Audiência pública sobre a Violência Obstétrica


06/11/2017 15:02 | Da assessoria da deputada Leci Brandão

Folder de divulgação <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-11-2017/fg212012.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O mandato da deputada Leci Brandão promoverá uma audiência pública para debater a questão da violência obstétrica no Brasil - um dos tipos de violência contra a mulher. O evento acontecerá no próximo dia 7/11, às 19h, no auditório Teotônio Vilela da Assembleia Legislativa de São Paulo, e contará com o apoio da ONG Elas Por Elas, do Geledés Instituto da Mulher Negra e da Unegro. A audiência será transmitida ao vivo pelo Portal Alesp.

"Nós temos obrigação de combater esse tipo de violência que desumaniza o parto e agride mulheres e crianças no momento mais frágil de suas vidas", disse a deputada Leci.

Estão previstas a participação de representantes do Ministério Público, da Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário, do Conselho Regional de Enfermagem e da Coordenação de Políticas Para as Mulheres do Estado de São Paulo.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 15% é o limite tolerável para o número de cesáreas na assistência em saúde para mulheres gestantes, o que se chama de "nascimentos operatórios". No entanto, no ano de 2007, 47% dos nascimentos foram feitos por cesáreas, dentre os quais 35% na rede pública e 80% na rede privada. De acordo com o texto, o Brasil é líder mundial de cesáreas e precisa reduzir essa prática urgentemente. Os números são alavancados principalmente pelo setor privado.