Moção ao presidente da Petrobrás pede abertura de negociações com trabalhadores

Petroleiros estão organizando greves-surpresa em várias unidades da empresa
14/09/2001 17:27


DA ASSESSORIA

A deputada estadual Maria Lúcia Prandi (PT) dirigiu uma moção ao presidente da Petrobrás, Henri Philippe Reichstul, pedindo a imediata abertura de negociações com os empregados da empresa em torno da pauta de reivindicações apresentada no final do mês de julho. "A demora em negociar causa desgastes desnecessários entre os trabalhadores e pode acarretar conseqüências que a empresa tem a responsabilidade de evitar", afirmou a parlamentar.

Prandi também manifestou solidariedade aos petroleiros, que estão organizando greves-surpresa nas diversas unidades da Petrobrás. Na quarta-feira pela manhã, no horário de entrada do pessoal do turno e administrativo, os funcionários da refinaria Presidente Bernardes, de Cubatão, paralisaram o trabalho por quase duas horas. Simultaneamente, os petroleiros também cruzaram os braços nas refinarias de Caxias, Manaus e Porto Alegre.

"A Petrobrás está sendo irresponsável, pois sequer chamou os trabalhadores para conversar", sustenta a deputada. "A empresa não deve subestimar a capacidade de organização e mobilização dos petroleiros".

As principais reivindicações da categoria são reposição salarial de 9%, referente à inflação dos últimos 12 meses; produtividade de 17,41%; cancelamento das punições e demissões; fim das discriminações; fim dos acidentes; abertura de concurso público e redução da jornada de trabalho, entre outros itens. A pauta também inclui o Fundo de Previdência (Petros) que, segundo a categoria, precisa ser saneado e ter a presença dos trabalhadores na gestão.

"A abertura de um canal de entendimentos é o caminho lógico, racional e natural, em respeito àqueles que constroem, no cotidiano, a grandeza da Petrobrás", conclui a deputada.