Deputada assume reivindicações de Mongaguá e Itanhaém


22/02/2005 15:28

Deputada Maria Lúcia Prandi <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/hist/prandi 22 fev.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Da assessoria da deputada Maria Lúcia Prandi

A deputada Maria Lúcia Prandi (PT) reuniu-se na sexta-feira, 18/2, com os prefeitos de Itanhaém, João Carlos Forssell, e Mongaguá, Arthur Parada Prócida. O objetivo foi reiterar que o seu mandato na Assembléia Legislativa está totalmente à disposição das necessidades dos municípios. Nos encontros, a parlamentar também levantou as principais reivindicações das cidades.

"Este é um contato importante, porque traz mais sintonia na luta pelo atendimento das necessidades da população", destaca a deputada Prandi, atual 2ª secretária da Assembléia Legislativa. Nas audiências com os dois prefeitos, o tema principal foi a importância de mais investimentos na melhoria do sistema público de saúde e a definição de um planejamento metropolitano para o setor.

Segundo a parlamentar, é ponto comum que o Hospital de Itanhaém funcione como uma unidade regional, atendendo além do próprio município, também Mongaguá e Peruíbe. De acordo com o prefeito Forssell, está tudo encaminhado para a concretização de uma parceria com a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp ), que ficará responsável pela gestão da unidade.

"Estamos licitando a compra de equipamentos no valor de R$ 1 milhão, liberados pelo Governo Federal. Isto permitirá que 60 leitos sejam disponibilizados. Agora, vamos atrás do Governo do Estado, para que a outra parte dos 125 leitos funcione", explicou Forssell. Praticamente reconstruído com recursos da União, o hospital está fechado desde o ano passado por falta de equipamentos.

Acompanhada da vereadora Regina (PT), a deputada Prandi informou que buscará viabilizar o repasse ao município de, ao menos, uma unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Outro ponto destacado pela parlamentar foi a importância da viabilização de um projeto para transformação do lixão da cidade em aterro sanitário.

"Houve todo um estudo da Cetesb para melhorar as condições de destinação, acondicionamento e tratamento de resíduos sólidos na Baixada. Porém, praticamente em nada de concreto se avançou neste sentido", ressaltou Maria Lúcia, autora de emenda ao Orçamento Estadual que visa a implantação de um aterro sanitário em Itanhaém. Pela proposta, o local teria sistema de drenagem, tratamento de gases, um posto de triagem e uma usina de compostagem.

Outro ponto discutido foi a necessidade de revitalização do patrimônio histórico da cidade. De acordo com a vereadora Regina, um técnico do Instituto do Patrimônio Histórico e Arquitetônico Nacional (IPHAN) esteve naquele mesmo dia vistoriando o Convento Nossa Senhora da Conceição. A visita havia sido articulada pela deputada federal Mariângela Duarte (PT/SP).

"Esta união de esforços é fundamental para que um pedaço importante de nossa história seja restaurado e preservado", destacou Prandi, que defende a destinação de recursos do Governo Estado para obras no Convento e, também, para a restauração total da Igreja Matriz de Santana. "Somente os altares laterais foram recuperados. É preciso que todo imóvel seja revitalizado", acrescentou.

Mongaguá

Na conversa com o prefeito Arthur Parada Prócida, o tema saúde também veio à tona. Segundo ele, é preciso garantir mais investimentos dos governos Estadual e Federal para o setor. "Caso contrário, a situação irá explodir", destacou ele, que será o próximo presidente do Conselho de Desenvolvimento da Baixada Santista (Condesb). Outra preocupação do chefe do Executivo é com o atendimento à saúde da mulher.

O prefeito também reivindicou mais empenho do Governo do Estado na redução do déficit habitacional na cidade. Segundo ele, o problema tem sido um pouco amenizado por meio de parcerias com a Caixa Econômica Federal para viabilizar a construção de unidades através do Programa de Arrendamento Residencial (PAR). "Vamos pressionar a Secretária Estadual de Habitação para realizar projetos em Mongaguá", arrematou Prandi.