Da Tribuna


24/06/2009 21:42

Compartilhar:


Voto por obrigação



Para Carlos Giannazi (PSOL), a aprovação dos PLCs 19 e 20 convenceu-o de que a Casa exerce uma função de cartório ao homologar as ações do governo Serra. Segundo ele, o "rolo compressor" do governador que, de acordo com ele, tem 71 deputados na sua base governista, prejudicou os professores estaduais. Giannazi lamentou que apenas os deputados da oposição tenham se colocado em relação ao projeto, enquanto nenhum deputado da base governista tenha se posicionado em defesa da proposta: "Pareceu voto por obrigação". Para ele, a situação é preocupante e quem perde, além do magistério, são os seis milhões de alunos da rede estadual. (NS)



Apoio dos professores



Segundo Milton Flávio (PSDB), o deputado Carlos Giannazi desconsidera a inteligência dos deputados da Casa ao obrigar todos a assistirem o mesmo filme repetidamente, como fez na noite da véspera, durante a discussão dos PLCs. O deputado afirmou que anotou o nome das escolas que Giannazi mostrou no vídeo exibido e vai procurar explicações na Secretaria da Educação sobre a situação em que as escolas se encontram. De acordo com ele, o fato de apenas 150 professores comparecerem ao plenário comprova que a maioria aprova o projeto. (NS)



Marcelo de Carvalho



Antônio Salim Curiati (PP) registrou pesar pelo falecimento do advogado Marcelo de Carvalho, procurador da Assembleia Legislativa. (NS)



Fatos distorcidos



De acordo com Carlos Giannazi (PSOL), o deputado Milton Flávio é especialista na distorção dos fatos e tenta jogar a opinião pública contra os professores. Ressalvando seu respeito ao deputado Vaz de Lima, Giannazi sugeriu ao governador que indique Milton Flávio para líder do governo na Casa já que, segundo Giannazi, ele é o que mais defende o governador. Sobre as escolas mostradas em vídeo no dia anterior, Giannazi criticou a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE) que, segundo ele, não cumpre o seu papel de reformar as escolas. (NS)



Segurança do trabalhador



Marcos Martins (PT) manifestou solidariedade aos funcionários do Banco Bradesco que reivindicam a existência de uma ambulância em sua matriz. Segundo ele, os funcionários reclamam da falta de transporte adequado para situações de emergência que possam vir a acontecer durante os seus turnos. Para o deputado, é inadmissível que um banco do porte do Bradesco, com cerca de dez mil trabalhadores, não tenha esse tipo de serviço. Martins falou ainda do seu projeto que institui o Dia do Cipeiro como uma forma de valorizar o trabalho e promover reflexão e debate a respeito da importância da segurança do trabalhador. (NS)



Meio ambiente



Rodolfo Costa e Silva (PSDB) comentou sua decepção com a Comissão em Defesa do Meio Ambiente. De acordo com o deputado, a realização de uma audiência com a empresa Shell para discussão do trabalho de descontaminação das águas está sendo impedida pela própria comissão. O deputado mostrou sua preocupação e afirmou que o presidente da comissão, Chico Sardelli, não quer realizar oitiva de representante da empresa. Costa e Silva declarou ainda que se o próprio presidente acha que a empresa não deve ser chamada, provavelmente ele não tenha condições de conduzir a comissão. Para ele, essa atitude desmoraliza a Casa. (NS)



Nota fiscal paulista



Ed Thomas (PSB) falou da importância da Nota Paulista para o cidadão e para as entidades cadastradas. De acordo com ele, o mundo da pressa e o receio são os principais motivos que levam o cidadão a não pedir o seu CPF na nota fiscal. Segundo o deputado, o cidadão também pode pedir a nota sem o seu CPF inserido e encaminhá-la a uma entidade assistencial cadastrada, que fará o repasse do crédito. Thomas chamou a atenção da população para essa transferência de créditos e declarou: "É um gesto simples, que reflete em um dinheiro muito importante". Para o deputado, essa é uma maneira bonita de colaborar e participar do custeio das entidades. (NS)



Tecnologia para gerar renda



Antônio Mentor (PT) cumprimentou o deputado Ed Thomas pelo seu discurso e também destacou a importância de contribuir com entidades que, segundo ele, realizam grandes serviços em complemento e até substituição ao Estado. O deputado falou ainda do seminário, no dia 18/6, que debateu a importância do uso da tecnologia para o processo de obtenção de renda. Segundo ele, é importante que a tecnologia possa ser transformada em atividades econômicas e financeiras. Mentor parabenizou o prefeito de Osasco, Edmídio de Souza, pelas iniciativas adotadas no município para gerar renda. (NS)



Repúdio



O deputado Milton Flávio (PSDB) registrou seu repúdio àqueles que "insistem" em defender o corporativismo. Ele disse que, como professor, não se sentiria ofendido se tivesse de passar por avaliação após fazer um curso preparatório. O parlamentar também falou de sua gestão como superintendente do Iamspe. Para ele, não é justo que os servidores paguem por exames de pessoas que, por alguma razão, deixam de contribuir com o hospital. (LP)



Audiências



Ed Thomas (PSB) mencionou a importância das audiências públicas coordenadas pela Comissão de Finanças e Orçamento da Assembleia para debater o Orçamento do Estado. Sexta-feira passada, 19/6, o município de Presidente Prudente sediou uma das audiências realizadas. "Na oportunidade, foi solicitada a construção de fórum na cidade." Thomas também lamentou a situação do transporte ferroviário, comentando o estado dos trilhos das estradas de ferro. (LP)



Privatizações



Outro parlamentar a lamentar as deficiências do sistema ferroviário foi Marcos Martins (PT). Ao fazer um breve histórico sobre as privatizações ocorridas no Estado, Martins enfatizou que importantes empresas foram vendidas. Sobre as estradas de ferro, o deputado disse que, se estivessem em boas condições, contribuiriam para melhorar o caótico sistema de transporte do Estado. (LP)



Lei injusta



Lamentando a morte do soldado Camargo, ocorrida no ultimo domingo, quando trabalhava em um "bico", o deputado Olimpio Gomes (PV) comentou a grande injustiça da lei com a Polícia Militar. De acordo com Olimpio, o soldado trabalhava na universidade Metodista, em Engenheiro Coelho, que foi invadida por marginais, quando foi baleado. Nesse caso, o governo não considera que a morte ocorreu em serviço. "Entretanto, se ele não tivesse reagido, teria cometido prevaricação." Olimpio questionou se esse tratamento pelo governo é justo. (MA)



Distribuição de oportunidades



A declaração do presidente Lula de que prefere dar dinheiro a pobre do que diminuir impostos foi contestada pelo deputado Milton Flávio (PSDB). Para esclarecer sua posição, recordou as palavras da antropóloga Ruth Cardoso, que afirmava ser mais importante criar distribuição de oportunidades do que a de dinheiro, sendo a educação a melhor forma de escapar da miséria. Para o deputado, a fala de Lula é a absoluta falta de contato com a realidade e mostra que a sua preocupação é com os bolsões eleitorais dos pobres e miseráveis que vivem à sombra do governo. (MA)



Insensibilidade



Para o deputado Hamilton Pereira (PT), o governador Serra é insensível quanto ao resguardo da vida. O deputado disse ser autor do PL 334/2004, aprovado pela Assembleia e vetado pelo governador. O projeto trata da proposta de instalação de um programa de transplante da medula óssea. Hamilton disse não fazer questão de ser o "pai da criança", pediu ao governador que envie outro projeto com os mesmos objetivos, talvez melhorado, para ser aprovado. (MA)