Secretário fala sobre incentivo ao esporte e mudanças na lei das Estâncias Turísticas


17/06/2009 20:15

Compartilhar:

Claury Alves da Silva e Vicente Cândido<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/COMESPORTsec. clauryalvesedep candido33ROB.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Parlamentares da Comissão de Esportes e Turismo<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/COMESPORTESDEPSROB_0744.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O secretário de Esporte, Lazer e Turismo do Estado de São Paulo, Claury Alves da Silva, esteve na Assembleia Legislativa nesta quarta-feira, 17/6, para falar sobre os trabalhos realizados por sua pasta nos últimos dois anos e meio. Ele foi recebido pelos membros da Comissão de Esportes e Turismo, presidida pelo deputado Vicente Cândido (PT).



O secretário falou sobre a estrutura da pasta que dirige e discutiu com os parlamentares três temas centrais: as políticas de incentivo ao desenvolvimento desportivo paulista, as ações do governo do Estado para a realização da Copa do Mundo em 2014 e a reformulação da lei das Estâncias Turísticas do Estado.



Claury Alves da Silva apresentou as linhas gerais dos programas da secretaria, que, segundo ele, se dividem em três grandes áreas de atuação: a de infraestrutura; a de materiais esportivos; e a de pedagogia do esporte. Ele falou sobre os convênios com as prefeituras para dotar os municípios de quadras esportivas e dos recursos para manutenção dos equipamentos esportivos. Ele destacou que existem no Estado 4755 quadras em escolas estaduais, cinco complexos esportivos e 4 novos centros de excelência.

Além dos convênios para obras de infraestrutura, que chegaram a 681 em 2008, Claury mencionou os convênios para realização de eventos esportivos no Estado. A Secretaria promove competições de alto rendimento, como as copas de handebol, de futebol feminino e de basquetebol, além do Jogos Regionais (com 22 modalidades e 55 mil participantes) e do Jogos Abertos do Interior (25 modalidades e participação de cerca de 11 mil atletas).

Segundo Claury, a Secretaria está orientada para atender as necessidades da formação esportiva nas etapas de iniciação (núcleos de esporte social), da formação específica (núcleos de formação) e de alto rendimento (centros de excelência), segmento em que se concentram as competições de alto nível.

O secretário destacou especialmente a criação da Bolsa Talento Esportivo, aprovada pela Assembléia paulista neste ano, cujo objetivo é dar suporte aos atletas com potenciais, de modo que estes possam receber treinamento continuado e constante. Os bolsistas são selecionados a partir do ranking das federações ou de competições realizadas no Estado e passam a ter treinamento especializado nos centros de excelência, com direito a alojamento e a bolsas.

No que diz respeito ao centros esportivos, o secretário disse que o Conjunto Desportivo Constâncio Vaz Guimarães, no Ibirapuera, vai passar por obras para a modernização do complexo, que permitirão elevar os rendimentos próprios do estabelecimento com o aluguel dos seus espaços para eventos esportivos, fonte de arrecadação que hoje confere recursos de R$ 2 milhões por ano. Já a reforma do Conjunto Desportivo Baby Barioni tem em vista a revisão da acessibilidade dentro do complexo. Claury disse que as alterações previstas para o complexo vnao permitir transformia-lo em um centro de treinamento para os atletas paraolímpicos.



Copa do Mundo



Os parlamentares que integram a Comissão de Esportes e Turismo perguntaram ao secretário como andam os preparativos para a Copa do Mundo de 2014 e como tem sido a interação entre os três níveis de governo para a realização do evento. Claury disse existir plena harmonia entre as autoridades do Esporte nos governos federal, estadual e municipal. Ele explicou que o governador de São Paulo criou uma comissão, formada por dois secretários de Estado e dois representantes da prefeitura da capital, para organizar a estrutura exigida pelo caderno de encargos da FIFA. "Fizemos um trabalho para levantar todas as exigências e apresentar a proposta do Estado", disse ele.

A orientação do governo estadual é centrar-se nos investimentos de infraestrutura e transportes. "O governo não pretende construir estádios. O projeto de São Paulo tem o pé no chão. Não vamos investir no que não podemos, principalmente num momento de crise, como este, com reflexos nas finanças públicas", disse Claury, lembrando que as adequações do estádio do Morumbi ficarão por conta do São Paulo Futebol Clube, que inclusive já assinou compromisso com a Fifa de fazer as reformulações exigidas pela entidade e já encomendou projeto do arquiteto Ruy Ohtake.

O secretário chamou a atenção para o setor que será mais beneficiado pela Copa do Mundo: o de turismo. Ele destacou que o evento fará com que cerca de 600 mil turistas passem pelo Estado. "Por isso estamos trabalhando para desenvolver e divulgar roteiros e destinos turísticos do Estado", adiantou.



Estâncias turísticas



Um outro assunto tratado na reunião da Comissão de Esportes e Turismo foi a reformulação da lei das Estâncias Turísticas do Estado de São Paulo. A idéia, surgida há 40 anos atrás, de dotar os municípios com vocação turística de recursos específicos para essa finalidade começa a criar algumas distorções, no entendimento de muitos prefeitos e autoridades políticas.

O secretário Claury defendeu que os municípios que se constituem em estância turística devem investir seus recursos em projetos que tenham relação direta com a atividade turística e impacto positivo sobre ela. "Turismo não é mais uma atividade que depende apenas de infraestrutura. Hoje, são necessários, fundamentalmente, promoção e divulgação", disse ele ao defender que a lei seja revista de forma que os recursos do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento das Estâncias sejam destinados, na fração de 10%, para a promoção e divulgação.

A revisão da lei também é defendida por quem percebe que muitos dos municípios transformados em estâncias turísticas não terem mais essa atividade no centro de sua vida econômica. Há cidades em que o turismo é quase inexistente. De outro lado, essas cidades estão também impedidas de instalarem indústrias em seus territórios por força da lei, que precisa ser modernizada para dar conta dessas situações.

Participaram da reunião desta qurata os deputados Conte Lopes (PTB), Hélio Nishimoto (PSDB) e Pedro Bigardi (PCdoB), alem do presidente da Comissão Vicente Cândido, que convidou o secretário a retornar no próximo semestre para discutir a proposta de criação de um fundo estadual do Esporte. Cândido acrescentou ainda que a Assembléia precisa atuar na sensibilização de setores do governo e da sociedade para melhorar o orçamento das pastas de esporte em todos os níveis. "Precisamos de uma nova cultura esportiva. E isso somente se realizará se o esporte for valorizado na hora de fazermos as leis orçamentárias", concluiu.