Opinião: Diálogo como alternativa à indiferença ou ao protesto violento


07/12/2015 16:45 | Welson Gasparini*


O secretário da Educação do Estado de São Paulo, Herman Voorwald, pediu para deixar o cargo na tarde da última sexta-feira (4/12) logo após o governador Geraldo Alckmin anunciar a suspensão da reorganização escolar na rede estadual de ensino.

O projeto de reorganização das escolas era uma aposta da pasta, mas esbarrou em uma grande resistência por parte de alunos, pais e professores " culminando na ocupação de cerca de 200 escolas e protestos nas ruas com repressão policial.

Revelando, ainda uma vez, sua sensibilidade política, o governador também anunciou, em entrevista à imprensa, o propósito de retomar esse projeto " tecnicamente bem elaborado " mas preceder essa retomada de um diálogo franco e aberto com professores, pais dos alunos e a comunidade em geral. Faltou, lamentavelmente, diálogo, inclusive com a própria Comissão de Educação da Assembleia, da qual sou membro efetivo, porque só soubemos desse plano quando ele já estava, praticamente, na fase de execução.

Em Ribeirão Preto, por exemplo " apesar da ocupação por alunos e professores do tradicionalíssimo "Otoniel Mota" - não haveria o fechamento de uma única escola; muito pelo contrário, apenas neste ano de 2015, o governador colocou para funcionar tanto a Fatec quanto as escolas estaduais instaladas nos os bairros Jardim Flamboyant, Jardim Jóquei Clube e Jardim Monte Carlo.

Obviamente as manifestações exacerbadas tiveram conotação política com a participação de partidos e grupos ideológicos interessados em conturbar a ordem pública e criar constrangimentos para o governo estadual.

A falta de diálogo da secretaria da Educação com a sociedade " pela qual o governador não pode ser responsabilizado " divulgando, de modo claro e inequívoco, as razões da mudança, o custo e a destinação certa de cada prédio acabou ensejando, de parte dos sabotadores desse projeto, a divulgação de mentiras como a de que o governo iria fechar escolas. A reestruturação, em si, é correta, porque permitirá a otimização de recursos e o uso de prédios quase ociosos em benefício dos estudantes. O que faltou foi explica-la, didaticamente, à sociedade.

O oportunismo de grupos radicais liderados pelo PT " envolvendo, inclusive, profissionais da agitação recrutados em outros Estados brasileiros " traz prejuízo para a educação e a população de São Paulo.

Alckmin foi claro: "Vamos dialogar em escola por escola. O ano de 2016, que seria de implantação da medida, será um ano de aprofundarmos esse diálogo". Por ora, todavia, não haverá mudanças: os alunos continuarão em suas escolas ao longo do ano que vem.

A falha elementar foi a falta de comunicação clara desde o início transformando uma iniciativa voltada para o aprimoramento educacional numa questão política para sindicatos e movimentos sociais, como o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), que trabalharam para inflar os protestos.

Feliz, por outro lado, o governador ao usar uma frase do papa Francisco para explicar sua decisão de adiar a reorganização: "Entre a indiferença egoísta e o protesto violento há sempre uma opção possível: o diálogo".

*Welson Gasparini é deputado estadual pelo PSDB, advogado e ex-prefeito de Ribeirão Preto.