Museu de Arte do Parlamento de São Paulo - Eduarda Duvivier


17/08/2010 14:00

Compartilhar:

O Prazer<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/08-2010/EduardaEscultura[1].jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Eduarda Duvivier<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/08-2010/EduardaDuvivier[1].jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Equilíbrio entre expressão subjetiva e interpretação realística nas esculturas de Eduarda Duvivier



A matéria atualmente preferida de Eduarda Duvivier é o pó de mármore com resina, pois é na moldagem com barro que consegue ser mais completa e tocante nas suas peregrinações poéticas e plásticas, onde reinventa o homem e a mulher, e em conseqüência, o amor e o prazer.



Num sutil desenho impressionista que infunde idéias intuitivas de modernidade e sobriedade, emerge de suas esculturas um vivo sentido de sensualidade, tanto pela dinâmica dos ritmos, quanto nos plenos e nos vazios da matéria tratada.



O naturalismo é evidente em suas obras. Eduarda Duvivier coloca em relevo a estrutura monolítica do casal, o mesmo ritmo e cadência entre as duas figuras. Sob o mesmo prisma emocional, encontramos a fluidez da linha que liga os protótipos modelados. Nas figuras entrelaçadas a intersecção das formas cria uma participação bem dosada.



Tal é a simetria dos plenos e dos vazios, que as duas figuras nos parece uma única. Um todo arredondado, onde as linhas e curvas delimitam e fecham num único espaço as duas formas. Trata-se de um trabalho precioso, que busca uma certa pureza de estilo com plena correspondência na área do sentimento e das sensações.



A atração dos seres humanos é tratada de modo explícito, o mais expressivo e repleto de sensualidade. São os sentimentos antigos, evocados de forma harmoniosa que se verificam e se celebram como no



Em "O Prazer", obra doada ao Museu de Arte do Parlamento de São Paulo, sua modelagem é límpida e bem constituída. Eduarda Duvivier deu-se como missão colher atos que fazem intuir as relações e o quanto a excitação sensorial provoca nos sentimentos alcançando paralelamente um equilíbrio entre a expressão subjetiva e a interpretação realística.



A Artista



Filha de dois grandes artistas no campo da escultura, Eduarda Duvivier nasceu no Rio de Janeiro. Pintora, escultora, poeta e contista, cursou a Faculdade Nacional de Arquitetura do Rio de Janeiro e a Universidade de Brasília, entre 1967 e 1971. Inicialmente autodidata realizou cursos de pintura no Cambridge Center of Adult Education em Boston, Estados Unidos.



Durante vários anos residiu no Rio de Janeiro e abriu seu atelier ao transferir-se para a capital paulista na década de 1980.



Realizou diversas exposições individuais e coletivas, destacando-se entre elas: Hobby Sport Club, São Paulo (1982); Delfin Galeria, São Paulo (1983); Bar Avenida, São Paulo (1984); "O Bicho - 5 Visões" - Coletiva no Barcellos, São Paulo (1998); Espaço Cultural do Shopping Cassino Atlântico (2003), Espaço Cultural V Centenário (2007), Galeria Spazio Surreale (2010).



Possui obras em importantes acervos particulares nos Estados Unidos, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Paraíba e no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo.