Morre ex-deputado Helio Dejtiar


27/10/2004 18:48


Morreu em Goiânia (GO), na madrugada desta quarta-feira, dia 27 de outubro de 2004, vítima de pneumonia, o ex-deputado estadual Helio Dejtiar. Nascido em Porto Alegre (RS), em 9 de setembro de 1924, era filho de Moyses Dejtiar e de Nésia Dejtiar.

Formou-se em Direito pela Faculdade do Largo de São Francisco, na turma de 1948. Entrou para a política quando concorreu ao cargo de vereador à Câmara Municipal de São Paulo, no pleito de 4 de outubro de 1959, pelo Partido Renovador Trabalhista - PRT, para a legislatura de 1960/1963, obtendo uma suplência, mas acabou assumindo em virtude de afastamentos de titulares.

Nas eleições de 20 de outubro de 1963, também pelo PRT, concorreu novamente ao cargo de vereador, obtendo êxito. Eleito para a legislatura de 1964/1969 exerceu mandato até 11 de março de 1967, quando renunciou para assumir o cargo de deputado estadual por São Paulo.

Em 15 de novembro de 1966 foi eleito deputado estadual pelo recém fundado Movimento Democrático Brasileiro, partido de oposição ao regime militar, obtendo 8.203 votos. O MDB elegeu para a 6ª Legislatura 1967/1971, 53 deputados, enquanto o partido da situação, a Arena, elegeu 62.

Em 15 de janeiro de 1968, o deputado Dejtiar participou das solenidades de transferência da sede da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo do Parque D. Pedro (velho prédio do Palácio das Industrias) para a nova sede do Palácio 9 de Julho, no Parque do Ibirapuera.

Fez parte das comissões permanentes, no período de 1967/1968, como membro efetivo na Comissão de Finanças e de Divisão Administrativa e Judiciária, e substituto nas comissões de Finanças e de Economia. Entre 1970/1971 foi efetivo na Comissão de Justiça e substituto na de Finanças.

O deputado foi testemunha do fechamento da Assembléia Paulista, pelo Ato Institucional nº 5, de 13 de dezembro de 1968. O Legislativo permaneceu em recesso pelo regime militar de 7 de fevereiro de 1969 a 31 de maio de 1970. Nesse período foram cassados 25 deputados estaduais. Concorreu à reeleição pelo MDB no pleito de 15 de novembro de 1970, obtendo apenas uma suplência.

Foi professor de Direito da Faculdade Presbiteriana Mackenzie e advogado criminal em São Paulo.

Em 1985, foi convidado pelo prefeito Jânio Quadros para ocupar o cargo de secretário municipal de Cultura de São Paulo, em razão da morte do ex-deputado Jacob Salvador Sveibil no dia de sua posse no cargo.

Após um ano na Secretaria, foi nomeado por Jânio presidente da Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo (Prodam), exercendo as funções até a posse da prefeita Luiza Erundina. Foi também presidente do Lions Clube - Centro - São Paulo.

Casado em segundas núpcias com Sandra Dejtiar, mudou-se para a cidade de Posse (GO), onde advogava, prestando serviços jurídicos também em Brasília.

O deputado Helio Dejtiar deixou três filhos, René, Oscar e Elizabeth. Seu corpo foi velado e sepultado às 17h desta quarta-feira no Cemitério Jardim das Palmeiras, em Goiânia.