiz plano de retomada das aulas

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
29/06/2020 17:14 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Giannazi


Se os educadores já estavam apreensivos com a possibilidade de retomada das aulas presenciais, o anúncio de que as escolas serão reabertas em 8/9 causou indignação. "É um plano inconsequente, apresentado no pior momento, quando os números de contágio e de mortes só aumentam", afirmou Carlos Giannazi (PSOL) na Tribuna Virtual, em 24/6, minutos após a coletiva de Doria e seus secretários.

"Os municípios que tentaram flexibilizar o isolamento social estão voltando atrás e pagando um preço altíssimo pela irresponsabilidade", afirmou o parlamentar, que vai recorrer ao Judiciário e às cortes internacionais assim que editado o decreto correspondente. "Doria quer transformar as escolas em laboratório, usando alunos, educadores e seus familiares como cobaias. Essa experiência vai matar milhares de pessoas", alertou, salientando que os protocolos apresentados à imprensa são inviáveis na prática. "São Paulo ainda tem mais de cem escolas de lata, apertadas e sem ventilação. Faltam funcionários em todas as escolas, falta material de limpeza, estamos falando de escolas que não têm nem papel higiênico."

Na véspera, o assunto havia sido abordado em roda de conversa entre o deputado, o vereador Celso Giannazi (PSOL) e quinze educadores da rede pública do Estado e de municípios paulistas. Várias professoras relataram a "fantasia" divulgada como ensino remoto, que não chega aos mais pobres, por maior que seja o empenho dos docentes. E falaram da esperança de que a retomada das aulas ocorresse em momento seguro e de forma responsável. Ilusão.