Opinião - A polícia é o teto de vidro da sociedade


28/06/2016 12:20 | Coronel Telhada*


No domingo, dia 19 de junho, a Polícia Técnico-Científica fez a reconstituição da morte do menino Ítalo, de dez anos, no Morumbi (São Paulo). Dias antes, ao lado de um outro adolescente de onze anos, assaltou um prédio e furtou um carro no local. Após uma perseguição pelo bairro, ocorreu um confronto com a Polícia Militar, resultando no óbito do infrator mais jovem.

Segundo reportagem da Rede Globo, na época da ocorrência, Ítalo era morador de rua, filho de um presidiário e de uma ex-presidiária, passou mais de vinte vezes por conselhos tutelares e era levado para abrigos, mas fugia e voltava para as ruas.

O jovem de onze anos que estava com Ítalo não morreu durante o confronto com a PM e foi ouvido pela Polícia Civil como testemunha. Ao longo das investigações deu três versões diferentes para o ocorrido, sendo que, na primeira delas, deixou claro que o menor de dez anos dirigia o veículo furtado e atirou contra os policiais, antes de ser alvejado com um tiro.

Câmeras de segurança da região do Morumbi mostram o menino dirigindo o veículo roubado e testemunhas também validaram a versão apresentada pela PM. O exame residuográfico, feito pela perícia, também detectou rastros de pólvora e chumbo nas mãos de Italo. Mas, mesmo com todas estas provas, setores da mídia e militantes de direitos humanos insistem em culpar a polícia pelo ocorrido.

A polícia é o teto de vidro da sociedade, a culpada de tudo de ruim que ocorre. No entanto, quanto aos problemas sociais, somos apenas a ponta do iceberg. Quando o problema chega às mãos da PM, diversos outros núcleos sociais falharam.

Primeiro falharam os pais, que não deram a devida educação, não forneceram o ambiente familiar ideal para a criação do jovem. Sem este suporte inicial, o menor ficou sem uma boa direção para sua vida.

Depois, outros núcleos da sociedade também deixam de cumprir um papel importante. O jovem cresceu sem uma religião e sem respeitar uma figura que representa um ser superior, seja ele o pastor, o padre, o rabino ou um pai de santo. Seja qual for a religião, ela é de suma importância na formação de um cidadão.

Posteriormente, este jovem inicia o ciclo escolar e, por lá, também não obtém uma educação digna. Sem a devida orientação e com a carga emocional que já traz de casa, não respeita o professor, a diretora e o inspetor.

No final, falhou o Estado, que não forneceu saúde digna e educação de qualidade para este menor desde que ele nasceu e não lhe deu condições de ter noções básicas de civismo, amor à pátria e moralidade.

Todos falharam, mas a culpa recai, mais uma vez, sobre os policiais militares que atenderam a ocorrência. Quem disparou aquele tiro não foi o policial, foi a sociedade. Todos são responsáveis pela morte de Ítalo mas certas pessoas insistirão em culpar só a PM.

*Coronel Telhada é deputado estadual pelo PSDB