Medidas para que pacientes cardíacos e com câncer não abandonem seus tratamentos por medo de contrair Covid-19 em hospitais

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
23/04/2020 18:43 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Cezar


O deputado estadual Carlos Cezar (PSB) protocolou, na sexta-feira (17/4), uma indicação ao governador João Doria com o objetivo de diminuir o número de óbitos de pacientes de cardiologia e oncologia, que têm deixado de buscar atendimento por medo da Covid-19.

O documento pede que a Secretaria da Saúde adote medidas para que os pacientes continuem seus tratamentos durante a pandemia, pois o medo de ir ao hospital e ser infectado pelo coronavírus tem feito com que esses pacientes abandonem a terapia.

Dados da Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista apontam que houve uma queda de 50% nos atendimentos a pacientes com infarto em comparação com o mesmo mês em 2019. O Instituto Oncoguia alerta para o aumento no número de mortes por ataque cardíaco em casa, associado a uma redução de 45% no atendimento do Instituto do Coração.

De acordo com especialistas da área de oncologia, há mais risco de morrer por abandonar o tratamento de câncer do que por ser infectado pelo novo coronavírus.

É consenso científico que o isolamento social reduz a disseminação do vírus, entretanto, o grupo mais vulnerável à Covid-19 (pacientes cardíacos, com câncer, diabéticos, imunodeprimidos, entre outros) não pode deixar de lado o cuidado com doenças já existentes.

O oncologista Paulo Hoff, diretor-geral do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) afirma que pacientes com tumores de progressão rápida e em processo de cura precisam continuar as consultas e o acompanhamento.

"É fundamental, neste momento difícil e excepcional que o mundo está vivendo, que o Poder Público não poupe esforços visando preservar a saúde e a vida dos pacientes acometidos pela Covid-19 e, no mesmo sentido, adotar medidas de estímulo para que os pacientes das áreas de oncologia e cardiologia continuem a manter seus respectivos tratamentos", afirma Carlos Cezar.