Deputado conversa com professores sobre projetos na Assembléia


23/06/2009 10:10

Compartilhar:

Reunião com professores<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/ALOBATOPROF.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Um grupo de 20 professores da rede estadual de ensino se reuniu, nesta segunda-feira, 22/6, com o deputado Afonso Lobato (PV), para discutir o projeto de lei complementar (PLC) 19 e 20, o primeiro que altera a forma de contratação de professores pelo Estado e o segundo que define uma nova jornada para a categoria.

"Vamos levar as prioridades da categoria ao Colégio de Líderes, na tentativa de ainda conseguir viabilizar emendas aglutinativas para contemplar essas reivindicações", afirmou Lobato.

Segundo Padre Afonso, o que mais preocupa os professores são as novas regras estabelecidas pelo PLC n.º 19, que vai prejudicar principalmente professores não efetivos, com muitos anos de carreira, que perderão seus direitos caso não sejam aprovados em processo seletivo. "Muitos deles estão próximos de se aposentar", disse.

A coordenadora da subsede do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Célia Brasil Pires de Almeida, disse que a reunião permitiu esclarecer até onde haverá possibilidade de sua interferência em favor dos professores. "A gente sabe que alguma coisa pode ser mudada", declarou.

Para a coordenadora, o PLC n.º 20 tem uma boa aceitação, mas precisa de alguns ajustes. "Estamos preocupados com a redução do salário para 75%, por um período ainda não definido, no caso de recém-aprovados no concurso a ser realizado pela Secretaria da Educação e com a indefinição do local onde seria feita a capacitação da proposta pelo governo", disse ela.

Quanto ao PLC n.º 19, o posicionamento dos professores é pela sua rejeição, na íntegra, pois, segundo Célia Brasil, prejudica principalmente os que já estão lecionando há mais anos. A sugestão é que os professores nessa condição sejam mantidos pela Lei 500 e à medida que se aposentarem, seja extinta essa modalidade de contratação.

padreafonso@al.sp.gov.br