Questionamento sobre mudança das siglas a.C e d.C nas escolas

As matérias da seção Atividade Parlamentar são de inteira responsabilidade dos parlamentares e de suas assessorias de imprensa. São devidamente assinadas e não refletem, necessariamente, a opinião institucional da Assembleia Legislativa de São Paulo.
04/09/2020 12:35 | Atividade Parlamentar | Da assessoria do deputado Tenente Nascimento

Compartilhar:

Leticia Aguiar e Tenente Nascimento<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-09-2020/fg253933.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

O deputado e pastor Tenente Nascimento (PSL) usou a tribuna da Alesp, nesta terça-feira (1/9), para cobrar do governo paulista explicações sobre uma aula de história dada pela professora Luize Coutinho, transmitida pelo Centro de Mídias da Secretaria da Educação do Estado, em que a servidora afirma que a pasta deixou de fazer referência ao nome de Cristo nos materiais pedagógicos ao se tratar da contagem do tempo histórico.

"A Secretaria da Educação decidiu que vai usar essas siglas AEC (Antes da Era Comum) e EC (Era Comum), é o que conhecemos como d.C (depois de Cristo) e a.C (antes de Cristo). Como Cristo é uma referência religiosa e a gente sabe que nem todas as religiões têm Cristo como uma referência, e como tem pessoas que não têm uma religião, então a gente prefere usar esse termo porque é um pouco neutro", disse a professora.

O deputado afirmou que por meio de uma Moção de Repúdio protocolada na Casa solicitou a retirada da referida aula do Centro de Mídia.

João Doria se manifestou em sua conta no Twitter esclarecendo que não há mudança no padrão adotado pela Secretaria da Educação quanto ao uso das siglas a.C e d.C, e que qualquer fala ou texto que altere esse conceito não representa o posicionamento do governo de São Paulo.

"Mesmo assim isso não exclui o mal que essa professora já causou. Não falou por si, ela falou pela Secretaria da Educação. Nós temos que coibir esses atos. Peço que o Governo também venha a público dar resposta sobre esse absurdo a essa Casa de Leis", declarou Tenente Nascimento na tribuna.