Professores fazem carreata contra volta às escolas durante a pandemia

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
31/07/2020 17:36 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Giannazi


Carlos Giannazi (PSOL) participou em 29/7 da carreata dos professores da rede pública contra a volta às aulas presenciais prevista para 8/9. Os manifestantes se dirigiam ao Palácio dos Bandeirantes, mas foram impedidos de forma truculenta por bloqueios da Polícia Militar. "Essa é uma manifestação pacífica, em defesa da vida. Nós exigimos que Doria revogue esse decreto genocida que provocará a morte de milhares de professores, alunos e familiares."

São Paulo já tem 22 mil pessoas mortas pela Covid-19 e o número de contaminações continua aumentando, com mais de 500 mil casos confirmados. "Todos os estudos mostram que as escolas são locais de muito contágio, verdadeiras bombas biológicas", alertou o deputado, ressaltando que a incoerência do governo " que cancela o réveillon e adia o carnaval, mas que obriga a volta às aulas " se explica pela pressão das escolas particulares.

Giannazi elogiou o exemplo dos servidores do Judiciário, que se recusaram a voltar aos fóruns em 27/7 e continuam trabalhando de suas casas.

Os manifestantes reivindicaram também o imediato pagamento de salário aos 35 mil professores eventuais e temporários abandonados pelo governo. Por serem servidores estaduais, esses docentes não têm direito nem mesmo ao auxílio federal. "Eles estão dependendo da ajuda de familiares para sobreviver."