Entrega do Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos será nesta sexta-feira

Na oitava edição do prêmio, Ana Dias, viúva do operário morto durante o Regime Militar, foi escolhida entre dez indicações
09/12/2004 18:12

Compartilhar:


Da assessoria do deputado Renato Simões

Nos 25 anos da morte de Santo Dias, Ana Dias receberá o VIII Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos. A viúva do operário assassinado pela PM durante a ditadura militar foi escolhida, por unanimidade, em reunião da Comissão de Direitos Humanos, no dia 18 de novembro. Os outros nove indicados receberão menção honrosa.

Concedido pela Assembléia Legislativa de São Paulo, o VIII Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos será entregue no dia 10 de dezembro, em Sessão Solene, às 20 horas, no Plenário Juscelino Kubitscheck da Assembléia Legislativa.

Criado em 1996, por iniciativa do deputado Renato Simões, presidente da Comissão de Direitos Humanos, o Prêmio Santo Dias é entregue anualmente a pessoas e entidades que se destacam na luta pelos direitos humanos.

Ana Dias é reconhecida pelos movimentos populares e entidades de direitos humanos por seu trabalho comunitário na periferia de São Paulo, iniciado na década de 70, em pleno regime militar, quando atuava ao lado do marido; por sua corajosa luta para denunciar e esclarecer o assassinato de Santo Dias; e por sua militância junto à Pastoral Operária.

SANTO DIAS

Santo Dias da Silva foi assassinado pela Polícia Militar em 30 de outubro de 1979. Um dos líderes da greve dos metalúrgicos de São Paulo, foi baleado durante piquete na frente da fábrica Sylvania, em Santo Amaro. O crime - logo após a promulgação da Anistia -, revoltou o país e tornou-se um marco na luta contra o regime militar.

Colono e bóia-fria antes de chegar a São Paulo, o metalúrgico foi um cristão atuante. Participou das lutas dos trabalhadores rurais, da Pastoral Operária, do Movimento Contra a Carestia, do Sindicato dos Metalúrgicos e do Comitê Brasileiro pela Anistia.

s e temas folclóricos que relatam a luta dos trabalhadores.