Problemas estruturais afligem zona leste da capital


24/06/2010 21:52

Compartilhar:

 <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2010/AudPubSMiguelPaulistaZED_8840.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A zona leste da Região Metropolitana de São Paulo tem dois núcleos: a Região Leste 1, região administrativa estabelecida pela Prefeitura de São Paulo englobando as subprefeituras da Penha, de Ermelino Matarazzo, de Itaquera e de São Mateus, e a Região Leste 2, região administrativa que engloba as subprefeituras do Itaim Paulista, de Guaianases, de São Miguel Paulista e da Cidade Tiradentes. De acordo com o censo de 2000, a Região Leste 1 tem uma população de 1.552.070 habitantes e renda média por habitante de R$ 875,90. É uma região diversificada, tanto comercial, quanto residencial, que está em desenvolvimento, passando por processos de urbanização e regularização de áreas risco (favelas), canalização de córregos e do rio Aricanduva, além da verticalização. A Região Leste 2, segundo o mesmo censo, tem uma população de 1.169.815 habitantes e renda média por habitante de R$ 625,26. É a região com renda per capita mais baixa do município.

Os maiores problemas identificados são referentes à ligação regional, demandando a implementação de vias expressas e meios de transporte que reduzam os custos de deslocamento de pessoas e bens, e o acesso à educação de qualidade, especialmente a profissional de nível médio e superior. Também é relevante a necessidade de mais investimentos geradores de empregos e riquezas.



São Miguel Paulista



A subprefeitura de São Miguel Paulista, uma das 31 subprefeituras da cidade de São Paulo, é composta por três distritos: São Miguel Paulista, Jardim Helena e Vila Jacuí, que somados representam uma área de 24,3 km2 habitada por mais de 377 mil pessoas.

A área territorial do distrito representa a porção remanescente da sesmaria concedida em 1580 aos índios cristãos de Ururaí. A catedral de São Miguel conserva ainda as paredes de taipa de pilão erguidas no século XVII.