Poupatempo em Santos


22/02/2008 17:38


A deputada Maria Lúcia Prandi (PT) quer saber quais são as garantias que o governo do Estado fixou para assegurar que o Poupatempo-Santos seja efetivamente inaugurado e aberto ao público, em agosto deste ano. A data foi anunciada no final de janeiro, ao término do pregão eletrônico que definiu o Consórcio Poupatempo-Santos como responsável pela instalação e manutenção do equipamento.

"Comemoro a fixação desta nova data, mas mantenho a vigilância e a rígida cobrança. A desconfiança é automática. Há sete anos a promessa vem sendo repetida. Vamos trabalhar para que esse prazo seja o definitivo", destaca Prandi. A parlamentar está na luta para criação de um Poupatempo na cidade desde 2001. À época, apresentou emenda ao Orçamento do Estado para viabilizar o empreendimento. Desde então, vem repetindo a reivindicação.

Vinculado à Secretaria Estadual de Gestão Pública, o Poupatempo é um serviço que reúne, em um só lugar, empresas e órgãos prestadores de serviços de natureza pública. Uma carteira de identidade, por exemplo, pode ser obtida em poucas horas, sem burocracia e sem custo, quando se trata da primeira via.

Em requerimento de informação protocolado na Assembléia Legislativa, a deputada pede uma cópia do contrato firmado com Consórcio Poupatempo-Santos. O grupo é liderado pela empresa Terracom Construções, responsável pela coleta de lixo na cidade de Santos. A parlamentar quer conhecer detalhes sobre cronograma de obras, fiscalização dos serviços e medidas punitivas previstas em caso de descumprimento dos prazos, entre outros aspectos.

"Luto pelo Poupatempo porque entendo que nossa população não pode continuar órfã desse importante mecanismo, que centraliza, agiliza e desburocratiza o acesso a uma série de serviços públicos", enfatiza. Segundo Prandi, o Estado está em dívida com a população da cidade e da região.



mlprandi@al.sp.gov.br