Museu de Arte - Joseph Pace


25/03/2013 14:00 | Emanuel von Lauenstein Massarani

Joseph Pace<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-03-2013/fg122911.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Emanuel von Lauenstein Massarani e Joseph Pace<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-03-2013/fg122912.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Clique para baixar a imagem" alt="A obra "Filtraniste"Clique para baixar a imagem">

Joseph Pace: emoções repletas de dinamismo vital e de força cósmica



Renovando-se a todo instante, imprevisível tanto no estilo quanto na técnica, o pintor Joseph Pace sabe aproximar com sensibilidade e bom gosto as cores mais disparates, criando refinados arabescos.

Ao observar suas obras chega-se à conclusão de estar frente a um artista criador de formas novas que mudam a cada obra com a mutação das emoções que a vida, sempre mutante, suscita no animo do pintor italiano.

Considerado um dos maiores expoentes do movimento filosófico lançado em Paris nos anos 80 e denominado "Filtraniste", seu cromatismo possui uma função de alcance do dinamismo vital e de força cósmica quase atômica na existência.

A inserção de um eventual elemento figurativo de ruptura na composição é um chamamento ao observador da dramática realidade que emerge do artista e que pode prevalecer sobre a emoção estética.

No ritmo que o artista imprimiu e onde tudo se torna um fato essencial á sua realização, sua pintura é feita a jato e sua cor é vida.



Como se observa na obra "Força Cósmica 1", doada ao Museu de Arte do Parlamento de São Paulo, o pintar impulsivo de Joseph Pace é determinado, sem dúvida, por uma vida sempre mais convulsiva e frenética.



O artista



Pintor, escultor, filósofo e dramaturgo, Joseph Pace nasceu em Morbegno, Itália em 1959. Vive e trabalha em Roma onde fez sua formação artística.

Iniciou-se nas artes figurativas impulsionado por sua mãe pintora e por seu tio Antônio Cardile, conhecido artista da Escola Romana. Formou-se na Universidade La Sapienza de Roma e na Sorbonne, em Paris.



Sua ascensão está estreitamente ligada ao seu encontro com Mariastella Margozzi, conhecida historiadora de arte contemporânea que o definiu como um artista "informal e filtranista". Intimamente ligado ao informal mas também à action painting e à pop art, o artista é conhecido tanto por sua pintura quanto por suas gravuras.



Participou desde 1986 em inúmeras exposições coletivas e mostras individuais em Paris e Marselha (França), Barcelona e Sevilha (Espanha), Roma, Alessandria e Alba (Itália) e Munique (Alemanha). Realizou em 2012 exposições individuais no Espaço Cultural do CRC, na Galeria Spazio Surreale em São Paulo e no Espaço Cultural Candido Portinari em Jaguariúna. No corrente ano foi convidado para expor no Centro Cultural no Circolo Italiano di San Paolo.

Possui obras em diversas coleções particulares e oficiais na Europa, África e no Brasil no Museu de Arte do Parlamento de São Paulo.