CPI recebe ex-presidentes do Condepe


08/03/2018 16:03 | Larissa Seretti - Fotos: Carol Jacob

Mesa da CPI Beth Sahão Cezinha de Madureira Coronel Camilo Coronel Telhada presidiu a comissão Ed Thomas Vitor Sapienza Renê Ivo Gonçalves Rildo Marques de Oliveira Mesa da comissão e parlamentares

A CPI Operação Ethos/Condepe realizou uma reunião na última quarta-feira (7/3), no plenário José Bonifácio, em que foram ouvidos Rildo Marques de Oliveira e Renê Ivo Gonçalves, ex-presidente e ex-vice-presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana (Condepe).

A comissão foi criada para investigar o conselho após o ex-vice-presidente Luiz Carlos dos Santos e outras quatro pessoas terem sido condenadas por colaborar com a organização criminosa conhecida como Primeiro Comando da Capital (PCC). Luiz Carlos foi condenado por corrupção passiva a 16 anos e dois meses de prisão, além de pagamento de multa.

Rildo de Oliveira declarou preocupação com a quantidade de advogados envolvidos no crime (foram 32 ao todo). Além disso, considera de suma importância o trabalho da Polícia Civil, e espera que os criminosos sejam retirados das instituições. Ao ser questionado pelos deputados, explicou que Luiz Carlos ocupava o cargo de suplente de conselheiro, e era identificado por meio de uma carteirinha com prazo de validade. "O Condepe deve filtrar pessoas que possuem antece­den­tes criminais para participa­rem do conselho", afirmou.

Renê Gonçalves, que ocupou a posição de vice-presidente durante um ano, disse que a ligação de Luiz Carlos com o crime foi surpreendente. "Ele era uma pessoa pacífica enquanto trabalhava no Condepe". Também comentou a importância da instituição: "o conselho é fundamental no país", disse.

Para Oliveira, a reunião foi produtiva. "Lamentamos muito. Nenhum membro do conselho desconfiava que Luiz Carlos estivesse envolvido com a organização criminosa. Mas o importante é que tivemos a oportunidade de esclarecer o caso, e concluir no debate que o Condepe deve tomar alguns cuidados ao analisar quem entra no conselho, para que situações semelhantes não voltem a acontecer."

Todos os itens na pauta da reunião foram aprovados. Dentre eles, o de autoria do deputado Coronel Telhada (PSDB), presidente da CPI, convidando Lincoln Gakiya, promotor de justiça do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) de Presidente Prudente, para prestar esclarecimentos sobre a operação.

O deputado explicou o motivo da reunião. "Hoje ficou claro que Luiz Carlos foi referendado pelo Centro Ouvidor de Cotia, e atualmente essa entidade está cortada do próprio conselho. Isso significa que o Condepe não compactua com esse tipo de coisa, o que é um bom sinal. Nossa postura é exatamente essa: queremos saber o que realmente aconteceu, e ao final da CPI chegaremos a uma conclusão."

Além dos citados, também estiveram presentes os deputados Beth Sahão (PT), Cezinha de Madureira (DEM), Coronel Camilo (PSD), Ed Thomas (PSB) e Vitor Sapienza (PPS).

'