Da Tribuna


28/06/2016 19:55 | Da Divisão de Taquigrafia da Assembleia


CARLOS NEDER - Informa que a Associação Brasileira de Liderança - Braslider o contatara para informar que lhe entregaria uma homenagem. Manifesta estranheza pelo fato de precisar comprar um chamado "kit festividade" e de ter que encaminhar currículo para o recebimento do prêmio. Questiona o fato de a empresa fazer uso do timbre de várias associações, inclusive o desta Casa. Destaca a necessidade de averiguação dos dados da empresa, bem como da fonte dos recursos para entrega de suas comendas.

CORONEL TELHADA - Para comunicação, solicita que o pronunciamento do deputado Carlos Neder seja encaminhado ao Comando Militar do Sudeste e ao Círculo Militar de São Paulo. Considera necessária a investigação da empresa Braslider.

CORONEL TELHADA - Pede pela aprovação das emendas apresentadas ao projeto de lei que dispõe sobre as condições de ingresso à Polícia Militar. Defende que a idade máxima de ingresso seja mantida. Lamenta o assassinado do delegado Guerino Solfa Neto, de São José do Rio Preto. Rebate palavras do secretário de Segurança Urbana, Benedito Mariano, que condenou a ação da Guarda Civil Municipal que levara à morte de garoto de 11 anos. Discorda dos argumentos expostos pelo secretário. Ressalta a importância do policiamento preventivo realizado pela Guarda Civil Municipal.

JOOJI HATO - Tece comentários sobre empresa que deseja oferecer o serviço de mototáxi na cidade de São Paulo. Considera que o uso compartilhado de capacetes utilizados no serviço aumenta o risco de transmissão de doenças. Alerta para um possível aumento acidentes com o uso de mototáxis. Diz ser ilegal a utilização de motocicletas como transporte coletivo na cidade de São Paulo. Defende investimentos em transportes coletivos de massa no município.

CARLOS NEDER - Retoma o assunto sobre a Associação Brasileira de Liderança - Braslider. Questiona a existência de autorização para que o nome desta Casa possa ser utilizado nas condecorações da referida empresa. Adiciona que a Braslider utiliza conteúdos audiovisuais produzidos por este Parlamento. Destaca a necessidade de apuração do caso, bem como de investigação de empresas semelhantes que utilizam espaços desta Casa para fins, possivelmente, comerciais.