Vacinação contra a febre amarela e ações contra a hanseníase ocorrerão em estações da CPTM


15/01/2019 16:14 | Campanha | Luiz Rheda

Compartilhar:

Imagem ilustrativa (fonte: Flickr)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-01-2019/fg229381.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) dará continuidade à campanha de vacinação contra a febre amarela essa semana. Para receber atendimento, é necessário apresentar documento com identificação, e se possível a caderneta de vacinação atualizada, nas estações Piqueri e Pirituba (Linha 7 " Rubi) ou Guaianases (Linha 11 - Coral).  

Em Pirituba, a ação aconteceu na segunda e na terça-feira . Na quarta-feira (16/1) os usuários poderão receber a vacina na Guaianases, das 10h às 15h. A imunização na Piqueri ocorrerá na quinta-feira (17/1), das 10h às 12h ou das 13h30 às 15h.

A iniciativa da Prefeitura de São Paulo, promovida pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS) Moinho Velho e Vila Zatt e pela Unidade de Vigilância em Saúde (Uvis) de Guaianases, deve-se à maior proliferação do mosquito transmissor da doença durante o verão.

O Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria da Saúde registrou 503 casos de febre amarela no Estado de São Paulo no ano de 2018, até o início de dezembro.

Prevenção da hanseníase

A parceria entre o município e a CPTM também realizará uma ação de conscientização sobre a hanseníase para os passageiros que transitarem pela estação Jurubatuba (Linha 9 - Esmeralda da CPTM), fazendo parte da campanha Janeiro Roxo. Nesta quarta-feira (16/1), das 8h às 16h, haverá cartazes e panfletos explicativos sobre a doença, e os usuários poderão esclarecer dúvidas diretamente com profissionais de saúde.

Os sintomas mais comuns da hanseníase são manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele e perda de sensibilidade ao calor, frio e toque. A moléstia infectocontagiosa tem cura, mas se diagnosticada tardiamente pode deixar sequelas irreversíveis, como cegueira. Atualmente o tratamento é gratuito e oferecido pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

No último domingo do mês de janeiro é comemorado o Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase, instituído pela Lei federal 12.135/2009. Segundo o Ministério da Saúde, em 2016 o Brasil registrou 25,2 mil casos de hanseníase - número que representa 11,6% do total mundial de novas ocorrências.

A Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) também participa da campanha, em parceria com as concessionárias de rodovias. Durante o mês de janeiro, a mensagem "Janeiro Roxo - todos contra a hanseníase" será exibida em painéis luminosos, nas principais vias.