Da Tribuna


22/06/2009 18:37

Compartilhar:


Fim de tributo a torturadores



Milton Flávio (PSDB) afirmou que as pessoas que, de alguma maneira, participaram de atos de tortura não devem ser homenageadas. De acordo com ele, o tenente coronel da reserva do Exército, Sebastião Curió, confirmou a sua tese em entrevista ao jornal O Estado de São Paulo ao afirmar que, enquanto era oficial do exército durante o regime militar, praticou tortura cumprindo ordens. O deputado afirmou ainda que seu projeto não é um ato contra os militares e sim uma medida proveniente de uma preocupação nacional: "Não entendo que essas homenagens possam ser aceitáveis". (NS)



Frente em defesa da segurança



Olimpio Gomes (PV) comentou os assuntos debatidos na audiência pública da Frente Parlamentar em Defesa da Segurança, realizada nesta segunda-feira, 22/6, na sede da Associação Desportiva da Polícia Militar. De acordo com ele, centenas de policiais e líderes sindicais e associativos debateram três assuntos: a PEC 300, a PEC 12 e a criminalização do bico, que, segundo ele, está praticamente sepultada. Gomes afirmou que a situação precária dos salários contribui diretamente para a atual situação da segurança no Estado. "O governo não tem a complacência de dar um salário decente para os policiais". (NS)



Salário dos policiais



Depois de cumprimentar Olimpio Gomes pela defesa dos policiais e pela audiência pública que cuidou dos principais problemas dos militares, Conte Lopes (PTB) afirmou que o exercício do bico não aconteceria após 12 horas de trabalho se os salários fossem mais dignos. Conte ressaltou a importância da análise da classe policial por parte dos representantes do Estado e afirmou que a condição econômica da polícia tem grande importância. Para o deputado, o papel da polícia, que arrisca a própria vida em defesa da sociedade, aparentemente não tem valor para a classe política. (NS)



Eleição direta para reitor



Carlos Giannazi (PSOL) pediu apoio para o projeto de lei de sua autoria que cria a eleição direta para reitor e vice-reitor na USP, Unesp e Unicamp. De acordo com ele, a medida atende preceitos constitucionais, garantindo autonomia universitária e gestão democrática, o que não ocorre com o atual sistema eleitoral nas universidades, já que a comunidade não é representada pela reitoria. Sobre a carteira dos advogados, o parlamentar anunciou que vai ingressar com uma Adin no STF. Giannazi ainda anunciou que o PSOL é contra os dois projetos que reestruturam a carreira dos professores: como não foram aceitas as propostas apresentadas pelo PSOL, a votação será obstruída. (SM)