Fevereiro Laranja alerta sobre a importância do diagnóstico precoce da leucemia


07/02/2019 16:26 | Campanha | Laysla Jacob

Imagem ilustrativa (fonte: freepik)<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-02-2019/fg229929.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A conscientização é o principal caminho para o diagnóstico precoce e tratamento da leucemia. A campanha Fevereiro Laranja surgiu para alertar a população sobre a doença e a importância da realização de exames para que o diagnóstico se dê o mais rapidamente possível. Segundo dados do Instituto Nacional de Câncer (INCA), somente em 2018 foram estimados 10.800 novos casos de leucemia no país, sendo 5.940 em homens e 4.860 em mulheres.

A leucemia é um tipo de câncer que ocorre quando células no sangue começam a se multiplicar de modo descontrolado, rompendo com o equilíbrio no organismo. Também conhecida como um dos tipos de câncer no sangue, a leucemia atinge a produção de glóbulos brancos que surgem a partir da produção de novas células na medula óssea. Para combater a doença, é recomendado desde o tratamen­to por medicação quimioterá­pica até o transplante de medula óssea.

São 12 tipos de leucemia e os sintomas podem variar bastante. De um modo geral, alguns sinais como sangramento, desmaios, vômitos, manchas no corpo, dores nas articulações e perda de peso podem significar que um diagnóstico adequado é necessário. Um dos exames realizados para constatar a doença é o hemograma, realizado por meio da coleta de sangue do paciente. O INCA alerta, no entanto, que apesar de os pacientes que desenvolvem leucemia não apresentarem fatores de risco que possam ser modificados, o recomendado pelo instituto é evitar o tabagismo. Fumar é um fator externo de risco para diversos tipos de câncer.

É recomendado que perio­dicamente sejam realizados exames para que seja diagnosticado ainda no início da doença. Em casos em que se apresentam sintomas como os descritos, busque uma unidade de saúde.

Doe medula óssea

O transplante de medula óssea é uma forma de tratamento da leucemia e é indicado em casos de alto risco. Em um primeiro momento, são examinados os familiares de primeiro grau do paciente em busca de compatibilidade. Caso não ocorra, é registrada a necessidade em um banco de medula.

Para os doadores volun­tários, são feitos exames que também são anexados em um banco. No momento em que surge a compatibilidade entre o doador e o paciente, é realizado o procedimento de coleta do material. A doação é importante, pois a chance de encontrar doadores compatíveis é relativamente baixa.