Assassinato aponta ligação de caça-níqueis com o crime organizado


24/10/2003 15:49


Da assessoria do deputado Romeu Tuma

O assassinato de Francisco Plumari Júnior, o Chico da Ronda, morto a tiros em um posto de gasolina no bairro da Casa Verde, nesta quinta-feira, 23/10, pode ter como pano de fundo a exploração de jogos de azar em estabelecimentos comerciais, segundo o deputado Romeu Tuma (PPS), presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa.

Plumari era considerado pela polícia o maior bicheiro da zona norte de São Paulo e provável comandante de uma rede de máquinas de caça-níqueis da região. A polícia acredita em vingança. "Temos convicção de que as máquinas de caça-níqueis são comandadas por poderosas quadrilhas ligadas à contravenção", diz Tuma.

O deputado é autor de projeto de lei que proíbe a instalação e utilização desses equipamentos e de videobingo e videopôquer, entre outros jogos de azar, em bares, restaurantes e similares em todo o Estado. "O projeto, que poderia inibir a ação de criminosos como Chico da Ronda, já passou por todas as comissões e está pronto para votação. Acreditamos que a aprovação imporá uma grande derrota à 'indústria do azar', patrocinada pelo crime organizado, que se aproveita da boa-fé dos cidadãos comuns", ele destaca.

Romeu Tuma denuncia a existência de um verdadeiro arsenal de caça-níqueis e outras máquinas parecidas, que fazem dos locais públicos verdadeiros cassinos, abertos inclusive a pessoas humildes, crianças e jovens. "Essas máquinas acabam se tornando a porta de entrada de pessoas inocentes no mundo do crime", alerta o deputado.



rtuma@al.sp.gov.br