Soluções caseiras ajudam a repelir mosquitos


15/02/2019 18:26 | Serviço | Ines Jordana

Compartilhar:

Imagem ilustrativa (fonte: www.libreshot.com)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-02-2019/fg230198.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

Misturas caseiras prometem acabar com ou ao menos diminuir a quantidade de mosquitos que insistem em incomodar pessoas e animais, principalmente nas épocas de temperaturas mais altas. Mas será que essas receitas seguidas em casa têm a mesma eficiência com mosquitos transmissores de doenças?

Especialistas ouvidos pela BBC News Brasil orientam que a utilização de produtos industrializados traz melhores resultados no combate a insetos como Aedes Aegypti e Anopheles, responsáveis pela transmissão de doenças como dengue, zika, chikungunya, febre amarela e malária.

Segundo o médico derma­tologista Vidal Haddad Júnior, da Faculdade de Medicina de Botucatu da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), misturas e repelentes caseiros podem até afastar mosquitos comuns, mas não por muito tempo. Usando como exemplos a citronela, a andiroba, o alho e as vitaminas do Complexo B, ele explicou: "Todas essas receitas são repelentes, em maior ou menor intensidade. Se for para afastar os pernilongos comuns, do gênero Culex, até funcionam por um tempo, mas não atuam contra os mosquitos Aedes e Anopheles".

Cuidados em casa

Meios de evitar a presença e a proliferação desses insetos já são de conhecimento de todos. Evitar o acúmulo de água limpa parada em garrafas, tonéis e depósitos, pratinhos de vasos de plantas, assim como observar vasos sanitários em banheiros não usados, bandejas externas de geladeiras, lixeiras e outras superfícies são cuidados que precisam ser observados diariamente.

Uma cartilha elaborada por pesquisadores do Laboratório de Bioprospecção de Recursos Regionais da Universidade Federal do Ceará (UFC) explica que a borra de café e a água sanitária podem ser usadas nesses recipientes, mesmo se ainda houver água acumulada. Se usar a borra de café, serão necessárias duas colheres para cada litro de água; no caso da água sanitária, orientam-se 40 gotas " o equivalente a uma colher de sopa.

"Essas duas misturas podem ser utilizadas em locais que acumulam líquido, como plantas " principalmente bromélias " e vasos, já que elas não serão prejudicadas", explicou a farmacêutica e bioquímica Ana Carvalho. Mas fez um alerta: essas soluções não devem ser usadas em água para consumo ou recipientes como caixas d"água e filtros.

Segundo Ana, os pesquisadores ainda descobriram que extratos de plantas como o agrião-bravo (Acmella uliginosa), a alfavaca (Ocimum basilicum), o capim-santo (Cymbopogon citratus), a erva-cidreira (Melissa officinalis), a hortelã (Mentha spicata), o mastruço ou mastruz (Coronopus didymus) e o limão (Citrus limonum) podem agir no controle de larvas deixadas por fêmeas do mosquito da dengue.

As ervas podem ser utilizadas na forma de chá ou extrato. A cada três xícaras de chá de folha, deve-se adicionar um litro de água e ferver por 15 minutos. Para obter o extrato, é necessário triturar três xícaras de chá de folha e acrescentar um litro de água. A cartilha orienta deixar o material de molho de um dia para o outro, agitando sempre que possível. "Esses produtos devem ser colocadas nos locais onde os mosquitos costumam depositar seus ovos, como plantas, vasos, pneus velhos e garrafas vazias", orientou Ana Carvalho.

O texto ainda afirma que, embora não haja comprovação científica, plantas com odor forte como o alecrim, a arruda, o jasmim e o manjericão podem ajudar a repelir esses insetos.