Bienal Internacional de Florença outorga à Assembléia a Grande Medalha Lorenzo de" Médici

Museu de Arte do Parlamento de São Paulo
06/07/2007 15:30

Compartilhar:

Diploma de reconhecimento especial pela contribuição do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo à cultura e às artes.<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/03-2008/entrevista 004.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Presidente Vaz de Lima e Emanuel von Lauenstein Massarani <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/03-2008/entrevista 008.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Grande Medalha Lorenzo de" Medici<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/03-2008/entrevista 001.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O Comitê Organizador da Bienal Internacional de Arte Contemporânea, da Cidade de Florença, em reunião realizada a 2 do corrente, sob a coordenação dos professores Pasquale Celona e Piero Celona, respectivamente presidente e vice-presidente daquela tradicional instituição, decidiu outorgar à Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo a Grande Medalha Lorenzo de" Medici, o Magnífico e o respectivo Diploma ao Mérito pela iniciativa de desenvolver as atividades do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo na divulgação da cultura e da arte contemporânea através de um acervo de mais de 1000 obras.

Vale salientar que a Bienal de Florença foi oficialmente reconhecida pelas Nações Unidas, pela UNESCO desde 2001 como parceira oficial do programa "Dialogo entre as Civilizações". Segundo o então Secretario Geral da ONU, Kofi Annan " nestes tempos difíceis para a humanidade inteira, a arte expressa esperança pois abre novas portas para aprender, compreender e alcançar a paz entre povos e nações".

Especialmente convidado o Superintendente do Patrimônio Cultural da Assembléia, Emanuel von Lauenstein Massarani fez na ocasião uma explanação detalhada sobre a orientação da nova Mesa Diretora no sentido de ampliar as atividades culturais da Assembléia, tanto no campo das artes plásticas quanto da música.

Os integrantes do Comitê tiveram a oportunidade de assistir ainda uma gravação realizada pela TV Assembléia com uma entrevista dada pelo Presidente Vaz de Lima, historiando sobre a criação e o acervo do Museu de Arte do Parlamento, hoje integrado à vida cultural de São Paulo. Por ser o único Museu de Arte criado num Parlamento, cópia do programa em questão foi entregue à direção da UNESCO em Paris que deverá se manifestar formalmente sobre a iniciativa.

Participaram da reunião do Comitê, o professor Raffaele Arecco, Jacopo Celona, diretor da Gryphon Projects, Niccoló Rosselli Del Turco, presidente da Associação dos Palácios Históricos Italianos, Vito Abba, Angelina Herrera, Alessandra Miranda e Domenico Celona.

Na mesma ocasião, o Comitê da Bienal conferiu ao Deputado Vaz de Lima, presidente do Legislativo Paulista uma medalha de ouro e um diploma de reconhecimento especial pela contribuição do Museu de Arte do Parlamento de São Paulo à cultura e às artes.

O Superintendente do Patrimônio Cultural que regressou ontem da Europa após diversas reuniões com entidades culturais e com a UNESCO fez entrega ao Presidente Vaz de Lima das distinções recebidas da Bienal Internacional de Arte Contemporânea da cidade de Florença em homenagem ao Legislativo Paulista pelo incentivo dado a cultura tanto pela criação do Museu de Arte e das atividades correlatas desenvolvidas pela Assembléia.

Lorenzo de" Médici, o grande protetor das artes

A medalha Lorenzo de" Médici foi instituída pela Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Florença para homenagear artistas e museus que se destacam internacionalmente na promoção da cultura e da arte.

Lorenzo de Médici (Florença, 1º de janeiro de 1449 " Careggi, 8 de abril de 1492), foi banqueiro e governante, literato, diplomata, estadista da República Florentina no período renascentista. Mais conhecido como Lorenzo, O Magnífico foi protetor de escritores, sábios e artistas, foi o impulsor das primeiras imprensas italianas. Iniciador do movimento renascentista, que rejeita a ciência escolástica e teológica, para valorizar a pesquisa e a busca do sentido da vida, colocando o Homem no centro do Universo.

Seu palácio tornou-se o centro de uma cultura que, partindo da redescoberta da antiguidade grega e latina, levará a um extraordinário florescimento das artes e das letras. Os maiores artistas e literatos freqüentavam a sua corte, mas o que distinguia Lorenzo de outros mecenas da época era a sua ativa participação intelectual nas atividades que promovia. Foi um elegante escritor em prosa e um poeta original.

Os filósofos Marsílio Ficino e Pico della Mirandola, os poetas Pulci e Poliziano e grandes artistas como Botticelli e Ghirlandaio, eram seus hóspedes habituais. Michelangelo iniciou seus estudos em um ateliê patrocinado por Lourenço.

Lorenzo reuniu em sua pessoa a melhor cultura do Renascimento. Diferentemente de muitos humanistas de sua época, apreciava os grandes clássicos italianos dos dois séculos anteriores e na juventude escreveu mesmo uma carta sobre o assunto para Frederico de Aragão, enviando-a com uma coleção de poetas italianos antigos.