Pesquisadores apontam prejuízos que virão com desmonte de institutos

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
29/09/2020 14:34 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Carlos Giannazi

Compartilhar:

Carlos Giannazi (2º à dir.)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-09-2020/fg255224.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Em live transmitida pela Rede Alesp, em 24/9, Carlos Giannazi (PSOL) deu voz aos pesquisadores dos institutos atacados pelo Projeto de Lei 529, entre eles João Paulo Teixeira, presidente da APqC. Para ele, o PL de Doria é a pá de cal em uma crise que já vem há anos. "Não há concursos. Os institutos estão com 40% de seus cargos vagos."

A bióloga Inês Cordeiro vê a fusão dos institutos de Botânica, Florestal e Geológico como um segundo golpe à pesquisa de espécies vegetais, uma vez que o Jardim Botânico está em processo de concessão. "Teremos de pedir licença para coletar espécimes", lamentou.

A ecóloga Helena Lutgens teme o fim da colaboração entre o Instituto e a Fundação Florestal, o primeiro voltado à pesquisa e a segunda, à gestão das áreas de proteção e extração.

Engenheiro civil e ambiental, Paulo Fernandes destacou a consultoria técnica que o Instituto Geológico oferece para órgãos públicos como a Defesa Civil, que se baseia em estudos de solo para fazer a gestão de riscos e desastres. Como essas mensurações dependem de tecnologia, é importante reinvestir em equipamentos, o que deixará de acontecer se as receitas do instituto forem sequestradas pelo Estado, conforme prevê o PL 529.

"A Sucen impediu que o surto de febre amarela de 2017 atingisse a capital", afirmou o biólogo Horácio Telles, alertando que o impacto econômico de uma doença descontrolada é imensamente maior do que qualquer economia que o PL 529 possa trazer.