Carmem Arruda: uma relação séria e fecunda com a realidade da paisagem urbana e da natureza.

Emanuel von Lauenstein Massarani
02/07/2004 14:00

Clique para baixar a imagem" alt="OBRA: "Porto de Natal"Clique para baixar a imagem"> Carmem Arruda <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/hist/Carmen Arruda.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> OBRA: O guarda-chuva amarelo<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/hist/Carm. Arruda Guradachuva.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Acervo Artístico

Carmem Arruda é uma artista movida por um incansável desejo de contar através da cor e do desenho a respeito da natureza, das coisas e das paisagens urbanas que a cercam. Tudo o que a envolve seja no seu habitat ou nos locais que visita despertam o seu interesse artístico. Por isso que, com o mesmo amor e o mesmo entusiasmo ela descreve em pintura um porto do nordeste, uma ponte de São Paulo ou uma praia do Sul.

Sua relação com a realidade é uma relação fecunda e séria, e enriquece a personalidade de quem a mantem, por que a faz melhor entender e compreender. Ângulos de aldeias, praias solitárias, primitivas moradias de vilarejos, panoramas de cidades, interiores de casarios, revelam uma palheta rica e atenta, totalmente equilibrada, onde se alternam os cromatismos. Trata-se da pintura de uma paisagista instintiva e sensível, cujo diálogo com a natureza se desenvolve submisso, mas intenso e com fortes acentos.

A artista nos apresenta uma pintura sóbria, rica daquela força de sugestão que a natureza exercita numa alma simples e sincera. Suas pinturas, envolvidas no calor de uma luz tropical, se colocam no limite de uma realidade fantástica onde se fundem força realista e limpidez de uma visão quase arcaica de interpretar a natureza.

Nas obras "O guarda-chuva amarelo" e "Porto de Natal", doadas ao Acervo Artístico da Assembléia Legislativa, o desenho perfeito aliado ao jogo das cores, sutil e calibrado, evidenciam uma artista que trabalha com paixão, seguindo uma escolha firme e serena.

A Artista

Carmen Arruda, pseudônimo artístico de Carmen Rolim Arruda, nasceu em Campinas, em 1934. Transferiu-se para a capital paulista para concluir seus estudos. Desde cedo manifestou seu gosto pela música e pela arte com reconhecidos mestres de pintura e desenho, complementando-os, depois em cursos livres promovidos pela Associação Paulista de Belas Artes e a Pinacoteca do Estado.

Participou e recebeu prêmios nas seguintes mostras internacionais: " Le Centre International d´Art Contemporain", Paris, França (1984); Salão de Inverno " Espelho de Água" , Lisboa , Portugal (1985); "The Curtis Hixon Convention Center", Tampa , Flórida, Estados Unidos (1986); " Osaka Inter People Festivalk'87" , Shopping Kintetsu, Japão ; Pavilhão da "Feira Mundial de Artesanato e Produtos Industriais de Alta Tecnologia Okayama, Japão (1987); Exposição Internacional de Osaka , Japão (1990); "Brazilian Artists", Internacional Museum of 20 Century Arts and Cultural Center, Los Angeles, Califórnia e Brazilian Institute of Arizona Inc and Fagen Peterson Fine Arts, Phoenix, Arizona, Estados Unidos.

Esteve presente em mais de 100 exposições individuais e coletivas, destacando-se entre outras: I Salão Feminino de Artes Plásticas, SP; VI Salão Aberto Santos Dumont, SP; I Salão Nacional de Artes Plásticas "Flores da Primavera" SP; VI e VII Salão da Primavera (1982 e 1983); Sociedade Brasileira de Belas Artes, Rio de Janeiro, RJ; III Salão de Artes, Vila Militar, RJ; XXVII Salão Valenciano de Artes Plásticas, Valência, RJ (1982); I Salão Oficial de Artes da AIAP, filiada à UNESCO, SP (1985); Chapel Art Show, SP (1995, 1996, 1999, 2000, 2002, e 2003); "Artistas Contemporâneos", Sociarte, SP (1986, 1988, 1989, 1990, 1991, 1992, 1993, 1994, 1996, 1997, 1998, 1999, 2000, 2001 e 2002); Galeria Aleph, SP, (1988, 1989); Galeria Ponto das Artes, SP, (1996 e 1999).

Foi selecionada para o "Dicionário de Artes Plásticas de Júlio" Lousada e para o primeiro volume Brasil Art Show, SP (2004).