Operação Prato Feito desmonta máfia da merenda


15/05/2018 12:19 | Da assessoria do deputado Carlos Giannazi

Estudantes no Plenário Juscelino kubitschek<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-05-2018/fg223166.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O deputado Carlos Giannazi pediu punição exemplar à máfia da merenda desbaratada pela operação Prato Feito da Polícia Federal, que cumpriu na quarta-feira (9/5) 150 mandados de busca e apreensão apenas no Estado de São Paulo. O esquema de desvio de recursos da educação vem sendo investigado desde 2015 e envolve agentes públicos de 30 municípios paulistas, incluindo a capital. Estima-se que o prejuízo aos cofres públicos tenha sido de aproximadamente R$ 1,6 bilhão.

O deputado lamentou a inação dos órgãos estaduais de fiscalização, como o Tribunal de Contas, o Ministério Público Estadual e a própria Assembleia Legislativa. "Foi necessária uma operação da Polícia Federal com o Ministério Público Federal e a Controladoria Geral da União para que houvesse uma investigação séria. Isso prova o quanto é profunda a blindagem que existe no Estado", afirmou o líder do PSOL, lembrando que a maior parte das administrações envolvidas são do PSDB e seus aliados.

Com relação à CPI da Máfia da Merenda, realizada pela Assembleia em 2016, Giannazi afirmou que ela só foi instalada por causa da mobilização dos alunos secundaristas, que ocuparam o plenário durante quatro dias. "Mesmo assim, a CPI foi controlada com mão de ferro pelo governo. Por isso não deu em absolutamente nada. Ninguém foi punido e a roubalheira em torno do dinheiro da educação continuou solta."