Missionários Combonianos no Brasil são homenageados pelos seus 60 anos


27/08/2012 16:45 | Da assessoria do deputado Simão Pedro - Foto Mauricio de Souza

Elide Sorio, Alcides Costa e Simão Pedro<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-08-2012/fg117363.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A noite do dia 24/8 ficou mais bonita por conta de uma homenagem feita pelo deputado Simão Pedro (PT) aos 60 anos dos Missionários Combonianos do Brasil. A sessão solene contou com a participação de padres combonianos e missionários de países como a África.

Para Simão Pedro, "foi uma forma da Assembleia Legislativa reconhecer o trabalho dos missionários combonianos no Brasil". Em sua fala, o deputado falou sobre seu envolvimento com os homenageados durante as suas idas à cidade de Jaru, Estado de Rondônia onde, em visitas aos seus pais, pode conhecer de perto o serviço prestado aos mais necessitados.

A abertura do evento contou com a execução do Hino Nacional brasileiro pelos jovens do grupo Vivarte Daniel Comboni, que atende a 250 crianças e objetiva acolher o jovem socialmente vulnerável compartilhando conhecimento através de atividades educacionais e artísticas.

Fizeram parte da mesa com o deputado Simão Pedro, o padre provincial Alcides Costa e a irmã Elide Sorio, que completou 60 anos de missionária comboniana. Para Alcides, "a celebração dos 60 anos é um momento importante para a nossa caminhada missionária, pois, com ela, queremos animar-nos a partir do nosso carisma e espiritualidade, animar a Igreja no Brasil para que seja sempre mais missionária e realizar o Ano Vocacional Comboniano para propor a vocação missionária e comboniana, pois acreditamos que o carisma comboniano, o testemunho de tantos missionários que aqui deram a sua vida é um sinal para esta Igreja".

A mediação das falas ficou com o padre comboniano Vanderlei Bervian. Pedro Akpene, representando os missionários combonianos, comentou sobre o aprendizado e o crescimento com o trabalho desta comunidade. "O crescimento é mútuo, nós enriquecemos com o trabalho dos missionários e vice-versa. A convivência com o grupo abriu fronteiras e o carisma comboniano tem muito a dar ao Brasil".

Ainda participaram o padre Adriano Zerbini, pároco da Pároquia São Sebastião, no bairro de Sapopemba (zona leste da capital); a dra. Fabiana Tiburcio, representando o Instituto Daniel Comboni; Francisco Dionísio da Silva, representando todos os leigos que atuam nas várias comunidades eclesiais de base e paróquias assistidas pelos missionários combonianos; Paulo Lomar, representando os combonianos do bairro da Previdência; Aparecida Josefa Dias, psicopedagoga; irmã Caterina Ingelido, superiora da comunidade de Sapopemba e diretora do Instituto Daniel Comboni; e Cheila Ollala, membro do Condep, em nome do Centro de Defesa dos Direitos Humanos do Cedeca de Sapopemba.



Missionários combonianos no Brasil

Os missionários combonianos foram fundados por são Daniel Comboni em 1867, na Itália, com a finalidade de anunciar a Boa Notícia do Evangelho aos povos que ainda não o conhecem. Hoje são mais de 1.600 missionários trabalhando em quatro continentes.

Em 1952 os combonianos chegaram ao Brasil e tinham como objetivo o trabalho missionário no sul do Maranhão e no norte do Espírito Santo, além de sensibilizar a Igreja no Brasil na sua responsabilidade missionária. Sempre atuaram para alimentar uma Igreja comprometida com a vida, voltada para os pequenos e pobres, aliada dos movimentos sociais, e engajada na busca de caminhos de justiça e paz.

Daniel Comboni (1831-1881) nasceu em Limone, sul Garda (Brescia, Itália), de uma família de camponeses ao serviço de um rico senhor local. O pai e a mãe, Luis e Domenica, eram afeiçoadíssimos a Daniel, o quarto de oito filhos, falecidos quase todos em tenra idade. Eles formavam uma família unida, rica de fé e de valores humanos, mas pobre de meios econômicos. E é exatamente a pobreza da família Comboni que obriga Daniel a deixar a aldeia natal para ir frequentar a escola em Verona, no Instituto fundado pelo sacerdote Don Nicola Mazza.

Nestes anos passados em Verona, Daniel descobre a sua vocação ao sacerdócio, completa os estudos de filosofia e teologia e, sobretudo, abre-se à missão da África Central, fascinado pelo testemunho dos primeiros missionários mazzianos que regressavam do continente africano.

Em 1854 Daniel Comboni é ordenado sacerdote e três anos depois parte para a África juntamente com outros cinco missionários do Istituto Mazza. Foi o primeiro bispo católico da África Central e um dos maiores missionários na história da Igreja. Conheça mais sobre o trabalho dos combonianos em http://www.combonianos.org.br/