Em homenagem aos músicos, sessão solene combina espetáculo e reivindicações


19/06/2009 18:41

Compartilhar:

Roberto Bueno, Rodolfo Costa e Silva e Mario Henrique Oliveira <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/SOLMUSICOSmesa11ROB.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Homenagem aos músicos na Alesp<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/SOLMUSICOSGERALROB_1157.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>  <a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/06-2009/SOLMUSICOSROB_1155.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Os músicos agradeceram com música a homenagem prestada pela Assembleia Legislativa na sessão solene dedicada a eles realizada nesta sexta-feira, 19/6, por iniciativa do deputado Rodolfo Costa e Silva (PSDB). "Na verdade, os músicos é que estão homenageando o Parlamento paulista", disse Rodolfo, referindo-se às diversas apresentações intercaladas à manifestação de representantes da categoria.

O roteiro incluiu a apresentação do hino nacional pela Camerata da Polícia Militar (violas, violinos, violoncelo e contrabaixo, sob a regência do 2º-tenente Ismael Alves de Oliveira); uma seleção de clássicos da bossa nova em arranjo para o conjunto Violinos Show (cordas, sopro e acordeão); o Coral da Emily, com cerca de 40 vozes masculinas, femininas e infantis; e uma aula de instrumento com Robson Miguel, que, ao imitar diversos instrumentos nas cordas, provou que o violão pode ser uma orquestra.

Mas a sessão no plenário Juscelino Kubitschek foi palco também para pronunciamentos que reforçaram a necessidade de mudanças e de trabalho conjunto para valorizar a atividade e a educação musical.



Ensino da música nas escolas



"Este é também um evento na nossa batalha para reintroduzir o ensino da música nas escolas. Porque, com isso, estaremos trabalhando também em favor da cidadania, da educação, de uma política social para os nossos jovens", disse Rodolfo.

O deputado revelou sua disposição de continuar trabalhando junto às secretarias estaduais da Cultura e da Educação para promover o retorno do ensino musical ao currículo escolar. Ele é presidente da Frente Parlamentar em Apoio à Inclusão da Música nas Escolas Públicas e autor do Projeto de Lei 793/2003, pelo qual a prática musical passa a compor, obrigatoriamente e independente da grade de educação artística, o currículo escolar da educação básica das escolas públicas de ensino médio e fundamental.

"Vamos lutar muito por isso. Mas quem tem que dar aula de música são os músicos. Não adianta ter um diploma de bacharel se não for específico de música", disse o presidente da Ordem dos Músicos do Brasil/Conselho Regional do Estado de São Paulo, Roberto Bueno. Segundo ele, há cerca de 57 mil músicos inscritos na ordem paulista, muitos deles desempregados ou tendo que recorrer a outras ocupações.

Representando o setor industrial, Anselmo Rampazzo, presidente da Associação de Fabricantes de Instrumentos Musicais do Brasil, afirmou que a proposta do governo federal para inclusão de música nas escolas, sem regulamentação, "não contempla um pacote mínimo de instrumentos no currículo, nem sua procedência". Como resultado, ele afirmou que diversos Estados estão importando instrumentos da China.

"E a educação musical não pode ser só pro forma, tem de ter método e qualidade", completou o maestro Aldo Barbieri. Para ele, o ensino musical equivale a um investimento na inteligência dos jovens. Além disso, o maestro afirmou que se faltar apoio aos profissionais da música, haverá evasão de talentos, que irão buscar no exterior o reconhecimento que não tiveram no Brasil.