Opinião: Mais e mais delações


22/06/2016 14:26 | Abelardo Camarinha*


Em 400 páginas de delação feita ao Ministério Público Federal e homologada pelo Supremo Tribunal Federal, o ex-diretor da Transpetro Sergio Machado, nomeado em 2003 pelo ex-presidente Lula, fez revelações envolvendo 25 políticos de diversos partidos.

Vale ressaltar que 99% dos denunciados são filiados ao PMDB e 90% das regiões Norte e Nordeste do país. Esse grupo tem dado sustentação política e eleitoral ao PT, nos governos Lula e Dilma. O delator falou até do presidente interino, Michel Temer, que pediu R$ 1,5 milhão para campanha a prefeito de São Paulo, em 2012, do então candidato Gabriel Chalita, atual secretário da Educação de Fernando Haddad. Outros citados foram Renan Calheiros, José Sarney, Romero Jucá, Roberto Requião, Edson Lobão, Eduardo Braga, Jader Barbalho, Valdir Haupp, Garibaldi Alves e Sarney Filho. De outros partidos foram citados Aécio Neves, Sérgio Guerra, Ideli Salvati, Jorge Bittar, Edson Santos, Luiz Sérgio, Jandira Fegali e outros políticos de esquerda.

Nos últimos anos, os políticos acima, ainda segundo Machado, usufruíram do montante de R$ 115 milhões, recebidos da subsidiária Transpetro, em formato de doações e propinas. Lamentável é constatar que pessoas abastadas, milionárias e donas de dezenas de empresas, caso de Renan, Sarney, Henrique Alves e Agripino Maia, entre outros, roubaram do pobre povo brasileiro muitos milhões nesses últimos 12 anos.

Mas vejamos o outro lado da moeda: o Estado do Maranhão, que tem o penúltimo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), é governado pela família Sarney há mais de 50 anos. Tanto o pai como filho, receberam propinas de milhões de reais, conforme a delação premiada de Sérgio Machado. Alagoas, que tem o último IDH do Brasil e é administrado e politicamente dominado pela família de Renan Calheiros, aparece na delação como sendo o político que mais recebeu vantagens das propinas oriundas da Transpetro.

Ainda de acordo com os investigadores da Lava Jato, foi de R$ 82 bilhões o prejuízo que a quadrilha de empreiteiros, empresários, diretores, políticos e lobistas deu à ex-quarta maior empresa do mundo, a Petrobras. Esta, por sua vez, é, segundo frase proferida por Sérgio Machado, "a dama mais honesta desse cabaré", e ele sabe do que está falando, pois permaneceu por 12 anos como diretor-presidente da Transpetro.

Então o povo quer saber: se a Petrobras é a mais séria e honesta das estatais, o que podemos imaginar das empresas Telebras, Furnas, Correios e Telégrafos, Banco do Brasil, CEF, BNDES fundos de pensões e dezenas de outras empresas da União? Nos últimos meses, ficou mais que provado que a dobradinha PT/PMDB se uniu para ganhar as eleições e pilhar o Brasil nos maiores escândalos de desvios que a história registra.

Segundo os investigadores o delator, que desviou mais de R$ 1 bilhão da estatal, receberá como "pena" e "castigo": ficar três anos "preso" em regime domiciliar em sua rica mansão em Fortaleza, e terá de devolver à Petrobrás apenas R$ 75 milhões.

O que podemos esperar das próximas delações de Marcelo Odebrecht e Léo Pinheiro, diretor da OAS? Os próximos dias dirão!

O crime compensa?

* Abelardo Camarinha é deputado estadual pelo PSB.