Festa para a comunidade luso-brasileira reúne cerca de 400 pessoas na Assembléia

A homenagem à Comunidade Luso-Brasileira foi feita em sessão solene solicitada pelo deputado Dorival Braga
23/04/2002 15:26


DA ASSESSORIA

Cerca de quatrocentas pessoas participaram na noite desta segunda-feira, 22/4, de sessão solene comemorativa ao Dia Comunidade Luso-Brasileira. A sessão foi solicitada pelo deputado Dorival Braga (PTB), que a presidiu, e contou com a presença do secretário do Governo de São Paulo, Fernando Leça, do cônsul de Portugal, Domingos Vidal, e de outros membros ilustres dessa comunidade. Dentre os presentes, foram homenageados 22 portugueses, que receberam o Diploma de Honra ao Mérito da Assembléia Legislativa, conferido pela Mesa da Assembléia, nos 502.º anos do aniversário do achamento do Brasil. A homenagem àqueles dos quais descendemos e a união entre os povos, principalmente entre brasileiros e portugueses foi o mote da solenidade, dado pelo deputado Dorival Braga.

Em discurso durante a sessão, o deputado Newton Brandão (PTB) ressaltou o ato de justiça que estava sendo promovido pelo deputado Dorival Braga ao homenagear "o povo que construiu este país e este Estado". Brandão fez um breve histórico do Brasil, destacando a figura de D. Pedro I "que nasceu e morreu em Queluz e escreveu nossa bela história".

De acordo com Dorival Braga a solenidade em comemoração ao Dia da Comunidade Luso-Brasileira "é uma forma de prestar homenagem a este povo que tanto colaborou para a formação de nossa gente e de nossa cultura". Além do diploma e de uma lembrança, o deputado entregou uma caravela de ouro a Manoel Rocha Alves, o Mané da 15, figura de destaque na comunidade luso-brasileira de São Paulo. O apelido carinhoso é uma referência a sua primeira casa de comércio, em Santo Amaro.

Em seu discurso, o deputado Dorival Braga falou sobre o descobrimento e a disputa das terras descobertas, culminando com o tratado de Tordesilhas, que dividiu o Brasil entre Portugal e Espanha. "Os portugueses foram empurrando aquela linha imaginária, até criar um país em forma de coração", disse.

O advogado Antonio de Almeida e Silva agradeceu em nome dos homenageados "o carinho e a gentileza do deputado Dorival Braga, que merece toda a gratidão da comunidade luso-brasileira". O apoio do Conselho das Comunidades Portuguesas à solenidade, às comemorações do Dia da Comunidade Luso-Brasileira e à integração entre portugueses e brasileiros mereceu destaque por parte do orador. Segundo ele, o 22 de abril, mesmo antes de ser consagrado oficialmente o dia da comunidade, já era comemorado, pela realidade de vida contada pelo povo brasileiro e português. Para ele, "a complexa rede de relações e influências mútuas sobrepõe-se à estrutura das leis e aos tratados". Ele lembrou que os homenageados "são filhos legítimos dessa comunidade natural e que em São Paulo foram acolhidos". A responsabilidade de todos na preservação dessa comunidade à qual pertencemos também foi tema de seu discurso.

Foram alvo de suas palavras a construção de um ambiente fraterno tanto por parte dos portugueses que moram no Brasil quanto dos brasileiros que moram em Portugal. Para ele "não basta apenas o reconhecimento da existência de laços profundos entre os dois países, mas também usufruir do patrimônio humanista de que a comunidade luso-brasileira é, muito orgulhosamente, portadora". O amor que a comunidade tem pelo Estado de São Paulo e pelo Brasil, nutrido, segundo ele, desde 1500 e o desafio permanente de manter a vocação universalista dos dois povos também foram citados.

O cônsul de Portugal, Domingos Vidal, falou da honra de estar comemorando o Dia da Comunidade Luso-Brasileira no plenário que leva o nome do ex-presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira. "Esta Casa reflete tudo o que é a gente de São Paulo", disse. Vidal relatou sua emoção ao ver faixas alusivas ao evento espalhadas pela cidade e agradeceu a Dorival Braga pela honra de ver sua pátria homenageada pela Assembléia Legislativa de São Paulo, exatamente no dia da chegada de Cabral ao Brasil. A paixão de brasileiros e portugueses pelo futebol, a garra dos dois povos e a defesa que um faz do outro foram destacadas. "A globalização nos ensina que quem corre sozinho está sempre atrasado", disse Vidal, para quem Brasil e Portugal já descobriram isso faz tempo. Ele citou Fernando Pessoa: "Caminhar é só dar passos. Nada mais do que isso", e concluiu: "Esta Casa deu hoje um grande passo".

Além de Almeida e Silva e Manoel Rocha Alves, também foram homenageados: José Soares Ferreira; Manuel Correia Botelho; Coronel PM Gerson dos Santos Rezende do Comando de Policiamento Rodoviário (CPRV); Jorge da Conceição Lopes; Irma de Grandis Pereira; Manoel Dias Pinheiro; José Duarte de Almeida Alves; João Pires Pereira; José Alberto Neves Candeias; Ernesto Alves da Silva; Fernando Henriques de Oliveira; Cesar Fernandes Rosa; Antonio Henriques Branco; Aristides Almeida Rocha; Antonio Manuel Neto Guerreiro; Sólon Borges dos Reis; Maria dos Anjos Abrantes Marques de Oliveira; Carminda Nogueira de Castro Ferreira; Maria da Glória Pires, a fadista Glória de Lourdes; Manuel Joaquim Teixeira de Carvalho, o Manuel Teixeira. Outros dois diplomas foram conferidos aos apresentadores de televisão, Augusto Liberato, o Gugu - que no último domingo fez em seu programa uma referência à homenagem que receberia do deputado Dorival Braga e da Assembléia Legislativa -, e Ana Maria Braga, que

não puderam comparecer ao evento. Ambos deverão receber seus diplomas em data a ser agendada.

Após a solenidade houve apresentação de dois grupos de dança folclórica, Os Veteranos e o São Paulo Clube Arouca, e de dois cantores de fado, Ciça Marinho e Tiago.