São Paulo inicia vacinação contra o sarampo e a poliomielite


06/08/2018 18:46 | Saúde | Léo Martins

Imagem ilustrativa (fonte: Pixnio)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-08-2018/fg226480.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Crianças de um a cinco anos de idade são o público-alvo da campanha nacional de vacinação contra o sarampo e a poliomielite, que começou esta semana. As vacinas estarão disponíveis nas unidades básicas de saúde até o dia 31/8. As crianças devem tomar duas doses da vacina: aos 12 meses (tríplice viral) e aos 15 meses (tetra viral). Pessoas que já tiveram sarampo ou poliomelite também devem se vacinar, pois a vacina tríplice viral imuniza contra outras doenças.

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de São Paulo, por meio da Coordenação de Vigilância em Saúde (Covisa), esclareceu que no momento não há surto, epidemia ou caso confirmado de sarampo residente na capital.

Crianças de outras faixas-etárias e adultos que não foram vacinadas anteriormente também deverão se vacinar, seguindo o esquema:

5 a 29 anos: devem receber duas doses da vacina tríplice viral, com o intervalo mínimo de 30 dias;

30 até 58 anos de idade comple­tos neste ano (nascidos a partir de 1960): devem receber apenas uma dose da vacina tríplice viral.

Mesmo o continente americano tendo sido considerado livre da doença viral aguda em setembro de 2016, o Brasil registrou a circulação do vírus do sarampo nos Estados de Roraima e Amazonas em fevereiro deste ano.

Doenças

O sarampo tem transmissão respiratória, por meio das secreções expelidas ao tossir, espirrar ou falar. É uma doença viral aguda com alto potencial de transmissão e que pode resultar em complicações graves, como pneumonia, encefalite e otite média. O quadro clínico caracteriza-se por febre alta, manchas vermelhas no corpo, tosse, coriza e conjuntivite.

A poliomielite é transmitida por água e alimentos contamina­dos ou por contato com pessoa infectada. Pessoas infectadas com o poliovírus podem não ficam doentes ou apresentar sintomas. No entanto, aquelas que ficam doentes desenvolvem paralisia, que pode ser fatal. O tratamento inclui repouso, adminstração de analgésicos e controle da temperatura corporal.

A campanha nacional irá até o final do mês, mas a vacina contra o sarampo ficará disponível durante todo o ano nos postos de saúde.

O Ministério da Saúde espera vacinar 11,2 milhões de crianças no país, sendo que a meta é alcançar pelo menos 95% dessa população.