Embaixadora da Paz participa de evento na Alesp


14/06/2019 13:04 | Encontro | July Stanzioni - Foto: TV Alesp

Mesa do evento<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-06-2019/fg235875.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a> Veruska Rodrigues<a style='float:right' href='https://www3.al.sp.gov.br/repositorio/noticia/N-06-2019/fg235874.jpg' target=_blank><img src='/_img/material-file-download-white.png' width='14px' alt='Clique para baixar a imagem'></a>

A embaixadora humanitária da Paz do Parlamento Mundial, Veruska Rodrigues, esteve na sexta-feira (14/6) na Assembleia Legislativa, para conduzir o evento "Parlamento Mundial de Segurança e Paz" promovido em conjunto com o deputado Coronel Nishikawa (PSL).

O Parlamento Mundial atua em conjunto com a Organização das Nações Unidas, interferindo politicamente na definição de ações de incremento da paz e de combate à fome, injustiças e miséria. A instituição interveio em conflitos diplomáticos e militares na Turquia e Chipre, Uganda, Angola e Oriente Médio, entre outros países e regiões.

O presidente do Parlamento Mundial para Segurança e Paz, Celso Dias, explicou como foi a atuação nessa questão. "Solicitei a prisão junto ao tribunal penal internacional do presidente Bashar Al Assad, por genocídio infantil com testes de armas químicas. A partir daí o nosso embaixador no Iraque, Síria e Líbano iniciou o translado dos refugiados do campo de refugiados que se encontra no Iraque", contou.

Caráter emergencial

A ajuda da ONU foi fundamental nesse processo. "Difícil foi a verba para levá-los daqueles locais. Na época entramos em contato com Ban Ki-moon (ex secretário geral da ONU), passamos o relatório e após meu pronunciamento no Líbano, de que teríamos de fazer esse translado em caráter emergencial, diante da morte de 500 crianças (chegou a 25 mil, segundo levantamento feito posteriormente), a ONU liberou a verba para assistência médica, odontológica e psicológica e de reintegração social", acrescentou.

O combate à violência e à desigualdade social também foi lembrado durante o evento. O deputado Coronel Nishikawa (PSL) foi um dos homenageados no evento e lembrou da importância do olhar às comunidades periféricas. "Tudo isso é uma preocupação em trazer a juventude para o nosso lado, poder dar melhor educação e melhor assistência. O que falta na periferia. Normalmente ela é esquecida, mas a embaixadora Veruska faz um grande trabalho para recuperar essas crianças", comentou o parlamentar.

Em São Paulo, Veruska Rodrigues ressaltou a atuação do Parlamento Mundial para a Segurança e Paz na periferia da cidade e explicou quais ações são propostas para essas áreas. "Fazer aplicabilidade, eventos, festas. Também na área de saúde, podendo ajudar e amparar essas crianças. A segurança é um dos nossos focos principais, com o programa Agente da Lei e, no aspecto educacional, precisaram resgatar muitas coisas: os valores, o respeito à vida e a valorização daquela população como seres humanos", finalizou.

O Parlamento Mundial para a Segurança e Paz foi fundado em dezembro de 1975 sendo um Órgão não governamental da WPO observador da ONU, criado na Eco 92 na Cidade do Rio de Janeiro.