Monotrilho deve ser construído mesmo que o Morumbi não sedie jogos da Copa

Afirmação foi feita por Munhoz em palestra na Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas
23/06/2010 17:11

Compartilhar:

Monotrilho <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2010/Monorail.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>  <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2010/monotrilhochibab.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Barros Munhoz, reuniu-se nesta quarta-feira, 23/6, com membros da Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (Apeop), na sede da entidade, no centro de São Paulo. Munhoz foi convidado a proferir palestra sobre as atividades da Parlamento paulista.

Questionado sobre qual será o efeito para São Paulo da rejeição do estádio do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, o Morumbi, para abrigar jogos da Copa de 2014, Barros Munhoz disse que não deve haver mudanças nos projetos da área de transporte. Segundo ele, o governo continua empenhado na aprovação pela Assembleia de empréstimos para a construção da Linha 17 " Ouro (monotrilho), que ligará o terminal do Jabaquara ao Morumbi, além do trecho norte do Rodoanel e o Centro Cultural " Teatro de Dança de São Paulo.

Os recursos devem vir do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), da Caixa Econômica Federal e do Banco do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Entretanto, ponderou Munhoz, parte do financiamento de algumas obras pertence ao PAC da Copa, e diante das mudanças em curso esses recursos podem ser dirigidos agora a outros projetos que venham a garantir a participação de São Paulo na Copa de 2014.

Sobre a administração estadual, Munhoz disse que o governo precisa investir na recuperação das estruturas do Departamento de Estradas de Rodagem de São Paulo (DER) e do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE). O presidente frisou particularmente a valorização e capacitação dos quadros técnicos e a modernização desses ógãos.



Atuação do Legislativo



Ele destacou que as atividades legislativas não se reduzem a criar projetos, mas englobam, sobretudo, a representação da sociedade e a fiscalização dos atos do Executivo.

"Legislar não é só propor projetos. É também discutir e aprimorar as propostas do Executivo", disse Munhoz, lembrando que a Assembleia paulista deu grande contribuição a importantes projetos do governo estadual, como o que originou o novo sistema de previdência do Estado, a SPPrev, e o referente à Lei Específica da Represa Billings.

Luciano Amadiu Filho, presidente da Apeop, disse que a entidade deseja ter uma maior proximidade com o Legislativo estadual e uma relação de cooperação. Segundo ele, os empresários do setor podem contribuir com o Poder Público na identificação das prioridades nos programas de infraestrutura. "A entidade também aposta na valorização da juventude e na capacidade de liderança", disse Luciano, ao apresentar o projeto Jovem Empresário, da Apeop, que está organizando sua primeira campanha do agasalho neste ano.