Opinião - Fora Temer, fora reformas e Diretas já!


13/06/2017 14:50 | Carlos Giannazi

Compartilhar:


Todos sabem, principalmente aqui em São Paulo, que Temer sempre foi um homem de negócios, um homem do submundo da política. E ele está capitaneando um movimento organizado por bandidos e corruptos. É uma verdadeira quadrilha que tomou conta do Planalto Central. Agora, sua situação como presidente se tornou insustentável. Não há condição alguma de governabilidade e praticamente toda a sociedade defende sua saída. O Fora Temer se tornou um movimento nacional que inclui até a Rede Globo. Simplesmente não dá mais.

Mas, muito além da saída de Temer, o que nos preocupa é a questão das reformas. Eu fiquei assustado no dia 6 de junho, porque enquanto estava ocorrendo o julgamento no TSE da chapa Dilma-Temer, a Comissão de Assuntos Econômicos do Senado aprovava a Reforma Trabalhista, em uma votação apertada de 14 votos a 11. Agora o texto, que já foi aprovado pela Câmara dos Deputados, deve passar por mais duas comissões e depois seguir ao Plenário do Senado.

Parece que há um consenso entre as elites econômicas, os banqueiros, os rentistas e os meios de comunicação de massa, de que em qualquer cenário devem ser mantidas as reformas Trabalhista e da Previdência, duas reformas antissociais e antipopulares que tiram direitos históricos dos trabalhadores.

Uma propaganda de televisão paga pelo governo diz que a Reforma Trabalhista vai modernizar as relações de trabalho. É tudo mentira. Se a reforma for aprovada no Senado, nós seremos remetidos ao passado, a uma situação que beira a semiescravidão. Por isso, quase todos os representantes da Justiça do Trabalho são contra esse retrocesso medieval.

E da Reforma da Previdência nem se fala. Não é reforma, é a destruição da Previdência Social. O que acontece é que o capital, neste momento de crise, está atacando os fundos públicos, e a Reforma da Previdência é na verdade a transferência de uma soma enorme para os especuladores da dívida pública. E também saem lucrando as empresas de previdência privada, que vão ganhar muito dinheiro sem oferecer nenhuma garantia para as pessoas que contribuem. Se elas quebram, por má gestão ou má-fé, os contribuintes ficam sem nada.

Por isso nossa luta não é só Fora Temer. É fora todos os corruptos e eleição direta para presidente da República. Porque se esse Congresso escolher um novo presidente, vai escolher alguém que dará continuidade ao verdadeiro saque que essas reformas representam contra o povo brasileiro, seja Henrique Meirelles, Carmen Lúcia, Rodrigo Maia, Tasso Jereissati, Nelson Jobim... Estão buscando um nome de confiança do mercado, dos rentistas e dos especuladores para dar continuidade à retirada de direitos sociais, trabalhistas e previdenciários.

Vamos usar as redes sociais para denunciar os parlamentares que estão votando com a lógica do mercado e ignorando os direitos do povo. Mas será através das manifestações, da ocupação das ruas e do Parlamento que vamos barrar as reformas antidemocráticas pautadas pelas grandes empreiteiras, pelos bancos e pelo agronegócio.

Carlos Giannazi é deputado pelo PSOL