Greve de servidores do TJ e projeto do Poder Executivo são tema de debate


27/07/2020 17:00 | Tribuna Virtual | Luiz Rheda - Foto: Sergio Galdino

Tribuna Virtual<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-07-2020/fg251879.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Tribuna Virtual<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-07-2020/fg251880.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Tribuna Virtual<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-07-2020/fg251881.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Na tarde desta segunda-feira (27/7), a greve deflagrada por servidores estaduais após determinação do Tribunal de Justiça de São Paulo para o retorno das atividades presenciais e um projeto de lei proposto pelo governo do Estado repercutiram durante a Tribuna Virtual.

O deputado Carlos Giannazi (PSOL) criticou a decisão da Corte estadual. "Nós estamos no auge da crise sanitária e o governo está flexibilizando demais e expondo a população à morte. Agora, no mesmo sentido, o TJ determinou a volta ao trabalho presencial a partir desta segunda", disse, ao explicar que, durante a quarentena, os servidores mantiveram a prestação de serviço à população por meio de trabalho remoto.

O parlamentar também falou sobre o Projeto de Lei 66/2020, apresentado pelo governador João Doria. A proposta, que altera a legislação referente à Carteira de Previdência das Serventias não Oficializadas de Justiça, recebeu parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação e está pronta para ser votada em Plenário.

"Esse projeto vai sequestrar recursos da carteira previdência dos cartorários aposentados ou que estejam trabalhando. O fundo com os recursos tem que ser preservado para pagamento de aposentadorias e pensões. Do contrário, não há razão dele existir", disse, ao explicar que pedirá ao presidente da Alesp, deputado Cauê Macris, a devolução da proposta ao Poder Executivo.