Alesp aprova projetos de lei que beneficiam pacientes com diabetes


11/01/2018 16:57 | Da redação

Imagem ilustrativa (Flickr)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-01-2018/fg216201.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Dois projetos de lei aprovados na Assembleia Legislativa de São Paulo tratam do cuidado e do tratamento com a diabetes, doença que a cada seis segundos mata uma pessoa no mundo, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O Projeto de Lei 557/2017 obriga que nas escolas de educação infantil e fundamental exista uma pessoa treinada para realizar testes de glicemia capilar e administrar insulina, caso necessário, nos alunos diabéticos. O exame, mais conhecido como teste da gotinha ou ponta de dedo, permite acompanhar os níveis de glicose no sangue ao longo do dia.

Para o autor da medida, deputado Celso Nascimento (PSC), a proposta traz tranquilidade aos pais ao garantir acompanhamento e cuidados aos seus filhos diabéticos no ambiente escolar. "Geralmente são os pais que fazem essa administração, e muitas vezes eles trabalham. Há casos em que a mãe fica impossibilitada de trabalhar porque precisa atender a criança, e a dificuldade financeira do casal é grande", explicou. O texto do projeto prevê que o treinamento seja realizado por profissionais de saúde ou por instituições da área, sem custo ao Estado.

Além disso, o Projeto de Lei 964/2016, de autoria do deputado Fernando Cury (PPS), obriga a realização de testes de glicemia capilar nos alunos do 6º ano do ensino fundamental e do 1º ano do ensino médio da rede estadual de educação. O parlamentar coordena a Frente Parlamentar de Combate à Diabetes e considera a iniciativa importante para identificar os portadores da doença, proporcionando-lhes uma melhor qualidade de vida. "O diabetes é silencioso. No Brasil, 14 milhões de pessoas possuem o problema, mas apenas 50% têm conhecimento", comentou.

Ambos os projetos foram aprovados no último dia 27/12 e aguardam sanção do governador.