Prêmio Santo Dias homenageia cultura popular e luta pela democracia


15/12/2003 20:28

Compartilhar:

Deputado federal Luiz Eduardo Greenhalg, Idebal Piveta e deputado estadual Renato Simões <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/hist/Santo Dias2.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Deputado Antônio Mentor, Líder do PT, deputado Renato Simões e Waldemar Tebaldi<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/hist/Santo Dias 3.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

DA REDAÇÃO

Em sessão solene realizada na sexta-feira, 12/12, a Assembléia Legislativa entregou o VII Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos ao prefeito licenciado de Americana, Waldemar Tebaldi, e ao grupo de teatro popular União e Olho Vivo.

A comissão recebeu 12 indicações ao prêmio. Além dos vencedores, os demais indicados foram homenageados. Pronunciaram-se durante a sessão a deputada Ana Martins (PC do B), que saudou a memória de Santo Dias, morto em 1979; o deputado Antônio Mentor, Líder do PT, que entregou o pergaminho "Prêmio Santo Dias" a Waldemar Tebaldi; o ator Humberto Magnani, representando a classe teatral; e o deputado federal Luiz Eduardo Greenhalg (PT/SP) que fez a entrega do prêmio a Idebal Piveta, idealizador do União e Olho Vivo.

Concedido anualmente a pessoas e entidades que se destacam na defesa dos direitos humanos, o prêmio foi instituído por iniciativa do deputado Renato Simões (PT), presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia, em 1996. Nas edições anteriores, foram premiados Dom Paulo Evaristo Arns (1997), Pastoral Carcerária da Arquidiocese de São Paulo (1998), Movimento Nacional de Meninos e Meninas de Rua e Hélio Bicudo (1999), Irmã Dolores e Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos (2000), União de Mulheres - Projeto "Promotoras Legais Populares" e Revista Sem Fronteiras (2001), e o Fórum dos Ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo (2002).

União e Olho Vivo

Pela primeira vez desde sua criação, o Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos contempla o direito à cultura. O Teatro Popular União e Olho Vivo é um dos mais antigos grupos teatrais do Brasil e há quase 30 anos desenvolve experiências culturais com as comunidades carentes.

Nascido como Teatro do Onze - referência ao Centro Acadêmico XI de Agosto da Faculdade São Francisco-USP, onde foi fundado - e reconhecido nacional e internacionalmente por um público superior a três milhões de pessoas, em mais de 3,5 mil apresentações, o Teatro Popular União e Olho Vivo tem na bagagem várias premiações da crítica teatral brasileira e do exterior.

As encenações - a maior parte em bairros periféricos de São Paulo - são inspiradas na arte popular brasileira como o Carnaval, o bumba-meu-boi, o circo, o futebol e a literatura de cordel.

Waldemar Tebaldi

O prefeito licenciado de Americana, Waldemar Tebaldi, é médico e foi perseguido pelo regime militar. Preso em 1969, permaneceu no cárcere da ditadura por onze meses, exercendo a medicina ao auxiliar os outros presos. Foi torturado e nunca abdicou da defesa da liberdade, respeito à dignidade e dos interesses do povo. A trajetória de Waldemar Tebaldi, a prisão e a tortura foram reconhecidas pela Comissão Especial de Indenização aos Ex-Presos Políticos.